Chozen: animação adulta com temática gay no FX


chozen

Não é de hoje que o FX lança desenhos com temática adulta, como é o caso de Family Guy, American Dad e Brickleberry. A novidade é a série Chozen (que estreiou em 13 de janeiro deste ano nos EUA) que aborda a história de um rapper homossexual “branco” e suas aventuras no mundo do hip hop. Isso mesmo, a série mistura viadice com o universo da rap-music americano.

Veja o trailer:

Criada por Kernion Grant, a série conta a história de Chozen, um rapper gay que depois de sair da prisão vai usar o que aprendeu para se redimir e se tornar uma estrela do hip hop. O personagem de Chozen, cuja voz é do ator Bobby Moynihan, aborda alguns estereótipos gays, tratados com graça, mas terá aquele humor politicamente incorreto característico das produções do canal, já tendo sido criticado por “rir” dos estupros que ocorrem nos presídios. A série promete dar o que falar irritando e agradando os LGBT’s. Alguns tem elogiado o caráter musical da série.

É esperar para ver. Por aqui ainda não há data prevista, nem se sabe mesmo se vai passar no FX.

Porque ser gay não é o mesmo que ser homossexual


Título controverso, né? Mas eu tenho certeza que vocês já ouviram falar dessa expressão em alguma mesa de bar, muito provavelmente acompanhada da máxima “gay significa alegre, não é preciso ser homossexual pra ser feliz”

051654

Nada disso, a questão é muito maior que só alegria, aliás, não tem nada a ver com isso, porque a gente sabe que o que mais existe é beesha amarga e mal-amada.

Alguns anônimos que comentam aqui não me deixam mentir.

O termo gay vem do inglês e quer dizer isso mesmo, inicialmente, mas depois passou por um processo de ressignificação e se transformou numa palavra usada para designar especificamente homens e mulheres homossexuais.

E eu te pergunto: Por que essa suposta alegria foi vinculada aos homossexuais?

É aí que entra a parte que eu quero desconstruir com as senhorinhas, me fazendo valer da chamada Teoria Queer.

PREPARE-SE PARA A NABADA

PREPARE-SE PARA A NABADA

A Teoria Queer é uma corrente de pensamento criada por vários estudiosos pós-modernos, como Guacirão que sempre falo aqui no blog. Ela tem esse nome como resposta ao tom pejorativo que a palavra “queer” tem na língua inglesa.

Equivale ao nosso “bicha”/”viado” (com i mesmo, diferente do bicho) e sempre foi usada com a mesma intenção do nosso termo: Desqualificar o homossexual caricato ou assumido.

Mas o que é ser caricato?

Não sei, Max, me explica?

Não sei, Max, me explica?

Qualquer pessoa diria: A beesha caricata é a beesha afeminada, escandalosa, com comportamento sexual incontrolável e super barraqueira.

Exatamente! E isso é maravilhoso do ponto de vista social. É nessa quebra do comportamento padrão que mora a base da Teoria Queer, por isso a vinculação.

0149

Sabendo disso, essa teoria busca confrontar todas as formas bem-comportadas de pensamento, de cultura e de expressão. Pensar “queer” é pensar fora da caixinha que nos separa em homens, mulheres, homossexuais, héteros, bis ou seres de luz.

Pra essa galera, separar os indivíduos em categorias tão superficiais não dá conta de abranger toda a diversidade humana.

Tentar explicar o meu gênero e a minha sexualidade é um enorme exemplo disso. Tô mentindo?

08564874

E foi por esse motivo que o termo gay e, consequentemente, o termo queer foram vinculados ao homossexual.

São nos nossos guetos, nas nossas reuniões, que esses paradigmas culturais são quebrados com alegria e extroversão, sem a menor culpa ou medo dos olhares peremptórios da sociedade.

Seja quando um homem se veste de mulher, quando você chupa um boy no banheiro da balada ou quando uma bee é tão feminina que mal sabe a qual gênero pertence, todas essas são formas de botar pra foder com a lógica hegemônica do comportamento.

Isso quer dizer que se ser gay ou queer apenas se refere a um comportamento controverso mais frequente nas comunidades homossexuais, e por isso não é preciso ser homossexual para ser gay, basta que se quebrem essas amarras de gênero e sexualidade.

