Kooriosidades – Na Cama com Max


Tinha parado de escrever nessa coluna devido às perguntas cabeludíssimas que me mandavam via e-mail, imprópria pra qualquer idade. Mas ontem um leitor veio me perguntar uma coisa interessante, que eu acho super legal discutir com vocês aqui no blog. Ele perguntou mais ou menos assim:

“Tenho amigos que se dizem ativos, mas que também dizem que se pudessem ficariam só chupando a neca da passiva e nem fariam sexo com elas… eles são passivas em negação?”

Eu quero é rola!

Mas essas gays são complicadas, né?

Por mais que eu insistisse no começo que ainda existam 100% ativos em Vitorinha, depois dos vários argumentos dos leitores, acabei acatando a premissa: Se você não deu, está dando ou dará um dia. Seja pra agradar alguém ou para experimentar, você vai dar.

Até aí tudo bem, já entendemos isso. E essa história desses boys que se dizem ativos, mas que ficariam só no sexo oral? Me soa estranho… eu sei que se o ativo não gostasse de pinto ele procuraria uma mulher e que não tem nada mais normal nos dois fazerem sexo oral um no outro, são só as preliminares. Mas, quê isso novinho, trocar o koo pela neca?

Da mulher pomba-rola que voou (8)

Eu achava que esse babado de ficar só na neca era um artifício de nós passivos para evitar o sexo quando esquecemos a chuca a situação intestinal não está das melhores. A gente capricha no oral pro rapaz ter logo seu orgasmo e não corrermos o risco de passar o cheque. Certo?

Então, não faz sentido o ativo, que diga-se de passagem, só tem o trabalho de tirar a ricota da neca pra dar o cruzo, preferir ficar mamando quem teve uma jornada de trabalho maior que dos proletariados da Revolução Industrial pra chegar ali limpa como uma sala de cirurgia.

Eu não quero apontar dedos, apesar deles estarem aqui loucos para gritar “MAS ISSO É UMA PASSIVONA, MINHA GENTE!”. Portanto…

…Alguma bee, adepta do Behaviorismo, tem alguma ideia do que isso pode significar?

Tem alguma dúvida sobre sexo ou relacionamentos? Envie para max_babadocerto@hotmail.com

Vocês são falsas e mentirosas!


Título incisivo, néam? Ficou chocada com o que falei de você e está pensando: “Quem é essa travesti mal montada dessa Max pra me chamar de mentirosa?!”

Mas é a mais pura verdade, discutindo com um comentador do blog (o Mildo) sobre o post do Dé que falava sobre o quão uó é pegar um boy Kinder Ovo – delicioso por fora, mas vazio por dentro -, ficamos pensando… será mesmo que vocês estão sendo verdadeiras quando dizem valorizar mais a beleza interior que a exterior?

Sim, porque nos comentários do post o que mais se observava eram pessoas que se consideravam “fora do padrão”, mas eram inteligentes, bem-humoradas e simpáticas, qué dizê, príncipes encantados, só que em vez de cavalo branco, estão montados num jegue. Acontece que não é o que se vê na prática, dando uma voltinha pelas ruas de Vitória você logo observa que isso é mentira, que o bonitão não é tão fútil assim, e o feinho não é sempre tão simpático.

O carão impera da poc poc à bebedora de Chandão Baby. O preconceito é tão grande que elas não se misturam, não dão chance umas pras outras e, no fim das contas, as duas voltam pra casa com o koo aberto e Adele no fone de ouvido, reclamando sobre o quão “prosmiscuos os gays são, que viado não presta, que é por isso que a gente sofre preconceito”.

Será que o problema está na dita promiscuidade dos gays, ou foram vocês que se supervalorizaram tanto no mercado que criaram um padrão de parceiro ideal que não existe?

Qual o problema do bonitão não saber tanto quanto você sobre Literatura? Você já procurou inferir se ele tem conhecimento sobre outros assuntos? É impossível que uma pessoa sobreviva no século XXI, na era da internet, sem adquirir conhecimento sobre nada. Claro que não, você não quer estragar tudo sendo que você pode tirar proveito do corpo dele. O boy em questão talvez só não tenha tanta habilidade social, afinal, gente bonita não precisa falar tão bem pra conseguir o que quer, e você o pré-julga inválido como possível relacionamento, mas não como possível trepada, néam?

Não sei nada sobre Piaget, mas você tá pouco se fodendo pra isso

Pior é com os feios, a pressão é cruel sobre eles. Têm de ser inteligentes, simpáticos e ter a habilidade de chamar a sua atenção tal qual a Oprah Winfrey com um microfone na mão. Vocês dizem dar chance para todos, mas basta o feio pisar uma vez na bola que vai tudo por água abaixo, será que vocês estão sendo sinceras nessa classificação?

