Somos todos transexuais!


“Sou trans e você?”

Li que o superstar pornô gay François Sagat, no documentário sobre sua vida, abre seu coração e de certo modo desglamuraliza a idealização do universo das mega-indústrias de produção de materiais adultos. Entre várias coisas, ele diz, por exemplo, que é incapaz de amar. Mas o que me chamou a atenção foi isto aqui:

Ao mesmo tempo, ao descontruir o ator pornô como ícone do sexo, François também nos mostra como este ideal é construção. Ele era uma criança afeminada, sofria bullying na escola. Contra isto, ele construiu uma imagem supermasculinizada, horas de academia e a aplicação de testosterona. Ele diz algo intrigante ao assumir que se considera um transexual, pois procurou a imagem que o satisfazia e achava adequada para o seu corpo.

Gente, daí eu comecei a refletir e pensei como isso acontece com todos nós, especialmente com nós gays. Partindo da lógica de que transexuais são aquelas pessoas que acreditam que sua identidade sexual não é compatível com seu corpo biológico e que por isso na maioria das vezes fazem intervenções sobre ele para adequá-lo àquela condição, podemos dizer que todos nós temos um devir trans.

Dou-me como exemplo. De certo modo me enxerguei no que disse Sagat, dadas as devidas proporções. Eu gosto de estar barbudo e usar um estilo mais boyzinho certinho, digamos assim. Isso é totalmente compatível com o que busco no sexo e no parceiro, pois curto aquela pegada cheia de testosterona, pelos, pegada bruta vindas de ambos os lados.

Assim também é o Max, por exemplo, em que a natureza privilegiou com uma androgenia natural, mas que ele exagera com recursos artificiais (corte de cabelo, roupa, maquiagem). Ele poderia aplicar testosterona e virar menininho, poderia aplicar estrogênio e virar menininha, mas ele optou – aí sim é uma opção, diferente da sexualidade – por uma questão de identidade e de realização pessoal. Assim como ele, eu e você.

“A gente faz de um tudo”

Aquele rapaz da academia que malha como doido, aquele que nem liga e come pra ficar gordinho, aquele que faz o corte modernete, aquele que tatua um dragão nas costas, aquele que usa óculos de aro grosso, aquele que raspa o peito, aquela sapa que parece um sapo… Todos estão passando uma mensagem ao mundo e alguns signos tratam de questões ligadas a preferência sexual, basta lê-los. No fundo, tentamos parecer aquilo que queremos que as pessoas creiam que sejamos. Claro, que tudo ditado pelas relações que compartilhamos com nossos convivas e pela cultura de nossa época.

Aliás, o poder de artificialidade está bem representado no trabalho do fotógrafo francês Leland Bobbé intitulado “Metade-Drag”. Nele, drags foram fotografadas com apenas metade do rosto maquiado. Chupa (tape metade do rosto nas imagens e veja a diferença):

Veja mais fotos clicando aqui.

BARRACO: “Sou puta, mas sou puta de um macho só!”


Briga entre irmãos existe desde que o mundo é mundo, só mudam os motivos. Mas sacumé: família moderna, filho bichinha, irmã egoísta e…

BARRACOOOOO! Não vamos julgar, gente! Quem nunca saiu na mão com uma irmã puta e egoísta porque ela não quis emprestar as make dela? Tem que DÁ NA CARA meshmo! E atirar tudo de pesado que tiver na frente e se não tiver nada jogar o corpo mesmo. INVEJOSA! Vamos por partes:

0:05 – “Look at my make up!” – amo/sou tutorial de mmaqüeeajcheem ♥

0:06 – “pros meninos que precisam ir pra baladãm!” – q?

0:21 – Huahuahuahuaha. Adoro essa cara de “sou linda, muah!” que ele faz depois de cada passo executado.

0:40 – Alá! rs

0:57 – Ih, deu merda!

1:03 – Custava nada emprestar rapidinho, né?

1:10 – Deixa a maquiagem, ele só fez um olho, coitado. Ele vai assim pra balada?

1:11 – Caiu tudo! Agora a porra ficou séria

1:13 Dá nela, dá nela! 

1:17 – “VAGABUNDA!” “Vagabunda é você!”.

1:36 – Não, o quadro nããããããoooo… Iche!

1:43 – Não fala isso, vai que…

1:45 – Auto-crítica.

1:52 – Mais alguém lembrou da louca do ‘Me filma, me edita”?

1:53 – Seguuuuura!

2:07 – No orkut dela: “Quem sou eu: Puta de um macho só”

2:13 – Precisa, hein?

2:20 – Ele é filho de palhaço, por acaso?

2:36 – Ela não tombou pra guei, não. Lá vamos nós de novo. “Porrada, porrada…” #ratinhofeeeling

2:46 – Oh, God, lá se vai o outro quadro…

3:09 – O golpe que derruba qualquer “homem”… Como você é baixa, Maria Lúcia.

3:17: Será que ficaram vivos pra ir na Eliana contar tudo? Tomara, né?

Atenção: Isso tudo é brinks, gente! O BC é contra qualquer tipo de violência…

Vi no Não Salvo.

Montar ou não montar, eis a questão


Muitos gays já se montaram e/ou tem vontade de fazer. Como eu sei que tem umas bee uó que nem sabem o que quer dizer montar daremos uma olhadinha na Aurélia:

montação – o processo de vestir-se com roupas de mulher, geralmente com certo exagero.

Pois eu estou decidido a, um dia desses (breve), me montar linda e ir para a Chica assim. Não que eu tenha vontade (cof!) só para fins jornalísticos, para poder descrever para vocês aqui como é que é.

Im star!

"I'm star!"

De qualquer forma, vai ser Babado, vai ser loosho, vai ter muito carão! Já até decidi meu estilão, vai ser uma coisa meio futurista, quero algo nem conceitual, inspirado nos Jetsons e outras produções de ficção científica futurista. E com uma certa pitada de Lady Gaga. O que acham?

Mas falta-me um nome. Pedi ajuda a uma amiga e ela deu a dica de um site que quando você digita seu nome compelto nele, ele te dá seu nome de atriz pornô. O site é o Pornalizer (e tem para ator pornô também). O meu deu Fanny Fellatio. É até legal, mas, sei lá, não gostei muito…

Que tal os leitores do Babado me batizarem? Pensem aí num nome bacana de drag para mim e botem nos comentários: