Tem que ter, tem que ter disposição…


As-cariocas

Tenho vários amigos hétero que já me perguntaram como satisfazer uma mulher, achando que existe algum truque ou macete pra esse tipo de coisa. O necessário para satisfazer, não só uma mulher, mas qualquer pessoa, chama-se: disposição. E toda vez que eu venho ao Rio, o que não me falta é disposição! Muito calor, algumas trovoadas, tempo livre e lá vou eu em mais uma das minhas aventuras…

Marquei um encontro via Facebook, afinal, conhecer pessoas nunca é demais. Como eu digo, network. Estava esperando um bolo, mas só ganhei um chá de cadeira. Tomei uma latinha pra dar aquela coragem e eis que ela aparece, toda falante e bem articulada, de início me intimidou. E o que podia fazer?? Precisava de território conhecido e nada como um barzinho pra meu me sentir em casa.

Estávamos sentados no barzinho e o dono do bar não tirava os olhos de mim, depois de duas ou três cervejas, ele se aproxima da mesa e solta: “você não tem 18 anos”. Oi? Como assim? Perguntei se ele queria provas e larguei minha identidade na mesa. Ele pega o documento, sai do bar, atravessa a rua e caminha até chegar num posto policial localizado na esquina. Nem me liguei e continuei entretida na conversa, quando de repente um PM aparece do meu lado! E eu achando que já tinha acontecido de tudo comigo, cinco anos se passaram desde a maioridade e a história sempre se repete.

Depois dessa cena, da vergonha do dono do bar e de algumas gargalhadas, minha disposição gritou novamente: “Será que já te embebedei o suficiente pra você ficar comigo?? E a resposta veio como tapa: “nem precisava disso”. Nessa noite, fiz um tour noturno pelas ruas de um bairro que ainda agora não sei o nome, entretanto isso pouco importa. A chuva veio, o alcool desinibiu e mais uma vez as cariocas botaram banca! Como nos versos cantados pelo Kid Abelha ♪ na rua, na chuva, na fazenda, ou numa casinha de sapê ♪

P.S: Eu não acredito em ativa/passiva, acredito em diversão!

SUS vai registrar casos de agressão por homofobia


Durante durante o lançamento do Sistema Nacional de Promoção de Direitos e Enfrentamento à Violência contra a população LGBT (Sistema Nacional LGBT) nesta quinta-feira (27), o Ministério da Saúde anunciou que vai tornar obrigatório o registro dos casos de violência por homofobia atendidos na rede pública de saúde. A iniciativa será aplicada a partir de agosto aos estados de Goiás, Minas Gerais e Rio Grande do Sul e, em janeiro do próximo ano, será estendida ao restante do país.

Segundo Alexandre Padilha, ministro da saúde, o preenchimento de um formulário pelo profissional que realizou o atendimento vai tornar visível a dimensão real do problema da homofobia. “É fundamental conhecer a magnitude das violências que acometem esta população, identificando quem são as vítimas, quais os principais tipos de violências, locais de ocorrência, a motivação, a oportunidade do uso do nome social, dentre outras informações”. Padilha ainda explicou que este conhecimento vai servir para a formulação e implementação de políticas públicas de enfrentamento às violências homofóbicas e políticas públicas de atenção e proteção à população LGBT.

 Na ocasião também foi apresentado um relatório sobre a Violência Homofóbica no Brasil em 2012, produzido pela Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República. O relatório aponta que, em 2012, ocorreram 3.084 denúncias e 9.982 violações de direitos humanos relacionadas à identidade de gênero. Isso representa um crescimento significativo, se comparado ao ano anterior, quando foram registrados 1.159 casos de denúncias de violência e 6.809 violações de direitos. Também houve crescimento de 183% do registro de vítimas de violência por homofobia, subindo de 1713 para 4.851. A maioria das vítimas (61,16%) tinha idade entre 15 e 29 anos. O documento foi realizado a partir da base de dados do Disque Direitos Humanos, Central de Atendimento à Mulher e 136 da Ouvidoria do Ministério da Saúde.

“O crescimento no número de denúncias mostra a confiabilidade nos sistemas que estamos instituindo e produzindo no Brasil”, observou a ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Maria do Rosário. Segundo ela, o recebimento dessas acusações configura um passo importante porque resulta em atitudes. “Quando recebemos estas denúncias, temos que mover uma rede de proteção e atendimento às vítimas”, complementou a ministra.

