Preconceito: Ratos de buatchy


Já dizia o sábio Facebook: “Você descobre que está velho quando chega numa boate e já procura um lugar pra sentar”.

Hoje um leitor me parou na rua pra me pedir um conselho sobre seu relacionamento. Essa história toda do Kooriosidades acabou me tornando um guru sexual das beeshas. O quê eu não entendo, como vocês podem confiar nos meus conselhos amorosos se a minha vida amorosa é uma bagunça?

Mas é o que dizem, casa de ferreiro, espeto de pau, néam?

Então, ele veio me dizer que arrumou um namorado que costumava ir muito à boate, e que por isso tinha problemas quanto a confiar num relacionamento com uma pessoa que passou sua vida sexual inteirinha conhecendo as pessoas na noite.

Disse também que já estão namorando há dois meses e, desde o início do relacionamento, o boy deixou de sair pra noite como saía antes. Só sai quando ele também quer ir.

E aí isso me fez pensar: Já observaram como os valores se inverteram? Pouco tempo atrás as bees de boates eram as piores opções para relacionamentos. Em contrapartida, o melhor lugar pra se achar namorado era na internet, sim, no Chat Uol.

Eu mesmo já encontrei um namorado lá, na época que o chat não parecia o esgoto dos Morlocks do X-men. Hoje é mais fácil você pegar uma DST que uma beesha de respeito naquele lugar.

Enquanto isso, nas boates as pessoas tendem a ir atrás de um amor. Vai me dizer que vocês, mesmo passando o rodo na boate inteira, não saem de casa com aquela esperança de encontrar seu príncipe encantado em meio a toda aquela loucura?

Me lembrou daquele pagode:

♪ Enquanto eu me arrumava algo me dizia, você vai encontrar alguém que vai mudar a sua vida inteira da noite pro dia ♫…

Mas na volta pra casa a única coisa que mudou foi a quantidade de dinheiro na sua carteira.

Entretanto, tudo isso só vale se a gay não for passiva, diga-se de passagem. Eu não sei porque esses demônios desses vinhádos resolveram pegar dos héteros só os valores que não prestam:

Passiva rodada = Puta / Ativo rodado = Experiente. Como se fôssemos homens e mulheres! Machistas, ainda por cima.

Entendam de uma vez por todas, por mais que você seja a beesha mais carola de Vitória, tirando tudo você vai ser sempre beesha, e como beesha você é tão marginalizada quanto qualquer outra gay.

Não ache que sua tia evangélica vai te ver com bons olhos se você só deu seu koo depois de namorar um ano: Você dá o koo, isso que interessa, compreende como tudo rege em torno disso?

Não importa se você deu 1 ou 100 vezes, uma vez dado o koo, a besta marcou você! E olhar pras gays rodadas com desprezo é tão chauvinista quanto o homem que deixa de se interessar por uma mulher porque ela já fez mais sexo que ele.

Não posso contar nos dedos quantas vezes, antes de entrar no blog, as pessoas chegavam em mim e diziam que fulano gostava de mim, mas não queria me namorar porque eu era vagabunda e pegava todo mundo.

MEU CU, eu que não quero um caga-regra na minha vida.

No final da conversa perguntei a ele se o boy era encubado, e ele respondeu que sim.

*BOOM*! Temos aí a resposta: Onde mais um encubado vai socializar com outros gays se o Chat Uol está tomado por pênis e bundas sem rosto?

Na boate, claro! Um lugar fechado no qual o único perigo que você corre é o de encontrar o seu chefe chupando um boy no banheirón. Normal, nada assustador.

Fiquem tranquilos, encubados, é tipo uma filosofia de vida entre os gays: Mesmo você sendo assumido, o que acontece e quem você vê numa boate gay, FICA na boate gay. (Exceto se você tiver um blog de sucesso e de fofoc…

E vocês, têm ou já sofreram preconceito por serem rodadas na noite cabixaba?