Drauzio Varella: A violência contra homossexuais


O seguinte artigo de Drauzio Varella foi publicado na sua coluna da “Ilustrada”, da Folha de São Paulo.

A homossexualidade é uma ilha cercada de ignorância por todos os lados. Nesse sentido, não existe aspecto do comportamento humano que se lhe compare. Não há descrição de civilização alguma, de qualquer época, que não faça referência à existência de mulheres e homens homossexuais. Apesar dessa constatação, ainda hoje esse tipo de comportamento é chamado de antinatural.

Os que assim o julgam partem do princípio de que a natureza (ou Deus) criou órgãos sexuais para que os seres humanos procriassem; portanto, qualquer relacionamento que não envolva pênis e vagina vai contra ela (ou Ele). Se partirmos de princípio tão frágil, como justificar a prática de sexo anal entre heterossexuais? E o sexo oral? E o beijo na boca? Deus não teria criado a boca para comer e a língua para articular palavras?

Se a homossexualidade fosse apenas perversão humana, não seria encontrada em outros animais. Desde o início do século 20, no entanto, ela tem sido descrita em grande variedade de espécies de invertebrados e em vertebrados, como répteis, pássaros e mamíferos.

Em virtualmente todas as espécies de pássaros, em alguma fase da vida, ocorrem interações homossexuais que envolvem contato genital, que, pelo menos entre os machos, ocasionalmente terminam em orgasmo e ejaculação.

Comportamento homossexual envolvendo fêmeas e machos foi documentado em pelo menos 71 espécies de mamíferos, incluindo ratos, camundongos, hamsters, cobaias, coelhos, porcos-espinhos, cães, gatos, cabritos, gado, porcos, antílopes, carneiros, macacos e até leões, os reis da selva.

Relacionamento homossexual entre primatas não humanos está fartamente documentado na literatura científica. Já em 1914, Hamilton publicou no Journal of Animal Behaviour um estudo sobre as tendências sexuais em macacos e babuínos, no qual descreveu intercursos com contato vaginal entre as fêmeas e penetração anal entre machos dessas espécies. Em 1917, Kempf relatou observações semelhantes.

Masturbação mútua e penetração anal fazem parte do repertório sexual de todos os primatas não humanos já estudados, inclusive bonobos e chimpanzés, nossos parentes mais próximos. Considerar contra a natureza as práticas homossexuais da espécie humana é ignorar todo o conhecimento adquirido pelos etologistas em mais de um século de pesquisas rigorosas.

Os que se sentem pessoalmente ofendidos pela simples existência de homossexuais talvez imaginem que eles escolheram pertencer a essa minoria por capricho individual. Quer dizer, num belo dia pensaram: eu poderia ser heterossexual, mas como sou sem vergonha prefiro me relacionar com pessoas do mesmo sexo.

Não sejamos ridículos; quem escolheria a homossexualidade se pudesse ser como a maioria dominante? Se a vida já é dura para os heterossexuais, imagine para os outros. A sexualidade não admite opções, simplesmente é. Podemos controlar nosso comportamento; o desejo, jamais. O desejo brota da alma humana, indomável como a água que despenca da cachoeira.

Mais antiga do que a roda, a homossexualidade é tão legítima e inevitável quanto a heterossexualidade. Reprimi-la é ato de violência que deve ser punido de forma exemplar, como alguns países fazem com o racismo. Os que se sentem ultrajados pela presença de homossexuais na vizinhança, que procurem dentro das próprias inclinações sexuais as razões para justificar o ultraje. Ao contrário dos conturbados e inseguros, mulheres e homens em paz com a sexualidade pessoal costumam aceitar a alheia com respeito e naturalidade.

Negar a pessoas do mesmo sexo permissão para viverem em uniões estáveis com os mesmos direitos das uniões heterossexuais é uma imposição abusiva que vai contra os princípios mais elementares de justiça social. Os pastores de almas que se opõem ao casamento entre homossexuais têm o direito de recomendar a seus rebanhos que não o façam, mas não podem ser fascistas a ponto de pretender impor sua vontade aos que não pensam como eles.

