07 leituras sobre o caso “Veja” e as cabras


“Adoro espinafre!”

Essa semana a revista Veja finalmente abriu um alçapão e dirigiu-se ainda mais fundo no poço em que há anos está afundada. Não é de hoje que ela vomita imbecilidade e ignorância direitista na cara da sociedade brasileira, travestindo-se de uma moral que ela não tem.

Quem tem facebook e segue pessoas minimamente informadas deve ter recebido trecho do artigo do colunista J. R. Guzzo, baixo, até para os padrões da Veja. Cata:

 O artigo completo está aqui para que tirem suas próprias conclusões.

“Toma, Veja!”

A questão da vez é que lapso tempo-espacial houve, que chegamos ao ponto de uma publicação que se diz “séria” poder afirmar tamanhos impropérios claramente homofóbicos e idiotas – desculpa, é idiota sim -, como comparar “não gostar” de bicha, a não gostar de espinafre, ou ainda associar o direito ao casamento entre pessoas do mesmo sexo, a casamento entre pessoas e animais.

A revista tem responsabilidade jurídica e financeira e tem consciência da postura política que seus leitores tem, pois sabe que não haverão protestos do tipo cancelamentos em massa de assinaturas e que os anunciantes continuarão mantendo seu faturamento. Ou não?! Ou seja, o problema é infinitamente maior que o artigo em si. O problema é o que o mantém impresso naquelas páginas!

Em protesto ao texto algumas pessoas – EU! – trocaram a foto do perfil por foto de uma cabra.

Muita gente foda indignada com a Veja, como nós ficamos, escreveram sobre o assunto. Em vez de replicar tudo, nós separamos os melhores e vamos botar os links aqui, para que vocês se informem, criem suas próprias opiniões sobre o tema e tomem as atitudes que melhor lhes convier.

Sete bons textos para ler sobre o assunto:

1. “Veja que lixo!”, por Jean Wyllys.

2. “Não é só homofobia: 10 erros do texto ‘Parada gay, cabra e espinafre’ publicado na Veja”, por Manu Barem.

3. “Artigo na Veja sobre gays, espinafre e cabras me deixou cabreira”, por Lola Aronovich.

4. “Veja? Pense! uma crítica sobre o artigo preconceituoso publicado na revista Veja”, por Besha Má.

5. “A falácia da falsa discriminação”, por Carlos Orsi.

6. “A @veja não entende nem de panelas, que dirá paneleiros”, por Carlos Cardoso.

7. “A Essência do preconceito 2 – a missão”, por Madrasta Má do Texto Ruim.

E ainda tem o tumblr “Cabras para casar“! rs.

Enquanto a câmara debate amanhã, o pau quebra no CFP


Como a Izaaa já postou hoje, estamos todas apreensivas quanto à votação na câmara para suspender a Resolução 001/1999 do Conselho Federal de Psicologia (CFP).

Entretanto, eu sabia que o respaldo não viria de psicólogos respeitáveis, a votação não seria nada democrática e a opinião do CFP seria outra. E apesar de soft science, a Psicologia não me decepcionou dessa vez:

Do site PsicologiaOnline

Posicionamento favorável? Como assim, garáleo?!

Mas quem não sabia disso, né? Era de se esperar que gente idônea, ética e profissional não estaria envolvida nessa Eugenia satânica.

Completam:

[…]

Pastor Apolinário sobre tudo isso:

E vale lembrar que o que não faltam são notícias na internet sobre a incompetência dos evangélicos na Câmara e a quantidade de projetos inúteis que eles tentam aprovar, todos baseados em anseios pessoais, mais de 700 desde 2010.

[…]

Delicinhas, e finalizam com um little coió::

SELO LUANA DA LAPA DE QUALIDADE:

Conselho Federal da Navalha

Então, minhas lindas, fiquem calmas que tem gente poderosa lutando pelo respeito por nós e pelos anos de história da Psicologia.

E guarda essa fantasia de Mística do X-men, que não vai ser dessa vez que vamos regravar ao filme.

Dica do Jésio

Babado TV #4 – Como vai seu corpo?