Na realidade, o problema está dentro de cada bee, uhum, dentro da bee, lá na barriga onde fica o rei que ela carrega se considerando o par perfeito que não vai “desperdiçar sua juventude com um boy que não a merece”, porque vocês só aceitam que VOCÊS tenham defeitos, os outros não. E quando aceitam, são pouquíssimos, mas não percebem que as senhoras também têm inúmeros deles… quem não merece quem na verdade?

Pensem nisso antes de dispensar aquela gay que não é tão máscula quanto você gosta ou tão culta quanto você acha que é, senão vai acabar igual na piada do cristão na enchente, que pede a Deus pela salvação, aparecem três barcos e dois helicópteros, e ele morre esperando que Deus, magicamente, o levitasse e o tirasse dali.

Tomô?

Sobre passivas, ativos e máfia


Pior sensação do mundo!

Todo mundo aqui tá cansada de ver no Globo Repórter que as fêmeas escolhem seus machos baseando-se na aptidão que eles têm de criar seus filhotes e, consequentemente, na melhor carga genética, para filhos fortes e adaptados. Transferindo isso para nós humanos, a grosso modo, é o que explicaria porque homens bonitos, ricos e inteligentes deveriam pegar mais que os feios, burros e pobres.

Acontece que, como nós fomos amaldiçoados agraciados pela racionalidade, existem outros vários fatores envolvidos na escolha do parceiro ideal, e é em um deles que eu vou me enfocar: “Por que a grama do vizinho é mais verde?”

Não entendeu? Vou dar um exemplo: Um ativo e uma passiva marcam de dar um cruzo, a passiva se maquia pra sair bem nas poses sensuais no espelho do motel e o atchyvo faz aquela lavagem com Dermacyd na cabeça do pinto, eles se encontram, trepam, e vão embora.

O ativo quando vai embora, chega em casa, toma banho e vai dormir (ou bater uma, sei lá, não tenho muito conhecimento sobre essa espécie rara), mas e a passeeva? PRIMEIRA coisa que ela faz, assim que coloca o pé pra fora do local da trepada, é… pegar o telefone e ligar pra pelo menos 3 amigas passivas, dizendo assim: “Viaaaaaaaaaaado, você não tem noção do boy que me comeu agora, tô toda descadeirada, a neca parecia uma das torres do Planalto Central, enooooooooorme!”, e depois de falar muito no Twitter e no Facetruque sobre a foda, ela posta uma frase da Clarice Lispector e vai dormir.

No final de semana eles encontram seus respectivos amigos e colocam o papo em dia.

O ativo, conta pro seu outro amigo ativo – afinal, eles só andam em bando – que a passiva era boa de cama, o amigo diz que sabe disso porque já comeu também, os dois morrem de rir e terminam o papo comentando sobre o ótimo boquete que a bee faz (experiência própria).

Já a passiva… conta pra outra passiva toda a história com os mínimos detalhes e jura que o pau do boy tinha 48cm mole, a passiva amiga pega o mesmo boy dois dias depois e fala que não era aquilo tudo, e o que acontece? Um viadicídio! Não porque o pau dele tinha, na verdade, 13cm, mas sim porque ela não aceita que a amiga tenha catado um bofe que ela também já pegou: “que fura-olhice é essãm, garáleo?”.

Onde eu quero chegar com tudo isso? Na enquete final:

Quem é a verdadeira mafiosa sem caráter? A gay que faz propaganda sobre o boy, digna da Polishop, daquelas que no final do programa você se pega com o telefone na mão e o pensamento: “como eu consegui viver sem esse produto até hoje?!”; a paseeva invejosa que só pegou pra poder sambar na cara da outra e mostrar o quanto ela é exagerada? ; ou as duas, porque passiva não vale nada meishmo?

Vem:

Um adendo pras sapas: Como vocês conseguem lidar tão bem com tudo isso? Afinal, TODAS vocês já se pegaram, mesmo que indiretamente, né?

Babado, Confusão & Gritaria [Nova Almeida]


Mapa de Nova Almeida

Bee’s, O BCG dessa semana teve que ser adiantado, porque meu começo de fim de semana já foi bafo demais pra esperar até segunda-feira.  Me aventurei pelas bandas pós-Serra. Não satisfeita em ter acordado por lá no mês passado, senti uma necessidade de viajar até o limite do Transcol.

Quinta-feira, Ariadna, uma bill amiga minha, convidou a mim e ao Anwar pra irmos à casa dela em Nova Almeida. Eu juro que fiquei meio receoso de início, afinal, tenho experiências péssimas com cidades do interior, vide o dia que bebi Cu de Burro em Nova Venécia e sai correndo pelada pelo mato. Mas ela disse que me daria bebida grátis e eu aceitei. Pois de graça, até injeção na testa, néam?

Comprei minha passagem na quarta-feira e na quinta peguei uma ponte aérea pra lá, o vôo levou cerca de duas horas e eu demorei um pouco pra me acostumar com o novo clima e fuso horário. Pras que nunca visitaram Nova Almeida, aconselho fazer uma mala bem diversificada, pois as variações de temperatura são tão bruscas quanto as do Planeta Mercúrio.

Sou hétero

Enfim, vamos falar de coisa boa: as gays. Fomos comprar nossos drinks no supermercado e as ruas pareciam uma Parada Gay em suaves prestações. Bastava algum de nós falar a palavra “vinhádo” que surgia uma bill pintosíssima caminhando rebolativa. O lugar tem tanta bee, mas tanta bee, que até os “HT’s” falavam miando.

Tsá, nem todos os Ht’s falavam miando, mas tinha uma pocket-PêLanza que eu fiquei chocada quando eu, muito educadamente e já enturmada, fiz uma pergunta e disse assim: “Então, gente, eu acho que a chuca é isso e tal, não é mesmo, BEE?”, olhando pra gay Restart. E vocês acreditam que ela, muito da abusada, balançou o ombrinho, cruzou a perninha, quebrou o bracinho e teve a audácia de dizer: “Eu? gay? Sou heteroãm”.

Sim! Anasalando as sílabas mais que a Celine Dion! E depois ainda insistiu em bater nessa tecla, e eu, muito chapada depois de três garrafas de Martini, já tava poota na paulishta e comecei a jogar na carãm dela que era impossível ela ser hétero.

Como essas mini-bee’s sempre funcionam sob pressão, logo ela soltou a máxima: “Tsá, sou agátê, mas já peguei homem, só que não gostei”

Um cidadão comum de Nova Almeida

Amigas, QUEM aqui gostou do primeiro homem que pegou? Pouquíssimas! Se fosse depender do primeiro pra determinar minha sexualidade, estaria fodida e comendo mulher com o dedinho no nariz até hoje!

Acabei dormindo de lente, acorday com olho de peixe, e caminhamos MAIS uma vez pelas ruas (muito programa turístico). Só que dessa vez fomos eu e uma amiga da Ariadna, tão andrógina quanto eu, só que ela é rachada. Qué dizê, vocês imaginem o frisson causado? Estava me sentindo tão freak, mas tão freak, que andava com o koo na mão, com medo de quando menos esperasse, aparecesse uma multidão enfurecida, com tochas pra nos queimar.

Por fim, a minha dica é: Nova Almeida é o paraíso pros boys ativos, se é que existe algum, pois conheci pouquíssimos. Acho que deve ser por isso que no fim de semana, as gays de lá vêm todas pra Vitorinha, o último grito de desespero em busca de um cafuçu… tadinhas… mal sabem elas que a situação aqui tá tão preta que a única saída é fazer escambo com os outros países, tipo uma bolsa de valores: duas passivas por um ativo, pra evitar a inflação.

Como assim?


Só pode ser mentira, mas o site de pegação Manhunt, divulgou uma lista com a porcentagem de usuários passivos e ativos inscritos no site, e o Brasil está em 17º lugar, com 56% de bofes ativos…

Um absurdo, porque, como dizem: Andar em Vitória de salto é perigosíssimo, pois tem tanta bill, que você corre o risco de agarrar o salto no koo de uma passiva de quatro no meio da rua.

Além disso, fizeram uma lista com vários países, cata:

Certeza que não levaram Vitorinha em consideração

1. Costa Rica – 62.37%
2. Venezuela – 61.73%
3. Cuba – 61.48%
4. Panama – 60.93%
5. Dominican Republic – 60.88%
6. Colombia – 59.54%
7. Portugal – 58.39%
8. Italy – 58.18%
9. Spain – 57.92%
10. Egypt – 57.71%
11. Argentina – 57.69%
12. India – 57.45%
13. Chile – 57.31%
14. Switzerland – 56.91%
15. New Zealand – 56.60%
16. South Africa – 56.58%
17. Brazil – 56.08%
18. Greece – 55.95%
19. Israel – 55.43%
20. Ireland – 55.12%
21. Philippines – 54.63%
22. Belgium – 54.46%
23. Australia – 54.02%
24. Thailand – 53.41%
25. Mexico – 53.17%
26. Netherlands – 52.95%
27. USA – 52.80%
28. South Korea – 52.26%
29. Canada – 52.01%
30. France – 51.79%
31. Sweden – 51.65%
32. Peru – 51.05%
33. England – 50.64%
34. Germany – 49.56%
35. China – 49.48%
36. Indonesia – 48.92%
37. Russia – 48.69%
38. Malaysia – 48.51%
39. Taiwan – 46.95%
40. Denmark – 46.40%

Sou Ativona

E o que a Max acha disso? Acho que é aquela típica história dos chats e sites de pegação, queridas: Na hora de conhecer, TODO MUNDO diz que é ativo/versátil, mas é marcar um encontro com a gay pra você ver que é mais feminina que a Lea T..

Acontece que a pesquisa levou em consideração o que os usuários colocam na descrição DO PERFIL, e sim, se você entrar lá vai ver que a maioria se diz comedor, afinal, quantas são as passivas que você conhece que assumem e levantam a bandeira?

De ativa meishmo só as travas, bêu abôr!

Dica do leitor, via Pheeno.