Kooriosidades – Na Cama com Max [Tema: Pegação no Banheirão]


Seria engraçado se não fosse trágico. A Bee Bombadãm é uma comentadora conhecida no Babado Certo, além de já ter aparecido por aqui contando sua parafilia por heterozinhos.

Pois então, dessa vez ela foi longe demais, vamos ler o que ela tem pra dizer? (O texto é um pouco longo e as frases em negrito são os comentários da Max)

Oi Max. Ai, tô aqui em casa desesperado, olha o que me aconteceu: Bem resumido. (Imagine se tivesse contado com detalhes)

Estava eu no banheiro do terminal da cidade em que eu faço faculdade. Aí um cafuçu deu umas olhadinhas e eu, que nunca tinha feito banheirón, resolvi fazer. Fui lá, entrei, e o cara entrou também.

Não deu 1 minuto e 3 guardas bateram na porta! Quase fui espancada por um deles! Aí eu falei pra um deles: deixe eu ir embora, cara, eu sou professor, não posso me expor (Claro, claro, banheirão de terminal é o local mais discreto do mundo). Enquanto isso, uma bixinha breguinha olhava tudo do espelho e o outro guarda gritava (Aposto que era uma leitora do Babado Certo doidinha pra saber de tudo e me mandar depois).

O mais bonzinho falou pra mim: “Cara, olha pra você e olha pra esse esculachado” (porque o cara era cafuçu e tava de chinelo e eu toda linda mas enfim, o que ele quis dizer é, como você desse jeito foi fazer isso com esse tipo de pessoa. (hahahaha, passam-se os posts, e ela não perde essa humildade deliciosa dela)

Aí o mais bravo disse: “Some daqui!”. Max, eu sai vazada e fui pegar um outro ônibus, porque eu tinha um encontro com um boy magia em outra cidade, enfim… (Enfim não, você já tinha neca preparada pra schupar e ainda foi parar no banheiro com outro? Que megalomania é essa, beesha?!)

…eu nunca passei tanta vergonha na minha vida. Nunca fiz isso num banheiro,  e olha o que deu. E o cara falava: “Eu subi no outro banheiro eu vi ele de pau duro e você chupando” (Você parou pra bater papo sobre o assunto?).

Ai, Max, que vergonhaaaaa (vergonha de quê, bee? 90% das gays daquele terminal dariam um braço pra estar no seu lugar). Saí vazada quase chorando. Ainda bem que não vi ninguém de conhecido, nenhum aluno, nada. Imagine! Bom, claro que NUNCA MAIS vou fazer isso, nunca mesmo (Falo isso toda vez que acordo de ressaca). 

Mas o que eu preciso da sua ajuda é o seguinte: o boquete foi rapidinho e o cara era meio alternativo, pra ser bonzinho, mas tava limpinho e tal (Se o policial hétero de gongou, querida, não adianta tentar contornar: barangou).

Aí, enquanto eu fazia o boquete (nos 1 minuto kkk), eu senti que ele ia gozar, eu senti uma coisinha estranha e nao era o liquido pré-semem, já praticamente era o sêmem. Mas ele não gozou, e eu cuspi tudo fora e nessa hora que os policiais chegaram…

Se ele não gozou, e não era o líquido pré-ejaculatório, o que saiu do pau dele? Mingau Mococa?

Max, você acha que tem algum procedimento que eu deveria fazer pra evitar possivelmente alguma doença? Esse negócio de 48 horas. Eu li na Internet e é pra caso de estupro, no meu caso como eu faço? Vou na unidade de saúde e converso com um médico? Eu sei que eu sou muito encanado. Porque ele NÃO CHEGOU A GOZAR, mas eu senti um gostinho e, nossa, eu nem durmo agora.

Ai Max o que vc acha que eu devo fazer? Ou como não foi estupro não há nada pra fazer?

E aí ele fala alguns detalhes do encontro dele com o o boy da outra cidade, mas aí já foge do tema.

Então, eu acho que o maior perigo de se fazer boquete no terminal é o PRÓPRIO banheiro do terminal. Já disse num post que banheiro de terminal pra mim é uma grande casa de adoção para vírus sem lar, basta você ajoelhar pra schupar o boy que aquelas bactérias comedoras de carne humana começam a devorar suas articulações.

Mas falando sério agora, sobre o perigo de ter pegado alguma doença fazendo boquete, as chances do HIV são pequenas (como já disse no post sobre DST’s).

Um banho de Natura Ekos resolve o problema

Entretanto, todo cuidado é pouco! Ainda mais no seu caso, né, bill? Encontra um cara todo cagado no terminal, mal sabendo em quantos troncos de bananeira ele já enfiou a neca, e simplesmente chupa como se ele lavasse a pica com Dermacyd?

Errou feio, e por isso o SUS não vai te garantir o direito de tomar o medicamento preventivo de graça. Esses anti-retrovirais são caríssimos e, se mal tem coquetel pra quem é soropositivo, imagine se fossem distribuir remédio pra todo mundo que fez sexo desprotegido? Não dá certo, né?

Mas há um lado bom, o boquete foi por menos de um minuto, e como ele não gozou, não deu tempo de ter algum contato com sangue ou fluidos corporais… mas é claro, sempre há uma chance, vale fazer o exame daqui a três meses.

Isso eu estou falando do HIV, tem uma série de outras doenças que você poderia pegar schupando os outros, ainda mais um de aparência pouco higiênica, não se esqueça que o HPV tá aí, mona. E verruga, quando não é de pérolas como na montação da Lady Gaga, não é nada bonito.

Enfim, tenho uma dúvida: como assim ele já ia gozar com menos de 60 SEGUNDOS de boquete? Você esqueceu de passar o Corega e tirou a dentadura na hora de chupar?

Tá com um dilema de natureza sexual, social ou médica? Mande sua dúvida para max_babadocerto@hotmail.com, e a Max consultará os universitários para tentar resolver o seu problema.

Kooriosidades – Na Cama com Max [Tema: Traição e fogo no koo]


Desde a última edição do Kooriosidades eu recebi muito mais e-mails do que esperava, e como a coluna é semanal, pode ser que demore um pouco mais para que eu consiga postar os e-mails de todo mundo. Portanto, se você mandou sua cartinha e eu não postei ainda, tenha paciência!

A história de hoje é de uma gay casada que fez merdinha no relacionamento, e como o casamento gay só foi permitido há pouco tempo, vou suprimir o nome da cidade e informações muito pessoais que a gay enviou. Vai que o marido dela lê o Babado Certo e acaba descobrindo TUDO?!

Vamos começar? (Farei comentários simultâneos, porque eu não resisto! Então, as partes em negrito são a Max falando, tsá?)

Olá Max, bom dia! Estou vivendo uma dilema. Sou casado com um cara (no papel mesmo) e sou muito feliz com ele. A família dele me trata muito bem, o pai e a mãe dele me consideram filhos, temos uma vida social super normal, as pessoas nos aceitam numa boa, até porque sabemos nos impor caso alguém venha nos incomodar.

Entretanto, fui comemorar o aniversário do meu irmão mais velho na casa dos meus pais, e lá conheci um amigo do meu irmão. Quando cheguei lá achei que o cara me olhava porque estava estranhando, porque meu irmão é o suprassumo da masculinidade e do heterosexismo. O cara era PERFEITO! Devia ter 2 metros olhos verdes, loiro, forte de malhação. {Claro, porque nesses contos o boy NUNCA é horrível. É sempre uma cena de filme com o Antônio Banderas e a Salma Hayek}

Depois do aniversário saímos eu, meus irmãos e os amigos deles para bebermos lá mesmo na cidade, fomos para um bar. Chegando lá o cara não parava de olhar para mim, eu estava super sem graça, foi quando eu falei que iria para casa que era ali perto porque estava passando mal (isso foi minha tentativa desesperada de desviar os pensamentos daquele Deus Nórdico), só que, para minha surpresa, vi que o cara estava atrás de mim.

Quando pergutei o que ele queia ele simplesmente disse: “você!” e aquilo me deixou tão excitado e tão sem reação que entrei no carro dele e fomos para casa dele (que por sinal é uma mansão) lá ficamos a noite toda, o sexo foi perfeito e quando eu falei que iria embora ele disse que queria me ver novamente, que ele era solteiro e que gostaria de namorar comigo! {Eu num falei? Se não é Antonio Banderas é uma cena de Uma Linda Mulher. Sempre mansão e Chandão, nunca num matinho escuro atrás da escola municipal, assim fica difícil acreditar}

Aí eu fiquei desesperado, falei para ele que eu era casado com um cara super bacana, que eu o amava e tal… ele disse para eu terminar com meu companheiro e ficar com ele, que desde a época que ele fazia faculdade com meu irmão ele não tirava os olhos de mim. Nisso eu sai sem responder nada. Quando cheguei em casa, fui perguntar para meu irmão se ele conhecia o tal cara e ele disse que sim que o cara era gay assumido e que todas as mulheres de Vitória só faltam se jogar no colo do cara quando ele passava, mas que ele era gay.

O pior de tudo meu irmão simplesmente virou na minha cara e disse “Você deu pra ele né safado!” {Rá! Chama o Marcelinho pra ler isso, bee!} e foi correndo contar para meu outro irmão e para minha irmã.

Resultado: meus dois irmãos ficaram me zuando e minha irmã falou que queria me matar porque ela era doida por ele, mas sabia que ele já gostava de mim e que na realidade ele só tinha ido na festa do meu irmão para me ver!  QUANDO CHEGUEI EM CASA NÃO SABIA O QUE FAZER !! Iai Max o que faço?

Situação nada complicada, a eterna questão do sentimento versus status.

Suposta foto do boy que ela pegou. Tá bem, hein, bee?!

Vamos acreditar por um segundo que a bee não escreveu esse texto só pra se gabar, que está realmente preocupada e que esse boy loiro, alto, forte, magia e sedução é tudo isso mesmo. Quantas vezes vocês já passaram pela situação de estar namorando e alguém infinitamente mais bonito que seu namorado dar em cima de vocês? Aliás, o que não falta quando estamos namorando é gente bonita dando em cima, néam? Solteiro parece que somos invisíveis, mas muda o diabo do status do Facebook pra você ver cair piru do céu.

Então, na hora que essa pessoa infinitamente mais bonita que nosso namorado dá em cima da gente, nossa cabeça (e não vai me dizer que é mentira) começa a fazer uma rápida de listas de motivos que compensam no seu namorado a beleza da pessoa que está dando em cima. Super normal, e inclusive é um ótimo teste pra quando o relacionamento não está mais dando certo.

Pelo texto da bee você observa que ela fez o mesmo: Brigou consigo mesma, colocando em pauta o amor pelo marido e o status de namorar um homem com todos os atributos físicos que ele citou. Querendo ou não, somos homens, e homem não vale nada, os atributos físicos contam DEMAIS na escolha do parceiro sexual.

Basicamente isso:

Mas parece que ele não ama tanto seu marido, não é verdade? Porque homens, além de não valerem nada, conseguem separar “sexo” de “amor”, e ele não fez isso, ela traiu e tá balançada NÃO COM A TRAIÇÃO (BITCH!), mas com o boy magia! Isso é se foder de verde e amarelo numa pulada de cerca: O chá de pica.

E o que fazer nessa situação? Simples! Pega essa lista mental e transforma numa lista de verdade! Isso vale pra todas vocês. Vemos nos filmes e parece idiota, mas não, colocar os prós e os contras de cada relação ajuda muito a racionalizar a situação, que está toda bagunçada na cabeça da gay devido ao chá de pica que levou.

No final da lista, faça uma média PONDERADA (mas por favor, hein? Não vá colocar “anos de relacionamento” no mesmo patamar que “pica de 23 centímetros”) e escolha entre seu casamento e essa nova aventura. A decisão não vai ser fácil de nenhum jeito, mas barganhar vai te dar uma ilusão muito mais confortável que a de se jogar de cabeça num amor de uma noite.

E quando escolher, pare com esse negócio de traição, senão eu vou entrar em contato com seu marido e vou mandá-lo fazer (toda vez que você sair) igual em Memórias de uma Gueixa, quando a velhinha desconfia que a outra deu e enfia o dedo na racha dela pra saber se tá larga ou úmida.

Tá com um dilema de natureza sexual, social, econômica ou médica? Mande sua dúvida para max_babadocerto@hotmail.com, a tia Max consultará os universitários para tentar resolver o seu problema.