Marcos Feliciano é queimado durante #ProtestoemVitória


Nossa contribuição para a protestos que ocorrem em todo país em busca de um país melhor foi especialmente contra a permanência do homofóbico, racista e ignorante Pr. Marcos Feliciano na Comissão de Direitos Humanos e contra seu projeto de Cura Gay. NINGUÉM aceita essa incongruência, nós passávamos com os cartazes contra o deputado e as pessoas aplaudiam em apoio dizendo que é um absurdo  ainda estar ocupando um cargo no qual só presta desserviços à sociedade.

Portanto, juntamente com outros manifestantes queimamos simbolicamente o deputado em frente a Assembléia Legislativa do Espírito Santo, durante o ato “Não é por 20 centavos – Ato Nacional a favor da Democracia”, em Vitória-ES, no dia 20 de junho de 2013.

#ChupaFeliciano

CONVOCAÇÃO: Marchemos pelas NOSSAS causas!


Amanhã, quinta-feira (20/06), haverá novamente manifestação e será uma manifestação nacional, intitulada Não é por 20 centavos – Ato NACIONAL a favor da democracia. Por aqui, a concentração será às 17h, na Ufes, com início previsto para 18h30. Confirme também participação no evento pelo Facebook.

1003108_372335866199582_1271112919_n

Por isso, convocamos tod@s a irem a rua também pela nossa causa! Vistam-se, tragam bandeiras e cartazes que passem nossa vontade de direitos sociais e nosso desejo de justiça.  Contra o bizarro projeto de “cura gay”, contra o homofóbico, racista e fundamentalista religioso Marcos Feliciano na CDH, a favor do casamento gay, por leis anti-homofobia, por uma reforma política que permita que o governo implante as mudanças necessárias em prol das minorias do país e tudo mais.

1011841_590722810959122_1582601601_n

Vem, população LGBT! A participação de todos nós é fundamental para que essa revolução também seja nossa. Façamos nossa parte, lute pelos nossos direitos. Não estamos sozinhos!

1000419_372366782863157_1321278331_n

Nós somos a multidão e estamos (re)tomando as cidades!


ponte vitória protesto vixOntem (17), as ruas da capital do Espírito Santo, Vitória, foram tomadas por uma multidão estimada em 20 mil pessoas. Estávamos juntos assomados ainda aos 100 mil do Rio de Janeiro, aos 65 mil em São Paulo e a infinidade de outros muitos espalhados por todo o Brasil. E o mais bonito era perceber que esses manifestantes eram acima de tudo multicoloridos em suas reivindicações em busca de um bem comum maior: a democracia real!

Eu estava lá e fui testemunha. Pude ver pessoas ligadas a várias lutas e bandeiras (literalmente em muitos dos casos) como LGBTs, negros, população de rua, legalização das drogas, religiosos (principalmente religiões minoritárias), transporte urbano de custo justo e de qualidade, feministas, trabalhadores, melhorias sociais como saúde e educação, reforma política, contra a PEC 37, contra a repressão policial e MUITAS outras. Éramos tantos e tão múltiplos, e tínhamos consciência que era justamente nisso que estava nossa maior qualidade.

Bandeiras do protesto em vitória

Fomos à rua, pois queremos a democracia neste país. É por meio da nossa multiplicidade social, composta por inúmeras diferenças internas, que estamos tentando, acima de tudo, PRODUZIR uma luta comum que permita nos comunicarmos e agir em conjunto. Sem partido, numa organização em rede em que trocamos uma autoridade centralizadora por relações colaborativas é que nós queremos gritar: somos a nova ordem social mundial! E queremos que aqueles que estão no poder – TODOS ELES, DE TODOS OS PARTIDOS! – nos ouçam: SEUS APARELHOS DE PRODUÇÃO DE VERDADE JÁ NÃO FUNCIONAM MAIS, NÓS REIVINDICAMOS OUTROS, ESTAMOS CRIANDO O NOVO!

Leia também Nós dizemos revolução.

Imagem da semana: Protesto em Curitiba


Jesus não aprova

“Este bofe —-> está fora de moda. Jesus não aprova!”

Sobre a imagem: um grupo de direita católico tem feito manifestos pelo país contra o casamento gay. Mas em Curitiba (am♥!),o buraco é mais embaixo e houve um anti-protesto mais babadeiro que o o protesto inicial. O destaque foi o cartaz dessa racha xoxando os rapazes do grupo, um dos contra protestos mais criativos.

Mais sobre o caso aqui.