Participe da Campanha #JeanWyllysmerepresenta


Gente, tá rolando uma campanha super bacana numa página famosa do Facebook: Cartazes e Tirinhas LGBT (clique AQUI para entrar).

Eles estão juntando um montão de fotos com LGBT’s e simpatizantes segurando um cartaz com a hashtag #JeanWyllysmerepresenta, vão enviar para o próprio e mostrar que apesar dele estar desamparado no congresso, não está sozinho. ❤

Então vamos dar uma forcinha e participar? Sua foto será postada na página e quem sabe em meio aos mais de 50 mil seguidores você não encontra o seu amor?

Eu já fiz a minha, cata:

1383841_602295123127278_816503611_n

Clique para ampliar

Curtiu? Quer mandar também?

Então retoque o henê da raíz, passe uma maquiagem nessa cara e tire uma fotinha com a hashtag escrita à mão, igual eu fiz acima.

Envie para leonardalisboa@hotmail.com e arrase sendo política nas redes sociais!

tumblr_mdnatkYBGZ1rnwa8uo1_250

17 de Maio e IV Marcha Nacional Contra Homofobia


944588_381159138671109_1144487424_n

Caravana Capixaba na IV Marcha Nacional Contra Homofobia

Nos dias 14 e 15 de Maio ocorreram dois eventos importantes para o Movimento Lgbt em Brasília-DF, o 10º Seminário lgbt do Congresso Nacional  e a 4ª Marcha Nacional Contra a Homofobia, que teve como tema: Em Defesa do Estado Laico, da Democracia e dos Direitos Humanos. Esteve presente a caravana coordenada pelo SINDIUPES, formada por professores e militantes de diferentes regiões do estado.

 182197_169337509893398_981690396_n Durante o Seminário o debate foi sobre a liberdade religiosa e sexual e a importância da laicidade do Estado. Líderes de diversas religiões comporam as mesas onde discutiu-se por exemplo, a questão de como é possível trabalhar diferenças culturais para garantir um Estado laico. Débora Diniz, pesquisadora do Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero declarou: “O estado laico não é um estado ateu, a laicidade garante a liberdade religiosa, assim como garante que nenhum dogma religioso interfira no direito individual”, terminou sua colocação aplaudida pelo público presente no plenário.

599462_169180859909063_1414238151_n

Enquanto Henrique Vieira, teólogo e militante dos direitos humanos, atacou fundamentalistas que pregam o ódio: “Ao inferiorizar o outro, você se torna co-responsável pela violência contra a comunidade”. Antônio Machado, representante da Comissão de Direitos Humanos da OAB manteve o tom provocador ao afirmar que “A liberdade de expressão não é liberdade para ofensa ou crime”.

431859_169337586560057_1389510797_n

Entre os participantes das mesas de debate, Padre Beto, que sem papas na língua revelou: ‘Fui excomungado por dizer que todas essas pessoas merecem ser felizes dentro da sua sexualidade humana”. O deputado Jean Wyllys encerrou sua fala pedindo “que as religiões promovam a vida”.

310118_169337696560046_469907477_n

Em vários cartazes críticas ao atual presidente da Comissão de Direitos Humanos, Marco Feliciano.

Se faz necessário deixarmos de ser o país onde “religião e futebol não se discute” e adotarmos uma postura reflexiva através da politização de nossa sexualidade. Se interesse por seus direitos, questione.O Estado  laico não persegue religiões, somos livres para exercemos nossas crenças, a laicidade deve proteger a diversidade.

969686_169173566576459_685852835_n

Caricaturas de Marco Feliciano e Dilma foram carregadas durante a marcha

Como manifestou-se Débora Diniz: “Se há doença neste debate, é a perversão da homofobia”.O evento foi de suma importância para toda comunidade gay brasileira no atual momento em que a voz das minorias tenta ser calada pela ignorância alheia. Segundo notícias, aproximadamente 4 mil pessoas marcharam da Catedral de Brasília até o Congresso Nacional.

946629_168357663324716_1431376318_n

Mais de 4 mil pessoas participaram da IV Marcha Nacional

ABr150513_ANT0795

Militantes de Florianópolis e Bahia representam vítimas de homofobia

Aproveito para agradecer a Coordenação do Coletivo Estadual de Diversidade Sexual – SINDIUPES, ao site LGBT-ES e a todos os participantes da caravana e militantes.

Jean Wyllys quebrando o caralho TODO!


Apenas assistam, não existe a necessidade de se comentar nada:

[youtube http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=XQLZOC8XJiU]

Sempre quis procurar na plataforma Lattes o currículo de Silas, toda vez que ouvia dizer que ele tem cacife para falar como psicólogo.

E tá aí, só aquele primeiro minuto do Jean falando já seria suficiente para invalidar qualquer argumento “científico” do pastor. Se bem que isso somente serviria para um debate na câmara, néam?

A gente sabe que de nada adianta, o povo que segue Silas não sabe nem o que é Currículo Lattes.

Dica dos leitores

Jean Wyllys no Bom Dia ES: “As pessoas não querem se admitir homofóbicas”


Hoje (27), o deputado federal Jean Wyllys, que está no estado para a audiência pública sobre homofobia na Ales, deu uma ótima entrevista ao Bom Dia ES, veja:

Clique para assistir!

Destaco o trecho que ele diz que a homofobia não se expressa apenas com violência, mas com restrições  sociais quando se diz “não tenho nada contra gays, mas eu não quero eles perto de mim…”, por exemplo.

E o coió no Mário Bonela quando ele perguntou se Jean gosta de ser deputado?! Vicheee: “Fico curioso se vocês fazem esta mesma pergunta pro senador Magno Malta (…) Não é questão de gostar ou não gostar, não faço política por capricho, por vaidade“. Huahuahuahuahuahuahuaha. #toma

E lembrando, Audiência Pública ”Homofobia e políticas públicas para LGBT”, hoje na Assembléia – em frente ao shopping Vitória beesha! -, a partir das 14 horas. E no mesmo local e horário Ato Público contra hoofobia, como já dissemos aqui.

Hoje, 22h, abertura oficial da Campanha pelo Casamento Igualitário no Brasil


O lançamento da campanha pelo casamento civil igualitário, acontece hoje. Bruno Chateubriand e André Ramos serão os mestres de cerimônia do evento, que contará também com a participação do deputado federal Jean Wyllys e da deputada federal Érika Kokay, coautores da Proposta de Emenda Constitucional.

Na ocasião, serão apresentados, pela primeira vez, os vídeos oficiais com depoimentos de destacados artistas que apoiam a causa, como: Arlete Salles, Zélia Duncan, Ivan Lins, Mariana Ximenes, Ney Matogrosso, MV Bill, Gutta Stresser, Sérgio Loroza, Tuca Andrada, Cláudio Lins, Preta Gil, Sandra de Sá, Lan Lan e etc.

A campanha é um movimento apartidário e plural que busca expressar e mobilizar o apoio de diversos setores da sociedade brasileira à proposta de emenda constitucional que legaliza o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo.

“Nós aprendemos muito com o processo nos países onde o casamento igualitário foi aprovado e o debate em cada um deles mostrou que, quando o tema deixa de ser silenciado, os argumentos contra a igualdade caem. Vamos a vencer essa luta que fará do Brasil um país melhor, mais justo e mais civilizado. Como disse o cineasta Luiz Carlos Lacerda, o Brasil não pode perder o bonde da contemporaneidade”, finaliza o deputado.

Às 22h, ao mesmo tempo em que serão projetados no evento, os vídeos também estarão online no site oficial da campanhapara quem quiser assistir desde qualquer lugar do Brasil e do mundo. Também será lido o abaixo-assinado e os nomes dos artistas que já aderiram á campanha, como Caetano Veloso, Chico Buarque, Cauã Raymond e Sônia Braga, entre outros. A partir de sexta-feira, 13, começarão a ser recolhidas as assinaturas através da internet.

FONTE:  http://casamentociviligualitario.com.br/

Artistas se reúnem em campanha a favor do casamento gay


Finalmente, seguindo o exemplo das celebridades americanas, famosos brasileiros se reúnem em prol da causa lgbt. Com lançamento previsto para o dia 12 de Abril, o site da campanha pelo casamento civil igualitário no Brasil, reúne artistas dando seu depoimento a favor da igualdade de direitos civis para casais de mesmo sexo.

