Babado, Confusão & Gritaria – Espalhando a discórdia por Nova Almeida


tulla_o_GIFSoup.com

Eu sei, eu sei, vocês estão estranhando minha presença aqui tão rápido, sendo que eu havia dito que ia viajar ontem. Pois eu fui, mas já voltei pelos motivos que vão ser contados no post que segue.

Sexta-feira acordei animadíssima para viajar, comprei meu cigarrinho, uns pirulitos e até depilei a perna mais cedo. Porém, quando eu estava me maquiando meu pó compacto caríssimo caiu no chão e se quebrou em 200 pedaços. Eu não me toquei na hora, mas agora eu sei que o universo tentou me avisar sobre o que estava por vir.

Só que eu sou teimosa e não dou ouvidos pro cosmos, porque…

tumblr_mvq1rnK2hc1rjxoico1_400

A minha animação era tanta que resolvi ir com um look bem alegre:

Mentira, usei uma blusa preta, um sapato preto, um casaco preto e uma calça BRANCA! Rá! Quer mais verão que isso, gente? Só se eu fosse de biquíni!

Aí tá, peguei o transhca, duas fucking horas e meia depois eu cheguei em Nova Almeida. E quanto mais longe eu vou de ônibus, mais torturante é a minha presença no coletivo, mais gente olha pra minha cara e mais criança cutuca a mãe pra perguntar se eu sou menino ou menina.

Chegando lá fomos na casa de um colega do nosso amigo. Estava ele e sua avó de 87 anos fumando, bebendo cerveja e falando putaria. De cara eu amei a senhorinha, queria enfiá-la dentro da minha necessaire e trazer pra Vitória pra ESFREGAR NA CARA DO DRAUZIO VARELLA QUE NEM TODO MUNDO QUE FUMA E BEBE MORRE CEDO!

Na sua cara!

Na sua cara!

Cerveja vai, cerveja vem, chegou um boy magia com olhos tão claros que eu quase peguei na mãozinha dele e o fiz ver meu passado repleto de orgias com traficantes bacantes do Bairro da Penha regadas à Cantina da Serra fervendo, tal qual a bruxa cega de American Horror Story (sim, Tchynna já usou referência de American Horror Story, mas não tem como ignorar a quantidade de referências maravilhosas desse seriado!).

Não Maaaax!

Não Maaaax!

De repente, ouvi o grito de uma criança e todos os presentes saíram correndo pra sala! Pensei que a menina havia se machucado, mas não, o padrasto dela chegou e bateu nela, ou a segurou forte, não sei, só sei que a menina gritou e começou um escarcéu entre o padrasto da menina e a velhinha de 87 anos!

Eu sou a moça de azul, durante o barraco

Eu sou a moça de azul, durante o barraco

O homem de um lado, a velhinha do outro com uma garrafa de Brahma na mão, e eu no meio sentadinha no banquinho rindo de me acabar. Além de beber e fumar a velhinha ainda era boa de briga, gente! Tacou balde, vasilha, talheres e até o meu banquinho na cabeça do homem, que acabou indo embora depois de muita insistência.

Desse modelo

Desse modelo

O rock deu o que tinha que dar, né? Fomos pra casa de um amigo, dormimos, e logo pela manhã fomos acordados com uma gritaria lá na cozinha. Era meu amigo quebrando o pau com a mãe dele.

E um xingava de um lado, outro do outro, de repente pegaram as facas e começaram a encenar o meme do Lobster Knife Fight:

lobster-knife-fight

E eu? Simplesmente fui pro quarto e comecei a me arrumar pra sair, nem confiança, como Nazaré Tedesco:

Não sou obrigada, eu hein:

tumblr_mjipp35OyD1qkgsmho1_250

Dali almoçamos e fomos pra famigerada pracinha dos bares e eu, inocente, achei que finalmente ia poder sentar e beber em paz, sem maiores problemas… ledo engano. Outro colega do meu amigo ligou pra ele e lá fomos nós pra uma casa no meio do mato de Nova Almeida.

Chegando lá, sentamos no sofá e o nosso amigo (o que mora lá e estava nos guiando pelo bairro) falou que ia sair pra comprar cerveja de bicicleta… mas nunca mais voltou.

Nisso o dono da casa xingava no telefone, esperneava, falava um monte de palavrão, e eu no cantinho do sofá, assim:

1455107_396318397166916_359366932_n

Plis, god, don’t!

Não era possível, eu comecei a desconfiar que eu era um dos cavaleiros do apocalipse e levava a discórdia e a danação pra onde fosse!

De repente o dono da casa coloca uma roupa e desaparece, num rompante só. Volta meia hora depois todo sujo, xingando a mulher de vagabunda dizendo que chegou na casa do amigo e pegou ela e o cara trepando em cima da cama! Que ia matar a fulana, fazer e acontecer.

Ali eu LEVANTEI E GRITEI:

Peguei minha bolsinha e sai correndo pra rua pra ir embora, não tinha condições de presenciar mais uma cena de violência! Sou sensível, não consigo nem assistir o Datena sem chorar ao ver as ibagens.

Agora imaginem um pontinho preto e branco no meio do mato sete da noite, se alguém passasse com certeza me filmariam e postariam naqueles vídeos de aparição de ET:

0ananana

NÃO! PORQUE NESSA DESGRAÇA DESSE HORÁRIO DE VERÃO SETE DA NOITE AINDA ESTÁ UM SOL DE MEIO DIA!

Qué dizê, tive que ir embora no calor, a pé, sem saber pra qual lado era a praça central. Mas fui embora assim, pensando no meu amigo que me largou lá

trasvass1

Entretantoãm, eu sou adventista e guardo os sábados… pra beber mais que o habitual. E por isso estou em casa, puta, mas preparadíssima pra ir pra minha amada Bocetaria mais tarde.

Eu só espero que essa minha energia negativa não funcione por lá também e acabe estourando uma guerra civil em Coqueiral de Itaparica, né?

tumblr_mupl6sF81h1s7bkc7o1_400

Babado, Confusão & Gritaria [De volta a Pontal de Areia]


Fico dois dias fora e acontece uma revolução em Vitorinha? É um motim no blog querendo me transformar em atchyva, é pocket-trava mostrando o koo no Google maps… Nova Almeida foi até interessante, mas vocês não ficaram pra trás!

Antes de começar a contar o que aconteceu na deliciosa Pontal de Areia, tenho que explicar que não estou postando muito porque encontrei um servidor novo de World of Warcraft. Estou jogando 24 horas e mal tô lavando a perereca no final do dia, qué dizê, enquanto não chegar no level máximo, desistam da onipresença virtual da Max.

Enfim, acho importante uma trilha sonora para que vocês entrem no clima de Nova Almeida e da sensação que sentimos quando pegamos o ônibus no caótico Terminal de Jacaraípe.

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=2cWZyio-TPs]

Aliás, ele é tipo a rodoviária daquele episódio de Todo Mundo Odeia o Chris, lembram?

Cê tá lá, numa boa, de repente estoura uma manada de dentro de um ônibus com nome de santo ou de jardim, começa uma gritaria, um monte de celular tocando funk, um samba do crioulo doido e… *BOOM*… segundos depois um silêncio sepulcral.

Eu acho assustador, me lembro logo da moda dos arrastões em Coqueiral de Itaparica.

O problema é que esse silêncio só existe pra quem está na fila do ônibus, assim que você entrar no Transcol um satanás vai ligar a caixa de som, e ai de você se reclamar. Fiquei quietíssima lendo meu livro da Agatha Christie.

Chegamos em Nova Almeida, eu e Anwar, e logo fomos pra casa de Ariadna formar o bonde. Reboco retocado e cabelo penteado, fomos encontrar Ministra na praça.

No caminho, eu vou te contar, que calor infernal que faz naquele lugar. Era tão quente, mas tão quente, que a gente tinha que correr de árvore em árvore pra fugir da luz do sol, tipo aquele filme do Vin Diesel, A Batalha de Riddick.