O heterozinho com medo da pica da verdade Maximiliana

Heterozinhos com medo da pica Maximiliana da verdade

Vale lembrar que nosso famoso gaydar é todo baseado nisso, somos treinados a procurar nos outros essas variações da cultura e da lógica patriarcal para assim vincular o COMPORTAMENTO à SEXUALIDADE.

Não é à toa que quebramos a cara inúmeras vezes, principalmente quando tentamos definir beeshas carolas e cristãs, que passam incólumes.

065498

Tudo isso prova que generalizações são sempre burras… OPA! Isso foi uma generalização.

Mas e você? Tá esperando o que pra se assumir queer?

BOMBA! Alexandre Frota reafirma ter namorado com o Marco Feliciano


Além de já ter povoado o sonho de 10 em cada 10 bicha, Alexandre Frota – muso da G Magazine, ator pornô e poeta – acaba de ganhar todo meu respeito e admiração. Após ter dito no programa Morning Show, da RedeTV!,  que o pastor e deputado Marco Feliciano foi seu namorado por dois anos, esse gostoso reafirmou a revelação, sustentando a versão no programa Sábado Total. Chora:

“Eu conheço como Dumdum!”

Como não amar o Frotinha, gente?! Gosto dele ainda mais agora.

É claro que é mentira e ele só está fazendo isso pra xoxar o Feliciano, mas acima de tudo demonstra o respeito que ele tem pelo público gay que o admira e segue.

Isso é coisa de viado


VEADO-NO-LAGO

O quê?!

Sei que prometi postar amanhã, mas não resisti!

No post anterior eu disse que ia usar o resultado da enquete para fazer esse post. Mas vocês são maravilhosas demais, e o resultado foi melhor do que eu esperava.

As opiniões foram diversas nos comentários, e eu adorei a divisão de pensamentos que se formou:

  • Por um lado, o time das “respeite para ser respeitado”. Afirmam que o rapaz não é gay, que só mostra o quanto o preconceito da sociedade também nos afeta. Preconceito esse que nos faz determinar a homossexualidade do outro sem nem mesmo saber se ele sente atração pelo mesmo sexo;
  • E o outro, o time da pinta. Afirmam que o rapaz é gay sim, porque se comporta da maneira típica que os gays atléticos se comportam: Egocêntricos, exibidos e vaidosos.

Agora, será mesmo que hoje em dia ter um comportamento típico de gay é suficiente para afirmar categoricamente que alguém é homossexual?

Don't

Don’t

man-purpleNós vivemos num momento histórico no qual a sociedade também cobra dos homens que se tenha boa aparência. Claro que não chega nem aos pés do peso que as mulheres devem carregar, mas ainda sim muito maior que no passado.

Por esse motivo, eu acho um retrocesso determinar a sexualidade de alguém se baseando nesses detalhes (salvo em caso de brincadeira ou de pegação em ambiente HT, óbvio).

precPorque fazendo isso estamos alimentando o mesmo separatismo dos homofóbicos, que nos colocam, e tudo aquilo relacionado a nós, como diferentes, alijados da sociedade padrão com o nosso comportamento transgressor.

Quando nós retaliamos esse comportamento num homem hétero, estamos indo de encontro a tudo que pregamos como ideal de sociedade: o fim do preconceito.

E o que é preconceito?

Se “pré” significa “antes”, a gente pode dizer que pré-conceituar é determinar um conceito ANTES de conhecer o que se classifica.

E isso inclui também elogios, como quando você conhece aquela beesha super gente boa e fala que seu santo bateu com o dela, isso é preconceito.

Qué dizê, se a gente julga os héteros quem somos nós para reclamar quando eles nos julgam?

dedaca

heteroEnquanto ser considerado gay ainda for interpretado como uma ofensa para um hétero, nunca vamos conseguir que eles nos respeitem se agirmos da maneira como agimos no post anterior.

Sempre que eles permitem uma abertura para uma relação mais fraternal nós somos os primeiros a apontar o dedo e desconfiar da sexualidade deles.

Sem contar as que alimentam uma paixão secreta pelo hétero só porque no jogo do Flamengo ele deu um abraço nela na hora do gol. E juram de pé junto que o abraço foi com segundas intenções.

Assim não dá! (em todos os sentidos que o “dar” pode adquirir nessa expressão).

