SUS vai registrar casos de agressão por homofobia


Durante durante o lançamento do Sistema Nacional de Promoção de Direitos e Enfrentamento à Violência contra a população LGBT (Sistema Nacional LGBT) nesta quinta-feira (27), o Ministério da Saúde anunciou que vai tornar obrigatório o registro dos casos de violência por homofobia atendidos na rede pública de saúde. A iniciativa será aplicada a partir de agosto aos estados de Goiás, Minas Gerais e Rio Grande do Sul e, em janeiro do próximo ano, será estendida ao restante do país.

Segundo Alexandre Padilha, ministro da saúde, o preenchimento de um formulário pelo profissional que realizou o atendimento vai tornar visível a dimensão real do problema da homofobia. “É fundamental conhecer a magnitude das violências que acometem esta população, identificando quem são as vítimas, quais os principais tipos de violências, locais de ocorrência, a motivação, a oportunidade do uso do nome social, dentre outras informações”. Padilha ainda explicou que este conhecimento vai servir para a formulação e implementação de políticas públicas de enfrentamento às violências homofóbicas e políticas públicas de atenção e proteção à população LGBT.

 Na ocasião também foi apresentado um relatório sobre a Violência Homofóbica no Brasil em 2012, produzido pela Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República. O relatório aponta que, em 2012, ocorreram 3.084 denúncias e 9.982 violações de direitos humanos relacionadas à identidade de gênero. Isso representa um crescimento significativo, se comparado ao ano anterior, quando foram registrados 1.159 casos de denúncias de violência e 6.809 violações de direitos. Também houve crescimento de 183% do registro de vítimas de violência por homofobia, subindo de 1713 para 4.851. A maioria das vítimas (61,16%) tinha idade entre 15 e 29 anos. O documento foi realizado a partir da base de dados do Disque Direitos Humanos, Central de Atendimento à Mulher e 136 da Ouvidoria do Ministério da Saúde.

“O crescimento no número de denúncias mostra a confiabilidade nos sistemas que estamos instituindo e produzindo no Brasil”, observou a ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Maria do Rosário. Segundo ela, o recebimento dessas acusações configura um passo importante porque resulta em atitudes. “Quando recebemos estas denúncias, temos que mover uma rede de proteção e atendimento às vítimas”, complementou a ministra.

O Sistema Nacional LGBT servirá para qualificar e ampliar o atendimento à população LGBT, familiares, amigos e vítimas da discriminação, além de potencializar ações nas áreas de direitos humanos, segurança pública e assistência social. Pretende-se integrar todas as entidades existentes no país, mas que funcionam de forma desarticulada também, e construir um tripé formado pelos conselhos, coordenadorias e planos estaduais e municipais LGBT.

Entenda as tatuagens do Dj Enrico


Antes de tudo quero dizer que não postarei mais os “Babado, Confusão & Gritaria”.

Não sou obrigado a ler ofensas de gente que não sabe admirar o trabalho dos outros e só vem aqui pra me desqualificar. Não tenho mais paciência pra isso, nem idade e nem saco.

0000

Enfim, o post de hoje é sobre o famoso caso do Dj Enrico, taxado de neonazista devido as suas várias tatuagens que remetem à ideologia. Muito se ouviu falar dele, mas pouca gente sabe o significado das tatuagens do rapaz.

Digo logo que acho uma pachorra sem tamanho esse mestiço ter a audácia de se considerar branco. Gente! Por que esses grupos neonazistas brasileiros não entendem que ariano não tem mamilo com cor de bolacha Negresco?

Vamos acompanhar:

TANK

TANK2B

TANK3

1 – Bandeira Confederada – Bandeira usada pelos estados escravistas do sul dos Estados Unidos durante a Guerra de Secessão ou Guerra Civil Americana (1861 -1865). É símbolo de orgulho dos sulistas racistas dos Estados Unidos.

2 – White Power (“Poder Branco”) –  Este punho cerrado pode ser confundido com o símbolo tradicional da esquerda e das lutas de libertação, mas na verdade representa a mão branca do White Power racista. Foi popularizado pela banda nazi inglesa Skrewdriver.
3 – Logotipo da banda nazista inglesa Skrewdriver.

4 – O número 8 corresponde à oitava letra do alfabeto – H – e o 88 é usado pelos nazista para representar a saudação Heil Hitler (“Salve Hitler”).

