Isso é coisa de viado


VEADO-NO-LAGO

O quê?!

Sei que prometi postar amanhã, mas não resisti!

No post anterior eu disse que ia usar o resultado da enquete para fazer esse post. Mas vocês são maravilhosas demais, e o resultado foi melhor do que eu esperava.

As opiniões foram diversas nos comentários, e eu adorei a divisão de pensamentos que se formou:

  • Por um lado, o time das “respeite para ser respeitado”. Afirmam que o rapaz não é gay, que só mostra o quanto o preconceito da sociedade também nos afeta. Preconceito esse que nos faz determinar a homossexualidade do outro sem nem mesmo saber se ele sente atração pelo mesmo sexo;
  • E o outro, o time da pinta. Afirmam que o rapaz é gay sim, porque se comporta da maneira típica que os gays atléticos se comportam: Egocêntricos, exibidos e vaidosos.

Agora, será mesmo que hoje em dia ter um comportamento típico de gay é suficiente para afirmar categoricamente que alguém é homossexual?

Don't

Don’t

man-purpleNós vivemos num momento histórico no qual a sociedade também cobra dos homens que se tenha boa aparência. Claro que não chega nem aos pés do peso que as mulheres devem carregar, mas ainda sim muito maior que no passado.

Por esse motivo, eu acho um retrocesso determinar a sexualidade de alguém se baseando nesses detalhes (salvo em caso de brincadeira ou de pegação em ambiente HT, óbvio).

precPorque fazendo isso estamos alimentando o mesmo separatismo dos homofóbicos, que nos colocam, e tudo aquilo relacionado a nós, como diferentes, alijados da sociedade padrão com o nosso comportamento transgressor.

Quando nós retaliamos esse comportamento num homem hétero, estamos indo de encontro a tudo que pregamos como ideal de sociedade: o fim do preconceito.

E o que é preconceito?

Se “pré” significa “antes”, a gente pode dizer que pré-conceituar é determinar um conceito ANTES de conhecer o que se classifica.

E isso inclui também elogios, como quando você conhece aquela beesha super gente boa e fala que seu santo bateu com o dela, isso é preconceito.

Qué dizê, se a gente julga os héteros quem somos nós para reclamar quando eles nos julgam?

dedaca

heteroEnquanto ser considerado gay ainda for interpretado como uma ofensa para um hétero, nunca vamos conseguir que eles nos respeitem se agirmos da maneira como agimos no post anterior.

Sempre que eles permitem uma abertura para uma relação mais fraternal nós somos os primeiros a apontar o dedo e desconfiar da sexualidade deles.

Sem contar as que alimentam uma paixão secreta pelo hétero só porque no jogo do Flamengo ele deu um abraço nela na hora do gol. E juram de pé junto que o abraço foi com segundas intenções.

Assim não dá! (em todos os sentidos que o “dar” pode adquirir nessa expressão).

Amiga da galera

Amiga da galera

Deveríamos, o quanto antes, aprender com as mulheres. Elas se tocam, falam sobre seus corpos, ficam nuas na frente umas das outras, se comparam e ali edificam uma relação muito mais livre que a nossa, que mal permitimos que um homem hétero seja vaidoso ao ponto de se deixar admirar por outro homem.

E esse separatismo existe até nos elogios! Se um homem é sensível com sua namorada, é viado. Se entende de moda, é viado. Se admira no espelho, é viado. Se manja rola no banheirão, é viado… OPA! Nesse caso é viado mesmo.

Se repara no que os outros vestem, é viado… NÃO!

Aprendam, de uma vez por todas: Coisa de viado é dar o cu, o resto é preconceito.

é a lei

p.s.: Dar o cu foi licença poética, todo mundo aqui sabe que ser homossexual se refere apenas a se atrair pelo mesmo sexo, ponto.

Iguais e diferentes


Um dia fui convidado para fazer parte de uma mesa redonda, numa faculdade particular, para falar sobre o blog. Antes de mim, um dos alunos de lá fez uma apresentação sobre cultura LGBT e disse que ela era Madonna, Gaga e cia, bate-cabelo, boate, drag-queens etc. Ontem, dei uma entrevista e as pergunts sobre este tema iam de certa maneira ao encontro desde equívoco. Daí vi a necessidade de chamar vocês pra discussão deste tema.

Não há cultura LGBT. Há culturas e algumas delas são incorporadas por grupos com alguma determinada identidade sexual! Por exemplo, o homossexual masculino urbano classe média costuma ter um mesmo gosto devido a um comportamento de grupo próprio das tribos das grandes cidades, advindo muitas vezes dos lugares que frequentam (sim, boates, sim, falo de nós). Vão desde música eletrônica com remixes de divas pop, passando por danças como o bate-cabelo e até linguagens próprias como o bajubá.

Assim, a “cultura” individual pode variar pelos ciclos de relacionamento que sofrem fatores como classe social, idade e região onde vive. Vemos na internet que muitos gays do norte/nordeste frequetam – num sentido mais amplo – as músicas regionais como forró, tecnobrega etc. A personagem mas recente a Lohane V. S. S. B. H. H. H. R. L. B. Icekiss que é maranhense curte as chamadas música de boi, cultura típica da regiaõ onde vive. Outro exemplo: sabemos que há tribos de roqueiras que também são tomadas por pessoas como uma identidade sexual homossexual. Tem as gays do axé! Assim, no quesito ídolo, essa preferencia vai variar com o gosto das  diversos grupos em que se está inserido o índividuo e também seus próprios gostos pessoas (eu e meus amigos não gostamos de TODAS as mesmas músicas).

Reafirmo: a cultura independe da prática sexual. Se somos gays é porque fazemos sexo (no meu caso, amor) com pessoas de mesmo sexo e isso de forma alguma significa que frequentamos os mesmos lugares, ouvimos as mesmas músicas, nos comunicamos da mesma forma, temos as mesmas religiões ou filosofias…

Né, não?

Mapeamento Cultural


O grupo SOMOS – Comunicação, Saúde e Sexualidade, lançou uma proposta inédita no universo LGBT. O projeto se  chama “mapeamento cultural LGBT” e busca catalogar TODOS os artistas e comunicadores da cena LGBT brasileira.

Eles lançam a seguinte pergunta: “Quem são os artistas que produzem a cultura LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais) em nosso país? Onde são realizadas essas manifestações e quais os locais de sociabilidade dessa população?”

Então, se você é Drag Queen, Pintor, Blogayro, entre outros, e retrata o universo LGBT, envie um e-mail para mapeamentocultural@somos.org.br com seus dados e um breve resumo do que você faz. Se puder, anexe fotos, vídeos, textos, tudo com o intuito de enriquecer o catálogo.

O Grupo vai iniciar seu trabalho em Florianópolis (SC) e em breve passará por Vitorinha.

Participem! 😀