Kooriosidades – Na Cama com Max [Tema: Bissexualidade]


01-banner-max1141

Sentiram saudades do Kooriosidades, não sentiram? Aposto que sim.

Passei a postar menos mesmo, as perguntas começaram a ficar repetitivas e acabei por ajudar os leitores via e-mail, sem postar aqui no blog. Entretanto, esse caso é interessantíssimo e queria discutir com vocês.

Vamos ler o que a gay (?) mandou pra gente?

Desculpe-me pelo incômodo, mas algo vem me perturbando muito. Estou te enviando esse e-mail porque você é uma pessoa em quem me inspiro, mesmo sem te conhecer (eu moro em Recife). Meu nome é Matheus e eu sou leitor do BC desde os meus 14 anos, ou seja, desde a época do primeiro concurso de autores do babado certo (hoje tenho 18).

Enfim, menos blablablá e vamos para o motivo desta mensagem. Max, eu não gosto de rótulos sexuais, mas eu passei a sentir atração por mulheres. Não é que eu tenha passado a sentir atração de uma hora para outra, mas o negócio é que, desde que eu percebi que gostava realmente de homens, passei a me identificar como gay.

Porém, dentro de mim sempre estava uma chama que me fazia derreter por mulheres, mas eu sufocava isso. Agora eu não estou aguentando mais. Não me vejo como bissexual, porém eu me atraio pelo sexo oposto, também. É esquisito, eu sinto uma certa aversão à ideia da bissexualidade. Essa rejeição não é com o fato de alguém ser bissexual ou com a bissexualidade em si, mas com o fato de eu ser bissexual. Me dá uma luz, Max! Beijos!!! Amo o BC!

P.S.1: Todo mundo sabe minha orientação sexual, ou pelo menos, a orientação sexual que eu achava ter.

P.S.2: Já namorei com homens e fiquei com mulheres. A sensação é um pouco diferente, porém o prazer é o mesmo.

P.S.3: Atualmente estou solteiro.

Desde que comecei a fazer matérias de Licenciatura, tenho trazido pra discussão em sala de aula a questão de identidade de gênero e a sexualidade. Durante toda a minha graduação na Biologia me foquei na ideia biológica da determinação da sexualidade, entretanto, ultimamente tenho me auto-argumentado e chegado a novas conclusões.

Portanto, por mais que pareça controverso o que eu vou escrever, nada aqui é verdade absoluta, apenas quero convidar vocês a pensarem junto comigo.

A primeira coisa que concluí foi: Ninguém nasce gay! Nem hétero.

Como assim, Max? Desde pequenininha eu gosto de homem, nasci assumida.

gay certo

tumblr_mn0smtc4t81qhvxhko1_500Sabe por que ninguém nasce gay ou hétero? Porque ninguém nasce homem ou mulher.

Já existe um consenso tanto na Psicologia quanto nas Ciências Sociais de que o nosso gênero (masculino, feminino, os dois ou nenhum deles) é uma construção social.

Quer dizer, o seu órgão sexual não é suficiente para determinar seu gênero, porém você é criado como homem caso nasça com pênis e como menina quando nasce com vagina.

Por esse motivo, temos a tendência a considerar plausível a ideia de que homem tem pênis e mulher tem vagina, mas não é sempre assim, os transexuais estão aí e não me deixam mentir.

Acontece que nem todo mundo se sente confortável com as regras de comportamento estabelecidas para cada sexo, e se somente o órgão sexual fosse suficiente para determinar sua identidade de gênero não existiram tantas pessoas com comportamentos do sexo oposto.

cu cucuc

Caixa de Pandora: A origem de todo o mal

Você vai encontrar a prova disso dentre os hermafroditas: Nascem com genitália ambígua, os pais determinam um gênero para a criança e ela passa a ser criada como menino ou menina.

Vários são os casos que isso não dá certo, e a pessoa acaba por se identificar com o sexo que foi “cortado” lá no nascimento.

generos dff

Nem vou entrar no mérito da criança que tem trejeitos femininos e é taxada de gay desde pequeno. Quem garante que essa criança não era transexual e ouviu tanto que aquilo era ser gay que acabou aceitando tal identidade?

Exemplo, Serginho no Super Pop:

0000000001] 0000011]

Então, se ninguém nasce homem ou mulher, mas sim macho e fêmea, como podem as pessoas nascerem gays ou héteros se ao nascer o gênero ainda não está determinado? Se eu não sei se sou homem quando nasço, como posso nascer gay?

E digo mais, o homem gay, por exemplo, não se atrai por pênis, mas sim por homem e tudo aquilo que lhe foi ensinado ser característica de homem, e acaba relacionando aquilo com o pênis, apesar de uma coisa não ter nada a ver com a outra.

Cu, nasci pra isso não, mãe!

Cu, nasci pra isso não, mãe!

Quer um exemplo? Observem a foto abaixo:

homem trans

Certeza que todas vocês ficaram molhadinhas com o boy, não é? Mas e se eu contar que é um homem trans, ou seja, não tem pênis… vocês continuariam atraídas pelo boy? Provavelmente a maioria de vocês não.

