Babado, Confusão & Gritaria [Barzinho, sexo explícito e máquinas de caça-níqueis]


Tá, eu sei, eu prometi que não ia mais escrever BCG’s, só que meu fim de semana foi cabulosíssimo, aos modos de Pontal de Areia, e eu preciso dividir isso.

Primeiro, como todos os bons BCG’s pedem, a trilha sonora desse post:

[youtube http://www.youtube.com/watch?feature=player_detailpage&v=9oaojEWexBI]

Sexta-feira eu havia lavado o cabelo de manhã, isso significa que estaria disposta a sair à noite. Porque quando não estou deixo o cabelo sujo e ele fica sem condições de sair à rua, com uma franja de 5 fios oleosos, que nem o Cebolinha.

Fomos num bar aqui perto de casa, e o que até então era pra ser um Happy Hour, virou uma saga digna de roteiro de filme pornô.

Chegamos, sentamos e o garçom já nos colocou uma cerveja. Conversa vai, conversa vem, ele veio me pedir uma ajuda:

– “Max, você sabe mexer no Facebook?”

-“Sei sim, o que você quer saber?”‘

-“Ah, é que eu queria saber como bloquear umas fotos, ontem postei umas imagens e não sabia que tinha ido pra minha timeline inteira ver! Estou desesperado!”

-“Ué, gente, mas o que tinha nessas fotos de tão desesperador?”

-“Aqui, ó” (nessa hora eu catei que o papo todo foi só pra me mostrar uma coisinha…)

Quando eu peguei o celular, tava o boy com a neca de fora! Absurdamente gigante, e ele dizia que ainda estava mole.

caratlho

Tremi na base e pensei alto: Gente, não tem condições de uma pessoa ter isso no meio das pernas, só pode ser mentira.

O papo acabou.

Chegou um grupo de monstros rapazes e começaram a cantar samba, batucando em instrumentos musicais improvisados, bem brasileiro. Eu amo esse tipo de intervenção urbana, logo me meti do meio. Comecei a cantar e sambar na roda, super divertido.

tumblr_mlu3aaf5Yi1s77whzo1_250

Terminado o samba, começou a putaria. A cada minuto um deles vinha à mesa falar comigo.

O primeiro se dizia político. Se vangloriou das suas posses e do quanto a população gostava dele. Mas a única coisa que prestei atenção mesmo foram nos perdigotos que voavam da boca dele DIRETO na minha franja.

Estava no meu limite

Estava no meu limite

A Max poodle começou a querer aparecer e eu comecei a me desesperar com medo de um dos meus lisos fios cachear com aquela umidade. Pedi ajuda ao garçom, que prontamente o afastou de mim.

Depois veio o outro, que não se dizia nada, só elogiava minha voz, meu rosto e fazia sinal de positivo com a mão. Fiquei puta achando que ele estivesse dizendo que eu tinha HIV e falei que ia ao banheiro, pra me livrar.

03265+

Quando voltei, o terceiro rapaz me chamou na mesa dele, segue o diálogo:

-“Você é oriental?”

-“Eu? Por que?” (Beeshas só respondem pergunta com outra pergunta, sempre defensivas)

-“Porque você parece japonesa, me lembrou a menina daquele filme Memórias de uma Gueixa”

Olhe para toda essa chuva de chuca

Zeus regozija e faz a chuca diante desse amor de elogio

ME GANHOU! Desde que assisti aquele filme minha personalidade mudou profundamente e aquela moça se tornou tipo um molde para o meu caráter: “Não existe beleza sem dor”, dizia ela, e eu anotando tudinho enquanto treinava o delineado do olho e procurava por uma base Dona Benta pra passar na cara.

– “Que nada, tô mais pra índia Tainá com vitiligo”, respondi.

E ele continuou:

-“Você não quer ir pra minha casa hoje não? Tenho um sushi bem grosso pra você comer lá. Quantas peças você aguenta?”

tumblr_mbm423wM6N1rog67ko1_250

Tô de dieta

-“

Até então estava tudo bem, mas meu amigo chegou com uma ficha de sinuca, desafiando o rapaz: “Você quer pegar a japonesa?”

Ele: “Quero!”

-“Então ganhe de mim na sinuca que ela será sua!”