5 – Cruz Celta – símbolo usado pelos White Power, em especial pelos Boneheads (pseudo-skins nazis).

6 – Cruz de Ferro –condecoração de guerra alemã que, embora tenha sido criada antes do período nazista, é um dos grandes símbolos fashion pra nazista.

7 – Combat 18 – organização terrorista neonazi criada na Inglaterra e atuante em diversos países. O número 18 é uma referência às iniciais de Adolf Hitler.

8 – Blood and Honour – organização neonazista composta basicamente por boneheads, cujas atividades envolvem concertos de rock nazi, conhecido como RAC (Rock Against Communism) e crimes de ódio. Em sua tattoo o DJ/nazista combinou o nome da organização com a Runa Odal.

9 – Runa Odal – É o símbolo de uma religião pagã chamada Odinismo. Nem a religião nem o símbolo é racista, mas ambos foram cooptados por certos setores da extrema direita. É uma letra do alfabeto rúnico, usado pelos antigos povos germânicos e representa o som “O”. Originalmente como dito, nada tem a ver com o nazismo, mas como foi usada como símbolo de uma divisão SS, passou a ser usada pelos neonazistas.

10 – Benito Mussolini – O “inventor” do fascismo, foi ditador da Itália entre 1922 e 1943.

11 – W.A.R. – White Aryan Resistance: organização neonazi criada nos Estados Unidos por um ex-lider da Klu Klux Klan chamado Tom Metzger.

12 – Bandeira do Estado de São Paulo – como muitos outros símbolos mostrados aqui, não é racista nem fascista em sua origem, mas vem sendo apropriada por grupos de extrema direita, em geral separatistas como seus colegas fachos dos estados do Sul, que vêm criando toda uma mitologia em torno do Estado de São Paulo, sua história e seus símbolos.

Engraçado que ele tentou justificar a tatuagem do Benito Mussolini dizendo que isso era uma homenagem à família dele, que Mussolini não era nazista, mas sim fascista… ah sim, com certeza, o segundo foi muito mais admirável.

E as outras tatoos, cat, são em homenagem à família de quem? À sua não é, porque senão, repetindo, os mamilos seriam ro-sas.

P.s.: me corrijam se eu estiver errado, mas eu tenho quase certeza que já postei aqui no blog um flyer contendo o nome dele.

Como surge a homofobia?


Voltei, delicinhas!

Como disse nesse post, estava no interior do Rio de Janeiro passando o feriado com a família. Mas como eu não valho nada, logo convenci todos a fazerem um passeio pela cidade maravilhosa, com a desculpa de que queria ir ao zoológico (“Mãe, sou bióloga, preciso ver as beesha…OPA, os BICHOS!”)

Até fui, mas de bicho mesmo só vi cobra… em outro post eu conto com detalhes a minha pegação zoológica ao lado da jaula do elefante hahahaha.

amorece

images (1)Mas primeiro, pra deixar vocês curiosas e assim lerem esse post super intelectual, esperando uns minutos até eu escrever o BCG, quero falar de um assunto muito importante: Camisinha Femini…zzzzzzz meu koo.

Não, sério agora, é que eu estou animadíssima por voltar a escrever, senti falta demais de vocês enquanto estava lá. O assunto é homofobia mesmo.

Tanto na ida quanto na volta levei um livro pra ler na viagem: “Diversidade Sexual na Educação: Problematizações sobre a homofobia nas escolas”. Foi meu orientador fofíssimo que me mandou ler como base teórica pro meu TCC.

Enquanto lia essas paradas de Sociologia, que doem no meu ego cientificista, encontrei o texto de uma racha que fala sobre a origem da Homofobia. Afinal, a gente sempre se perguntou o porquê esse povo ter tanta raiva das bee’s, né?

Fala logo, Max!

Fala logo, Max!

O texto é complexo e você pode encontrar clicando AQUI, mas vou tentar dar uma resumida daquele jeitinho que vocês adoram.

Guacira Lopes Louro (que eu vou fazer a íntima e chamar de Guacirão) começa a discussão quebrando todo o caralho e falando sobre a necessidade de reafirmação da heterossexualidade nos meninos. Mas não como uma forma de se considerar hétero, sim evitando ser relacionado ao termo gay.

