Não é só um rostinho bonito, é muita cuca no lance. Oi?


“Não acho que sou pegador. Mas vou te falar uma parada também, se você não tem fama de pegador e é solteiro, fica com fama de veado. Então, antes pegador que veado, né?”

A pergunta que não quer calar é: Quando as pessoas que estão lá, representando o povo ou que possuem o poder de influenciar a massa, vão continuar dando declarações ridículas como esta?

Caio Castro, mais conhecido como novo galã global, idolatrado por menininhas novinhas e muitos gays, inclusive, fez uma declaração infeliz. Porém, acredito que se você sabe que faz parte da mídia, que as pessoas escutam o que você diz, você deve se policiar melhor.

Concordo com Carlos Tufvesson, coordenador de Diversidade Sexual da Prefeitura do Rio, sobre o ocorrido:  “As oficinas de interpretação da Globo deveriam ter uma aula de como não falar idiotices para a imprensa”.

O que podia ser evitado, foi jogado ao vento. Se você é famoso, você está na mira da imprensa. Qualquer coisa dita, vai ser julgada, discutida, debatida. Os artistas brasileiros tem que parar com essa “ingenuidade” e começar a refletir mais sobre suas afirmações perante jornalistas.

Segue abaixo o pedido de desculpas do ator:

“A declaração foi errônea e totalmente ao contrário do que eu quis passar. Ficou uma sensação de preconceito do público. Qualquer tipo de preconceito é um atraso. Eu não tenho preconceito algum com os homossexuais, tenho amigos gays. Foi totalmente errado e maldoso para vender reportagem. A gente tem um monte de imprensa marrom. E faz de tudo e colocar esse tipo de comentário idiota. Para vocês que acompanham, está na hora de acordar um pouco. O que a gente fala muitas vezes é editado e não é posto do jeito que a gente fala. Não sou uma pessoa preconceituosa e o comentário que fiz foi mal interpretado. Respondi uma porrada de critica, comentário, estão me bombardeando. A única coisa que posso dizer é que preconceituoso não sou. E peço desculpas se causei algum tipo de incômodo.”

Contra ou a favor?


CQC sendo genial, mais um vez, ao fazer uma entrevista com as pessoas na rua sobre a União Homoafetiva. Entretanto, eles perguntam com a câmera “desligada” e depois com a câmera “ligada”, mostrando o quanto o brasileiro é hipócrita, assistam:

O problema tá todo na maneira como as pessoas vêem o casamento gay, resumindo a relação ao sexo e ao quanto eles acham nojento dois homens se pegando.

E o pior é que a maioria é casado e SABE que sexo é uma das últimas coisas que um casal faz depois que casa, néam?

Dica do leitor