Qualificação Profissional para LGBTs em Cariacica



A Coordenação de Políticas de Promoção da Diversidade Sexual de Cariacica situada na Secretaria Municipal de Cidadania e Trabalho, vem discutido internamente a qualificação profissional para LGBTs, tendo como prioridade qualificar travestis, transexuais, gays afeminados e lesbicas masculinizadas, por comporem a parte mais discriminada e afastada dos equipamentos públicos da sigla LGBT.

Alguns pontos ainda precisam ser discutidos, entretanto, a partir de hoje, a coordenação fará um pré cadastramento para os cursos a fim de articular uma primeira turma específica, de acordo com a vocação das pessoas inscritas.

As modalidades de cursos são variáveis: de recurso próprio, de convênio, nos bairros, na Prefeitura, para beneficiários do Bolsa Família, para os munícipes e/ou para Grande Vitória. Para participar do pré cadastro é necessário enviar nome completo/nome social, endereço completo, telefone de contato e identidade sexual para o e-mail: diversidadesexual.cariacica@gmail.com.

Os cursos são:

Almoxarife
Armador de Ferragem
Arquivista
Assistente de Logística
Atendente de balcão de Farmácia
Atendente de Consultório Médico e Odontológico
Auxiliar Administrativo
Auxiliar de Serviços Gerais
Bombeiro Hidráulico
Cabeleireiro
Captação de Passageiros
Carpinteiro de Fôrma
Confeiteira
Confeiteiro
Conferente de Cargas
Corte e Costura
Corte e Costura Industrial
Corte e Escova
Costureira
Cozinheira
Cozinheiro
Depilação
Digitador
Eletricista instalador industrial
Eletricista predial
Emissão de Notas Fiscais
Estética Corporal
Estética Facial
Fotografia
Gesseiro
Hardware
Informática Avançada
Informática Básica
Manicure
Manutenção de Computadores
Mestre de Obras
Montador de Andaimes
Montador de Móveis
MOPP
Noções Administrativas
Operador de Betoneira
Operador de Caixa
Operador de Empilhadeira
Operador de Guincho Munck
Operador de Guindaste
Operador de Pá Carregadeira
Operador de Ponte Rolante
Operador de Retro Escavadeira
Padeiro
Pedicure
Pedreiro de Acabamento Azulejista
Pedreiro de Alvenaria
Penteado Afro
Pintor de Obras
Pintura
Rotinas Administrativas e Contábeis
Salgadeira
Salgadeiro
Soldador a arco com eletrodo revestido
Técnicas de Venda
Telemarketing
Cuidador de Crianças e Idosos

Lgbt e o mercado de trabalho


O fotógrafo John Ganun se inspirou em cartaz da Segunda Guerra e fez campanha pró-gay no Exército

O fotógrafo John Ganun se inspirou em cartaz da Segunda Guerra e fez campanha pró-gay no Exército

Há algum tempo era comum estereótipos em certas profissões, como por exemplo: o cabeleleiro gay ou jogadora de futebol sapatão. Apesar de estarmos em 2012, no auge da luta pelos direitos gays, com várias conquistas importantes para a comunidade lgbt, ainda encontramos muito preconceito no mercado de trabalho. Principalmente para as lésbicas mais masculinas ou para as bees mais pintosas.

Entretanto, ainda há esperança! rs Algumas empresas vem, cada vez mais, investindo na diversidade sexual. Uma das mais famosas e que teve seus funcionários empenhados na campanha “It gets better” é a Google. Como eu já comentei por aqui, o Google foi destaque em um relatório da Human Rights Campaign por ser uma das melhores empresas para funcionários LGBT. Outras corporações internacionais como Nike, Apple, Volvo, Coca-Cola, American Airlines, Visa, Jaguar, Land Rover, Volkswagen, Bridgestone, Puma, Armani, Calvin Klein, Dolce & Gabana, Nivea, Gucci, Air France,  Absolut, LG, HP, Diesel, Banana Republic, L’Oreal, Versace, Ray Ban, também adotam a postura gay friendly.

