Prazer e orgulho passivo


bundablogSe tem uma coisa que me incomoda profundamente é o estigma  que mesmo os gays tem para aqueles que são passivos. Muitos crêem que ser ativo faz deles seres superiores, mais machos que os outros, ah, faça-me um favor! Pior ainda são aqueles passivos que aceitam a alcunha e se envergonham de sua condição dizendo-se versáteis.

Nossa sociedadehipocritamachistacristãocidentaldecuérola internalizou-nos que ser gay é errado, mas há uma certa tolerância em “comer”, agora “dar” é inferno na certa! É como que se negássemos  nossa condição de homem e nos afeminassemos.

Eu gosto, mas tenho vergonha!

"Eu gosto, mas tenho vergonha!"

Não podemos reproduzir esses estereótipos e essas falsas morais. Pelo orgulho passivo!

Porque não há como negar que há ativos e passivos siiiim</vanessão>, e isso se refere a dois fatores (análise não especializada, tá, gente, são coisas que a viiiiiida nos ensinam). Um deles é o desejo, ou seja, o fato de gostar mesmo de dar o cu, por preferir e desejar o outro assim, uma coisa mais psicológica, identitária e até afetiva. O segundo, que no meu caso julgo mais importante, é o fator prazer físico. Há gente que sofre muitíssimo para dar e não sente prazer algum, muito pelo contrário. Meu namorado mesmo, pobrezinho, toda vez que tentei comê-lo me dava tanta pena de vê-lo sofrendo (mordia a mão, serrava os olhos e gemia baixinho, ele tentava, coitado) que eu parava e dizia: “Ah, vamos fazer daquele jeito que a gente faz melhor!” (sou muito compreenssivo). Eu sinto muito prazer em ser penetrado e é um prazer físico. A massagem do pênis na próstata me dá sensações deliciosíssimas, contínuas durante toda a relação e que culminam em orgasmos muito mais poderosos na hora da ejaculação. passivaNão há vergonha no prazer, são as possibilidades que o corpo masculino permite (ou não!) e que de forma alguma subjulga aquele que sente mais prazer estando nessa posição. Até porque, no meu caso eu não sou um passivo-passivo. Sou um passivo-ativo. “Como assim, Dé, você é versátil?!“, você deve estar se perguntando. E eu te respondo, bee ameega e leytora, eu até faço a ativa muito raramente, mas ser passiva-ativa é dominar seu bophe na cama! Você que é o dominador! É quando você é quem manda, você que se se mexe, você quem fala grosso e coordena tudo, e ele fica a mercê dos seus movimentos e das suas habilidades… Meu cu, você já entendeu.

Por isso amiga, grite linda: SOU PASSIVA, MEU AMOR! E não tenha mais vergonha disso.