Afinal, caro leitor, a menos que seus dias sejam atormentados por fantasias sexuais inconfessáveis, que diferença faz se a colega de escritório é apaixonada por uma mulher? Se o vizinho dorme com outro homem? Se, ao morrer, o apartamento dele será herdado por um sobrinho ou pelo companheiro com quem viveu trinta anos?

Travesti é assassinada a facadas no meio da rua no interior da Paraíba


O crime aconteceu na cidade de Campina Grande, interior da Paraíba. As imagens das câmeras de trânsito, são da madrugada de sexta-feira, dia 15, mas só foram divulgadas agora. Num crime bárbaro e covarde, a vítima, uma travesti de 24 anos, foi assassinada no meio da rua a facadas por um grupo de jovens.

Um grupo de pessoas conversava na calçada, quando um carro escuro se aproximou e parou,  três homens desceram e começaram a perseguição a Daniel de Oliveira. As imagens de outra câmera mostram o momento em que a vítima é derrubada. No chão, ele é agredido pelos três homens, leva chutes e socos. Um deles começa a esfaquear Daniel, que já está morto, mas continua recebendo facadas. São mais de 30 golpes, inclusive é possível ver o rastro de sangue na calçada.

Na hora do crime, algumas pessoas passam pela rua em carros e motos. Um quarto homem dá ré no carro, e os três rapazes entram no veículo e fogem. A Polícia Civil da Paraíba disse que já identificou os assassinos. Um deles já foi preso e um menor, apreendido.

Em coletiva na manhã de hoje, a Polícia Civil revelou que o menor apreendido afirmou que foi o mentor do crime, ele assumiu a autoria do assassinato, porém a polícia acredita que o comerciante Antônio Pereira da Silva (conhecido como Naldo) pode ter ajudado a esfaquear a travesti. O assassinato teria acontecido por que o menor queria se vingar de Daniel, já que a travesti teria roubado R$ 800 do menor cinco dias antes num agenciamento de um programa com uma prostituta, que estava acompanhada por Daniel.

“Não há nenhum vestígio de que o crime tenha sido planejado pelo fato da vítima ser homossexual”, informou a delegada que questionou o menor porque ele não procurou a Polícia e prestou queixa. “Ele disse que queria se vingar”, disse Cassandra. Ainda segundo a Polícia Civil, o menor e a vítima se conheciam e já teriam morado na mesma rua. O adolescente sabia onde o travesti trabalhava. De acordo com a família de Daniel, ele revelou que estava sendo perseguido nos últimos dias por um carro preto. O jovem se prostituía três vezes por semana, desde os 16 anos de idade na rua João Pessoa, no Centro.

O acusado foi encaminhado para um abrigo provisório em Campina Grande, já o comerciante, que negou ter participado do crime, teve mandado de prisão preventiva expedido, foi indiciado por homicídio e será transferido ainda hoje para o Presídio do Serrotão, onde aguardará a finalização das investigações. Outras duas pessoas que aparecem nas imagens do crime veiculadas pela TV Globo nesta segunda-feira em rede nacional, ainda são procuradas pela Polícia Civil. Eles foram identificados apenas pelos pré-nomes, que não foram revelados

Bullying em escola pública de Alagoas


O Ministério Público Federal em Alagoas vai investigar uma denúncia de bullying na escola estadual Gentil de Albuquerque Malta, na cidade de Mata Grande, sertão alagoano. Um vídeo com imagens de um aluno, supostamente homossexual, sendo agredido verbal e fisicamente, por outro aluno, vazou na internet, desde o início do mês de abril.

Nas imagens, o aluno agredido, aparece levando 9 tapas. A vítima, de 15 anos, teria apanhado por causa de um suposto boato de que ela e o agressor mantinham um relacionamento amoroso. As cenas de violência mostraram ainda que outros alunos zombaram da vítima e mandaram que ele dançasse a música da cantora Lady Gaga. Segundo denúncia recebida pelo MPF, que pediu a abertura de inquérito na Polícia Federal, o aluno começou a ser chamado de “Lady Gaga” pelos colegas depois que assumiu ser homossexual.

De acordo com o procurador Samir Nachef, a investigação cabe à Justiça Federal já que a agressão foi amplamente divulgada na internet, o que fere os direitos da criança. O objetivo é identificar os agressores e descobrir, com ajuda da Polícia Federal, quem colocou o vídeo na internet. A pessoa que divulgou o vídeo também pode ser responsabilizada.

O agressor foi suspenso por oito dias. O agredido voltou às aulas. Ele havia pedido a direção para mudar o horário do estudo, por causa das ameaças, depois que assumir ser homossexual. A direção negou o pedido, alegando que ” Não havia vagas no período da manhã”, segundo o diretor da escola, José Timóteo. A mãe do estudante agredido, a dona de casa Damiana da Graça, não viu o vídeo, mas sabia da confusão: ” Meu filho é uma pessoa tranqüila. Não houve motivos graves para existir aquela agressão. Fiquei sabendo que existia um vídeo pelos meus vizinhos, mas não vi.”

O presidente do Grupo Gay de Alagoas, Nildo Correia diz que esses casos preocupam a entidade, visto que Alagoas é o estado com mais mortes de homossexuais por habitantes. Considerando as capitais, Maceió é a que tem o maior número de gays assassinados, são 9 homicídios. “O homossexual é tratado com marginalidade pela sociedade e como não existem políticas públicas e, sim, impunidade, os números só pioram. De 1980 até 2011, foram registrados 80 assassinatos de homossexuais. Neste ano, já foram assassinados sete (7) e a maioria deles com requintes de crueldade.

Abaixo, o vídeo da agressão:

Nordeste é a região com maior número de assassinatos de homossexuais


De acordo com um relatório, divulgado ontem, pelo Grupo Gay da Bahia (GGB), a cada um dia e meio um homossexual brasileiro é morto. Nos últimos cinco anos, houve aumento de 113% no número de assassinatos de homossexuais. Apenas nos três primeiros meses de 2011 foram 65 assassinatos, entre as vítimas, 54% são gays, 42%, travestis e 4%, lésbicas.

Segundo Luiz Mott, antropólogo responsável pelo levantamento, as estatísticas são inferiores à realidade. “Esses 260 assassinatos documentados são um número subnotificado, porque não há no Brasil estatísticas oficiais de crimes de ódio. O estudo também aponta que o Brasil lidera o ranking mundial de assassinatos de homossexuais. Nos Estados Unidos, foram registrados 14 homicídios de travestis em 2010, enquanto no Brasil, foram 110 assassinatos. Além disso, o risco de um homossexual ser morto violentamente no Brasil é 785% maior que nos Estados Unidos.

Entre os estados, a Bahia é pelo segundo ano consecutivo o estado com maior número de assassinatos de LGBT’s, são 29 homicídios, segundo o relatório anual. Com 43% dos casos, o Nordeste é a região que tem mais homicídios de homossexuais e travestis. Levando em conta o número da população, Alagoas é o estado com maior número de morte de homossexuais por habitantes. Considerando as capitais, Maceió é a que tem o maior número de gays assassinados – 9 homicídios; em Salvador foram 8, 7 no Rio de Janeiro e 3 mortes em São Paulo.

Segundo dados do GGB, 43% dos homicídios foram a tiros, 27% a facadas, 18% por espancamento e 17% por sufocamento ou enforcado. Nesta terça, o movimento de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBT) realiza dois atos públicos para protestar contra as declarações do deputador Jair Bolsonaro.

Clique aqui para ver os resultados completos do relatório.