A iniciativa partiu do deputado federal Jean Wyllys (PSol-RJ) e participam da ideia artistas como: Caetano Veloso, Ney Matogrosso, Chico Buarque, Cauã Reymond e Sérgio Loroza. A campanha serve de apoio a proposta de emenda constitucional que altera o artigo 226° da Constituição Federal Brasileira, com o objetivo de acabar com a discriminação legal contra os casais do mesmo sexo e fazer valer o princípio da igualdade perante a lei.

Durante o lançamento oficial da campanha serão projetados pela primeira vez os primeiros vídeos gravados pelos artistas e será lido o abaixo-assinado com os nomes das primeiras pessoas que já se manifestaram a favor da igualdade.  O evento contará com a participação de atores, atrizes, cantores/as, escritores, jornalistas e personalidades que participaram gratuitamente dos vídeos, além de parlamentares, militantes e representantes da sociedade civil. O texto e os vídeos também estarão disponíveis na página principal deste site, a partir das 22h.

Clique AQUI para acessar o site.

Congresso tem agora frente parlamentar LGBT


Frente Parlamentar Mista em um minuto de silêncio pelo falecimento do ex- vice presidente José de Alencar

Foi instalada nesta terça-feira, no Congresso Nacional, a Frente Parlamentar Mista pela Cidadania de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais (LGBT) que tem como objetivo reunir todos os parlamentares comprometidos com os direitos humanos, com o combate à discriminação por Orientação Sexual e Identidade de Gênero. E que, independente de suas crenças religiosas, reafirmam o caráter laico e republicano do Estado brasileiro.

O ponto é que depois disso, a Frente Evangélica surtou…

O secretário-executivo da Frente Evangélica, o pastor Elias Castilho, afirma que será o primeiro a ser preso caso o texto seja aprovado: “Se estou em um shopping e um casal gay está se beijando, e eu retiro minha filha para que não veja aquilo, levo três anos de prisão”, reagiu o pastor Elias. Já o coordenador da Frente LGBT , Jean Wyllys (PSOL-RJ), afirma que os evangélicos estão acostumados a “rasgar a Constituição”: “Fazem isso não só ao tentar impedir a união de casais do mesmo sexo, já que isso está previsto na legislação, como ao ir contra o abatimento de despesas de parceiros no Imposto de Renda”, argumenta.

A legalização da união civil entre lgbt’s e a criminalização da homofobia, esta última em tramitação no Congresso, são defendidas pelo grupo: “A frente tem de cara o objetivo de tocar esse projeto (de criminalização da homofobia) no Senado e tocar na Câmara a PEC do casamento civil entre homossexuais”, disse Wyllys, que em seu primeiro discurso na Casa já havia defendido o direito à união civil entre pessoas do mesmo sexo. O pastor Elias reagiu: “Ninguém vai me obrigar a casar pessoas do mesmo sexo”, diz, afirmando que, na Bíblia, está claro que o casamento deve ser realizado entre homens e mulheres.

Conforme Jean Wyllys, a luta pelos direitos homossexuais será pesada. “É quase David e Golias. Eu sou o único deputado gay assumido neste Congresso Nacional”, declarou o parlamentar, depois de afirmar que vem sofrendo ameaças pela internet. Ao menos em números, entretanto, a frente gay tem mais peso que a evangélica: são 171 integrantes, contra os 72 integrantes do grupo dos religiosos. A frente terá reuniões quinzenais no gabinete da Vice-Presidência do Senado para definir pautas e a demanda do movimento LGBT.

Integrantes das frentes parlamentares Evangélica e LGBT já se estranharam por diversas vezes, ao debaterem questões relativas ao direito dos homossexuais. Uma das polêmicas diz respeito à distribuição pelo Ministério da Educação de kits que serão entregues a 6 mil escolas públicas de ensino médico com o objetivo de combater o preconceito contra homossexuais.

Projeto de lei prevê punição com prisão para homofóbicos.


Jean Wyllys e Marta Suplicy na marcha contra a homofobia

Primeiramente, gostaria de deixar claro que este projeto de lei que está sendo divulgado pela mídia, não é nada mais, nada menos que o nosso amado PLC 122/06, desarquivado com a ajuda da senadora Marta Suplicy. Pras bees que estão dando uma de Alice e estão no país das maravilhas, viajando, explico:

O que é?