Isso só comprova a ideia de que nossa sexualidade é uma construção social baseada na imagem pré-estabelecida de cada sexo, bem como suas vestimentas, características físicas e comportamentais.  E se é uma construção social, pode ser mudada. PODE ser não quer dizer que VAI ser.

Não estou aqui pra dizer que você vai conseguir um dia deixar de ser gay ou hétero, não, quero dizer que todo mundo tem a possibilidade de modificar essa sexualidade, tem o potencial para mudar, que nada está definido no nascimento. Isso porque nossa sexualidade busca prazer, não reprodução. Portanto, ela é plástica e moldável.

Acontece que ser gay ou hétero é muito mais que somente uma atração sexual, é uma identidade sócio-cultural, quase uma ideologia que você defende e reitera com unhas e dentes. Basta observar como nós, ainda mais os héteros, reafirmamos sempre a nossa sexualidade:

0012

“Pegar bicha afeminada? Melhor comer mulher logo!”

“Não curto lésbica bofinho, mulher pra mim tem que ser feminina.”

“Ela é gostosa, mas é mulher de tromba, deus me livre!”

pirocaOlha aí o aprendizado do que é homem ou mulher influenciando na nossa sexualidade. E se tivessem te ensinado o contrário, será que sua sexualidade seria a mesma?

Se fosse uma sexualidade estabelecida no nascimento, ter pênis/vagina, ou seja, ser macho/fêmea seria suficiente para determinar sua atração, mas não é, o comportamento é capaz de te fazer considerar a beesha afeminada tão atraente quanto uma mulher: ZERO.

O comportamento importa, e se o comportamento é aprendido, você não nasce sabendo e deve conhecê-lo primeiro para saber se existe empatia.

E aí a gente cai no maior erro do determinismo biológico: A inversão da causa e do efeito. Em vez de afirmarem que o homem desencadeia no corpo a atração da beesha, afirmam que é o corpo o responsável pela atração pelo homem.

Ora, como pode haver uma resposta fisiológica inata e padronizada àquilo que o organismo nasce sem saber que existe, que vai ser ensinado a ele depois do nascimento?

E mais, nossa noção de homem/mulher mudou diversas vezes na história da humanidade, o processo evolutivo não é rápido o suficiente para acompanhar essa mudança.

Olha o que eu faço com o Processo Evolutivo

Processo Evolutivo

Por isso que o leitor está tão confuso quanto a sua atração sexual, lógico, desde muito novo somos obrigados indiretamente a escolher um lado do muro, a bissexualidade é mal-vista por ambos os grupos e o que mais se fala é sobre a ideia de que eles são confusos, volúveis e até traidores. Ninguém quer ser isso.

Quanto mais leio mais chego à conclusão de que todos nós nascemos bissexuais e sem gênero definido, e que depois, inconscientemente, vamos estabelecendo nosso gênero e nossa sexualidade.

O que não quer dizer que eles vão mudar um dia, mas o potencial está aí, o tempo todo tensionando nossos limites e esfregando na nossa cara, com transexuais super atraentes, que ter buceta ou piru são a finalidade, não a causa da atração sexual.

941141_538124692877655_2031151245_n

Logo hoje, que Feliciano vai votar a “cura gay”, eu venho e faço um post desses. A beesha gosta de um bafão, né? hahahaha.

Kooriosidades – Na Cama com Max [Tema: Mamãe sabe?]


01-banner-max1141

Eu, no Reveillón 2011

Eu, no Reveillón 2011

Chegou essa época linda de final de ano, todo mundo fica bêbado junto com a família, e com a cachaça vêm o quê? A PINTA, é claro!

Muitas bee’s bebem e só faltam amarrar os braços na cadeira, a fim de evitar qualquer deslize que faça seu tio homofóbico buzinar no ouvido do seu pai, mais homofóbico ainda, que você está desmunhecando (porque é essa palavra idosa que eles usam) na festa.

Pensando nisso, catei um e-mail de uma leitora que veio muito bem a calhar com essa situação, vamos acompanhar:

pinta

Até o Papa sabe que ela é gay!

tumblr_mel7xoi0K21qhzutgo1_500A mãe já pegou se maquiando, já pegou dançando (e eu tenho certeza que não foi dançando Racionais MC) e já soltou a frase de toda a mãe que aceita o filho solta quando ele se assume. Quer dizer, só falta a bee se tocar e aproveitar essa virada de ano pra dar um presente mais que especial para a família.

Uma beesha na família muda toda a sua configuração, eu mesmo quando dei a primeira pinta (lá pros 2 anos de idade) já senti que a vibe ia mudar. Numa família de militares, na qual metade dizia que mataria se tivesse filho ou filha gay, ter hoje 3 gays sendo super bem aceitos é mais que uma evolução, não é mesmo?

E pra isso é preciso uma gay vanguardista e cabeçuda pra discutir com a galera nos churrascos e ir quebrando preconceitos, pouco a pouco.

Mas nem tudo foram flores, diversas foram as vezes que me minha mãe entrou no quarto e eu estava assim:

tumblr_mfhdywyLhR1qdlh1io1_400

E vocês? Também acham que a gay deveria se assumir o mais rápido possível?