No Brasil, o grupo ainda é pequeno. Podemos citar entre outras: Vida Freedom (o primeiro seguro de vida para casais homossexuais do Brasil), TAM Viagens, o Mercure Grand Hotel São Paulo Ibirapuera (do Grupo Accor), a Camicado (timidamente), o Banco do Brasil (timidamente), o Flash Power (timidamente), a Nokia Brasil(timidamente) e, pelo menos aqui no nosso estado, BrasilCenter Comunicações.

Segundo pesquisa feita pela Market Analysis, um a cada dois brasileiros considera importante que as marcas sejam amigáveis aos homossexuais. Ainda segundo o levantamento, apenas um entre 10 entrevistados afirmaram conhecer marcas com atitudes positivas em relação ao público homossexual.

Lembrando que em alguns estados a discriminação por orientação sexual pode render multa. Como no estado de São Paulo, onde quem ofende ou discrimina homossexuais no ambiente de trabalho pode pagar R$ 16 mil de multa se for condenado. O valor sobe para R$ 49 mil em caso de reincidência. Se o processo for contra uma empresa e ficar provado que a multa é pequena diante do seu porte, a quantia pode ser aumentada em dez vezes, chegando a R$ 493 mil aproximadamente.

Apenas o trabalho pode proporcionar igualdade.

“SENAS” da noite capixaba #10


Contaram-me deste caso há algum tempo, caso que aconteceu com uma bee que estagia numa grande instituição aqui do estado. Um certo dia, ela estava cumprindo suas funções quando para executar  um serviço precisou que outro funcionário para levá-la a um local com o carro da empresa. Ao ver os dois saindo juntos de carro os peões da firma começaram a zuar, fazendo comentários insinuosos do gênero: “Volta logo, hein, fulano, se não vão começar a falar…”

Passados alguns dias, a bee comentou despretensiosamente sobre o fato com sua superiora dizendo como aquele fato era desagradável. Na hora a responsável por ele na empresa levantou-se e foi até a sala do chefe e contou tudo. Ele ficou furioso e mandou chamar todos os responsáveis pelo constrangimento. Chegando lá, tomaram um coió homérico do chefão, que lhes disseram que na instituição dele ninguém ia agredir os colegas de trabalho por qualquer motivo, inclusive que não toleraria nenhuma forma de homofobia! ♥ Disseram-me que o chefe ia demitir a todos, mas o chefe do departamento pessoal convenceu-o, por motivos trabalhistas, do contrário.

Não é demais? Estamos avançando, caBIXAbas? E fica a dica: não deixem que façam contra você qualquer tipo de agressão, ainda que simbólica! Não deixe passar em branco, denuncie!

“Who run the world? Girls!”

Voltando ao mundo real


professorÉ duro saber que vivo no mundo real e que posso ser linda, absoluta, mas, não me chamo Stephany! Consequentemente não tenho um Cross Fox e a vida de assalariado me deixa um pouco cansado.
Já estava tão acostumado a vida de vagabundagem e horas de internet, que a volta a vida de “pião” me deixa tão sem glamour e cansado. Acordar cedo, conhecer gente nova e lutar para lembrar os nomes (a beesha tem  Alzheimer), me deixam com um sono nas aulas,que nem se o gostosinho do professor fizesse uma aula strip eu ia prestar muita atenção.
Dormindo na aula, só sabia que o professor falava do patrimônio da empresa ou algo assim. Já no sono o escutei falando em ativo e passivo, o que me fez despertar rapidamente e limpar a baba da apostila. Confuso perguntei a uma amiga: – Que babado é esse de ativo e passivo? Ele falou que é o que?
Nessa hora o professor olha para turma e aponta a equação, Ativo+Passivo= Patrimônio liquido da entidade.
Ainda no sono: – Humm! A aula é sobre cheque né!?