Você se considera Pão-com-ovo?


Quando a intenção é gongar as bee’s que a gente não gosta, um dos principais xingamentos que usamos é o famigerado “pão-com-ovo”, não é mesmo? Mas o que é isso realmente? Porque eu, nem o Dé, chegamos a um conceito com o qual todas concordem.

Foi por isso que os antropólogos da universidade de Mancheton, em Nárnia, fizeram uma pesquisa com mais de 500 beeshas e dividiram a pão-com-ovice em três vertentes: Dinheiro, Roupa e Comportamento.

Algumas gays disseram que pão-com-ovo é sinônimo de bicha pobre, mas isso não serviria pra Vitorinha, uma vez que aqui só existem 5 famílias realmente reecas, o resto não passa de classe média que se sentem milionárias só porque têm aqué pra pagar a buatchy todo fim de semana.

Outra parcela afirma que pão-com-ovo é sinônimo de bicha mal-vestida. Eu não entendo, uma vez que todas as gays atualmente se vestem muito parecidas, é sempre o combo: Blusa de gola V ou pólo, calça jeans ou xadrez, all star no pé e cabelo assimétrico… aí você vem e me fala: “Ah, Max, mas tem a marca”.

Na Madruga Boladona

Marca? Que marca, garáleo? Foi-se o tempo que era chique usar a logo da marca estampada no peito, hoje é cafonérrimo e só se restringe às marcas de funkeiro boladão. Diante disso, uma blusa da C&A pode ser tão bonita e moderna quanto uma Calvin Klein.

Já o terceiro grupo foi o que mais me convenceu, a pão-com-ovice reside no comportamento, a verdadeira pão-com-ovo não precisa ser necessariamente pintosa, apesar de nesse grupo ser mais evidente a presença delas, basta que ela não tenha a educação típica dos gays comuns. Não entendeu?

Estereótipos nos rondam all the time, a maioria dos gays reclamam deles, mas quem aqui não curte estar numa roda de héteros e ouvir que os gays são inteligentes, educados e comunicativos? Eu adoro!

E eu acho que foi daí que partiu a classificação da pão-com-ovo, que seria a bee que foge desse padrão estabelecido por essa parcela pró-gay da sociedade moderna. Tchypo, são as gays que “estragam tudo” que a gente demorou pra construir de primeira impressão.

Belíssima

A pão-com-ovo é, na maioria das vezes, pintosa e magrinha, mas já vi muitas delas escondidas por baixo de uma pele de Barbie, inclusive, tem Barbie que acha que se encher de músculo vai criar uma barreira 100% eficaz contra qualquer preconceito contra gays e que isso lhe dá o direito de ser estúpida com as colégãns de sexualidade.

É o caso da gay que quando ganha VIP pra ir pra buatchy, compra uma garrafa de Skol beats, pega um táxi na esquina, pára na porta, dá uma de louca bêbada, mas quando chega perto das outras bee’s da fila faz um carão geral, como se a portinha que as outras vão entrar fosse da câmara de gás do Holocausto e ela é uma ariana que está indo visitar Hitler.

É bem comum também que essas bee’s, quando estão com dinheiro, comprem garrafas de Chandão pra tirar foto cas amigas e colocar no Facetruque no outro dia.

Portanto, diante disso, qual VOCÊS acham ser a melhor classificação para Pão-com-ovo, vamosh votar?

TAPA!


Vou comentar sobre o caso de um site daqui do estado – não vou dar nome, nem link, pois o que eles querem mesmo é visibilidade de maneira escusa, mas todos já sabem qual é – que postou possíveis fotos dos autores deste blog –  não vou dizer se somos, nem se não somos porque a questão aqui não é essa. Quero deixar claro que não tenho problema nenhum de mostrar meu lindo rosto – tá boua! – tendo em vista que já o fiz sem problema por três vezes representando oficialmente o blog em eventos públicos que faço questão de citar: na festa de aniversário do blog, na desconferência do BlogCampES na Ufes e na mesa redonda, do curso de Psicologia, sobre homossexualidade,  na UVV. Não tenho problema nenhum de auto-estima: sou bonito, tenho amigos, tenho namorado, sou amado e assumido. Se não mostro meu rosto aqui é para manter uma persona e estimular a imaginação dos leitores que criam o Dé em suas cabeças da forma que bem quiserem. E tem toda a questão também do estilo blogueiro de ser… Enfim, como eu disse o mostrar-se, não-mostrar-se não é bem a questão.

O fato aqui é uma atitude comum em alguns gays que é a chamada “máfia”. Muito me envergonha como homossexual ver esse tipo dissimulado que quer ver a desgraça alheia para se sentir melhor consigo, ou melhor, digamos assim, que sente prazer em estragar a brincadeira dos outros. Só para que saibam, o referido site sempre quis utilizar-se do Babado Certo pra se promover. Aliás, deixo fatos para que avaliem:

1. Insistiam diariamente para que eu postasse o link pro site deles aqui.

2. Postavam links para matérias do site em todos os posts do Babado Certo. Quando pedi educadamente para que parassem de fazê-lo, pois era anti-ético tal ato na blogosfera, disseram que eu estava com medo do sucesso deles (tive que rir!)…  Mas mesmo com o conflito criado permaneceram no ato. O que fiz? Criei um filtro que bloqueia links pra lá!

3. Não sei se é mesmo verdade, mas algumas bees – de círculos diferentes – vieram me dizer que eles andam falando mal da gente por aí pra todosh! MEO KOO!

Porém, nunca liguei até agora. Eu ca-ga-va. Escrevi esse post, na verdade, só para dizer que tenho pena deles. Que auto-estima baixa eles têm a ponto de basear seu “sucesso” na rivalidade! Diferentemente da TV, a internet não precisa disso, pois para ler um site NÃO é necessário deixar de ler outro.

E o que ganharam com isso tudo? 200 e poucos acessos e ódio de alguns leitores mais fiéis (lembrando que os acessos que eles tiveram em todos esses meses de existência, nós temos em média em apenas uma semana)… Valeu a pena? Precisava disso? Não seria muito melhor investir em melhorias da qualidade do texto e da informação que passam? Ou mesmo poderiam ter obtido personalidad… ah, não, essa não dá pra adquirir, é que nem bunda, né?

Pintosa Pride! Orgulho de Ser Pão-com- Ovo!


Beijumeliga, bee!

Beijumeliga, bee!

Confesso que estou meio decepcionada, chocada e um pouco triste com algumas  coisas que leio aqui nos comentários. O preconceito contra bichas feias, pobres e de cabelo ruim é cada vez mais aceito no mundo gay. Gente, olha que coisa absurda! A gente sai da Move/Heaven e leva porrada dos Hts e machistas que se acham normais e o padrão social. Dai quando a gente está lá dentro faz o mesmo. Estamos criando um padrão de gay que quase ninguém pode atingir.

Vejamos alguns requisitos básicos:

– tem que morar bem (tem que ser em Vix em JP, PC, MP ou JC, melhor ainda se morar nas Ilhas do Boi e do Frade); dá ainda pra aceitar as bonitas de Vila Velha, no máximo da Praia da Costa e Itapuã; Serra e Cariacica, jamaiiiiiiiiiis!
– tem que ser bonito, de dar invejas nas outras beeshas; principalmente tem dar inveja nas outras;
–  tem que ser sarado, malhar muito, nunca um gordo;
tem que fuder bem, logo tem que ter a pica grande ou uma bunda dura com marca de sungão;
– tem que ter roupa de marca (lojas de departamento jamais, no máximo Zara) e as cuecas tem que ser Calvin Klein e BRANCAS, no máximo uma Cavalera ou Zoomp;
–  tem que ser brozeado, pele sem acne;
– tem que ser viajado e de preferência para Europa ou América Anglo-Saxônica, no Brasil talvez no Rio (reveillon), Floripa (carnaval), Sampa (na Parada) e Buenos Aires, que já é quase uma cidade brasileira  (no inverno);
– tem que ter bons amigos (famosos, ricos e influentes);
– tem que chegar na boate em um bom carro, no máximo um táxi;
– tem que ser muito másculo, nada afeminado. macho até embaixo de outro macho;
– tem que passar despercebido na rua, daquele estilo que ninguém desconfia e agradecer quando falarem “você nem parece que é gay”;
– tem que ser hiper discreto, só amigos mais próximos podem saber;
– tem que ter namorado e se for solteiro não pode fazer pegação;
– tem que beber bebida cara, mesmo que seja cerveja que seja a mais cara e se beber refrigerante que seja ligh/zero;
– tem que ir sempre nos restaurantes mais caros e na moda;
– tem que ter sempre um bom corte de cabelo;
– tem que ter sempre um bom tipo de cabelo, pele, dente e pau (de novo);
– tem que ser liso, depilado, no máximo pelos no peito bem aparados;

Pago meu Kolene, e ninguém tem nada com isso!

Pago meu Kolene, e ninguém tem nada com isso!

Nossa a lista ficaria enorme… Agora, eu pergunta quantos de nós realmente preenchemos metade desses requisitos? Quantas pessoas assim nós conhecemos? Por que a gente exige dos outros características que muitas vezes não temos e que eles não estão a fim de ter. Eu fico imaginando como as pocs, pão-com-ovo, quá-quá são felizes. Vestem-se como podem, se corportam como querem, pintam e borda, andam de Transcol e ainda fazem zona! Genthy, reparam como as finas sempre estão com cara fechada e de poucos amigos? Agora, olhem para as pintosas? Sempre felizes! Se eu saio de casa, é por que quero diversão, rir, beijar na boca e ser feliz sem me importar com ninguém. Já basta a sociedade homofóbica, machistas e classista que a gente encontra fora da boate.

Outra coisa. Cada um de nós gays, travas, sapas e o que for devemos muito as pintosas. Sabe por quê? Porque são elas que apanham dos pit-boys, dos homofóbicos, são motivos de chacota na televisão e são sempre humilhadas. Se hoje, a gente tem o mínimo de liberdade é por conta das pintosas rechaçadas que foram as ruas protestar e lutar contra o preconceito. Foram as pintosas e pobres, as maiores vítimas, que dizeram basta ao gueto. As ricas e bonitas tinham grana para viajar e fingir que o mundo era perfeito. E não é agora que a gente minimamente pode ser assumir que vamos ter que seguir um padrãozinho qualquer e pior, exigir que as pintosas fiquem másculas! Viva as pintosas! Elas arrasam!

E por fim, Eu adoooooro mortadela. Seja metafora ou não. Quanto mais pesada e grossa melhor!