Kooriosidades – Na Cama com Max [Tema: Gays e Misoginia]


Sentiram falta do Kooriosidades? Aposto que sim!

Vocês perceberam que eu dei uma diminuída na quantidade de postagens da coluna, mas foi por uma boa causa: Eu estava recebendo uma quantidade absurda de e-mails de bee’s me perguntando apenas como arrumar um namorado. Mandavam Facebook, diziam suas qualidades e me indagavam o motivo pelo qual não conseguiam namorar.

E eu digo pra todas: Eu não sei! Aliás, essa é a grande pergunta da maioria das pessoas que estão realmente interessadas em relacionamento, mas infelizmente esse é um grupo muito pequeno diante da quantidade de pessoas que tiveram desilusões amorosas e hoje não querem mais nada sério.

Mas vamos ao tema de hoje. Dessa vez eu recebi um e-mail muito fofo de uma leitora heterossexual (leitora mulher mesmo, tsá?). Nesse e-mail ela conta o quão militante da causa gay ela é e não entende por que muitos gays a tratam mal só pelo fato de ter uma vagina.

Vamos ler?

Oi max, belezinha?

Primeiro queria dizer que sou fã do Babado Certo, daquelas que entra no site todo dia e fica chateada quando não tem nenhum post novo. Sua fã em especial.

Meu nome é Amanda (nome fictício), 32 anos, casada há 4, considerada muito gay pelos meus amigos.  Existem pencas de mulheres assim, expansivas, comunicativas, viadas, defensoras da causa, utilizadoras do pajubá, que naturalizam o mundo gay.

Enfim, eu sou mais uma dessas, só que legítima, de verdade, sem ser fake, sem forçar a barra, daquelas que só frequenta gays, que só tem amigos gays, que cresceu com gays, que tem uma linda irmã sapa pau de mel. Dessas que pode zoar os amigos gays a vontade, porque possui permissão e licença poética… e é recíproco.

Vamos a minha dúvida, quero muito saber sua perspectiva sobre esse assunto: por que nós mulheres somos TÃO maltratadas pelas gays? Até que você vire amiga da gay, a única coisa que você, mulher, merece é coió! Tá chato isso já!

Ainda mais essas bees ninfetinhas, que não são da minha geração, que estão tomando conta de vitória. até parei de sair! Deixa eu explicar melhor: Eu era frequentadora assídua da Move, antes de casar. Que época boa, como fui feliz naquele lugar! Peguei todas as pessoas de Vitória!

E como eu fui maltratada também! Alguns meninos não têm nenhum respeito pelas “rachas uó”, são grosseiros, esbarram na gente de propósito e tal.

Tô magoada desse jeito porque esses dias fui ao casamento da minha amiga, ela foi jogar o buquê, as viadas toooodas correram pra pegar, eu achei a cena muito engraçada e divertida, botei maior fé!

Bichinhas passando correndo excitadíssimas do meu lado, eu, que dou bom dia a cavalo, quis interagir, na maior naturalidade, disse: “calma gente!” mas rindo, me divertindo.

A beezinha virou pra mim e disse, como um demônio: “EU ESTOU FALANDO COM ELE”, e virou o pseudocabelo tipo a Beyoncé! Com desprezo! porra, precisa? A gente tá num casamento de uma pessoa em comum, que a gente ama, que só deve ter chamado gente que ela gosta, só isso já dá pra desarmar!

Tenho um amigo muitíssimo inteligente. Cabeçudíssima a passiva, produz pensamento igual a fazer café, tem uma linguagem técnica que muitas vezes não acompanho, “o mundo pós moderno isso, o neoliberalismo aquilo”. e de quê adianta? Misógino! Menos comigo, que sou “amiga”.

Muitas vezes ele já me ofendeu dizendo ter nojo de buceta, que buceta é extremamente nojento. porra, nojo? isso é pesado!

Fala sério! Buceta não é nojento! Pessoas são nojetas, outras pessoas não são! Algumas são asseadas, outras não. Esse argumento de que se a pessoa não gosta de mulher, por exemplo, a coisa torna-se asquerosa é vazio. Pra mim é exatamente isso que os gays sofrem, esse tipo de argumento. que gay é nojento, que beijo gay é nojento, não uma manifestação afetiva, de carinho.

Minha perereca é uma manifestação de carinho e beleza, não é nojenta!

Só não acho que ser mulher é, em nenhum momento, depreciativo, desqualificante, degradante. Óbvio que tenho várias teorias com relação a isso, como por exemplo não ser um ódio do nada, apenas um mecanismo de defesa.

Como héteros não têm uma placa na testa escrito “sou legal, relaxa”, na dúvida as bees ficam armadas, mas aí fodeu. Elimina um monte de possibilidades.

#Chatiada

Suprimi algumas partes do texto porque a amapoa é super falante e me enviou um rascunho da Bíblia. Delicioso, diga-se de passagem, mas eu sei que vocês são preguiçosas e não leriam tudo.

Então, eu estava conversando exatamente sobre isso com uns amigos enquanto estava lá no Rio. A misoginia entre os gays chegou num nível alarmante.

