Vamos puxar um ferro?


Não sei vocês, mas eu vivo uma relação de amor e ódio com a acadêmia.

Voltei a malhar depois de ficar quinze dias sem frequentar a acadêmia (e ter ficado só 15 dias) e a instrutora me passou a série que quando eu saí eu nem havia chegado a fazer. O resultado disso foi que eu passei o fim de semana todo dolorido, andando igual uma véia. Estou aqui compartilhando minha dor com as leitoras amigas, pois nem conseguia esticar os braços. Nem sexo, repito, nem sexo, nem dar uma bimbadinha eu consegui, porque simplesmente não era possivel me mexer!!!

A acadêmia é um grande sofrimento para mim e eu fico naquele permanente mantra interno: vale a pena, você quer ser urso ou barbie! – nada contra urso, todo mundo sabe que adoro.

Por outro lado acadêmia é um local bastante lascivo, né, não? Aquele monte de cafuçú mega malhado suado e fazendo cara de “vou gozar, vou gozar!”, sem contar que os próprios aparelhos tem aqueles furos sempre sendo penetrados por barras de ferro fálicas, tem uns que você fica com o edí pra cima e ainda outros que tem que ficar agachando passivamente… É demais!

Tá, sei que vão vir reclamar que o blog é fútil e tal. Eu poderia ter falado da importancia do exercício para a saúde ou ainda da cultura de culto ao corpo e como isso afeta negativamente a sociedade e tal, mas acredito no bom gosto e boa vontade das minhas leitoras que mandam super bem nos comentários: