AÊÊÊÊ!


941113_612374018790128_471638143_n

Sim, você não leu errado, agora é casamento em vez de união estável! Você não precisa mais ficar 2 anos com o boy pra dar aquele golpe do baú gostoso.

Não tem Silas, Valdomiro, Feliciano ou nenhum outro capeta que breque a evolução da sociedade.

A resolução aprovada pelo CNJ diz que: “É vedada às autoridades competentes a recusa de habilitação, celebração de casamento civil ou de conversão de união estável em casamento entre pessoas de mesmo sexo”

Veja a matéria completa clicando AQUI.

Dica de dois leitores, então ninguém ganha crédito hahaha

Qualificação Profissional para LGBTs em Cariacica



A Coordenação de Políticas de Promoção da Diversidade Sexual de Cariacica situada na Secretaria Municipal de Cidadania e Trabalho, vem discutido internamente a qualificação profissional para LGBTs, tendo como prioridade qualificar travestis, transexuais, gays afeminados e lesbicas masculinizadas, por comporem a parte mais discriminada e afastada dos equipamentos públicos da sigla LGBT.

Alguns pontos ainda precisam ser discutidos, entretanto, a partir de hoje, a coordenação fará um pré cadastramento para os cursos a fim de articular uma primeira turma específica, de acordo com a vocação das pessoas inscritas.

As modalidades de cursos são variáveis: de recurso próprio, de convênio, nos bairros, na Prefeitura, para beneficiários do Bolsa Família, para os munícipes e/ou para Grande Vitória. Para participar do pré cadastro é necessário enviar nome completo/nome social, endereço completo, telefone de contato e identidade sexual para o e-mail: diversidadesexual.cariacica@gmail.com.

Os cursos são:

Almoxarife
Armador de Ferragem
Arquivista
Assistente de Logística
Atendente de balcão de Farmácia
Atendente de Consultório Médico e Odontológico
Auxiliar Administrativo
Auxiliar de Serviços Gerais
Bombeiro Hidráulico
Cabeleireiro
Captação de Passageiros
Carpinteiro de Fôrma
Confeiteira
Confeiteiro
Conferente de Cargas
Corte e Costura
Corte e Costura Industrial
Corte e Escova
Costureira
Cozinheira
Cozinheiro
Depilação
Digitador
Eletricista instalador industrial
Eletricista predial
Emissão de Notas Fiscais
Estética Corporal
Estética Facial
Fotografia
Gesseiro
Hardware
Informática Avançada
Informática Básica
Manicure
Manutenção de Computadores
Mestre de Obras
Montador de Andaimes
Montador de Móveis
MOPP
Noções Administrativas
Operador de Betoneira
Operador de Caixa
Operador de Empilhadeira
Operador de Guincho Munck
Operador de Guindaste
Operador de Pá Carregadeira
Operador de Ponte Rolante
Operador de Retro Escavadeira
Padeiro
Pedicure
Pedreiro de Acabamento Azulejista
Pedreiro de Alvenaria
Penteado Afro
Pintor de Obras
Pintura
Rotinas Administrativas e Contábeis
Salgadeira
Salgadeiro
Soldador a arco com eletrodo revestido
Técnicas de Venda
Telemarketing
Cuidador de Crianças e Idosos

Pub de Teresina é condenado a pagar indenização a casal de lésbicas


Adoro dar essas notícias “happy ending” na sexta, aumenta a auto estima e nos traz ânimo pra bebemorar esperança.. kkkkkkkk 

O bar Planeta Diário foi condenado, nesta quinta-feira (29), a pagar R$ 4 mil de indenização por danos morais ao casal de lésbicas E.A.S e V.A.A, discriminado quando participava de uma festa alusiva ao dia dos namorados, no ano passado. O casal alegou que estava dançando quando foi abordado por um segurança do estabelecimento, dizendo para se retirassem do lugar, porque o dono não aceitava “aquele tipo de comportamento”.

A ação foi impetrada pela advogada Audrey Magalhães e acompanhada pelo Grupo Matizes, através do projeto Nas Trilhas do Direito para a Conquista da Cidadania. Segundo a coordenadora da instituição, Maria José Ventura, no Piauí, esse é o primeiro caso de condenação de um estabelecimento comercial por prática homofóbica.

“Para nós, o mais importante de uma decisão como essa é o efeito pedagógico que ela gera. Isso faz com que a sociedade reflita sobre o preconceito contra a classe LGBT, além de inibir a discriminação em outras empresas”, pondera a coordenadora.

Ao comentar a decisão do Juiz, uma das autoras da ação, a servidora pública E.A.S, disse que, quando procurou a justiça, não fez isso por dinheiro, mas com o intuito de que não ocorresse a mesma situação com outras pessoas.

“Eu considero essa decisão muito positiva e espero que sirva para que outras pessoas discriminadas busquem seus direitos. A justiça do Piauí mostrou mais uma vez que está avançada nessas questões de direitos da população LGBT”, frisou E.A.S.

FONTE