O projeto de lei torna crime a discriminação por orientação sexual e identidade de gênero – equiparando esta situação à discriminação de raça, cor, etnia, religião, procedência nacional, sexo e gênero, ficando o autor do crime sujeito a pena, reclusão e multa.

Por quê a lei?

Ainda não há proteção específica na legislação federal contra a discriminação por orientação sexual e identidade de gênero; Por isso estimados 10% da população brasileira (18 milhões de pessoas) continuam a sofrer discriminação (assassinatos, violência física, agressão verbal, discriminação na seleção para emprego e no próprio local de trabalho, escola, entre outras), e os agressores continuam impunes;

O projeto está em consonância com a Declaração Universal dos Direitos Humanos, da qual o Brasil é signatário: “Artigo 7°: Todos são iguais perante a lei e, sem distinção, têm direito a igual proteção da lei. Todos têm direito a proteção igual contra qualquer discriminação que viole a presente Declaração e contra qualquer incitamento a tal discriminação”; O projeto permite a concretização dos preceitos da Constituição Federal: “Art. 3ºConstituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: IV – promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação […] / Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza”.

O projeto não limita ou atenta contra a liberdade de expressão, de opinião, de credo ou de pensamento. Ao contrário, contribui para garanti-las a todos, evitando que parte significativa da população, hoje discriminada, seja agredida ou preterida exatamente por fazer uso de tais liberdades em consonância com sua orientação sexual e identidade de gênero; A aprovação do Projeto de Lei contribuirá para colocar o Brasil na vanguarda da América Latina, assim como o Caribe, como um país que preza pela plenitude dos direitos de todos seus cidadãos, rumo a uma sociedade que respeite a diversidade e promova a paz.

O que está rolando?

O PL 122 tinha sido arquivado em janeiro, por estar tramitando há duas legislaturas. Para que não fosse engavetado de vez, Marta Suplicy colheu 27 assinaturas necessárias para que o projeto continuasse em pauta. O ex-bbb e recém empossado deputado Jean Wyllys, também entrou na briga para a aprovação do projeto, sendo ameaçado de morte e virando inimigo da bancada evangélica. O presidente da frente parlamentar evangélica declarou ontem, no “Jornal Hoje” que o PL 122 é inconstitucional.

Abaixo a entrevista no Jornal Hoje sobre o projeto de lei:

 

Dica abençoada: Hyago Monteiro por e-mail.

Caso de internação


Saiu na Época:

Jean X Jair

Desde a entrada do ex-BBB Jean Wyllys no Congresso os ânimos estão exaltados. Isso se deu devido a uma bancada antigay que se formou, diante da pressão do deputado para a aprovação de projetos como a União civil homossexual e a criminalização da homofobia.

A bancada homofóbica faz parte da Frente Evangélica (claro, sempre esse câncer da sociedade) e é liderada pelo deputado Jair Bolsonaro, sim, ele mesmo, o defensor da palmada e inimigo ferrenho da PL122 e do famoso “kit gay”.

Eu não vou comentar sobre porque estou com muito ódio no coração. Clique em “LEIA O RESTO DESTE ARTIGO” e veja alguns trechos da entrevista dele para a Revista Época:

Continuar lendo

Jean Wyllys e um corte


Ex-BBB não!

"Ex-BBB não!"

Carnaval no Rio – parte 4. Nessa incursão ao Elite vi Jean Wyllys (é, o do BBB5!). Ele tava lá de barba e lápis de olho com umas três bees amigas dele. Eu que não sou bobo fui lá falar com ele:

Eu: Oi, você é o Jean Wyllys do BBB, né? Eu sou…

Jean: O Big Brother é um programa da rede Globo, eu sou uma pessoa.

Eu: (…)!

Ele então fez um gesto como quem diz “Vaza!“. Indignado, saí. Me falaram depois que ele não quer mais ser lembrado por sua participação no reality show, mas por sua “brilhante” (cof!) carreira acadêmica. Agora aprendi e da próxima vez abordarei-o assim: “Oi, mestre em letras e linguística, Jean Wyllys, adorei seu artigo intrigante sobre relatos policiais”. Veja o currículo lattes do ex-BBB professor universitário Jean Wyllys.