Abuso e transfobia viram piada no Facebook


Vários são os casos de pessoas que são abusadas sexualmente quando submetidas a profissionais de algumas profissões que exigem contato físico.

Seja médico, instrutor de academia (principalmente esportes de luta), até mesmo aquelas que não têm contato nenhum, mas o abusador consegue arranjar um motivo para encoxar ou passar a mão no corpo do colega de trabalho.

Tô com tanto nojo desse vídeo que eu não vou nem fazer uma introdução, assistam primeiro:

erro

Eu:

N1uIdEa

E o cara ainda é taxado de “espertinho” por quem postou o vídeo! Estuprador mudou de nome e eu não tô sabendo?

Tem tanta coisa errada nesse lixo que eu vou comentar em tópicos:

  • Primeiro: A ideia de que abuso sexual tem graça. No começo ele acha que ela é uma mulher comum, e mesmo assim o claque racha o bico de rir com as situações absurdas nas quais o instrutor abusa sexualmente da aluna;
  • Segundo: As risadas aumentam quando ela simula ter um pênis com uma garrafa, mas ele ainda não sabe. Claro, se abuso sexual contra mulheres já é engraçado, imagine com uma travesti. Elas são todas safadas mesmo, né? -NOT
  • Terceiro: A mulher vira pro lado dele e o homem pára imediatamente o abuso. Para os transfóbicos, não há nada mais engraçado que ver um homem heterossexual “se dando mal” quando descobre que uma mulher tem tromba. Mas será que a mulher de tromba também ri?

Tem um ponto positivo, ao final ela se vinga dele e inverte a polaridade da piada. Agora ri-se do abusador e não do abusado. Apesar de terem usado a transfobia para fazer piada, essas formas de fazer rir, nas quais o grupo marginalizado responde às agressões, são as mais saudáveis.

Pra quê rir de quem já é motivo de piada todos os dias? Que graça tem em fazer piada com a violência moral que esses grupos sofrem?

De qualquer maneira, se você riu dessa porcaria, deve rever urgente os seus conceitos.

Milhares de mulheres e transexuais são abusadas sexualmente todos os dias, por gente que acha plausível a ideia de que o corpo da mulher (e mais ainda da transexual, que abdicou da sua masculinidade e se modificou para parecer uma mulher) é propriedade pública e pode ser tocado e assediado por quem quiser.

NÃO! Assédio sexual não tem graça!