Crimes por regiões
Nordeste – 43%
Sudeste – 9%
Sul – 10%
Centro-Oeste – 10%
Norte – 10%

Crimes por estados
Bahia – 29
Alagoas – 24
Rio de Janeiro – 23
São Paulo – 23

Ato público de repúdio “Travestis: Pelo Direito de Existir! Cidadania Já!”


Repassando:

Oi companheir@s,

Como todos sabem, na semana passada a travesti Maysa foi agredida e além de ter sofrido constrangimento na delegacia e este foi mais um caso, dos diversos que ocorreram neste mês de janeiro.

Foram 05  gays agredidos em pontos de freqüência LGBT , 04 travestis agredidas violentamente na Grande vitória e 03 assassinadas.
Por isto, pedimos o apoio e o comparecimento no:

Ato público de repúdio “ Travestis: Pelo Direito de Existir! Cidadania Já!”

Data : Sexta-feira, dia 28 de janeiro de 2011,

Horário: concentração as 13:30h

Local: na Secretaria Estadual de Segurança Pública

E em seguida, reunião com o Secretário Henrique Geaquinto Herkenhoff, onde será entregue o dossiê  que denúncia o atendimento no DPJ de vitória  e o relatório com os casos registrados de violência contra LGBT nas 03 primeiras semanas de 2011.


Por favor, repassem este e-mail.

Leyse da Cruz

Como está a consciência política das gays capixabas? Contaremos com a presença daquelas que adoram bater no peito e criticar dizendo que nada se faz em protesto à homofobia no estado? Podemos contar com sua presença?

Mtv brasileira, produz vinheta especial, na luta contra homofobia


Não é de hoje que a Mtv Brasil se envolve em questões de responsabilidade social, desde sua criação, a emissora, se destaca por campanhas de prevenção à AIDS e ao consumo de drogas. As campanhas a favor do uso de camisinha são veiculadas desde o primeiro ano de transmissão, outro dia, assisti um programa que mostrava o cotidiano dos portadores do vírus HIV e me dei conta, que realmente, eles podem ter uma vida normal. Acho super importante esse envolvimento das mídias, trazendo  esclarecimento e em prol da mudança na visão e no comportamento do povo.

Nas últimas semanas, a Mtv brasileira, vem divulgando uma vinheta de repúdio aos atos homofóbicos que aconteceram recentemente na Av. Paulita, a produção traz dados sobre assassinatos de homossexuais e passa uma mensagem clara: “Uma onda de violência assustadora, que não pode continuar crescendo”. Através de sua programação, a emissora diz não à intolerância, a vinheta está sendo divulgada durante os intervalos comerciais.

Deputado defende palmada em filhos gays


O deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ), conhecido pela postura conservadora, por defender abertamente a ditadura militar implantada no Brasil em 1964 e que também protagonizou o baphão, onde chamou uma deputada de “vagabunda”, discutia sobre a chamada Lei da Palmada durante o programa “Participação Popular” da TV Câmara, quando sugeriu que pais corrijam filhos gays através da palmada. Os deputados Jair Bolsonaro e Paulo Henrique Lustosa (PMDB/CE), presidente da Frente Parlamentar da Criança e do Adolescente, debatiam o assunto, quando Bolsonaro disse: “O filho começa a ficar assim meio gayzinho, leva um coro, ele muda o comportamento dele. Olha, eu vejo muita gente por aí dizendo: ainda bem que eu levei umas palmadas, meu pai me ensinou a ser homem”.

As palavras preconceituosas e que incitam à violência, ditas pelo deputado, se juntam as diversas agressões homofóbicas, divulgadas atualmente no país. Em uma semana: São Paulo, Rio e agora Brasília – tiveram casos de agressões contra homossexuais. Fico indignada, quando vejo uma pessoa que foi eleita pra melhorar a sociedade, dando uma declaração retrógrada dessas. A propósito, já mandei meu protesto para ele, através do e-mail: dep.jairbolsonaro@camara.gov.br. Abaixo, o vídeo:

Travestis espancam universitário


Hoje toda imprensa capixaba está dando, inclusive o Gazeta Online:

Um universitário de 18 anos foi espancado por um grupo de homossexuais e travestis, na madrugada de domingo, na Praia da Esquerda, na Ilha do Boi, em Vitória. A agressão, segundo o rapaz, teria acontecido depois que um conhecido dele fez piadas ofensivas ao grupo na praia. Ele levou 10 pontos na face e está com marcas de mordidas nas costas e nos dedos das mãos.