Pra quem não sabe o que é misoginia: Misos – ódio/Ginos – Mulher. É o ódio ou a aversão a mulheres. E não pense que héteros estão excluídos dessa categoria só porque fazem sexo com mulheres não, o machismo carrega consigo uma grande base misógina também.

in da box

E eu não vou me excluir dessa não, sei que muitas piadas que faço aqui com as sapas perpetuam esse tipo de aversão. Entretanto, existe uma diferença bem grande entre fazer piada e todo mundo saber que você está sendo sarcástico e fazer piada com a intenção de denegrir todo um grupo.

A minha teoria é que essa misoginia é um reflexo do machismo que nos afeta diretamente, afinal, o que os homofóbicos odeiam na gente não é a nossa sexualidade nem o que fazemos entre 4 paredes, mas sim a feminilidade que reside nessa sexualidade.

O gay abdica da sua “posição superior” de homem para se deixar prestar um papel social feminino, o ato de deitar com outro homem como se fosse uma mulher mesmo.

Nossa sociedade não admite que um homem se castre e tenha comportamentos de mulher, na cabeça dessas pessoas é um desrespeito com a “sorte” que você teve de ter nascido como o sexo dominante.

Ela também tem, e você ama!

Uma grande idiotice, é claro, mas infelizmente é assim que as coisas funcionam, e quando um gay é misógino ele está claramente se “vingando” daquela mulher que é a culpada do preconceito que ele sofre.

E para que ele mesmo não se sinta preconceituoso (afinal, o preconceituoso nunca admite o preconceito), faz o uso da sua sexualidade para focar seu ódio na vagina, não na mulher… como se a vagina não representasse exatamente isso, néam?

Uma outra abordagem interessante, sugerida por uma leitora nos comentários, é a de que o fato das mulheres terem vagina e, portanto, atraírem um número maior de homens, pode ser interpretado como uma ameaça por parte dos gays diante de uma possibilidade de pegação. Isso se refletiria também na aversão à mulher.

É muito comum esse tipo de preconceito reflexivo. Outro exemplo é a relação entre o Espiritismo e a Umbanda. Ambos são discriminados, mas ouse falar com um Espírita que a religião dele pode ser comparada à Umbanda pra você ver o diabo que ele vai virar.

E no final ainda terminará com uma frase do tipo: “É por causa deles que nós sofremos preconceito”.

Hummmm, Max, essa frase me é familiar!

E é mesmo! É a mesma frase utilizada por muitos gays que se consideram masculinos e que discriminam as bee’s afeminadas. O que faz com que ele discrimine a bee afeminada? A feminilidade dela, e de onde vem essa feminilidade? Das mulheres!

**BOOM**! Você tem aí sua resposta: O fato de um grupo sofrer preconceito não o exclui da possibilidade de ser preconceituoso quando essa aversão advém de um preconceito muito maior que o sofrido por ele.

P.s.: Mas por que os gays amam as divas? Muito simples, divas não são mulheres, são divas, e a categoria de diva as coloca numa posição superior dentre as outras mulheres.

É como se elas fossem uma mulher com pênis, basta observar que quando uma diva é muito poderosa ela é logo comparada a uma trava… opa! Então será por isso que gays respeitam muito mais travestis que transexuais?

É um caso a se pensar…

Tá com um dilema de natureza sexual, social ou médica? Mande sua dúvida para max_babadocerto@hotmail.com, e a Max consultará os universitários para tentar resolver o seu problema.

Kooriosidades – Na Cama com Max [Tema: Higiene Íntima]


Então, passadas as eleições, voltemos ao trabalho.

Antes de comer, beber, lamber, pegar na mamadeira ♪

Eu A-DO-RO falar de higiene, adoro tudo que envolve sabões, perfumes, hidratantes, Dermacyd e Protex Própolis. E a bee desse e-mail tocou num ponto interessantíssimo, que vai me permitir falar de tudo relacionado à limpeza ligada ao sexo.

Principalmente quando o assunto é sexo com a participação de partes do corpo que acumulam “alimentos”, seja o alface da chuca mal-feita, ou o queijo da neca.

Eu sei que eu já falei de higiene num Kooriosidades, mas aquele era só sobre necas, esse é mais amplo, e, bee’s, a situação da beesha é perturbadora, vale muito a pena ler, hahahaha.

Vamos lá?

Max, eu estou precisada de umas dicas, pois eu estou fazendo um tratamento, sou misofóbico – tenho problemas com germes e etc -, ou seja, eu praticamente nunca tive contato físico na vida (tirando os de antes do meu problema, ou seja, na infância).

Tudo bem que eu sou pêssega e ainda tenho muitos aninhos – um só, pois eu não sou mutante infelizmente, pois imagina mais de uma, né? – para serem vividos.

Aí está o ponto, estou afim de um cara que sabe sobre o meu problema, e ele já veio pedir para ficar comigo e eu o rejeitei por causa de motivos óbvios, não quero ter que escovar a minha boca durante 1 hora depois de beijá-lo, ou vomitar nele, que eu acho que seria pior que a primeira, com certeza.