Amiga da galera

Amiga da galera

Deveríamos, o quanto antes, aprender com as mulheres. Elas se tocam, falam sobre seus corpos, ficam nuas na frente umas das outras, se comparam e ali edificam uma relação muito mais livre que a nossa, que mal permitimos que um homem hétero seja vaidoso ao ponto de se deixar admirar por outro homem.

E esse separatismo existe até nos elogios! Se um homem é sensível com sua namorada, é viado. Se entende de moda, é viado. Se admira no espelho, é viado. Se manja rola no banheirão, é viado… OPA! Nesse caso é viado mesmo.

Se repara no que os outros vestem, é viado… NÃO!

Aprendam, de uma vez por todas: Coisa de viado é dar o cu, o resto é preconceito.

é a lei

p.s.: Dar o cu foi licença poética, todo mundo aqui sabe que ser homossexual se refere apenas a se atrair pelo mesmo sexo, ponto.

O que a sociedade espera de você


conddsQuem aqui nunca se apaixonou por um boy na internet, mas quando se encontrou com ele pessoalmente, ficou decepcionada?

Não! Eu não estou falando do fato dele ter dito que “não é e não curte afeminados”, mas ser uma princesa da Disney. Me refiro à simpatia, à compatibilidade entre vocês.

Na internet é muito fácil ser quem quiser.

Naquele post “Qual é o seu tipo” (clique AQUI para ler), no qual eu peguei a classificação de um psiquiatra pra definir as personalidades de vocês (é, porque só com psiquiatra pra fazer isso), observei uma tendência às pessoas se considerarem tipo A ou B, uma mais falante que a outra, mas ambas super educadas e queridas.

Faça o favor de reler o post antes de continuar… vai! Tô esperando…

beijos

Aí fiquei pensando, baseado em quê vocês se classificaram esses tipos?

Nisso? Aposto!

Nisso? Aposto!

Enquanto tendemos a criticar nossa aparência, sempre nos consideramos mais interessantes do que realmente somos. Mas o quanto dessa parte de nós é original de fábrica e quanto é adquirida pela pressão da sociedade?

Como gays nós temos uma necessidade absurda de nos mostrarmos ser sempre mais que a maioria, de nos destacarmos. É a velha história do “ele é gay, mas… (insira uma qualidade aqui)”, ela nos persegue desde a adolescência, quando começamos a perceber que gostar do mesmo sexo é motivo para ser desclassificado, e todos os nossos erros serão primeiro atribuídos a nossa sexualidade.

Enquanto por fora temos que ser assim:

por fora

Por dentro somos assim:

por dentro

Ser beesha está ligado a ser mal-educado, depravado, escandaloso, ignorante, interesseiro, fofoqueiro e alcoviteiro. Não é coincidência serem características também atribuídas às mulheres.

Diferentemente dos héteros, esses sim quando fracassam, fracassam por si mesmos, e ninguém relaciona isso com a sua sexualidade. Em contrapartida, quando um gay é bem-sucedido, é muito mais aplaudido que um hétero, como se fosse um feito heroico.

Pensando nisso, e conversando com meu professor, chegamos à conclusão de que boa parte da nossa personalidade é resultado dessa pressão sobre como nós devemos nos portar. E existe uma dicotomia muito clara:

  • Ou você é o gay comunicativo, pró-ativo, engraçado e inteligente, que mantém a atenção da mesa toda voltada para você com seu vasto conhecimento geral;
  • Ou você é o gay tímido, calado e observador, que não se mete em discussões, e assim não corre o risco de passar nenhum vexame.

moi

Por isso que pouquíssimas pessoas votaram no “Tipo C” na enquete. Ninguém quer ser aquela pessoa, ou melhor, ninguém quer ser aquele gay.

Um homem hétero que se encaixa no Tipo C é um homem admirado. Uma vez que o Tipo C é um homem livre, desimpedido e que não leva desaforo pra casa, apesar de ser calado e fechado na maior parte do tempo. Exemplos de galãs de cinema não faltam.

Cher Hand and Footprint Ceremony - Los Angeles

Express Yourself

A gay que faz isso é apenas barraqueira. E eu escrevi o texto de modo que isso ficasse bem claro, para influenciar vocês a se colocarem na situação.

O que vocês não perceberam é que o Tipo C não tende a desenvolver nenhuma das doenças que os Tipos A e B desenvolvem. Porque o Tipo C vive baseado nos seus preceitos e não está aqui para servir de exemplo pros outros.

A partir disso eu pergunto: O quanto da sua saúde você vai sacrificar para se adequar ao padrão de quem, quando você adoecer, não vai nem passar perto do hospital para te visitar?

Cansei de carregar esse peso, Max

Cansei de carregar esse peso!

Guest Post – Plantão Neca


link-building-guest-post

Chegou a segunda-feira, feriado aqui em Vitorinha, você bebeu todas no domingo e está de ressaca, não é verdade?

Pois eu também, por esse motivo vou empurrar pela goela de vocês um Guest Post bem pornográfico. Porque eu acho que o Babado Certo está politizado demais nos últimos dias. Eu só falo de machismo nesse garáleo, cadê as putarias que dão argumento pras nossas inimigas nos chamarem de fúteis?

Quero o blog de merda de volta!

Segue o texto do F.:

andrew mc carthyEstive internado no Apart Hospital, pois tive alguns problemas de saúde, fiquei uns três dias na enfermaria aguardando uma vaga no quarto, pois o hospital estava lotado. Assim que surgiu a vaga eu já estava bem melhor e prestes a ter alta. Chegando ao meu quarto, o enfermeiro veio me cumprimentar e conversar comigo e com o meu pai que estava me acompanhando.

Logo deitei na cama e o enfermeiro chefe que era um homem muito bonito, veio me examinar e perguntou o quê sentia. Em um momento ele pediu que eu abaixasse a bermuda, ele colocou o lenço na frente, pois o meu pai estava do outro lado da cama e começou a mexer perto do meu pau.

fantasia+erotica+masculina+de+medico+realize+seu+fetiche+americana+sp+brasil__8253A_1A princípio achei normal, pois devia ser um procedimento, mas logo em seguida ele segurou na minha mão para medir meus batimentos cardíacos, e nisso ele encostou minha mão no pau dele. Pensei na hora: Pqp.

Ele acabou de fazer o que tinha que fazer e meu pai disse que ia comer algo, pois já estava muito tarde. Ele saiu junto com o meu pai. Como estava em um apartamento privativo fiquei sozinho no quarto, mas isso foi por pouco tempo, porque não demorou muito e o enfermeiro voltou.

Ele pediu para me examinar de novo e eu deixei, ele disse para abaixar a bermuda e a cueca e logo em seguida ele começou a mexer no meu pau, começou a me masturbar.

Bling_Bling_Fetish_EyemaskTive que me controlar bastante para não ficar de pau duro, mas logo ele pegou minha mão e colocou no pau dele. Não resisti, meu pau ficou super duro. Ele começou a bater um para mim e tirou o pau dele para fora (nossa que pau enorme).

Comecei a chupar ele e nisso ouvimos um barulho, ele saiu, mas logo voltou e começou tudo de novo, ele me virou de lado e começou a passar o pau na minha bunda e tive que resistir muito para na dar para, pois estávamos sem camisinha.

E voltei a chupar ele até ele gozar na minha boca. Me limpei e ficamos nos beijando, até que ele saiu.

Antes de ele sair dei meu número para ele e ele falou para eu esperar ele no próximo plantão, mas no outro dia acabai tendo alta e não vi ele e nem ele me ligou, então pensei que ele deve fazer com todo cara novinho que chega lá.

Quando estiverem passando mal já sabem aonde ir, né?

Comentário da Max:

tumblr_mgz7flWLne1rxhcsko1_500

Gente, mas o que é beesha, né? O outro mesmo doente não perdeu a oportunidade de chupar! Fico em choque com a coragem delas.

Enquanto eu pego um resfriado e nem banho tomo direito, de tão destruído que fico. Se bem que tenho uma história de hospital quinze vezes mais cabeluda que essa, mas jamais vou contar aqui, senão vocês todas perderiam o respeito por mim.

Mas dizem as más línguas que esse conto foi todo planejado e que ela está nos enganando. A imagem abaixo prova o rumor:

tumblr_mkk8wsybl41riuhgmo1_500

Agora tudo faz sentido…

Rola na boca pequena: Tradicional boate gay vai fechar!


Untitled 1Estou em choque até agora com o bafo que está rolando nas conversas de mictório.

Nada está oficialmente confirmado, mas ao que tudo indica, uma tradicional boate da Grande Vitória está com problemas financeiros e fechará as portas em breve.

Qual a casa noturna? Não faço ideia.

Só tenho um gif para explicar esse problema financeiro repentino:

pomba