Quem tem medo de travesti?


Sempre rolou no imaginário popular que “travesti é barraqueira e trans é educada”. 529505_375419995926119_386553533_n Logicamente, isso é uma máxima repleta de preconceito que se baseia num grupo pequeno de pessoas mal-educadas para julgar a classe inteira, ou seja, a nossa velha conhecida homofobia internalizada. E foi pensando nisso que fizeram um vídeo satírico sobre a visão das pessoas quando o tema travesti entra na roda de discussão, vem assistir:

“Eu boto peito, eu boto bunda, eu boto a porra toda, eu viro travestixx pra você querer me dar o koo, viado?” Aaaaaaaaahhhhhhhhhhh hahahahahahahahahahahahaa

tumblr_m0js9h3MaQ1ql5yr7o8_r2_250

OSCAR!

Hay que endurecer, pero sin perder lo truque jamás


Parou o recalque que agora eu vou mandar o papo reto: tá dando pinta, tá fabulosa? Então manda um beijo pras travestis :***. Pode ser Candy Darling, a travesti que foi musa do Velvet Underground, grupo orquestrado pelo magnânimo Andy Warhol nos anos 60; para Mina Caputo que se aventurou no heavy metal dos anos 80; ou mesmo pra Micheline Mountreuil, primeira transgênero a se candidatar a um cargo político nas Américas.

Passada com o cisrecalque das bonitas

Seja travesti, seja herói. Chaz Bono, Rogéria, João W. Nery, Laerte, Thomas Beatie. Enquanto você estava aí achando que bastava colocar uma arroba ou um x para eliminar as diferenças, esse povo todo estava aí nas ruas, sangrando na própria carne isso aí mesmo que a gente chama de gênero. Não só eles, mas essa travesti que faz ponto na esquina da sua faculdade e que você tanto menospreza.

Saiba que boa parte dos seus direitos, meu amor, foi aberta na base de muita gilete na gengiva.

É ele que sente, na pele, a violência que você, com sorte, só vai conhecer nas manchetes de jornal. Poucas chances, marginalizadas, tendo quase como opção exclusiva a prostituição. Ser gay, meu amor, é mais que dar pinta: é fazer resistência. É ser a resistência. Ser travesti, ainda mais no Brasil, é fazer do próprio corpo uma revolução.

Então, meu amor, se pegue na coreografia e vá em frente: manda um beijo pras travestis. Mais que beijo, mande cidadania. Mande respeito, mande dignidade. Porque, meu amor, sem travesti, você não é ninguém.

Transbeijos transfeministas
Tchynna Turner.

CASA DA BARTÔ – Ser travesti (para além do fetiche)


Todos sabemos como foi e é dura a vida das nossas irmãs travestis. Marginalizadas do sistema público de saúde, muitas vezes se submetem a tratamentos quase medievais para adequarem seus corpos aos desejos de suas identidades. É o que mostra o vídeo abaixo, que é um trecho de uma das famosas reportagens do jornalista Goulart de Andrade que passavam na TVS no final dos anos 1980 (essa especificamente é de 87). Nele, conhecemos a casa da travesti Bartô, famosa bombadeira (aplicadora clandestina de silicone industrial) de São Paulo da época, e as práticas de aplicação de silicone pelo corpo, a violência a qual eram submetidas por políciais e o uso de navalhas para proteção.

Atenção: as imagens são fortes!

Agora você imagina, para a pessoa se submeter a essa tortura física o tamanho que é a necessidade dessas pessoas de serem exatamente aquilo que desejam ser. Quem somos nós para julgá-las? Mesmo a pratica sendo perigosa, mais triste é ver como foram e são tratadas nesse país.

E não se engane, esses procedimentos são feitos até hoje, como mostra o documentário “Bombadeira – a dor da beleza” (que já postamos aqui).

E como vocês sabem que as bichas não valem nem a cuspida pra lubricar o edí, elas já fizeram uma paródia do vídeo, aquenda:

“Xuxu, peraí, Xuxa!”

Obrigado, Marcos.

Inauguração do Vila Velha Cineclube LGBT


dASDASD

Nesta quinta-feira (09/05) acontece a sessão inaugural do Vila Velha Cineclube LGBT. O evento ocorrerá na Academia de Letras Humberto de Campos, na Prainha, em Vila Velha.

18h30 – Quem Tem Medo de Cris Negão? (2012) – 25′ – O curta dirigido por René Guerra, conta a história de  Cristiane Jordan, ou Cris Negão, uma travesti cafetina do centro de São Paulo, conhecida por seus métodos violentos. Odiada e temida por uma legião, ela também tinha seus fãs, até ser tragicamente assassinada. O filme propõe um mergulho no universo marginal das travestis, a partir dessa figura lendária do submundo de São Paulo.

19h – O Céu Sobre os Ombros (2010) – 72′ – O filme dirigido por Sérgio Borges trata da solidão e das dificuldades da vida humana, mas também trata de como os homens criam suas saídas, suas respostas às dificuldades, sua felicidade. Ganhou 29º Festival Internacional de Cinema do Uruguay – Melhor filme documentário no 2011 e 3º Festival de Brasília de Cinema Brasileiro2010 – Melhor filme, melhor direção, melhor montagem, melhor roteiro e prêmio especial do júri (elenco).

20h20 – Bate-papo com o cineasta Rodrigo de Oliveira, de As Horas Vulgares, e com a transexual Deborah Sabará, coordenadora do Fórum Estadual LGBT do ES.

Confirme sua presença: Sessão Inaugural Cineclube Lgbt

Sempre a mesma ladainha


Essa é a notícia verdadeira, cuja foto foi usada nesse post fake (clique AQUI) que está circulando no Facebook

Não é a primeira vez que vemos casos de travestis que cometem crimes contra clientes na vida noturna. Até aí tudo bem, grupos marginalizados tendem a encontrar sua fonte de renda na criminalidade.

Mas por que cargas d’água o depoimento da vítima sempre tenta tirar o dele da reta quando o assunto é ter saído com a travesti envolvida no crime?

Cata a notícia abaixo:

coagido

Vamos pensar um pouco.

  • Segundo o pai do garoto ele foi assaltado dentro da boate: Aí já começa o primeiro problema, como alguém entra com uma arma-de-fogo numa boate? Que segurança é essa? Ainda mais uma travesti, que são famosas por esse tipo de comportamento, a atenção dada a elas na revista é sempre dobrada.
  • Depois ele diz que foi coagido a sair da boate para recuperar o aparelho, outro problema: Se a travesti estava armada e o ameaçou com uma arma-de-fogo durante todo o trajeto, numa boate lotada, como é que ninguém, absolutamente ninguém, viu essa arma na mão dela? Afinal, se a arma não estivesse o tempo todo exposta era só ele gritar um “pega ladrão” e pronto, heterozinho bombado é o que não faltaria pra embolar em cima dela ali.
  • E ainda que fosse uma faca e a arma só estivesse em casa, revistar e observar que tem um homem forte (ele é marinheiro, podemos deduzir que não é magro e baixinho) e apavorado com uma trava grudada no cangote dele que é bom, nada, né?

Aí a mãe continua, muito esperta nas analogias:

casa

Heterofobia, você não leu errado, a mãe do garoto quis comparar crimes gratuitos como o da lâmpada fluorescente e o da orelha arrancada, em São Paulo, com um crime no qual o garoto vai até a casa da travesti e passa a noite inteira lá (porque testemunhas viram o rapaz na casa dela).

Eu, heterofóbica? E o meu ganha-pão?

Eu, heterofóbica? E o meu ganha-pão?

É ilógico, ela levou o rapaz pra casa dela! Que criminoso faz isso? É assinar a própria culpa.

Mas eu não vou excluir a possibilidade de crime heterofóbico não, apesar de absurdo, sabe porquê? Por que são inúmeros os casos de gays que saem com homofóbicos de festas, fazem sexo com eles e são assassinados.

Mas vejam bem, SAEM com homofóbicos, eles sentem atração pelos rapazes e vão pra outro local por livre e espontânea vontade.

Todo respeito pela dor da família, é claro, mas custa admitir que o rapaz saiu sim com a intenção de fazer sexo com a travesti, se é que não fez, e que realmente o mais provável é que eles se desentenderam depois do sexo?

Mas não, é mais fácil criar esse estado de caos e coagir milhares de leitores a acharem que existem gays que agridem héteros simplesmente por eles serem o que são. Alguém tem que levar a culpa, sujar a honra do filho macho, jamais.

Dica do Jefferson, Fonte: O Dia