E alem disso, eu dar um péssimo beijo no boy. Como eu disse para você, eu estou fazendo um tratamento e estou progredindo, mais até o grande dia eu quero me sentir segura, e queria que você me desse uma dicas de tudo que uma guei precisa saber desde os primeiros aos últimos passos.

É, gente, e eu achava que eu era enjoada porque não consigo beber água do copo de outra pessoa. A beesha tá apreensiva porque tem medo de VOMITAR no boy!

Confesso que já peguei uns que, me lembrando aqui enquanto escrevo, me sinto este gif:


Anyway, bee, sexo não é limpo e não é cheiroso. Há troca de fluidos, há esfoliação de pele morta com o atrito dos dois (ou mais) corpos e há a possibilidades de N situações nada agradáveis.

E por N vocês entendam cheques, flatulências, xixi que sai sem querer, hálito pouco agradável, entre outros que, mesmo com uma higiene excepcional, sempre podem te surpreender.

Ainda mais se sua vida sexual se resume a levar o boy pra casa depois dele ter batido coxa a noite toda na balada. NÃO espere um pau/koo cheirando a rosas, prepare o pão de forma que a virilha pode ter até manteiga, dependendo da esfregação.

Mas vamos aos passos para um bom sexo sem sujeira e sem polenguinho?

Primeiro, uma boa escovação:

Uma boa escovação dos dentes, com o uso do fio dental e do enxaguante bucal faz bem em qualquer situação. Entretanto, nada de destruir a mucosa da sua boca escovando os dentes por uma hora, como a bee do e-mail.

Uma escovação violenta pode criar microlesões na mucosa e tornar sua boca uma porta de entrada para inúmeras infecções, e até mesmo DST’s. O ideal é escovar os dentes de meia a uma hora antes de por a boca na botija.

Segundo, a chuca:

Quanto a chuca, existe uma grande discussão sobre os perigos de se fazer, mas não existe bee que se sinta 100% segura sem fazê-la.

Pros ativos que não compreendem o desespero, pensem no quão desconfortável é estar apresentando um trabalho com seu pau fora do lugar na cueca. Você não pode consertar, e se mexer lá a situação pode piorar, e todo mundo vai se focar na cagada que você fez em vez de no seu trabalho.

Vale lembrar que, quando vocês insistem em fazer sem estarmos preparados, nos sentimos assim:

Devido ao fato do intestino abrigar uma extensa microbiota de organismos que protegem o nosso corpo de agentes infecciosos e ainda produzem vitamina D, o excesso de chuca pode causar tanto a morte dessa galerinha quanto a destruição da camada lubrificante da mucosa interna do seu intestino. Sem contar o vício que ele pode adquirir, como o de só conseguir evacuar com o uso da água.

Sim, temos lubrificação também, claro que não babamos que nem rachas, que mais parecem aquelas raças de cachorro bochechudas, mas vocês acham que a nena desce no seco? Nada disso! E por isso também precisamos manter essa lubrificação e ritmo intestinal.

Uma beesha bonita é uma beesha saudável e com o intestino intacto, portanto, nada de chuca cada vez que você for pegar um Transcol pra ir trabalhar, deixe pra ocasiões especiais (ou necas acima de 20 cm).

Se você namora ou faz sexo frequentemente, prefira focar numa alimentação rica em fibras (frutas, verduras e legumes, EXCETO COUVE, EM NOME DE G-ZUIS. Couve e cabeça de neca são como imãs!).

E se seu namorado tem nojinho, mande-o se foder, sua saúde está em primeiro lugar e se ele não consegue lidar com isso, que trepe com uma vagina caseira.

Terceiro, a neca:

Uma neca limpa é uma neca atraente. Pode ser torta pra cima pra baixo ou em caracol, desde que você lave com sabonete bactericida pelo menos duas vezes ao dia, não existe beesha nesse mundo que reclame.

Aliás, não há nada pior, e as bolagateiras vão me entender, que abrir a calça do boy e subir aquele cheiro de galinha caipira. A da fazenda, viva, não a da panela, ensopada.

E, por fim, orelhas, axilas e pés:

Cheirinho de mato na virilha

Não precisa encher o corpo de hidratante, Kaiak Aventura e outras 9 fragrâncias em cada prega do edi, basta lavar com mais atenção, e o uso da bucha vegetal ESTÁ permitido!

Principalmente atrás da orelha, gente, pelo amor que vocês têm a Cher, lavem sempre atrás da orelha, mesmo que pra isso você molhe sua chapinha e tenha que refazer o pico naquela área.

Ninguém curte dar uma lambidinha lá e sair com parafina o suficiente pra construir uma vela de sete dias.

Seguindo essas dicas, podem ter certeza que todas terão uma noite de sexo segura, limpíssima e só com aquele cheiro delicioso de quarto de nerd punheteiro que fica depois do cruzo. 😉

Kooriosidades – Na Cama com Max [Tema: Fim de Relacionamento]


Ai, hoje eu tô toda união estável, toda namoro, toda relacionamento sério no Face.

