Todo gay é (ou tem que ser) fashionista?


Com esse corpeenho podche!

Festa nas montanhas, aquele friozinho bom. Dando aquela rodada de pescoço dava pra catar o público e já de cara boa parte dos gays. Como? Todos com cachecóis belíssimos, coletes e/ou calça saruel, enfim, todos tendência. Ao ver e contastar tal fato, conversava com meu companheiro sobre o tema. Ele me disse aquilo que o senso comum prega: o gay tem mais sensibilidade para a moda. Discordo! Não seria porque a sociedade (principalmente a tribo LGBT) cobra esse tipo de comportamento e conhecimento do homossexual, estereotipando-o e esse, por sua vez, engendraria em si a identidade fashionista?

E outra, só as gueis para terem coragem de usar umas coisas antes de todos (héteros, nocaso) sem temer ser chamadas de viadeenhos (pois são mesmo, ué?!). É só ir na buatchy, né, gente?! Elas usam combinações esdrúxulas brilhantes e de cores absurdas. Enfim, não faço a linha fashion, não uso tendência, faço muito mais a linha clássico e básico, deshcoolpa! #saruelétodacagada

Luto fashion


Antes de começar, todo mundo vestindo seu casquetezinho preto. Vestiu? Um dos mais talentosos e fechativos estilistas da atualidade o inglês Alexander McQueen (aquele dos sapatos maravilhooooooosos). Ele tinha 40 anos e foi encontrado enforcado em sua casa, em Londres.  Ao que parece, ele não superou a morte de sua mãe, que aconteceu dias atrás.  A sua nova coleção feminina seria mostrada por ele hoje, na New York Fashion Week. Ou seja, a tendência pra hoje é preto!

Bee, eu tô arrasada! Aliás, eu, você e ela:

“Me deixa. Tô péssima!”

Via PapelPop.

Para usar no dia-a-dia


Aqüenda o look da bee (clica pra ver grande):

Do site  da Lilian Pacce, do MSN Moda:

Algumas pessoas se montam – bastante! – pra ir ao SPFW. É o caso do estudante de moda paulista Adrian Mazzarolo, de 19 anos, que foi ao desfile de Fabia Bercsek – o 3º de hoje na Bienal – todo montado, com um look que lembrava Lady Gaga. Mas ele disse que não tem nada a ver com a cantora pop. “Eu me inspiro bastante no performer Leigh Bowery, no club kid nova-iorquino Kenny Kenny, no filme ‘Party Monster’, no camaleão David Bowie e no estilista Gareth Pugh”, disse. Cheio de referência legal, né? Na Bienal, Adrian veio com figurino todo feito por ele, que demorou 3 dias pra ficar pronto, produzido com um mix de filó, papel, gaze e lã. Detalhe: pra se montar, foram mais de duas horas.

ALOKA! Vou me ishpirar para o carvanal. Me jogar num saco de retalhos, restos hospitalares e outros leeshos, e ficar rodando, o que ficar no corpo ficou. Vou arrasar ou não? Cheio de referências…