Jornal “A Tribuna” divulga o Manual de Comunicação LGBT


Cata a chamadinha da capa

Viram na capa d’A Tribuna de hoje matéria sobre um manual de etiqueta gay? Compraram, leram o jornal? Se não, leia-a bem aqui.

O Manual foi feito pela Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Travestis e Transgêneros (ABGLT) e tem as formas mais adequadas de usar os termos referentes ao universo LGBT de maneira a não expressar preconceito. Achei super legal do jornal não só divulgar para o público – já que o manual foi feito focado para profissionais da imprensa -, mas ainda dar destaque a isso na capa do jornal. Na foto a belíssima transex Daniella Deshamps que na matéria fala como lida com esses termos.

Eu nunca me intimido, quando alguém usa a palavra “incorreta” e faço questão de corrigir, só assim, aos poucos, vamos criando uma cultura de tolerância, não é mesmo?

Notícia Agora Gay


Quarta-feira, eu estava lindo caminhando quando me deparei com a capa do Notícia Agora. Ishpia:

Fui obrigado a comprar, né? E, claro escanear tudo e disponibilizar aqui, fazendo aquela linha clipping gay do ES que esse blog às vezes faz. Na matéria do personagem gay da Turma da Mônica saiu as opiniões das pessoas sobre  o case. Leia aqui. Catei também a entrevista que Ava Simões, Miss Gay Brasil 2009, deu ao jornalista Vitor Ferri (Notícia Agora, 18 de nov. 2009), vejam, aliás, leiam:

Você tem alguma mágoa ou perdoaria a candidata que arrancou sua peruca?

Perdoar, eu não sei, mas não dou a mínima impor­tância a ela. Como concor­rente, ela nunca me colo­cou medo, não significa muito para mim…

Mas, na hora do fato, co­mo você ficou?

Triste. Ela não teve a espor­tiva de encarar minha vitória. Ela é linda, tinha pique para encararmais umanoeaté ga­nhar. Bastava sonhar e bata­lhar. Parei meu mestrado em Odontologia e gastei R$ 50 mil para conquistar o título. Aproveitei o auge da minha carreira e da minha vida.

O Espírito santo tem uma tradição nesse evento…

Quem pega o título de Miss ES sabe, automaticamente, que está entre as melhores do País. Achoque a outramissfi-cou nervosa com isso.

Desde quando você parti­cipa do concurso de Miss Brasil Gay?

Essa éminha quarta vez. Na primeira, no Rio de Janeiro, eufiqueiemúltímo lugar. De­pois, eu investi e, no outro ano, já fiquei em terceiro. No ano passado, acabei em se­gundo e, este ano, eu ganhei..

Você representa o Espíri­to Santo, mas você não é capixaba, não é mesmo?

Isso. Eu sou mineiro, da cidade de Recreio, interior de Minas. Como um bom mineiro, passei muitos car­navais ai, como Guarapari eMarataízes.

Há quanto tempo você se apresenta como trans­formista?

Faz apenas quatro anos. Comecei quando disputei o primeiro concurso.

Como fica sua vida agora?

Agora, de fato, começa o ano da Miss Brasil. Terei vá­rios eventos para ir, não ape­nas eventos gay.

Aprendendo a não apurar matérias com o Gazeta On-line


Lembram do post do Pedro falando que saiu no Gazeta OnLine que  a aprada de Vitória decepcionou pois teria dado apenas 3 mil pessoas. Leiamos como saiu a mesma matéria, digamos, um tanto mais apurada no Folha Vitória:

iche 20 mil no folha vitóriaSinceramente, não acho que foi maldade do jornalista não. A produção dos jornais, e em especial da Rede Gazeta aqui no estado, hoje é constituída de matérias dadas por releases e outras mal apuradas na correria pelos “profissionais” que tem que se desdobrar para cobrir um número absurdo de pautas e veiculá-las em diversas mídias diferentes. Daí dá nessas merdas. Fica aqui nosso parabéns a Folha Vitória que fez um trabalho primoroso dando a visibilidade necessária a causa das minorias sexuais aqui do estado.

O que pensam nossos formadores de opinião sobre sexualidade?


Da comunidade Residência na Rede Gazeta:

jornalistas de a gazetaClique para ver ampliado

Não sei quanto a vocês, mas senti um espírito machista no ar… Muito me surpreende, já que me parecia que o jornalismo nos últimos anos vinha sendo feito por gays e mulheres. Esse tipo de comentário só mostra como era falha a afirmação da necessidade do diploma que foi tão defendida pelos profissionais da área por crerem ter uma responsabildiade adquirida pelos conhecimentos vindos das ciências sociais.

Enfim, mais discrição, senhores!