17 de Maio e IV Marcha Nacional Contra Homofobia


944588_381159138671109_1144487424_n

Caravana Capixaba na IV Marcha Nacional Contra Homofobia

Nos dias 14 e 15 de Maio ocorreram dois eventos importantes para o Movimento Lgbt em Brasília-DF, o 10º Seminário lgbt do Congresso Nacional  e a 4ª Marcha Nacional Contra a Homofobia, que teve como tema: Em Defesa do Estado Laico, da Democracia e dos Direitos Humanos. Esteve presente a caravana coordenada pelo SINDIUPES, formada por professores e militantes de diferentes regiões do estado.

 182197_169337509893398_981690396_n Durante o Seminário o debate foi sobre a liberdade religiosa e sexual e a importância da laicidade do Estado. Líderes de diversas religiões comporam as mesas onde discutiu-se por exemplo, a questão de como é possível trabalhar diferenças culturais para garantir um Estado laico. Débora Diniz, pesquisadora do Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero declarou: “O estado laico não é um estado ateu, a laicidade garante a liberdade religiosa, assim como garante que nenhum dogma religioso interfira no direito individual”, terminou sua colocação aplaudida pelo público presente no plenário.

599462_169180859909063_1414238151_n

Enquanto Henrique Vieira, teólogo e militante dos direitos humanos, atacou fundamentalistas que pregam o ódio: “Ao inferiorizar o outro, você se torna co-responsável pela violência contra a comunidade”. Antônio Machado, representante da Comissão de Direitos Humanos da OAB manteve o tom provocador ao afirmar que “A liberdade de expressão não é liberdade para ofensa ou crime”.

431859_169337586560057_1389510797_n

Entre os participantes das mesas de debate, Padre Beto, que sem papas na língua revelou: ‘Fui excomungado por dizer que todas essas pessoas merecem ser felizes dentro da sua sexualidade humana”. O deputado Jean Wyllys encerrou sua fala pedindo “que as religiões promovam a vida”.

310118_169337696560046_469907477_n

Em vários cartazes críticas ao atual presidente da Comissão de Direitos Humanos, Marco Feliciano.

Se faz necessário deixarmos de ser o país onde “religião e futebol não se discute” e adotarmos uma postura reflexiva através da politização de nossa sexualidade. Se interesse por seus direitos, questione.O Estado  laico não persegue religiões, somos livres para exercemos nossas crenças, a laicidade deve proteger a diversidade.

969686_169173566576459_685852835_n

Caricaturas de Marco Feliciano e Dilma foram carregadas durante a marcha

Como manifestou-se Débora Diniz: “Se há doença neste debate, é a perversão da homofobia”.O evento foi de suma importância para toda comunidade gay brasileira no atual momento em que a voz das minorias tenta ser calada pela ignorância alheia. Segundo notícias, aproximadamente 4 mil pessoas marcharam da Catedral de Brasília até o Congresso Nacional.

946629_168357663324716_1431376318_n

Mais de 4 mil pessoas participaram da IV Marcha Nacional

ABr150513_ANT0795

Militantes de Florianópolis e Bahia representam vítimas de homofobia

Aproveito para agradecer a Coordenação do Coletivo Estadual de Diversidade Sexual – SINDIUPES, ao site LGBT-ES e a todos os participantes da caravana e militantes.

17 de Maio e Comemorações do Dia Internacional de Luta Contra a Homofobia


1 – Chile, a embaixada do Reino Unido amanheceu com a bandeira da diversidade sexual.
2 – Manifestantes na Índia.
3 – Casais se beijam em frente à prefeitura em Montevidéu, Uruguai.
4 – Em Cuba, Mariela Castro, filha de Raúl Castro, se junta a manifestantes em Cienfuegos.
5 – Casal em ato contra a homofobia na cidade de Coimbra, em Portugal.
6 – Mordaça em protesto contra a repressão a homossexuais na Geórgia.
7 – No Paraguai, casais homossexuais se beijaram em lugares de grande circulação.
8 – Vigília com velas na Índia; ativistas protestam contra violência a homossexuais.
09 – Manifestantes exibem bandeira gigante na capital da Nicarágua.

Foi em 17 de Maio de 1990 que a Assembleia Geral da Organização Mundial de Saúde decidiu retirar a homossexualidade da sua lista de doenças mentais. Sendo este um marco muito importante na defesa dos direitos LGBT, esta data foi estabelecida como o Dia Internacional de Luta Contra a Homofobia e a Transfobia.

Traduzindo, ser gay deixou de ser doença. 

Com o lema “Homofobia tem cura: educação e criminalização”, aproximadamente mil pessoas se reuniram (16/05) na Praça dos Três Poderes em Brasília para a 3ª  Marcha Nacional contra a Homofobia. Entre as principais reivindicações da comunidade estão: a distribuição do kit contra a homofobia e a aprovação do projeto que criminaliza atos discriminatórios contra homossexuais, além de políticas efetivas de combate à homofobia nas escolas, campanhas governamentais de enfrentamento à homofobia e promoção do respeito à diversidade sexual e o fim da influência dos parlamentares fundamentalistas nas decisões do governo.

Ao redor do mundo, diversas pessoas fizeram manifestações, mesmo que singelas, nessa data tão importante. Ir as ruas ou até mesmo debater o assunto entre amigos, meus caros, corrobora a força do poder popular, neste caso, da comunidade LGBT em prol de melhor condição de vida para nós. Somos poderosos, temos voz! Movimentamos fortemente a economia, influenciamos a moda, a música e o cinema, e acima de tudo somos humanos, merecemos respeito.

“Todavia, as políticas públicas em defesa das pessoas LGBT não são suficientes nem eficazes na redução da violência homofóbica, que inclui assassinatos de gays e lésbicas, violência moral e os preconceitos no trabalho e nos meios de comunicação.

O Brasil não conta com nenhuma instituição pública nem um projeto específico contra as ocorrências de crimes por homofobia e violência, seja física ou simbólica”, assinala o relatório lançado ontem pela Associação Internacional Lésbica, Gay, Bissexual, Trans e Intersex (ILGA, por suas siglas em inglês).

“Nesse sentido reforçamos a necessidade de combatermos JUNTOS todas as atitudes e práticas excludentes, racistas, homofóbicas e discriminatórias para que possamos construir um mundo colorido baseado no respeito às diferenças e no apoio-mútuo”, afirmam os organizadores da Marcha Nacional.

É claro que essas coisas não acontecem de uma hora pra outra, isso requer tempo, requer luta, requer nunca se esquecer do orgulho de ser quem você é. Sabe por quê? Porque somos bonytãns, somos rycãns e arramos na buatchy! Parabéns pra você, mulher de corpo, alma e coração! Parabéns pra você, sapa-delícia-solteira a procura! Parabéns pra você trava linda que arrasa nas passarelas da vida! Parabéns pra senhora que agora pode juntar os trapos com seu boy magia! Parabéns pra você, Max passiva! Parabéns pra mim! Ain, tô emocionada…Chega.

Abaixo um vídeo da comissão capixaba (1:18) que viajou até Brasília para participar da Marcha:

Fonte: http://migre.me/98eLV, http://migre.me/98foa