Senado Brasileiro promove seminário sobre Criminalização da Homofobia


Começou por volta das 10h30, o seminário “Diferentes, mas iguais” sobre o projeto de lei, PLC 122, que criminaliza a homofobia. O encontro foi uma iniciativa da senadora e presidente do Senado, Marta Suplicy e está sendo realizado no Auditório Petrônio Portela do Senado.

O seminário ocorre na véspera da 3ª Marcha Nacional contra a Homofobia, que vai acontecer em Brasília no dia 16 de Maio. Durante o evento, a ABGLT (Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais ) entregará aos senadores documento pedindo a aprovação do PLC 122.

Temas como o papel do Estado na construção de uma sociedade de respeito à diversidade; políticas positivas de combate à homofobia e aspectos constitucionais e legais da criminalização da homofobia, serão discutidos durante o evento. Haverá ainda testemunhos de vítimas de homofobia e seus familiares.

O seminário foi aberto pelo presidente da ABGLT, Toni Reis, que citou exemplos do Chile, que no mês passado aprovou a criminalização da homofobia (após o assassinato de um jovem homossexual); e da Argentina, que em 2010 aprovou o casamento entre pessoas do mesmo sexo, e destacou também a declaração do presidente norte-americano, Barack Obama, de apoio ao casamento gay.

Segundo Suplicy: “Agora, não só a Europa, mas também a Argentina e outros países vizinhos avançam neste tema e na proteção da diversidade. E o Brasil caminha para trás, um país que deixou, por 16 anos parado na Câmara dos Deputados, projeto que regulamenta a união civil entre pessoas do mesmo sexo e há dez anos não consegue levar a voto de maneira bem sucedida, projeto que trata de direitos humanos e respeito à cidadania, não é um país que está somente parado e, sim, retrocedendo na questão dos direitos humanos”.

Marta Suplicy ressalta ainda que a sensibilização dos parlamentares só vai ocorrer, porém, com mobilização cívica, na medida que as pessoas entenderem que os direitos humanos estão sendo desrespeitados e que as agressões estão se tornando cada vez mais violentas. A senadora acredita que a maioria dos cidadãos brasileiros não concorda que um cidadão homossexual seja vítima de preconceito e lamentou que isso não esteja se refletindo em ações concretas.

Fonte: http://migre.me/95F0V e http://migre.me/95F1P

Hoje, 22h, abertura oficial da Campanha pelo Casamento Igualitário no Brasil


O lançamento da campanha pelo casamento civil igualitário, acontece hoje. Bruno Chateubriand e André Ramos serão os mestres de cerimônia do evento, que contará também com a participação do deputado federal Jean Wyllys e da deputada federal Érika Kokay, coautores da Proposta de Emenda Constitucional.

Na ocasião, serão apresentados, pela primeira vez, os vídeos oficiais com depoimentos de destacados artistas que apoiam a causa, como: Arlete Salles, Zélia Duncan, Ivan Lins, Mariana Ximenes, Ney Matogrosso, MV Bill, Gutta Stresser, Sérgio Loroza, Tuca Andrada, Cláudio Lins, Preta Gil, Sandra de Sá, Lan Lan e etc.

A campanha é um movimento apartidário e plural que busca expressar e mobilizar o apoio de diversos setores da sociedade brasileira à proposta de emenda constitucional que legaliza o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo.

“Nós aprendemos muito com o processo nos países onde o casamento igualitário foi aprovado e o debate em cada um deles mostrou que, quando o tema deixa de ser silenciado, os argumentos contra a igualdade caem. Vamos a vencer essa luta que fará do Brasil um país melhor, mais justo e mais civilizado. Como disse o cineasta Luiz Carlos Lacerda, o Brasil não pode perder o bonde da contemporaneidade”, finaliza o deputado.

Às 22h, ao mesmo tempo em que serão projetados no evento, os vídeos também estarão online no site oficial da campanhapara quem quiser assistir desde qualquer lugar do Brasil e do mundo. Também será lido o abaixo-assinado e os nomes dos artistas que já aderiram á campanha, como Caetano Veloso, Chico Buarque, Cauã Raymond e Sônia Braga, entre outros. A partir de sexta-feira, 13, começarão a ser recolhidas as assinaturas através da internet.

FONTE:  http://casamentociviligualitario.com.br/