Mas como nem tudo são flores, o tema será sobre o que fazer no fim do namoro: se vale a pena devolver todos os presentes do ex, rasgar fotos, colocar nome na boca do sapo ou simplesmente acabá cá vida dele nas redes sociais.

Vamos ler o e-mail da nossa leitora? (observem com atenção as partes em negrito)

Max, vai fazer 1 ano que estou sem meu “filhos”, explico.

Bem, namorei um carinha por 1 mês, fiquei super apaixonado, pois sou de peixes e me apego fácil, então, por uma besteira, acabamos brigando e ele me deixou, fiquei super mal e chorei muito.

Ele nunca mais quis falar comigo, pediu tempo, eu dei. Fiz de tudo para voltar, comprei cesta de presentes e etc, mas não deu certo.

Antes disso, quando estávamos nos conhecendo, emprestei uns cd’s e DVD’s = filhos para mim. Sim, eu gosto de colecionar cd’s e ainda estão com ele. Já vi o infeliz, que eu sinto uma coisa ainda, e pedi, mas ele falou que estava na casa da mãe, que sabia aonde eu morava e quando estivesse disposto iria me devolver.

Quando penso nos meu bebês vem ele na minha cabeça e me lembro dos tempos que eu estava com ele, não tanto quanto  como no começo, pois me conformei com a perda.

(((RECALQUE ALARM!)))

Pensei em várias maneiras de ter de volta meus cd’s: Ir à casa da mãe dele, pedir e falar toda verdade, pois eles não sabem que ele é gay. Mas não quero prejudicá-lo, ele é professor, muito lindo e ainda gosto dele.

Eu não sou de fazer isso, mas já faz 1 ano que quero meus DVD’s.

Detalhe: eu entrei para faculdade por causa do infeliz, para podemos ficar juntos mais tempo, ainda bem que o campo dele e distante do meu.

E aí ele me pede sugestão de como reaver os dvd’s. Bee’s, eu preciso dizer que esses dvd’s são só um pretexto pra ele ir atrás do boy? Não, né?

Um único mês de namoro e o cara largou ele, aliás, ele COMEÇOU uma faculdade por causa do rapaz. Qué dizê, tem muito relacionamento mal-resolvido aí, e tudo isso termina numa grande dor-de-cotovelo e inúmeras tentativas de arrumar motivo pra ver quem gostamos.

Não que ele não goste também dos dvd’s, mas cogitar contar pra mãe do boy que ele é gay só por causa disso já é Síndrome de Heloísa.

Quem nunca, né? Eu mesma já inventei centenas de desculpas pra encontrar com ex, acreditam que até já disse que uma amiga havia quebrado o pé na frente da casa dele, só pra ele descer e dar uma carona até o hospital?

Detalhe: A racha havia quebrado o pé lá na frente da Ufes, mas eu fui até Camburi com ela de táxi! hahahaha

Não adianta, fim de relacionamento nunca vai ser bom, a não ser que VOCÊ tenha dado o pé na bunda, aí é delícia, a sensação de liberdade é maravilhosa. Sem contar a vontade de se jogar num mar de necas, tal qual o Fatality do Mortal Kombat, na ponte.

Não lembra? Vá para os 40 segundos desse vídeo:

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=n4PXbPWZ9_E]

Se você levou o fora, resta encher o caneco de álcool (sugiro Cantina da Serra porque sempre tem a possibilidade de resetar seu cérebro que nem a canetinha do MIB), rever os amigos que você deixou pra lá quando entrou nesse buraco negro satânico que você chamava de namoro e ouvir muita, eu disse MUITA, Alcione, Bethânia, Adele, Ana Carolina, Maysa, sua banda britânica chata e tudo que fale de dor-de-cotovelo.

Parece masoquismo, mas é ótimo pra descarregar as emoções, experimente!

Outra situação que deixa todos em dúvida é o que fazer com os presentes. Eu sempre ganhei jóias dos meus ex, e nunca devolvi, entretanto, ano passado invadiram minha casa e roubaram todas as minhas pratas, tipo fizeram com a Hebe Camargo.

Fiquei puta, claro, tinha uma fortuna em prata ali (dava pra pagar uma prótese mamária, uma só, mas dava), por outro lado aquilo me desvencilhou de um monte de lembranças. Então, se o seu relacionamento acabou conturbado, como o do rapaz do e-mail, é ideal que você se livre dos presentes e de tudo que lembre o relacionamento.

Vai ter gente dizendo que independente do quão ruim tenha terminado, é bom lembrar pra não errar de novo e tal. Nada a ver, de um pé na bunda ninguém esquece, não é necessário um monte de coisinhas e bilhetinhos que vão fazer você chorar toda vez que olhar.

Eu disse se livrar, não devolver, seria muito deselegante e com certeza você usaria isso como pretexto pra tentar seduzí-lo de volta… CALABOK, que é isso mesmo que você quer fazer marcando às 15 da tarde na praça de alimentação do Shopping pra ‘devolver suas coisas’.

Uhum, sei, só devolver… mas a chuca vai feita, né, vadia?

E vocês? Têm alguma história de fim de relacionamento pra contar e ajudar nossa leitora amiga?

