[18+] Vaza suposto vídeo de Carly Rae Jepsen, do hit “Call Me Maybe”


Rá, eu ainda falei sobre isso sexta com as bee’s na boate. Já perceberam que ultimamente o máximo que as rachas famosas tão mostrando são os peitinhos no Twitter? E enquanto isso, dezenas de boys famosos mostram a neca pela internet, em vários vídeos.

Mas isso é injusto com nossa população de sapas, exceto dessa vez, que vazou um suposto vídeo erótico da Carly, a racha daquela música Call me Maybe. E apesar da neca no vídeo constranger algumas de vocês, basta imaginar uma cinta-caralha, pra ficar mais habitual.

Será que é ela? Clique na imagem abaixo para assistir:

Eu não sei se é, não estou muito familiarizado com a cara dessa racha ainda.

Enfim, vou ficar quieto, sabe, vai que eu digo que é e caem com um processo pra cima de mim… como caíram naquele vídeo do ator que eu não posso falar o nome.

(Mas se você jogar ‘Paquito e Ajudante’ no Google, são grandes as chances de descobrir)

Uma dica pra alguns héteros…e lésbicas


Meus bebês, eu estou com uma febre super alta, 38,5°C e marchando pros 39°C, mas não vou deixar as senhoras na mão, fiquem tranquilas. A diferença é que minha cabeça tá me matando, tá difícil até ficar em pé, e por isso o post de hoje vai ser sobre um assunto mais simples: SAPAS.

Sempre gostei das meninas do Dedilhadas, pra quem não conhece, elas são duas lésbicas paulistas que falam sobre situações do cotidiano das sapas. Dessa vez o assunto me interessou e eu acho que vale uma discussão sobre o assunto, cata:

E aí? O que vocês acham disso?

Tiro de letra

Eu sei que atitudes como essas acontecem o tempo inteiro na noite, são baseadas principalmente no falocentrismo da sociedade, mas de todos os héteros que chegaram até mim e disseram pensar como o rapaz que enviou a mensagem a elas, 90% JÁ TEVE sucesso nessas situações.

Aí eu pergunto, de quem é a culpa? Do hétero que acha que a sapatão é doente e o pau dele é a cura ou das lésbicas que se deixam levar por esse papo, pegam esses caras e dão aval para que eles continuem agindo assim?

O que vier...

Porque o que não falta na minha vida são exemplos (E MUITOS) de sapas que dão de cara com um troglodita desses, dizem que são gays logo de cara, mas não são incisivas o suficiente, como se estivessem “na dúvida” quanto a sua sexualidade… e todo mundo sabe que quanto mais você é indecisa com um homem MAIS ele vai insistir. No final das contas, pegam o cara e vão servir de exemplo para encorajar todos os amigos, para os quais ele vai contar a façanha, a fazerem o mesmo.

Entretanto, não me venham com o papo de “ah, tem que ser sapatão caminhoneira pra conseguir bater de frente com um cara desses”. Porque, em contrapartida, conheço lésbicas, muito femininas, que tiram de letra esses caras e rapidinho conseguem expulsá-los, sem precisar ser violenta.

Lembrando que eu não estou falando que sapas não têm o direito de pegar homem, têm sim, a racha é delas. O que me revolta é a “lésbica” dizer ser gay desde o começo, deixar o cara insistindo por horas, pra DEPOIS pegar, colocando na cabeça dele que se ele conseguiu com ela, conseguirá com todas.

E agora, Glória? Será que a maioria das lésbicas estão MESMO no direito de reclamar desse tipo de atitude?

Ê coisa boa, baile no brejo!


Hoje (29), tem baile lésbico, #vemsapa:

Gatãn, vai pro baile (tchãrãrã), vai pro baile (tchãrãrãrãrãrãrãrã), de-de-de saiiiinhaaaaa?

O evento faz parte da semana de Cidadania LGBt de Vitória. Que ainda terá mostra de filme, distribuição de material informativo e a Parada Gay de Camburi no domingo (fique calma, falaremos mais ainda essa semana)!

Via LGBT-ES.

Sobre pegação lésbica, cordialidade e licença pra meter


No post de hoje de manhã eu falei sobre a pegação entre as bee’s, e prometi fazer o mesmo com as sapas. Pois então, farei, e em algumas partes vou traçar um comparativo entre as duas classes, porque eu adoro esfregar na cara delãns o quanto nós vinhádos somos superiores, afinal, mamíferos estão mais no topo da cadeia evolutiva que anfíbios.

Eu tenho muitas amigas lésbicas e acho que já observei o suficiente para criar um padrão de comportamento quando o assunto é pegação.

Na vida real a pegação é bem mais simples, mesmo que uma das sapas seja encubada, uma vez que já está muito bem aceito pela sociedade que duas mulheres entrem no banheiro juntas, de boa. Do lado de fora só acontece um papo básico sobre o quão gata a outra é e logo terminam o papo no banheirón, se é que elas conversam lá dentro, porque eu não cheguei a observar esse segundo passo da pegação, por motivos óbvios.

Marlene Mattos cutucou você, cutuque de volta

Já na internet elas têm a liberdade de exercer a sapatice. Raramente fazem pegação no chat Terra, sim, chat Terra, é como se fosse uma versão do chat Uol onde você pode achar alguma mulher que não tenha pênis, mas elas logo desistem, a quantidade de hétero tarado tira qualquer “Advogata MxM” do sério. Por isso, as sapas tendem a procurar suas presas no finado Orkoot, no Facetruque e até no Twitter.

A conversa é rápida nos recadinhos e logo parte-se pro chat individual. E assim começa o papo:

SAPA1: Oiiiiiiiii :3

SAPA2: Ei, gata, tudo bom?

SAPA1: Tudo ^^. E com você?

Comentário: Observem aqui que, diferente dos homens gays, elas se comunicam com cordialidade. E sim, elas usam emoticons O TEMPO TODO.

SAPA2: E aí? Quantos anos você tem?

SAPA1: 25, e você?

SAPA2: 20

Comentário: A idade é mais flexível no caso das lésbicas, sapas muito novas ou muito mais velhas conseguem pegar, desde que sejam agradáveis aos olhos.

SAPA1: Você curte o quê?

Comentário: CALMA, bee’s! Ela não está perguntando se a outra é passiva ou ativa, entre as lésbicas não existe essa diferença tão marcada, na cama tudo se resolve. Exceto quando estamos lidando com as Marlenes.

SAPA2: Ah, mas como assim “curtir”? Música? :S

SAPA1: É, pode ser…

SAPA2: Ah, eu gosto de … (insira aqui cantoras de MPB, e raramente um ou outro cantor de rock)

SAPA1: Que legal! XD, vamos marcar de sair?

SAPA2: Claro!

Presente de Amigo Secreto

A pegação vai acontecer, mas não como acontece cas bills, elas vão marcar num lugar público (ao som de alguma dupla de música ao vivo), se conhecer melhor, para só aí saber se vai rolar o rebuceteio. Já os vinhádos dão o baco primeiro pra DEPOIS se conhecer, isso se o baco for bom, porque se foi uma merda as bee’s desaparecem uma da vida da outra antes que a passiva termine de limpar o sangue do edy no banheiro. Desaparecem tão bem que elas não se vêem nem nos rocks que todo mundo vai, e considerando Vitorinha um ovo, isso é praticamente uma técnica ninja!

Por fim, aviso logo que estou com um punhado de sal na mão, para o caso de alguma sapa do contra vir me dizer que não é assim que acontece!