Fomos parar na casa de uma sapa que é casada há 10 anos com outra sapa (lindo, né?), lá bebemos, ficamos loucas e na hora de dormir…

Deitamos eu, Anwar, Bixa Maconheira (sim! Ela estava lá!) e Ministra. Ministra sempre teve um tesão reprimido pelo Anwar, em falar nisso, a bee é abusada ao ponto de ter no celular a música “Vai tomar dormindo“, só pra tocar nessas horas e fazer uma pressão psicológica.

Quando eu penso que todos pegaram no sono, eis que Anwar grita:

“Que porra é essa? Por que é que minha bunda está de fora?”

Todo mundo se mijou de rir, é claro. E Ministra, visivelmente de mala-pronta, vira pra ele SÉRIO e diz:

“Bicha, vira a bunda pra cá que eu quero comer a senhora!

PENSE nisso: Você na cama com o boy, cogitando a possibilidade de dar pra ele e ele, em vez de ser sedutor e masculino, me solta um “Beesha! Vira essa bunda que eu quero comer a senhora”?!

Mas não tem passiva que fique excitada, néam? Logicamente a neca de Anwar murchou que nem uma cabeça de tartaruga, mas nada disso impediu que a Bixa Maconheira, muito faceira, dissesse que “já que Anwar não quer dar, eu quero”.

Muito rápida, Bixa Maconheira, a passívora, logo tratou de colocar seu edi em ação:

E começou a putaria do meu lado, porém dessa vez eu estava acordada e aloprei com as gays gemedeiras.

Tenho minhas razões, da última vez que dormi em Nova Almeida, 4 viados e 3 sapatões treparam quase dentro de mim no quarto de Ariadna. Dizem até que partes íntimas foram esfregadas no meu imaculado corpo.

Desde então não deixo que mais ninguém trepe do meu lado, as duas foram pra dentro do banheiro e, PASMEM, conseguiram quebrar o box da casa da sapa! hahaha.

No outro dia ela comentou que estava quebrado e as duas tiveram a audácia de sugerir que alguém havia quebrado durante o churrasco.

Sobre o outro dia, encontrei MAIS UMA típica “hétera de Nova Almeida”. Ministra jurou de pé junto que ela era HT, mas eu nem vou entrar em detalhes, sabe, vai que é bee, leitora do blog, e das que curtem lançamento de cadeira?

Imagens exclusivas da hétera de Nova Almeida:

Don’t cry for me Vitorinha


Rutinha vai voltar?!

Vou ficar uns dias fora do blog, porque vou viajar.

Tá, não vou pra tão longe, só passarei uns dias ali em Nova Almeida, e voltarei logo na segunda-feira. Vou viajar a negócios, a Ambev me chamou para representar a empresa nos bares da cidade. 😉

Aliás, sem dúvida escreverei um Babado, Confusão & Gritaria, típico da nossa amada Pontal de Areia. Lembram do sucesso que foi o último?

Aí a beesha vem e fala:

Ah, Max, deixa de ser preguiçosa, em Nova Almeida também tem internet!

Dessa vez Max não escapa

Sim, tem, mas ir para Pontal de Areia exige que você se abstenha dos prazeres virtuais e fique focado somente na bucólica pracinha e seu delicioso cheirinho de peixe.

Tenho certeza que Dé e Iza vão manter o blog no mesmo nível durante esse período, pode confiar.

Então estamos conversadas, segunda-feira volto com mais histórias de 5 negões num fusca, Bar da Sônia, pintor boy magia, banguelos “doidos para comer essa boceta” e tudo que envolva a sensualidade do homem Nova Almeidense.

Agora me deixem fazer as malas:

Babado, Confusão & Gritaria [Viagem a Pontal de Areia]


Hey, babies! Voltay, bronzeada e com o fígado em pedaços depois de um fim de semana hardcore em Nova Almeida, que eu apelidei carinhosamente de Pontal de Areia, pois dessa vez saí da casa de Ariadna e conheci os novos horizontes daquele vilarejo com cheirinho de peixe.