Tá com um dilema de natureza sexual, social ou médica? Mande sua dúvida para max_babadocerto@hotmail.com, e a Max consultará os universitários para tentar resolver o seu problema.

Kooriosidades – Na Cama com Max [Tema: Pegação no Banheirão]


Seria engraçado se não fosse trágico. A Bee Bombadãm é uma comentadora conhecida no Babado Certo, além de já ter aparecido por aqui contando sua parafilia por heterozinhos.

Pois então, dessa vez ela foi longe demais, vamos ler o que ela tem pra dizer? (O texto é um pouco longo e as frases em negrito são os comentários da Max)

Oi Max. Ai, tô aqui em casa desesperado, olha o que me aconteceu: Bem resumido. (Imagine se tivesse contado com detalhes)

Estava eu no banheiro do terminal da cidade em que eu faço faculdade. Aí um cafuçu deu umas olhadinhas e eu, que nunca tinha feito banheirón, resolvi fazer. Fui lá, entrei, e o cara entrou também.

Não deu 1 minuto e 3 guardas bateram na porta! Quase fui espancada por um deles! Aí eu falei pra um deles: deixe eu ir embora, cara, eu sou professor, não posso me expor (Claro, claro, banheirão de terminal é o local mais discreto do mundo). Enquanto isso, uma bixinha breguinha olhava tudo do espelho e o outro guarda gritava (Aposto que era uma leitora do Babado Certo doidinha pra saber de tudo e me mandar depois).

O mais bonzinho falou pra mim: “Cara, olha pra você e olha pra esse esculachado” (porque o cara era cafuçu e tava de chinelo e eu toda linda mas enfim, o que ele quis dizer é, como você desse jeito foi fazer isso com esse tipo de pessoa. (hahahaha, passam-se os posts, e ela não perde essa humildade deliciosa dela)

Aí o mais bravo disse: “Some daqui!”. Max, eu sai vazada e fui pegar um outro ônibus, porque eu tinha um encontro com um boy magia em outra cidade, enfim… (Enfim não, você já tinha neca preparada pra schupar e ainda foi parar no banheiro com outro? Que megalomania é essa, beesha?!)

…eu nunca passei tanta vergonha na minha vida. Nunca fiz isso num banheiro,  e olha o que deu. E o cara falava: “Eu subi no outro banheiro eu vi ele de pau duro e você chupando” (Você parou pra bater papo sobre o assunto?).

Ai, Max, que vergonhaaaaa (vergonha de quê, bee? 90% das gays daquele terminal dariam um braço pra estar no seu lugar). Saí vazada quase chorando. Ainda bem que não vi ninguém de conhecido, nenhum aluno, nada. Imagine! Bom, claro que NUNCA MAIS vou fazer isso, nunca mesmo (Falo isso toda vez que acordo de ressaca). 

Mas o que eu preciso da sua ajuda é o seguinte: o boquete foi rapidinho e o cara era meio alternativo, pra ser bonzinho, mas tava limpinho e tal (Se o policial hétero de gongou, querida, não adianta tentar contornar: barangou).

Aí, enquanto eu fazia o boquete (nos 1 minuto kkk), eu senti que ele ia gozar, eu senti uma coisinha estranha e nao era o liquido pré-semem, já praticamente era o sêmem. Mas ele não gozou, e eu cuspi tudo fora e nessa hora que os policiais chegaram…

Se ele não gozou, e não era o líquido pré-ejaculatório, o que saiu do pau dele? Mingau Mococa?

Max, você acha que tem algum procedimento que eu deveria fazer pra evitar possivelmente alguma doença? Esse negócio de 48 horas. Eu li na Internet e é pra caso de estupro, no meu caso como eu faço? Vou na unidade de saúde e converso com um médico? Eu sei que eu sou muito encanado. Porque ele NÃO CHEGOU A GOZAR, mas eu senti um gostinho e, nossa, eu nem durmo agora.

Ai Max o que vc acha que eu devo fazer? Ou como não foi estupro não há nada pra fazer?

E aí ele fala alguns detalhes do encontro dele com o o boy da outra cidade, mas aí já foge do tema.

Então, eu acho que o maior perigo de se fazer boquete no terminal é o PRÓPRIO banheiro do terminal. Já disse num post que banheiro de terminal pra mim é uma grande casa de adoção para vírus sem lar, basta você ajoelhar pra schupar o boy que aquelas bactérias comedoras de carne humana começam a devorar suas articulações.

Mas falando sério agora, sobre o perigo de ter pegado alguma doença fazendo boquete, as chances do HIV são pequenas (como já disse no post sobre DST’s).

Um banho de Natura Ekos resolve o problema

Entretanto, todo cuidado é pouco! Ainda mais no seu caso, né, bill? Encontra um cara todo cagado no terminal, mal sabendo em quantos troncos de bananeira ele já enfiou a neca, e simplesmente chupa como se ele lavasse a pica com Dermacyd?

Errou feio, e por isso o SUS não vai te garantir o direito de tomar o medicamento preventivo de graça. Esses anti-retrovirais são caríssimos e, se mal tem coquetel pra quem é soropositivo, imagine se fossem distribuir remédio pra todo mundo que fez sexo desprotegido? Não dá certo, né?

