“Dizia ele: – Estou indo pra Brasília…


Nesse país lugar melhorar não há”. Será? Só vou poder responder quando voltar. Estou partindo, hoje, com a caravana organizada pelo Coletivo de Diversidade Sexual – SINDIUPES para IV MARCHA NACIONAL CONTRA A HOMOFOBIA E SEMINÁRIOS NO CONGRESSO NACIONAL SOBRE DIREITOS LGBT. Quando eu voltar, conto todos os babados brasilienses. Beijos a tod@s!

Don’t cry for me Vitorinha


Rutinha vai voltar?!

Vou ficar uns dias fora do blog, porque vou viajar.

Tá, não vou pra tão longe, só passarei uns dias ali em Nova Almeida, e voltarei logo na segunda-feira. Vou viajar a negócios, a Ambev me chamou para representar a empresa nos bares da cidade. 😉

Aliás, sem dúvida escreverei um Babado, Confusão & Gritaria, típico da nossa amada Pontal de Areia. Lembram do sucesso que foi o último?

Aí a beesha vem e fala:

Ah, Max, deixa de ser preguiçosa, em Nova Almeida também tem internet!

Dessa vez Max não escapa

Sim, tem, mas ir para Pontal de Areia exige que você se abstenha dos prazeres virtuais e fique focado somente na bucólica pracinha e seu delicioso cheirinho de peixe.

Tenho certeza que Dé e Iza vão manter o blog no mesmo nível durante esse período, pode confiar.

Então estamos conversadas, segunda-feira volto com mais histórias de 5 negões num fusca, Bar da Sônia, pintor boy magia, banguelos “doidos para comer essa boceta” e tudo que envolva a sensualidade do homem Nova Almeidense.

Agora me deixem fazer as malas:

O fim de uma Era… [Comunicado]


Tá, o título tá exagerado, mas conseguir manter um projeto semanal de quinta-feira numa cidade como Vitorinha, que morre em qualquer outro dia que não seja fim-de-semana (sem feriado), é um marco na sociedade. Ainda mais com o triste fim das boates GLS inauguradas recentemente. “Fatalidades” sobre as quais más línguas dizem fazer bater muitos tambores pelos bairros mais misteriosos da Serra.

Mas misticismos à parte, a ideia já nasceu para ser temporária, deu bafão e ferveu um pouco mais às noites da capital. Qué dizê, conseguimos o que queríamos.

Agradeço os envolvidos no projeto, como a produtora Antimofo, o Dj André K-lçada, o Wanderley, os barmen, os seguranças, as tias da limpeza… porque, vou te contar, tem que ser paciente pra aguentar as gays mais nervosas, elas são abusadíssimas!

E, por fim, dou o mérito à produtora MassaCult pela ideia genial de uma noite LGBT na quinta-feira e de todo apoio dado a nós durante o andamento do projeto.

É isso (*lágrima nos olhos*)… Adorei conhecer todas as bills que bateram cartão – e as que só foram de vez em quando, mas que foram tão simpáticas quanto -, vocês vão ficar no kooração da Max pra sempre, tsá?

Ah! E pra vocês que estão se perguntando por que não houve festa de despedida…  Pensem… #apenas

Be right back

Dando um tempo


Vou sentir saudades

Estou dando um tempo do blog. Sugado por mil e um afazeres que assomam-se da minha recente condição de beesha com local, de trabalho (vida de freelancer não é fácil) e de estudos (mestrado, artigos, vida docente…) falta-me tempo pra dedicar-me a isto aqui.

Sinto minha produção por aqui cair de qualidade, pelo fato de estar postando por obrigação e pressa pra manter o BC sempre atualizado. Como sei que as senhoras merecem bem mais que isto, estou tirando essa licença por algum tempo (pouco, prometo).

Por hora, fiquem com as outras ameegas do blog: a andrógina da Max, a trava da Tchynna e a sapatão da Iza, que a bunita (eu) volta em breve, tsá? Beijos pra quem é e pra quem não é travestchy!