O estudante contou que participava de um luau no local. Por volta das 4h30 de domingo, ele saiu com esse conhecido da praia, em direção ao ponto de ônibus de um shopping, na Enseada do Suá. No caminho, ele e o outro rapaz passaram por um grupo de travestis e homossexuais.

“Ele começou a fazer piadinhas com o grupo. Eles, então, vieram atrás da gente. Eu acabei pagando o pato. Ele conseguiu escapar e eu fui agredido. Não fiz nada, não sou preconceituoso. Quebraram uma garrafa de vidro nas minhas costas, me deram mordidas e me arranharam. Perdi muito sangue”, contou o universitário.

Três moradoras da Ilha do Boi, ao ver a cena, começaram a gritar. Assustado, o grupo se dispersou. O rapaz, então, chegou a ligar para o Samu para pedir uma ambulância. Mas, como foi dito que não havia veículo disponível, as próprias moradoras o socorreram, levando-o para o Hospital São Lucas.

Para ver o depoimento do rapaz, veja a reportagem da TV Vitória:

Está certo que às vezes romanceamos as trava e tal, mas isso não é certo. Não é dessa forma  que resolvemos o problema do preconceito. Violência gera violência, ódio gera ódio.

Mas #euri.

Aja!


Meus leitores no meu mundo ideal são pessoas bem informadas e por isso acredito não ser necessário dizer que está rolando em Uganda, na África, uma proposta legislativa para  condenar a morte quem pratica atos homoeróticos e homoafetivos, ou seja, os LGBTs. A ong Azaaz está fazendo a campanha “Direitos sim, repressão não” que consiste num abaixo-assinado global para tentar impedir que esse absurdo seja aprovado e para tanto precisa da participação massiva do máximo possível de pessoas. Portanto, faça sua parte: clique aqui e assine. É rápido e fácil. E divulgue também, amiga, vamos dar essa força pras bees africanas.

Dica da Bel Ami nos comentários.

Resistiré!


Resistirei/ erguido frente a todos/Me cubrirei de ferro para endurecer a pele/E ainda que os ventos da vida soprem forte/Sou como o junco que se dobra/ Mas sempre segue em pé/Resistirei/Para seguir vivendo/Suportarei os golpes e jamais me renderei/E ainda que os sonhos se rompam em pedaços/ Resitirei, resistirei!

(tradução livre da música originalmente do Duo Dinâmico e no vídeo interpretada pelo Attaque 77)

Deletei… A coisa está fugindo totalmente ao controle, as bee estão passionais demais e temo pela segurança dele. Sou da turma do”paz e amor” sempre.

O maníaco de Carapicuíba


parqueEu não ia falar sobre esse assunto porque não gosto de me pautar pela imprensa tradicional, se criamos um blog foi para termos um espaço nosso com as informações que de fato nos interessam. Mas chegou num ponto que ficaria bizarro ignorarmos o caso e falar novametne sobre a Madonna. Não falarei sobre o caso em si, se alguém quiser saber mais sobre a morte de 13 homossexuais em Carapicuíba-SP clica aqui. Eu gostaria de discutir com vocês para saber o que acham do fato dessas bees colocarem em risco suas vidas para transarem. Porque não sei se as senhoras ficaram sabendo, mas mesmo com os 13 assassinatos ninguém deixou de frequentar o local e a pegação continua bombando por lá. Essas beeshas são heroínas ou doidas? COMENTEM!