O Sistema Nacional LGBT servirá para qualificar e ampliar o atendimento à população LGBT, familiares, amigos e vítimas da discriminação, além de potencializar ações nas áreas de direitos humanos, segurança pública e assistência social. Pretende-se integrar todas as entidades existentes no país, mas que funcionam de forma desarticulada também, e construir um tripé formado pelos conselhos, coordenadorias e planos estaduais e municipais LGBT.

Escola de Vila Velha promove oficina em respeito aos gêneros


Para incentivar o respeito à diferença de gêneros, a Escola Estadual Silvio Rocio, em Vila Velha, desenvolveu a “Oficina Questão de Gênero”. O projeto conta com a participação de alunos do 6º ao 9º ano do ensino fundamental. A atividade foi realizada por meio do projeto Coordenadores de Pais.

A ideia surgiu da necessidade de promover uma maior integração entre os estudantes. Durante um mês, aproximadamente, eles realizaram diversas atividades conjuntas em sala de aula, com o objetivo de levar os participantes a entender como lidar com o outro.

A coordenadora de pais da escola, Oneida de Souza, que é uma das organizadoras do projeto, explica a importância de ações como esta para a formação dos estudantes. “A nossa ideia é fazer que os alunos saibam que existem igualdades e diferenças entre os gêneros e respeitá-los, não só dentro como fora escola. É fazer com que eles vejam que são capazes de ser melhores”, conta.

Para encerrar os trabalhos, no dia 14 de junho vai acontecer um evento onde serão exibidos os trabalhos desenvolvidos pelos estudantes. A apresentação será aberta à comunidade e os pais poderão ver as atividades que os filhos realizaram em sala de aula.

A coordenadora destaca o papel do diálogo entre pais e escola. “Quando os filhos são estimulados e os pais participam, os alunos conseguem enxergar a importância da escola e o desenvolvimento é muito melhor”, finaliza.

Implantado em 2012 em 15 escolas da região do Programa Estado Presente, o projeto Coordenadores de Pais conseguiu bons resultados em todos os quesitos. Dos alunos atendidos, 711 (61%) melhoraram o comportamento, 634 (55%) tiveram melhor desempenho escolar, 1.022 (69%) reduziram as faltas e 356 (46%) que estavam vulneráveis à evasão retomaram os estudos. Em 2013, o projeto chega a todas as escolas da região, totalizando 32 unidades de ensino atendidas.

O projeto é uma ação realizada em parceria com a Fundação Itaú Social e conta com o apoio da Fucape e Movimento Espírito Santo em Ação (ES em Ação). O projeto segue a experiência que foi desenvolvida pela Fundação na Zona Leste de São Paulo. Inspirado na Reforma Educacional de Nova Iorque (EUA), cada unidade de ensino conta com um coordenador de pais. Esses coordenadores, que geralmente são moradores da comunidade em que se encontra a instituição de ensino, são indicados pela direção da escola para atuar no “relacionamento escola-família”.

Fonte: Fórum Estadual LGBT-ES

Afroreggae vai além do arco íris


O Grupo AfroReggae é uma ONG que luta pela transformação social através da cultura e da arte. O objetivo inicial do AfroReggae era a mediação e integração com a população afro-brasileira, atuando principalmente na comunidade de origem de seus membros, Vigário Geral.

Depois de ir às ruas e descobrir em meio a prostituição histórias de violência e rejeição, o grupo criou o projeto chamado “Além do Arco Íris”, que se propõe a oferecer para travestis verdadeiras oportunidades que vão desde o trabalho até o sonhado respeito à diversidade.

Hoje o Afro Reggae já atua em seis comunidades: Vigário Geral, Morro do Cantagalo, Parada de Lucas, Nova Iguaçu, Complexo do Alemão e Vila Cruzeiro. Você também pode ajudar oferecendo emprego ou capacitação.  Fale com Daniela Pereira e João Paulo, coordenadores do projeto, através do telefone: (021)3095-7200 ou pelos e-mails: daniela.pereira@afroreggae.orgjoao.paulo@afroreggae.org ou empregabilidade@afroreggae.org

Fontes: http://migre.me/eEXOn

8º Piquenique por Todas as Cores do Amor


8_piqueniqueAcontece domingo (19/05), no Parque Pedra da Cebola, o clássico Piquenique por Todas as Cores do Amor organizado pelo Grupo CORES.  Em 2012, o piquenique reuniu mais de 300 pessoas em cada edição. Pegue sua toalha, quitutes, refrescos e junte-se aos amigos, amores e família, sejam eles heterossexuais, homossexuais, bissexuais, travestis ou transexuais. Vamos celebrar juntos um mundo feliz, cheio de gente diferente e de bem com a vida. O evento se inicia às 14h. O Babado Certo apoia o evento e estará presente nesta grande confraternização.