Fui pra lá na sexta à noite, porque tinha show da Elba Ramalho na festa “do congo” e da fincada ou retirada do mastro, que eu nunca soube o que significa enfiar e tirar aquele pau todo mês. Interessante é que tem álcool, música e gente boni… é… tem gente.

Chegay na festa e já comecei a chapar, num deu duas horas recebi uma das minhas entidades, fomos buscar cerveja na casa de uma bee e eu vou te contar, minha gente, tivemos que subir uma escadaria tão longa, mas tão longa, que eu me senti subindo aquelas doze casas dos Cavaleiros do Zodíaco. Enfim, chegamos no palco, nos instalamos, me apaixonei pelo guitarrista da bandinha de forró e Elba entrou!

Bem bonita

A racha cantou, dançou, o show foi belíssimo, mas eu queria muito que ela cantasse “Amor com Café“, e gritava incessantemente pedindo isso, mas em vão, ela não me ouvia…

Resolvi mandar uma gay amiga minha ir pra perto do palco pedir a música, num deu meia hora eu vi o viado tentando pular a grade e subir no palco pra falar com a Elba, e quando não conseguiu, começou a gritar pra todo mundo ouvir: “Elba, sua racistaaaaaaaa”… lógico que ela estava possuída por alguma ministra, ELBA racista, gentchy? hahaha

Mas a sexta-feira não foi o dia mais conturbado, o babado foi sábado. Acordamos de ressaca e cagadíssimas, mas naquela manhã eu sabia: “A pomba estava encostada”.

Confesso que quase fui

Colocamos a sainha da Cyclone e descemos as quebradas pra beber no Bar da Sônia, pertinho da pracinha… cerveja vai, cerveja vem, surgiram umas gays diferentíssimas (uma muda, inclusive, mas que falava mal de TODO MUNDO, não me pergunte como)… anoiteceu, e aí o bicho pegou.

Primeiro parou um fusca com 5 negões ouvindo funk. Tava tocando “Minha vó tá maluca“, que eu ADORO. Pedi pro negão aumentar o som, aí pronto, foi a oportunidade pra ele começar a dar em cima. Eu me fazia de besta, claro, todo mundo aqui sabe o medo que eu tenho de negão, ainda mais CINCO.

Na hora que eles foram embora, me entram os 5 brutamontes no fusquinha, um deles me chama na porta e diz:

-“Então, vamos dar uma volta com a gente”

-“Mas não tem lugar pra mim”, respondi.

-“Nada, vem no meu colo…”

A sensualidade do homem Nova Almeidense

Vocês IMAGINEM o cagaço que eu senti! Cada prega do meu koo fez um B.O. na delegacia, prevendo os maus tratos que sofreriam. Eu, dessa finura, mais 5 negões, num lugar desconhecido, presa dentro de um fusquinha? Só iam depositar meus ossos na porta da casa de Ariadna no outro dia de manhã!

Sentei na minha mesa de novo, os negões tomaram seus rumos, e levantei pra pegar cerveja. Que eu volto, já tem mais dois sentados na mesa conversando com os meninos. Tá, fiquei na minha, pensando que fossem colegas deles… eis que um deles, BANGUELO, vira pra mim e fala:

-“Porra, tu é goxtosa, hein? Tô doido pra comer essa BOCETA” *pausa dramática*

Faz-me rir, né, a cacura só tinha 2 dentes na boca e teve a audácia de dizer que ia me comer, e como se não bastasse, ainda queria comer minha boceta, gente? Não dei confiança, falei que eu era sapatão e ele logo se afastou. Mas o outro ficou.

O outro não era feio não, meninës, juro que eu até pensei em fazer, mas ele começou a falar de me apresentar pra mãe dele, de ir num sei pra onde, melkoo, sei que terminamos a noite na casa de um quinto bofe que apareceu, bebemos até às 7 da manhã, fiz o boy e ainda dormimos lá!

