Divã da madrugada


 “Deixa, deixa, deixa, eu dizer o que penso desta vida, preciso demais dasabafar…”

Ando tão reflexivo!
Ando tão reflexivo!

Mesmo com toda a certeza da minha sexualidade, e passado os medos de um inicio de temores de olhares e conversinhas. Ainda fica algo. Algo que não parece ser fácil de lidar e dolorido de assumir que existe.
Me aceito completamente em minha homossexualidade, e tenho apoio da minha família. Minha mãe conheceu meus poucos namorados, e aos poucos a família vai entendendo que gostar de homem não muda o Pedro que existia para eles. Mas… sempre os “mas” da vida! Confesso que tenho certo receio em algumas situações. Entrevista de estágio, emprego, conversar com alguns professores e antigos amigos, e outras situações que acredito que muitos poderiam entender. Acabo me punindo por esses pequenos momentos de “armário”, e me sentindo traindo toda uma ideologia a qual emprego na minha vida. Seria comum esse receio? Isso seria uma forma de preconceito? São tantas as interrogações que aparecem que sempre acabo sem respostas.
Ai vocês me respondem:
-Ai viado, se fosse fácil assim lidar com todos os pontos de interrogação da vida, os psicólogos e analistas morreriam de fome!