E de sensualidade Raí está bem servido


Que está rolando um bafo sobre o relacionamento de Raí e Zeca Camargo todo mundo já sabe. Umas recalcadas tão dizendo que o casal é feio, que dá nojinho ver o corpo de Zeca e que Raí conseguiria coisa melhor.

Mas eu quero que as senhoras calem todas a boca e só abram quando forem tão sensuais, lascivas e orgásticas quanto Zeca dançando Dança do Ventre:

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=kmvaO_8DGKg]

Cada um luta com as armas que tem, queridas.

p.s.: Esperei anos por um contexto pra postar esse vídeo no blog hahahaha

Via Grupo Babado Certo, dica do Diego e da Cristal

Faca de dois gumes


Muito se comenta sobre o caso do banheiros para gays do Colégio Vicente Rijo, em Londrina. Vários leitores me pediram para falar sobre o assunto, mas estou receoso em emitir uma opinião definitiva, uma vez que essa situação nos coloca numa via de mão dupla. Vamos analisar juntas?

Assista ao vídeo da reportagem:

Temos duas situações:

1. O maior número de casos de bullying nas escolas acontece no anonimato dos banheiros, é lá que os alunos preconceituosos se sentem seguros o suficiente para cometerem seus delitos sem o medo de sofrer retaliação. A criação de um novo banheiro evitaria esse tipo de situações.

Entretanto, um leitor veio me dizer que é nos banheiros que também acontece a “pegação”. Mas aí é uma obrigação da escola em fiscalizar, uma vez que pegação em banheiro hétero também sempre existiu, não é de exclusividade dos gays.

2. Apesar da criação dos banheiros evitar situações constrangedoras que esses gays passariam num banheiro regular, isso também promoveria uma segregação ainda maior.

Na cabeça dos jovens alunos homofóbicos, isso serviria de motivo para corroborar a ideia de que eles não são obrigados a conviver com a diversidade, que basta se sentirem incomodados que ela logo será colocada de lado e escondida onde não poderá ser vista pelos “normais”.

E aí? De que lado você está?

Via G1, dica do Jean e do Luiz

Pelo direito à experiência


O Dé postou recentemente um texto falando sobre as gays que pegam os “São Sebastiães”: “aqueles bofes bem machões que algumas bees chamam de ‘boy hétero’ ou de HSH (homem que faz sexo com homem). São aqueles cafuçús que comem as gay e se deixam chupar”.

Okay, e como no Babado Certo, 80% das nossas matérias saem dos bafos que VOCÊS trazem nos comentários, dessa vez não foi diferente.

A discussão girou em torno da pergunta: Como determinar a sexualidade desses boys héteros que comem as gays?

Muita gente vai dizer que eles são, no mínimo, bissexuais, afinal, se ele trepou e sentiu prazer, é óbvio que ele gosta de homem também. Mas será que nossa sexualidade é tão simplista ao ponto de ser categorizada com uma (ou duas, tsá) trepadinhas? E outra, todo mundo se masturba e sabe o quão fácil é para o homem ejacular. As possibilidades são diversas e vão desde a tradicional punheta até a vagina artificial com esponja. Então acho que o prazer em si não é tão determinante, néam?

Tenho certeza que a maioria de vocês que hoje se dizem totalmente gays, que vomitam só com cheiro de bacalhau, já tiveram pelo menos uma experiência heterossexual na vida, e garanto que boa parte não achou de todo ruim, não é mesmo?

Então por que nós gays, bissexuais, travas, transex e seres de luz temos a liberdade de experimentar, gostar ou não, sem que isso afete a nossa sexualidade, e os heterozinhos não? E nem adianta falar que experimentou “pra saber se gosta” porque a sociedade é heterossexista. Ninguém te obrigou a trepar (se obrigou, mete o processo porque isso é crime). Foi o momento, o álcool e os entorpecentes, que, naquelas circunstâncias, te deram a vontade.

Já disse e vou repetir: PAREM de achar que a modernidade e a liberdade sexual afetam só a gay efeminada que anda de salto alto no shopping, ou o encubado frustradinho que faz pegação no banheirón com o uniforme da CST. Toda a sociedade está contaminada por essa nova visão do que é o sexo, da busca pelo prazer sem ter que seguir um “roteiro”. E não é porque estamos todos nos tornando bissexuais, mas sim porque, aos poucos, a sexualidade está se tornando mais volátil, adaptável… Até quando finalmente não será mais preciso classificar.

Mas ESPERA AÍ! Não vá pro mictório passar a mão na neca dos bofes do bar, achando que a modernidade afetou a todos, isso é um processo lento.

Na verdade… não espera não, o máximo que pode acontecer é você levar um soco na cara, mas não custa nada tentar, não é mesmo? hahaha.