Com o koo na mão, claro, porque esse negócio de “vai tomar dormindo” é moda em Nova Almeida, e pra me pegarem pra Monique no meio da noite, pouco custou.

Babado, Confusão & Gritaria [Nova Almeida]


Mapa de Nova Almeida

Bee’s, O BCG dessa semana teve que ser adiantado, porque meu começo de fim de semana já foi bafo demais pra esperar até segunda-feira.  Me aventurei pelas bandas pós-Serra. Não satisfeita em ter acordado por lá no mês passado, senti uma necessidade de viajar até o limite do Transcol.

Quinta-feira, Ariadna, uma bill amiga minha, convidou a mim e ao Anwar pra irmos à casa dela em Nova Almeida. Eu juro que fiquei meio receoso de início, afinal, tenho experiências péssimas com cidades do interior, vide o dia que bebi Cu de Burro em Nova Venécia e sai correndo pelada pelo mato. Mas ela disse que me daria bebida grátis e eu aceitei. Pois de graça, até injeção na testa, néam?

Comprei minha passagem na quarta-feira e na quinta peguei uma ponte aérea pra lá, o vôo levou cerca de duas horas e eu demorei um pouco pra me acostumar com o novo clima e fuso horário. Pras que nunca visitaram Nova Almeida, aconselho fazer uma mala bem diversificada, pois as variações de temperatura são tão bruscas quanto as do Planeta Mercúrio.

Sou hétero

Enfim, vamos falar de coisa boa: as gays. Fomos comprar nossos drinks no supermercado e as ruas pareciam uma Parada Gay em suaves prestações. Bastava algum de nós falar a palavra “vinhádo” que surgia uma bill pintosíssima caminhando rebolativa. O lugar tem tanta bee, mas tanta bee, que até os “HT’s” falavam miando.

Tsá, nem todos os Ht’s falavam miando, mas tinha uma pocket-PêLanza que eu fiquei chocada quando eu, muito educadamente e já enturmada, fiz uma pergunta e disse assim: “Então, gente, eu acho que a chuca é isso e tal, não é mesmo, BEE?”, olhando pra gay Restart. E vocês acreditam que ela, muito da abusada, balançou o ombrinho, cruzou a perninha, quebrou o bracinho e teve a audácia de dizer: “Eu? gay? Sou heteroãm”.

Sim! Anasalando as sílabas mais que a Celine Dion! E depois ainda insistiu em bater nessa tecla, e eu, muito chapada depois de três garrafas de Martini, já tava poota na paulishta e comecei a jogar na carãm dela que era impossível ela ser hétero.

Como essas mini-bee’s sempre funcionam sob pressão, logo ela soltou a máxima: “Tsá, sou agátê, mas já peguei homem, só que não gostei”

Um cidadão comum de Nova Almeida

Amigas, QUEM aqui gostou do primeiro homem que pegou? Pouquíssimas! Se fosse depender do primeiro pra determinar minha sexualidade, estaria fodida e comendo mulher com o dedinho no nariz até hoje!

Acabei dormindo de lente, acorday com olho de peixe, e caminhamos MAIS uma vez pelas ruas (muito programa turístico). Só que dessa vez fomos eu e uma amiga da Ariadna, tão andrógina quanto eu, só que ela é rachada. Qué dizê, vocês imaginem o frisson causado? Estava me sentindo tão freak, mas tão freak, que andava com o koo na mão, com medo de quando menos esperasse, aparecesse uma multidão enfurecida, com tochas pra nos queimar.

Por fim, a minha dica é: Nova Almeida é o paraíso pros boys ativos, se é que existe algum, pois conheci pouquíssimos. Acho que deve ser por isso que no fim de semana, as gays de lá vêm todas pra Vitorinha, o último grito de desespero em busca de um cafuçu… tadinhas… mal sabem elas que a situação aqui tá tão preta que a única saída é fazer escambo com os outros países, tipo uma bolsa de valores: duas passivas por um ativo, pra evitar a inflação.