07 leituras sobre o caso “Veja” e as cabras


“Adoro espinafre!”

Essa semana a revista Veja finalmente abriu um alçapão e dirigiu-se ainda mais fundo no poço em que há anos está afundada. Não é de hoje que ela vomita imbecilidade e ignorância direitista na cara da sociedade brasileira, travestindo-se de uma moral que ela não tem.

Quem tem facebook e segue pessoas minimamente informadas deve ter recebido trecho do artigo do colunista J. R. Guzzo, baixo, até para os padrões da Veja. Cata:

 O artigo completo está aqui para que tirem suas próprias conclusões.

“Toma, Veja!”

A questão da vez é que lapso tempo-espacial houve, que chegamos ao ponto de uma publicação que se diz “séria” poder afirmar tamanhos impropérios claramente homofóbicos e idiotas – desculpa, é idiota sim -, como comparar “não gostar” de bicha, a não gostar de espinafre, ou ainda associar o direito ao casamento entre pessoas do mesmo sexo, a casamento entre pessoas e animais.

A revista tem responsabilidade jurídica e financeira e tem consciência da postura política que seus leitores tem, pois sabe que não haverão protestos do tipo cancelamentos em massa de assinaturas e que os anunciantes continuarão mantendo seu faturamento. Ou não?! Ou seja, o problema é infinitamente maior que o artigo em si. O problema é o que o mantém impresso naquelas páginas!

Em protesto ao texto algumas pessoas – EU! – trocaram a foto do perfil por foto de uma cabra.

Muita gente foda indignada com a Veja, como nós ficamos, escreveram sobre o assunto. Em vez de replicar tudo, nós separamos os melhores e vamos botar os links aqui, para que vocês se informem, criem suas próprias opiniões sobre o tema e tomem as atitudes que melhor lhes convier.

Sete bons textos para ler sobre o assunto:

1. “Veja que lixo!”, por Jean Wyllys.

2. “Não é só homofobia: 10 erros do texto ‘Parada gay, cabra e espinafre’ publicado na Veja”, por Manu Barem.

3. “Artigo na Veja sobre gays, espinafre e cabras me deixou cabreira”, por Lola Aronovich.

4. “Veja? Pense! uma crítica sobre o artigo preconceituoso publicado na revista Veja”, por Besha Má.

5. “A falácia da falsa discriminação”, por Carlos Orsi.

6. “A @veja não entende nem de panelas, que dirá paneleiros”, por Carlos Cardoso.

7. “A Essência do preconceito 2 – a missão”, por Madrasta Má do Texto Ruim.

E ainda tem o tumblr “Cabras para casar“! rs.

Que gracinha, Veja


Cata a capa da Veja dessa semana:

Que é mais saudável a gente até entende, por causa das funções da Somatrotopina, que aumenta a produção de proteínas e tal… agora, mais bem-sucedida?

Só se for na pegação na buatchy. Aliás, tem uma passeeva de 2 metros, que eu vejo toda semana na Chica e… vocês não conhecem?

Aposto que já viram! Não tenho fotos dela, não sei quem é, ninguém sabe, na verdade. Ela é meio que uma entidade e está em todos os rocks, sempre sozinha e quilométrica, mas ninguém sabe seu nome ou de onde veio. Tipo uma lenda urbana.

Próxima capa da Veja: “Genética desenvolve técnicas de Eugenia, agora é possível ter filhos altos, loiros e fortes”.

P.s.: vamos combinar que, se ser mais alto aumenta as chances de ser bem-sucedido, a Izaaa deveria estar morando debaixo da ponte, néam?

Old, but Gold: Campanha anti-masturbação


Vamos aproveitar essa manhã tediosa de terça-feira para aprender uma música nova?

Se eles soubessem como eu sou capaz de manter una mano no ratón e outra no cajón, e mesmo assim me masturbar, me mandariam direto pra reabilitação.

Aprendam de uma vez por todas, pedaloucos:

Gaydar da Veja


A revista Veja fez uma matéria acerca do livro de duas jornalista, Ticiana Azevedo e Consuelo Dieguez, chamado Cuidado! Seu Príncipe Pode Ser uma Cinderela – Guia Prático para Identificar um Gay no Armário (editora Best Seller; 208 páginas, 19,90 reais), acho que o título é bem auto-explicativo, ou seja, é pra ajudar a gays enrustidas que se fazem passar por hétero e ludibriam as amapôas desse Brasilzão. Cagamos para isso. Mas no site há um divertido Gaydar, para identificar as gays, vejam. Achei divertidinho.

“A geração tolerância” como matéria de capa da Veja


A revista Veja desta semana traz uma interessante matéria sobre uma possível tendência atual de superação do preconceito.

Os adolescentes e jovens brasileiros começam a vencer o arraigado preconceito
contra os homossexuais, e nunca foi tão natural ser diferente quanto agora. É
uma conquista da juventude que deveria servir de lição para muitos adultos
“, diz a chamada da reportagem.

Coincidentemente, encontrei com uma bee amiga minha que não via há algum tempo numa festeenha de anversário e conversávamos justamente sobre isso, de como  há tolerância a homossexualidade tem sido bem maior nos últimos tempos. É claro que ainda há ainda a homofobia marcante presente nas relações sociais em nosso país e também o medo do preconceito, do esteriótipo e da não-aceitação por parte dos gays. Porém há uma sérei de fatores sintomáticos que de fato apontantam para uma mudança desse perfil, que são muito bem apontados na matéria, como por exemplo  jovens e adolescentes se assumindo cada vez mais cedo e vivendo sua afetividade e identidade de forma bem livre.

Leiam a matéria (aqui) que traz muitos depoimentos e histórias de gays e lésbicas jovens que se assumiram, dados e falas de especialistas.

Sugestão de leitor via comentários.