Quando eu era jovem minha mãe me disse que todos nós éramos superestrelas


Eu acho que viado tinha que ter desconto em companhia aérea, porque a medida que mais interessa a nós não são centímetros de piroca, mas a quantos quilômetros a piroca desejada está da gente. E assim, eu fui passar a virada de ano acompanhando um boy hipster, desses que cortam o cabelo colocando a cabeça no liquidificador, num barzinho imundo da Liberdade. Não que ele valesse muita coisa, é que ele só me disse uma palavrinha mágica: ka-ra-o-kê.

não há nada que me deixe com os mamilos entumescidos mais do que a palavra “karaokê”

Quando ele me falou isso, não pensei duas vezes na quantidade de quilômetros ou de parcelas no meu cartão: joguei a minha edição especial da Nova sobre os cinquenta tons de calcinhas champange que iam fazer sua chimamanga ter uma espumante virada de ano e saí correndo em direção à rodoviária voadora de Vitória tão rápido que até me esqueci deste pequeno acessório indispensável para algumas notinhas no Ego.

Nenhuma calcinha, porém duas perucas que a gente nunca sabe quando vai precisar, não é mesmo?

Chegando lá, minhas amiguinhas, só pensava naquele cardápio musical e já me deliciava com aquelas páginas tão grudadinhas quanto as da minha edição especial da G Magazine com um encarte especial do Vampeta. Enquanto eu me decidia se encarnava Dira Paes e me jogava numa canção de Alcione ou se prestava um tributo à música pop saindo de dentro de um bolo cantando Too Little, Too Late, uma senhoria de meia idade passou na minha frente, agarrou aquele microfone de forma fálica e já engatou nada mais, nada menos que… E.VA.NES.CEN.SE

BRIIIIIIIIIIIIING ME TO LIFEEEEEEE

Naquele momento, fui carregada diretamente para minha adolescência, bebendo sangue e tomando benflogim no píer do Shopping Vitória.

Óbvio que não pensei duas vezes e iniciei um dueto com aquela mulher misteriosa, tão cubista quanto um pokémon, que terminou num delicioso beijo molhado entre vaias e aplausos de uma platéia composta por traficantes de órgãos, donos de pastelaria, três power ranges e o Yudi.

não à toa, já apelidei um namorado com gengivite de Sharon Needles

Na hora que desci do palco, um amigo do boy praticamente fez uma cena, quis levantar, quis ir embora, não queria estar ~exposto daquela maneira que eu e minha perna mecânica fizemos. Gente, faz um favor. Sabe por que viado ama música, adora ficar com dor de garganta pra poder virar a Ana Carolina? Música é expressão e nesse mundo tão chato, tão cheio de bichinha com não me toques, é em cima desse palco gostoso que você pode mandar seu gênero, seu peso, sua cor, sua idade, dois hambúrgueres, queijo, molho especial, cebola, picles e um pão com gergelim às favas e ser nada menos do que você.

no outro dia, a gente pode até acordar com uma ressaca daquelas, pedir água, bate pezinho, mas esse papo de ressaca moral por dar show em cima na bancada é mó caô

Todo mundo deveria descer mais do salto, subir em cima da mesa, inventar a própria coreografia até para jingle de campanha política. Sabe, viado que canta, os males espanta. Não tenha medo do mico, amiguinha, porque você já está em cima do palco: as atenções se voltam pra quem é extraordinário, pra quem quebra a expectativa das tias e das namoradinhas, dos colegas do trabalho e suas piadinhas sem graça. O show é seu, minha amiguinha. Pára de ser chata e vá em frente.

insane-in-themembrane:☾♡☽

requebra, requebra, requebra, aí sim, pode falar, pode rir de mim

Eu mesma fui. E fui de novo. Dei show. Se tem uma coisa que eu aprendi, meu amor, é que quando a vida te faz dublar pela sua vida, é melhor você não fuder com isso tudo pra cima. Afinal, se você não pode amar a você mesma, como quer amar a mais alguém. Posso ouvir um amém?

E só posso dizer, arrasei no Per Amore, viu.

Desculpa se eu desafinei um pouquinho. E você, amiguinha, se chegasse a sua hora de dublar pela sua vida, qual a música que você escolheria? Aproveita aí os comentários e se joga. Quem sabe a gente não faz um dueto no 20Cantar?

O caso da gringa doida


Geralmente eu arraso!

"Geralmente eu arraso!"

Carnaval no Rio – parte 2. Neste mesmo dia que estive na Farme de Amoedo teve uma campanha promocional de um novo energético: um carro com a logo do produto tocando um batecabelo com um gogoboy sobre dançando e atirando bandanas e leques de papel. Acabada a performance, uma gringa feia parecida com a atriz almodovariana Rossy de Palma (essa aí da foto) só que obesa, subiu sobre o carro e começou a realizar uma sensual (oi?) dança que deixou todos com vergonha por ela (ah!). Enquanto fazia sua graça, ela amassava toda a lataria do carro . O dono desesperado pedia para ela sair . Todo mundo gritava “Piranha, piranha!” (lembrei dessa cena) e ela feliz sem entender nada mandava beijos para o público. Até que pararam a música e deu-se uma enorme vaia para a mulher (que deveria ser americana, só americanos são sem noção assim). Ela simplesmente DES-TRU-Í-U o carro que foi embora com o dono puto! A mulher ficou péssima e danou a chorar entendendo, enfim, o  quanto ela havia cagado no maiô. “I’m so sorry!” dizia em prantos. Me deu pena… Mentira!

Micônibus


onibus1Nem contei: sexta de manhã, eu estava no ônibus 507 lotaaaado, já na Reta da Penha, ouvindo, com fone, drag musics, no celular. Eu estava ouvindo o cd “Bate Cabelo, Bee!“, mas especificamente “Parou Viado”, da Yohanna Venturini. Eu fazia  a discreta (por fora, porque por dentro eu saltitava louca com os braços erguidos), quando de repente passa um cafuçu e sem querer despluga o fone do meu celular. Ai, bee, quando isso acontece o som sai pelo auto-falante do aparelho e sai ALTÍSSIMO.

“Luxo, tudo, bixa que cara é essa?!”,

ressou por todo o veículo. Bege, fiquei bege! O que aconteceu depois?! Sei lá, mona, desci no primeiro ponto que apareceu! Rachacara!!!