AHA! E mais uma vez a gente é Miss Brasil Gay!


miss_sheilaÉ, gente, não tem para mais ninguém. MAIS UMA VEZ não teve nada para cariocas, paulistas, mineiras e paraibanas. A Miss Brasil Gay 2013 é capixaba! DE NOVO! A representante do Espírito Santo, Sheila Veríssimo, foi coroada como a mais bela transformista do país no evento que sempre ocorre na cidade de Juiz de Fora, em Minas Gerais, no último domingo (18).

Além do maior título, ela também ganhou em primeiro lugar com o melhor traje de gala e em segundo lugar com seu traje típico. Nossa tradição de beleza, glamour, elegância e talento se confirma e continua nos fazendo as campeãs disparadas no concurso a nível de Brasil. MUAH! Beijinho no ombro pro recalque dos outros estados.

Assista, clicando na imagem a reportagem sobre o concurso que nos congraçou no topo da beleza gay do país pela zilionésima vez:

Vídeo Miss Gay Brasil 2013Parabéns Sheila, tava linda! Traz essa faixa pra cá e samba na cara de todo mundo.

Cadê o recalque da Montilla dizendo que o concurso não é de dó e de pena e perdedora recalcada arrancando nossa peruca? CHUPEM!

“Rosas Brancas para Salomé”, amanhã no Carlos Gomes


Amanhã tem peça com temática LGBT na Carlos Gomes, a preços BEEEEEM populares, cata:

O projeto ‘Quartas no Theatro Carlos Gomes’ trás em sua próxima exibição, no dia 18 deste mês, às 19h, o monólogo “Rosas Brancas para Salomé”, da companhia Por Acaso. Os ingressos podem ser adquiridos por R$ 1 (meia).

A peça, interpretada por Mauro Pinheiros, conta a vida de um transformista dos anos 50, 60 e 70, que é apaixonado pela cantora Ângela Maria.

(do G1)

Sabe como é, né, Vitorinah nunca tem nada, quando tem, não dá pra ficar sem prestigiar.

Vamos, vamos, VAMOOOOOOOS!!!

Belíssima Brasil 2009 – etapa ES


Nesse sábado (21),  acontecerá a etapa capixaba do Belíssima, que elegerá a mais bela transformista do estado. Serão julgados os quesitos cabelo, maquiagem, desfile e conjunto. A vencedora ganha R$300, faixa e viagem ao Rio de Janeiro para participar da etapa nacional do evento. Serão escolhidos na hora 4 jurados da platéia, que não tenham relação com nenhuma das candidatas, (eu vou gritar tanto para a Chica me escolher, tanto!) para avaliá-las. Babado!!!

Ah, e estão abertas as inscrições para outro concurso, o “Drag Star” este de bate-cabelo. Se você não é bunita, mas é talentosa, é sua chance, bee, clica aqui ó!

Aha, uhu, o Missh Brazeel Gay é nosso!


Lógica, com um certo babadeenho e confusão, porque nós não somos obrigados. Do Terra:

Foi para o Espírito Santo o título de Miss Brasil Gay de 2009. Ava Simões foi eleita a transformista mais bonita do Brasil no tradicional concurso, realizado na cidade mineira de Juiz de Fora.

A decisão não foi uma unanimidade. Segundo divulgou a assessoria de imprensa do evento, rolou um bafafá entre as finalistas, ocorrendo até agressões físicas entre as candidatas. O furdunço começou após o anúncio da vencedora, e, entre gritos e beliscões, uma candidata chegou a arrancar a peruca de outra.

Entre os feridos com a confusão, está um técnico de som que se cortou com a queda de um equipamento provocado pelo pandemônio provocado pela briga. Depois de ser medicado, ele já passa bem.

No GazetaOnLine, falou-se que as bees invejosas que perderam voaram na Ava, a agrediram e arracaram a peerooca dela. Bobagem, Ava continua bunita, feminina e capixaba mulher. Dizem que o concurso é todo trabalhado na peixada, mas, gente, é culpa dela se ela é bem relacionada? Não!

Arrasô, Avinha, mor orgulho!

UPDATE: As perigosas aqui do blog conseguiram alguns vídeos do basfond. O melhor ever é o da candidata do estado de São Paulo despeitada pela derrota que arranca a peruca da nossa Miss. Clica na figura para ver:

arrancando peruca de Ava Simões

 

E teve a cobertura do site Ego mostrando também cenas do vuco-vuco e Silvetty fazendo a maldita:

Confesso, ri muito.

Documentário “Rainhas da Noite”


Breve nos cinemas…

Gente, agora sério. Esse é o teaser do documentário do Diego Perech sobre Drag Queens e Transformistas capixabas. Promete, hein?! Adorei ele começar o documentário mostrando a contradição do conceito de drag, conceito este que é diferente na visão das pessoas, inclusive para elas próprias, que no caso depende como cada uma se posiciona, como atua. Com o tempo as mais novinhas transvaloraram os conceitos “drag e transformista” que hoje se misturam e tornam uma coisa só.