Fodeu

Fodeu

SEM BRINCADEIRA, me apostaram no jogo! Fiquei com o koo na mão, lógico, porque esse meu amigo é muito bom na sinuca, mas o boy estava decidido a me ganhar ali. Suava a cada jogada, com medo de errar.

E enquanto isso o garçom da neca grande não parou de observar tudo de lá do balcão. Eu, sabendo daquilo, provoquei ciúmes pra ver a reação dele. Deixava o boy passar a mão em mim, pegar na minha cintura, e tudo isso com o garçom de olho, puto da vida.

Diante daquilo tudo, eu pensava

Diante daquilo tudo, eu pensava

O jogo ficou por UMA BOLA, e meu amigo ganhou! O boy, com raiva, desapareceu de uma hora pra outra.

Meu cigarro acabou, não tinha mais lugar pra comprar e eu fui ao balcão tentar descolar uns a varejo. Cheguei lá e o garçom não só me deu cigarros a varejo, mas também um bombom Serenata.

Own, vocês tão vendo, ativos? Não é pedindo o rabo da passiva que você come fácil, são nessas pequenas coisas que um homem, mesmo feio, consegue conquistar: cigarro + bombom, jogada de mestre.

Voltei pra mesa, e aí começou a parte tensa.

Por alguma razão eu sujei minha mão lá fora, depois disso pedi pro garçom me deixar entrar na cozinha do bar para me lavar. Quando eu volto ele me chama num outro canto secreto. Fui, sem maldade nenhuma.

Chegando lá me senti transportada diretamente pra Las Vegas. Várias máquinas de caça-níqueis escondidas, de todas categorias, cores e formas, brilhando pra mim.

Fiquei extasiada com tudo aquilo, porque sempre adorei essas máquinas e odiei quando proibiram. Que eu virei pra comentar isso com o garçom, estava ele com o pinto de fora!

Eu, quando vi a neca

Eu, quando vi a neca

Eu não podia ACREDITAR naquela neca. Besshas, parecia um tronco de braúna.

Minha mente pura e casta dizia “não, Max, não olhe fixamente porque o diabo mora dentro das calças dos homens”, mas minhas mãos não obedeceram e eu, com intenções puramente científicas, precisava tocar pra saber se aquilo era verdade.

Lembram do Araketu? “Só sei que o corpo estremece, as pernas desobedecem, inconscientemente a gente chupa dança!”

E era uma verdade… mole!

Não era possível que um pinto daquele tamanho estivesse mole, e eu precisava saber como seria duro.

NÃO ME JULGUEM! Vocês teriam feito a mesma coisa, existe algo de misterioso em saber como são as necas dos outros, ainda mais uma de dimensões tão absurdas.

0

Inicialmente não fiz nada, mandei ele guardar e voltei pra minha mesa. Disse assim:

-“Anwar e Naiane (seus codinomes), vocês tratem de ficar aqui que eu vou lá trás fazer um experimento científico.”

E fui pro cassino. Aí deitei e rolei… ou melhor, ajoelhei. Tudo isso com o medo de alguém aparecer a qualquer minuto, e aí sim a merda estaria feita, ou um roteiro de Gang Bang montado, né?

E aquele negócio não parava de crescer nunca mais… até que chegou no seu tamanho máximo.

O que vocês fariam no meu lugar? Descobririam se conseguem engolir, ÓBVIO! Qualquer um testaria suas habilidades nessas horas, não é todo dia que temos essa oportunidade.

01354

Pois consegui, e saí imponente e orgulhosa, como Daiane dos Santos quando conseguiu fazer o Triplo Twist Carpado, ovacionada por uma plateia imaginária.

03514

A rainha da gulosa

Sábado fomos pro apartamento de um casal de beeshas amigas nossas. Cerveja que não acabava mais.

Só que me deram um charuto xamânico pra fumar que me fez ver tanta coisa, mas tanta coisa, que se eu contasse daria BCG pra mais 3 meses…

…porém seriam mentiras, e por mais incríveis que as histórias sejam, os BCG’s têm compromisso com a verdade!

Em resumo, a cena foi exatamente assim:

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=ezH3PRcdUY0]

Babado, Confusão & Gritaria [De volta a Pontal de Areia]


Fico dois dias fora e acontece uma revolução em Vitorinha? É um motim no blog querendo me transformar em atchyva, é pocket-trava mostrando o koo no Google maps… Nova Almeida foi até interessante, mas vocês não ficaram pra trás!

Antes de começar a contar o que aconteceu na deliciosa Pontal de Areia, tenho que explicar que não estou postando muito porque encontrei um servidor novo de World of Warcraft. Estou jogando 24 horas e mal tô lavando a perereca no final do dia, qué dizê, enquanto não chegar no level máximo, desistam da onipresença virtual da Max.

Enfim, acho importante uma trilha sonora para que vocês entrem no clima de Nova Almeida e da sensação que sentimos quando pegamos o ônibus no caótico Terminal de Jacaraípe.

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=2cWZyio-TPs]

Aliás, ele é tipo a rodoviária daquele episódio de Todo Mundo Odeia o Chris, lembram?

Cê tá lá, numa boa, de repente estoura uma manada de dentro de um ônibus com nome de santo ou de jardim, começa uma gritaria, um monte de celular tocando funk, um samba do crioulo doido e… *BOOM*… segundos depois um silêncio sepulcral.

Eu acho assustador, me lembro logo da moda dos arrastões em Coqueiral de Itaparica.

O problema é que esse silêncio só existe pra quem está na fila do ônibus, assim que você entrar no Transcol um satanás vai ligar a caixa de som, e ai de você se reclamar. Fiquei quietíssima lendo meu livro da Agatha Christie.

Chegamos em Nova Almeida, eu e Anwar, e logo fomos pra casa de Ariadna formar o bonde. Reboco retocado e cabelo penteado, fomos encontrar Ministra na praça.

No caminho, eu vou te contar, que calor infernal que faz naquele lugar. Era tão quente, mas tão quente, que a gente tinha que correr de árvore em árvore pra fugir da luz do sol, tipo aquele filme do Vin Diesel, A Batalha de Riddick.

Fomos parar na casa de uma sapa que é casada há 10 anos com outra sapa (lindo, né?), lá bebemos, ficamos loucas e na hora de dormir…

Deitamos eu, Anwar, Bixa Maconheira (sim! Ela estava lá!) e Ministra. Ministra sempre teve um tesão reprimido pelo Anwar, em falar nisso, a bee é abusada ao ponto de ter no celular a música “Vai tomar dormindo“, só pra tocar nessas horas e fazer uma pressão psicológica.

Quando eu penso que todos pegaram no sono, eis que Anwar grita:

“Que porra é essa? Por que é que minha bunda está de fora?”

Todo mundo se mijou de rir, é claro. E Ministra, visivelmente de mala-pronta, vira pra ele SÉRIO e diz:

“Bicha, vira a bunda pra cá que eu quero comer a senhora!

PENSE nisso: Você na cama com o boy, cogitando a possibilidade de dar pra ele e ele, em vez de ser sedutor e masculino, me solta um “Beesha! Vira essa bunda que eu quero comer a senhora”?!

Mas não tem passiva que fique excitada, néam? Logicamente a neca de Anwar murchou que nem uma cabeça de tartaruga, mas nada disso impediu que a Bixa Maconheira, muito faceira, dissesse que “já que Anwar não quer dar, eu quero”.

Muito rápida, Bixa Maconheira, a passívora, logo tratou de colocar seu edi em ação:

E começou a putaria do meu lado, porém dessa vez eu estava acordada e aloprei com as gays gemedeiras.

Tenho minhas razões, da última vez que dormi em Nova Almeida, 4 viados e 3 sapatões treparam quase dentro de mim no quarto de Ariadna. Dizem até que partes íntimas foram esfregadas no meu imaculado corpo.

Desde então não deixo que mais ninguém trepe do meu lado, as duas foram pra dentro do banheiro e, PASMEM, conseguiram quebrar o box da casa da sapa! hahaha.

No outro dia ela comentou que estava quebrado e as duas tiveram a audácia de sugerir que alguém havia quebrado durante o churrasco.

Sobre o outro dia, encontrei MAIS UMA típica “hétera de Nova Almeida”. Ministra jurou de pé junto que ela era HT, mas eu nem vou entrar em detalhes, sabe, vai que é bee, leitora do blog, e das que curtem lançamento de cadeira?

Imagens exclusivas da hétera de Nova Almeida:

Babado, Confusão & Gritaria [Viagem a Pontal de Areia]


Hey, babies! Voltay, bronzeada e com o fígado em pedaços depois de um fim de semana hardcore em Nova Almeida, que eu apelidei carinhosamente de Pontal de Areia, pois dessa vez saí da casa de Ariadna e conheci os novos horizontes daquele vilarejo com cheirinho de peixe.

Fui pra lá na sexta à noite, porque tinha show da Elba Ramalho na festa “do congo” e da fincada ou retirada do mastro, que eu nunca soube o que significa enfiar e tirar aquele pau todo mês. Interessante é que tem álcool, música e gente boni… é… tem gente.

Chegay na festa e já comecei a chapar, num deu duas horas recebi uma das minhas entidades, fomos buscar cerveja na casa de uma bee e eu vou te contar, minha gente, tivemos que subir uma escadaria tão longa, mas tão longa, que eu me senti subindo aquelas doze casas dos Cavaleiros do Zodíaco. Enfim, chegamos no palco, nos instalamos, me apaixonei pelo guitarrista da bandinha de forró e Elba entrou!

Bem bonita

A racha cantou, dançou, o show foi belíssimo, mas eu queria muito que ela cantasse “Amor com Café“, e gritava incessantemente pedindo isso, mas em vão, ela não me ouvia…

Resolvi mandar uma gay amiga minha ir pra perto do palco pedir a música, num deu meia hora eu vi o viado tentando pular a grade e subir no palco pra falar com a Elba, e quando não conseguiu, começou a gritar pra todo mundo ouvir: “Elba, sua racistaaaaaaaa”… lógico que ela estava possuída por alguma ministra, ELBA racista, gentchy? hahaha

Mas a sexta-feira não foi o dia mais conturbado, o babado foi sábado. Acordamos de ressaca e cagadíssimas, mas naquela manhã eu sabia: “A pomba estava encostada”.

Confesso que quase fui

Colocamos a sainha da Cyclone e descemos as quebradas pra beber no Bar da Sônia, pertinho da pracinha… cerveja vai, cerveja vem, surgiram umas gays diferentíssimas (uma muda, inclusive, mas que falava mal de TODO MUNDO, não me pergunte como)… anoiteceu, e aí o bicho pegou.

Primeiro parou um fusca com 5 negões ouvindo funk. Tava tocando “Minha vó tá maluca“, que eu ADORO. Pedi pro negão aumentar o som, aí pronto, foi a oportunidade pra ele começar a dar em cima. Eu me fazia de besta, claro, todo mundo aqui sabe o medo que eu tenho de negão, ainda mais CINCO.

Na hora que eles foram embora, me entram os 5 brutamontes no fusquinha, um deles me chama na porta e diz:

-“Então, vamos dar uma volta com a gente”

-“Mas não tem lugar pra mim”, respondi.

-“Nada, vem no meu colo…”

A sensualidade do homem Nova Almeidense

Vocês IMAGINEM o cagaço que eu senti! Cada prega do meu koo fez um B.O. na delegacia, prevendo os maus tratos que sofreriam. Eu, dessa finura, mais 5 negões, num lugar desconhecido, presa dentro de um fusquinha? Só iam depositar meus ossos na porta da casa de Ariadna no outro dia de manhã!

Sentei na minha mesa de novo, os negões tomaram seus rumos, e levantei pra pegar cerveja. Que eu volto, já tem mais dois sentados na mesa conversando com os meninos. Tá, fiquei na minha, pensando que fossem colegas deles… eis que um deles, BANGUELO, vira pra mim e fala:

-“Porra, tu é goxtosa, hein? Tô doido pra comer essa BOCETA” *pausa dramática*

Faz-me rir, né, a cacura só tinha 2 dentes na boca e teve a audácia de dizer que ia me comer, e como se não bastasse, ainda queria comer minha boceta, gente? Não dei confiança, falei que eu era sapatão e ele logo se afastou. Mas o outro ficou.

O outro não era feio não, meninës, juro que eu até pensei em fazer, mas ele começou a falar de me apresentar pra mãe dele, de ir num sei pra onde, melkoo, sei que terminamos a noite na casa de um quinto bofe que apareceu, bebemos até às 7 da manhã, fiz o boy e ainda dormimos lá!

Com o koo na mão, claro, porque esse negócio de “vai tomar dormindo” é moda em Nova Almeida, e pra me pegarem pra Monique no meio da noite, pouco custou.