Ela é hétero porque não conhece a Izaaa


Partindo dessa famosa afirmação, amplamente divulgada no meio gay, é que começo a história de hoje. Agora que Vila Velha possui a república mais gay da cidade, fica mega fácil ter bapho pra contar…

Atualmente estou morando com mais 2 sapas, 1 ht e 2 bees. Uma de minhas amigas, conheceu uma hétero, daquelas que a gente só encontra em televisão: loira, olhos claros, corpão e bilíngue. Perfeita se não fosse ht, não é?

Mãããs meus caros, a problemática é que as duas se envolveram. Não sexualmente falando, mas emocionalmente. A ht afirma estar apaixonada e a sapa, bom, eu não preciso nem falar…

Minha amiga afirma que a menina não é lésbica, pois não curte outras meninas, mas acredito que a partir do momento em que elas começaram a namorar e juraram fidelidade, a ht passou a pegar o mesmo “ônibus” que o público leitor deste blog.

Sempre rola a discussão lá em casa e eu resolvi trazer para o Babado. Até que ponto, você sendo lésbica/gay, pode se envolver com uma pessoa de outro sexo, sem ser considerado(a) bi. A hétero em questão é lésbica, bissexual ou apenas uma aventureira desvairada experimentando o que há de melhor na vida?

A comunidade LGBT e os rótulos…


Diariamente nós escutamos, seja na roda de amigos, seja de um conhecido falando de outra pessoa, seja no sentido pejorativo, as palavras “viado” e “sapatão”. Elas existem e estão circulando por aí… Mas, como se sentir ofendido, quando usa-se a mesma palavra que discrimina, como apelido carinhoso?

A maioria das pessoas, costuma relacionar “lésbica”, com aquelas mulheres mais femininas, normalmente as passivas da relação, enquanto “sapatão” classificaria as masculinas e ativas. Não sei se existe algo referente a essa divisão de termos para os gays, se houver, deixem nos comentários.

Tornando o assunto mais real, estava conversando com um colega ht e ele então me perguntou, porque nos sentimos ofendidas ao ouvir “sapatão” no sentido pejorativo, se nós usamos essa palavra nos nossos círculos sociais? Ele argumentou que de um jeito ou de outro, nós mesmos incitávamos o preconceito e deu o seguinte exemplo:

“Uma criança escuta um grupo de gays, conversando, “viado” pra lá, “viado” pra cá… Ele chega em casa e escuta o pai falando que o filho do vizinho é “viado”, a mãe diz que prefere ter um filho drogado do que “viado”.”

O que você acha que vai rolar na mente dessa pessoa!?

Resolvi abrir a discussão disso, já que eu não consegui responder a pergunta dele. Então, usar palavras que rotulam, incita o preconceito? Nós temos o direito de cobrar respeito das pessoas que usem esse termos, apesar de usarmos diariamente? Já aconteceu algo parecido com você?