Uhul! Mais um Babado TV saindo. Este foi gravado faz um tempinho, direto da Move Music, no dia do show da Lorena Simpsom (Quem vai gritar “old!” primeiro? VALENDO!) – lembram? – com participação especialíssima de Royce Luckessy. Dá play e se joga, bunita!

O áudio ficou ruim, eu sei, mas sabe como é o trânsito na BR, néam? Compensei colocando legenda, para de reclamar. MUAH!

Drama queen: aparecer ou não aparecer?


Fomos convidados por um emissora de TV a participar de uma reportagem de um determinado programa (como se ninguém soubesse), que, claro, falaremos aqui. Daí que começa meu drama pessoal. A grande dúvida cheiquisperiana é: mostrar-me ou não mostrar-me? Pois a reportagem deu-me a opção de aparecer  embaçado, como aqueles crimonosos, não tem?

Conversei com vários amigos, mas eles como são péssimos mais criaram dúvidas do que consenso. Se por um lado manter o mistério cria todo um clima e lirismo reforça o mito por trás do Dé, por outro já apareci em alguns eventos, eu poderia matar a curiosidade de mil fãs (de maneira dygna e elegante) e me respaldar mais judicamente (na lei de livre opinião, não se pode expressar de forma anônima, só por pseudônimo). Mas sou professor universitário, como fica minha reputação e seriedade, entendem? Não quero meus alunos falando “e aí, professor, deu o edí no finde?”. Crise existencial, pânico! Eu sofro muito, dona Márcia!

Me ajudem, gente! O que vocês acham:

Mais importando do que votarem, é opinarem (com justificativas plausíveis) nos comentários, tsá?

Por que só 3 mil!?


Falar de paradas do orgulho gay é assunto que sempre envolve muita polêmica. Uns chamam de micareta de viado, motivo para encher a cara e fazer pegação e outras coisas que acompanham essa linha. Outros defendem as manifestações como momento em que ocupamos as ruas, mostrando que somos reais e não apenas números estatísticos e seres marginais.

Mesmo que na minha divisão não tenha nenhum cunho cientifico e aprofundado, e fácil localizar o nosso pensamento, ou dos amigos, nessas duas linhas bem amplas e estereotipadas. Lembrando que as opiniões podem, e devem, ser bem mais complexas, apenas criei essa divisão para ilustrar e deixar mais simples. Aqui mesmo no Babado Certo, em comentários, aparecem os que são contra e os que defendem.

A oportunidade de debater uma ideia, e conversar sobre opiniões  diferente sempre foi o objetivo maior desse humilde, porem digno, blog. Sabemos que os posts que mais bombam nos comentários são os de buatchy, babados e confusão, e não reclamamos disso já que esse pode (deve) ser um caminho para que todos aprendam a argumentar e respeitar o próximo. Podemos achar que o povo só gonga (é alguns só fazem isso mesmo!), mas alguém aqui tem dúvidas que os comentários desse blog fornecem feedback aos donos de buatchys? E porque não estender nossos debates a outras situações!

gol

191197-4ad25aaf6d634A Parada Gay de Vitória reuniu cerca de três mil pessoas, na Praia de Camburi, neste domingo (11),  de acordo com informações da Polícia Militar. A estimativa da organização era de que pelo menos 20 mil pessoas participassem da quarta edição do manifesto pelo orgulho LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais).  Não houve registros de confusão, apenas um homem foi atropelado enquanto atravessava a Avenida Dante Micheline para acompanhar a Parada.
Gazetaonline

Em sua opinião qual o motivo do baixo número de participantes?Falta gay em Vitória? Faltou cerveja gelada? Os gays não têm consciência política? Você caga e anda para paradas?
Deixe a sua teoria!

Avalie meu pinto


"Conceitual"

É um site. O conceito é simples e é esse mesmo: as pessoas entram mandam fotos de seus pênis para que os usuários o avaliem. Achei autêntico!

Estou aqui explorando todo meu potencial crítico e avaliando um a um. Coisas que levo em consideração em minha avaliação: (no membro) tamanho, forma, cor, textura, circuncição; (na foto) nitidez, ângulo, proposta – enfim coisas que me deem a possibilidade de avaliar com mais precisão.

Quer fazer o mesmo? Clica com jeitinho bem aqui.