Kooriosidades – Na Cama com Max [Tema: Armário de vidro]


01-banner-max1141

Lembram daquele post sobre gays assumidos e masculinizados que não sabiam como se expressar sem precisar resvalar na pinta? Pois é, isso inspirou um leitor a me mandar um e-mail parecido com aquele assunto, porém agora o babado é virtual (aliás, me lembro que um leitor perguntou por isso nos comentários).

Na internet é muito fácil parecer gay, qualquer comentário envolvendo uma gíria, modo de escrever típico dos gays, ideologias ou até mesmo uma cutucada naquele coleguinha hétero do Muay Thai podem ser suficientes pra você ser jogada pra fora do armário num segundo.

Mas e aquelas gays que são assumidas na vida real, porém na internet você deve medir suas palavras pra não sofrer censura? Como lidar com essa galera?

Assim, Max:

tumblr_ma1qegtacs1ruva68o1_250

É uma boa, mas não. Leia o e-mail pra gente pensar juntinhas:

Ei Max, acompanho o blog direto, sempre que posso dou uma lida no que posta, acho tudo! Acho inclusive que é algo que deveria ser lido por todos os gays, tamanha carga de informação e diversão que expõe.

Ao ler alguns textos identifico o que ocorre com um amigo meu. Na mesma hora, envio o texto pra ele e para mais alguns amigos darem uma olhada.

O grande problema é que ele não se toca, na verdade não sei nem se ele lê e, caso leia, não sei se ele entende. Quando conversamos algo entre nós, amigos, ele sempre se opõe, desconversa, ou vem com as ideais mais nada a ver com o assunto.

O perfil dele é o seguinte: gay, já pegou quase todos do estado e estados fronteiriços, vai para as baladas alternativas/gays da cidade, tem melhores amigos gays, é independente financeiramente, participa ativamente da igreja e tem amigos héteros.

O grande problema é que esse perfil quando em prática torna-se incoerente. Tem melhores amigos gays, mas não os assume publicamente, não pode nem postar foto ou qualquer comentário que possa dar margem à dúbia interpretação. Já com os héteros tudo pode, inclusive rolar umas pegações.

Fique claro que não tenho nada contra pessoas “não pintosas”, ou que tentam ser, acho lindo. Mas tenho algo super contra qualquer tipo de preconceito, ainda que internalizado e, mais ainda, quando isso envolve amigos meus.

Essa coisa de “viver uma dupla personalidade” acaba se refletindo no relacionamento conosco, amigos mais próximos e que realmente o conhecemos. Esses amigos já estão chegando ao ponto de não dar ouvidos, começar a ignorar e até mesmo a evitar.

Enfim, a situação é super chata, complicada e não queria que ficasse assim. Tentei algumas formas, nada funciona.

Please, help us!

Minha reação se eu encontrasse com esta viado:

Fala mais sobre seu armário de portas de vidro...

Fala mais sobre seu armário de portas de vidro…

Ah rá! Lembram que eu falei sobre aqueles encubados por conveniência NESSE post? Pois é, esse menino é o exemplo perfeito. É de dar ódio, né?

Vive a vida sexual ativamente, passou o rodo na cidade, tem vida financeira independente, todo mundo obviamente sabe que ele é figurinha repetida na noite gay, só anda com gays, mas na hora que você chama de bicha na internet, ou faz uma pergunta mais incisiva…

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=Pu-qA_LDnBo]

…você é automaticamente censurada e ainda ouve esporro no chat, quando ela diz que “Poxa, brow, tem gente no meu Facebook que não sabe que eu sou gay”.

0aaaaaaaaa

QUEM, VINHÁDO, QUEM NÃO SABE? Até sua tia evangélica que tem Facebook pra seguir o pastor sabe que você é beesha só pela sua foto de perfil.

O melhor de tudo é que 99% dessa galera tem nas “opções curtir” Lady Gaga, Florence e a Máquina, Rihanna ou Adele. Gostam sim, mas de uma maneira heterossexual.

Lógico que tem aquelas pessoas que são assumidas pro planeta inteiro, mas só a família não sabe, num tem? Com essas daí você tem que saber os motivos, sempre, gente, é crucial você saber os motivos pra não fazer merda.

Se ela esconde da família porque depende financeiramente, se sente com medo da retaliação, ou qualquer outro motivo que impeça, faça-me o favor e RESPEITE o pedido da pessoa. Cada um tem seu tempo e não é tirando a gay a pulso de Nárnia que você vai resolver a vida dela.

Mas se é que nem o boy do e-mail e ainda caga regra sobre sua vida de assumida, continue lendo o post que eu vou te ensinar como LuanadaLapar a gay:

trasvass

Pior é que muitas vezes esse pessoal faz o uso de piadas homofóbicas para impor uma “suposta heterossexualidade” diante dos amigos héteros do Facebook. Amigos esses que com certeza fazem piadas sobre essa tentativa dele de parecer hétero… é, meninas, os HT’s não são mais tão inocentes assim.

Minha dica sempre vai ser a mesma: ISOLE,  o vício desse povo é se aproveitar pra gozar com o pau dos outros e sair ileso.

Essa galera se acha o último dildo da Sex Shop e vai sempre pecar pela homofobia internalizada, pois de alguma maneira a noção deturpada e egodistônica deles os fazem se sentir mais respeitados quando não expressam sua sexualidade.

0ananana

Sim, é muito simples, eles são tão homofóbicos quanto Bolsonaro e odeiam a própria condição de homossexual, como resultado, não adianta tentar conversar, mostrar post dos Amoladores de Faca ou o caralho a quatro, é um problema da pessoa consigo mesma, um sintoma expresso após o recalque do sentimento de frustração, como diria Freud.

Se você gosta muito do sujeito, ótimo, continue a amizade e prepare-se pra aguentar discurso machista de 10 em 10 minutos. Não vou julgar quem tem paciência pra isso, o sucesso de 50 Tons de Cinza está aí pra nos mostrar o quanto existe gente masoquista.

0lm

Porém, o certo seria o isolamento, mostrar na prática que enquanto essa pessoa for assim, ela vai continuar indesejada e sozinha. Essas pessoas têm um ego do tamanho da bunda da J-lo, não duram muito quando levam gelo, mas viram monstros quando você dá ouvidos pras verborragias delas.

A escolha é sua:

matrix

P.s.: PAROU O BULE por eu repetir um monte de gif nesse post. Eu estou na Ufes entre o intervalo da aula de Evolução e de Botânica e não tenho acesso à minha pasta deliciosa de gifs aqui do LIEG.