Confirme presença e saiba mais na página do evento no face.

17 de Maio e IV Marcha Nacional Contra Homofobia


944588_381159138671109_1144487424_n

Caravana Capixaba na IV Marcha Nacional Contra Homofobia

Nos dias 14 e 15 de Maio ocorreram dois eventos importantes para o Movimento Lgbt em Brasília-DF, o 10º Seminário lgbt do Congresso Nacional  e a 4ª Marcha Nacional Contra a Homofobia, que teve como tema: Em Defesa do Estado Laico, da Democracia e dos Direitos Humanos. Esteve presente a caravana coordenada pelo SINDIUPES, formada por professores e militantes de diferentes regiões do estado.

 182197_169337509893398_981690396_n Durante o Seminário o debate foi sobre a liberdade religiosa e sexual e a importância da laicidade do Estado. Líderes de diversas religiões comporam as mesas onde discutiu-se por exemplo, a questão de como é possível trabalhar diferenças culturais para garantir um Estado laico. Débora Diniz, pesquisadora do Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero declarou: “O estado laico não é um estado ateu, a laicidade garante a liberdade religiosa, assim como garante que nenhum dogma religioso interfira no direito individual”, terminou sua colocação aplaudida pelo público presente no plenário.

599462_169180859909063_1414238151_n

Enquanto Henrique Vieira, teólogo e militante dos direitos humanos, atacou fundamentalistas que pregam o ódio: “Ao inferiorizar o outro, você se torna co-responsável pela violência contra a comunidade”. Antônio Machado, representante da Comissão de Direitos Humanos da OAB manteve o tom provocador ao afirmar que “A liberdade de expressão não é liberdade para ofensa ou crime”.

431859_169337586560057_1389510797_n

Entre os participantes das mesas de debate, Padre Beto, que sem papas na língua revelou: ‘Fui excomungado por dizer que todas essas pessoas merecem ser felizes dentro da sua sexualidade humana”. O deputado Jean Wyllys encerrou sua fala pedindo “que as religiões promovam a vida”.

310118_169337696560046_469907477_n

Em vários cartazes críticas ao atual presidente da Comissão de Direitos Humanos, Marco Feliciano.

Se faz necessário deixarmos de ser o país onde “religião e futebol não se discute” e adotarmos uma postura reflexiva através da politização de nossa sexualidade. Se interesse por seus direitos, questione.O Estado  laico não persegue religiões, somos livres para exercemos nossas crenças, a laicidade deve proteger a diversidade.

969686_169173566576459_685852835_n

Caricaturas de Marco Feliciano e Dilma foram carregadas durante a marcha

Como manifestou-se Débora Diniz: “Se há doença neste debate, é a perversão da homofobia”.O evento foi de suma importância para toda comunidade gay brasileira no atual momento em que a voz das minorias tenta ser calada pela ignorância alheia. Segundo notícias, aproximadamente 4 mil pessoas marcharam da Catedral de Brasília até o Congresso Nacional.

946629_168357663324716_1431376318_n

Mais de 4 mil pessoas participaram da IV Marcha Nacional

ABr150513_ANT0795

Militantes de Florianópolis e Bahia representam vítimas de homofobia

Aproveito para agradecer a Coordenação do Coletivo Estadual de Diversidade Sexual – SINDIUPES, ao site LGBT-ES e a todos os participantes da caravana e militantes.

“Dizia ele: – Estou indo pra Brasília…


Nesse país lugar melhorar não há”. Será? Só vou poder responder quando voltar. Estou partindo, hoje, com a caravana organizada pelo Coletivo de Diversidade Sexual – SINDIUPES para IV MARCHA NACIONAL CONTRA A HOMOFOBIA E SEMINÁRIOS NO CONGRESSO NACIONAL SOBRE DIREITOS LGBT. Quando eu voltar, conto todos os babados brasilienses. Beijos a tod@s!