Mas há um lado bom, o boquete foi por menos de um minuto, e como ele não gozou, não deu tempo de ter algum contato com sangue ou fluidos corporais… mas é claro, sempre há uma chance, vale fazer o exame daqui a três meses.

Isso eu estou falando do HIV, tem uma série de outras doenças que você poderia pegar schupando os outros, ainda mais um de aparência pouco higiênica, não se esqueça que o HPV tá aí, mona. E verruga, quando não é de pérolas como na montação da Lady Gaga, não é nada bonito.

Enfim, tenho uma dúvida: como assim ele já ia gozar com menos de 60 SEGUNDOS de boquete? Você esqueceu de passar o Corega e tirou a dentadura na hora de chupar?

Tá com um dilema de natureza sexual, social ou médica? Mande sua dúvida para max_babadocerto@hotmail.com, e a Max consultará os universitários para tentar resolver o seu problema.

Kooriosidades – Na Cama com Max [Tema:Timidez]


Mais uma edição da amada coluna de diquinhas da Max. A quantidade de e-mails continua enorme e eu tô fazendo o possível para responder a todos. Mesmo que eu não poste aqui, tento dar uma atenção especial a todos respondendo pelo menos o e-mail.

Então, mais uma vez, se você ainda não foi respondido não pense que a Max te ignorou, não é isso, tenha um pouquinho de paciência que assim que chegar a sua hora, responderei. Tá?

Vamos ao e-mail de hoje:

Bem tímida

Todos temos medo da rejeição, entretanto, os héteros sempre tiveram uma relação muito mais tranquila com ela. Afinal, desde pequenininhos os pais ensinam que os meninos nunca vão conseguir uma menina com facilidade, pois elas são criadas para esconderem a vagina até que um rapaz dê um prêmio bom o suficiente para merecê-la.

Claro que com a modernidade e a igualdade cada vez maior entre a sexualidade do homem e da mulher, essas mulheres finalmente começaram a quebrar as amarras do machismo e hoje têm mais tranquilidade ao fazer sexo pela simples vontade de sentir prazer, como os homens sempre fizeram.

Mas e os gays? Nós gays temos um medo muito maior da rejeição, somos rejeitados na escola, no trabalho, na família, na vida social no geral, e isso gera pessoas depressivas, com baixa auto-estima ou com fixação pela perfeição. Basta observar o post da Síndrome de Betty, a feia.

Diante disso, é de se esperar que quando o gay não encontra aceitação no único lugar no qual ele deveria encontrá-la (meio GLS), passe a ter medo de chegar em outros rapazes, porque nesse caso um “não” tem muito mais poder de magoar que o não com o qual os héteros estão acostumados a lidar.

Como é hábito eu falar do meu exemplo nos posts do Kooriosidades, não vou deixar de falar nesse: Não sei por qual motivo o rapaz do e-mail disse que eu não tenho que me esforçar quando quero ficar com alguém, mas ele realmente está certo. E isso não é devido a minha beleza divinal ou aos meus olhos de Lince-da-montanha, capazes de seduzir qualquer homem, tal qual as sereias da Mitologia Grega (hahahaha).

Vocês acharam que fosse? Não é! Diversas vezes que algum rapaz chegou em mim já ouvi a expressão “Você tem cara de não”, e essa “cara de não” (ou “de toco”) muitos gays têm, talvez por uma questão de proteção, de medo de dar margem para que outras pessoas pensem que você está dando em cima (mesmo de longe), ser rejeitado e ainda ser o assunto do grupinho de bee’s sentadas em volta do rapaz que pensou isso de você.

Sabendo disso, a minha saída, e a saída que eu vou dar para todos os tímidos que lêem o blog, é o bom-humor. Sim! A última coisa que você tem que fazer durante uma paquera e se sentir a Elvira e esfregar seus peitões na cara do boy. Deixando claro que o quer, as possibilidades de trauma depois da rejeição são muito maiores.

Um conhecido meu, por exemplo, quando queria alguém na Ufes, lambia a colher do R.U. olhando pro boy que nem essa racha aqui embaixo:

Obviamente ela não pegava ninguém além dos guardinhas à noite.

Tô te querendo, como eu te quero.

O ideal é que você converse com a pessoa como quem não quer nada, sente perto dela, faça um comentário engraçado sobre as pessoas da festa e espere o feedback. Quando alguém quiser ficar com você ele vai demonstrar com o olhar, mesmo que não diga, a gente SABE diferenciar um olhar de “Sai daqui, satanás!” e um olhar de “Me rasga em cima dessa mesa!”.

No final das contas, se a pessoa não retribuir é porque ela não te quer e você não vai precisar ouvir um não para descobrir.

Mas isso só vale pras passivas, néam? Porque ativo hoje em dia basta fazer pirocóptero com a neca na pista que sai de lá com um viado pregado em cada perna, tipo um Bóson de Higgs.

Tá com um dilema de natureza sexual, social ou médica? Mande sua dúvida para max_babadocerto@hotmail.com, e a Max consultará os universitários para tentar resolver o seu problema.