É, basta observar como a maioria dos héteros mal sabem o que heterossexualidade significa:

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=Yaqa8iHbSd0]

Quer dizer, na cabeça dessa galera eles são a “norma” e devem evitar o “desvio” (nós, as beeshas), e somando isso às religiões judaico-cristãs que, quando começaram sua expansão, foram categóricas quanto ao caráter pecaminoso da homossexualidade – lembrando que o termo homossexual surge depois, mas os gregos e romanos já comiam e davam o koo numa boa, só que com outra conotação, o casamento ainda era restrito aos HT’s – temos a merda feita.

Um olho no bacalhau e o outro no gato

Um olho no bacalhau e o outro no gato sem camisa

Ela comenta alguma coisa sobre o processo nas sociedades orientais, mas é basicamente a mesma coisa: ideologia nova cagando regra.

Eu não sei porque eles odeiam tanto as beeshas, mas eu acho que deve ter alguma coisa a ver com a expansão da religião e a necessidade de procriação dos fiéis, já que as gays não faziam filho.

E aí começa uma fiscalização generalizada do cu alheio. Se por um lado criam os meninos para fazer sexo adoidados, por outro devem controlar o contato físico entre eles e as manifestações de afeto entre amigos… porque a gente sabe, passou a mãozinha, o pintinho ficou duro, a bee em formação já bota a boquinha e pronto, cometeram pecado abominável.

Empinando meu edi, mas de uma forma heterossexual

Empinando meu edi, mas de uma forma heterossexual

Claro, tudo isso com muita misoginia, “mulherzinha” pra cá, “frutinha” pra lá, porque é de extrema importância que NINGUÉM jamais pense que você tenha características consideradas femininas e que possam ser confundidas com viadagem.

Com as mulheres isso é um pouco menos marcado, já que se permitem manifestações de afeto e tal, afinal, quem ia determinar com quem a filha ficaria era a família, independente da opinião dela. Hoje a história mudou um pouco, já observaram como as héteras estão mais espertas com as sapas? Acabou a era do peitinho, infelizmente.

- Olha lá as sapas - rsrs

– Olha a cara das sapas
– rsrs

131467052Onde Guacirão quer chegar com isso tudo? Que a heterossexualidade NÃO é a norma! O sistema sabe disso e está com o cu na mão.

Você acha que se a heterossexualidade se desenvolvesse tão naturalmente ela precisaria ser reiterada toda hora? Precisariam de tanto esforço pra fixar na cabeça das criancinhas que meninos não podem se tocar e que o certo é brincar de médico com a menina?

Se isso precisa ser relembrado o tempo todo, ao ponto de virar uma fobia, será que no final das contas não somos todos sexualmente volúveis e só queremos obter prazer?

Até porque, nós já sabemos que o sexo, na nossa espécie, não tem como principal função a reprodução:

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=oLVHF9K1JRg]

Durma com esse barulho, heterozinho.

Podcast – Entrevista na UVV


Beeshas! Vocês não vão acreditar! Fui entrevistado hoje na UVV (Universidade de Vila Velha)!

com licença

Com licença, o programa da Roxanne

Adivinha o tema? Homofobia, lógico!

A entrevista foi comigo e com a delicinha da Débora Sabará (nossa ativista preferida) e, pasmem, foi transmitida ao vivo para toda a faculdade.

Pensem no tamanho da boca de se foder que eu fiz pras encubadas da Engenharia e pra galera do “não precisa ser afeminada pra ser gay”. Preciso sim, garáleo!

Infelizmente, a entrevista foi super rápida e só me deram dois minutinhos, então foi complicado sintetizar tudo que queria dizer nesse tempo. Mas acho que deu pra mandar a real e dar MUITA pinta.

Vamos ouvir?

deicia

Hahahaha mulher! Agora imaginem isso sendo transmitido com 120 decibéis de altura? Afrontei todas as fogosas!

Se você estuda lá e perdeu, fique de olho que no intervalo dos três turnos de amanhã essa entrevista será repetida.

Senhora dos Absurdos NÃO é humor homofóbico


Há uns dez minutos um leitor me mandou o seguinte vídeo:

[youtube https://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=ww6XIUGUlo0]

A gay esperou que eu morresse de rir e dissesse ter adorado o vídeo para mandar a seguinte resposta:

Ué, Max, mas não é você que critica humor homofóbico e machista no blog? Que diz que opressão não tem graça, que não devemos fazer piada?

tumblr_inline_mmnr0ikE1q1ro37cg

O que foi que você falou?!

Não, esse tipo de humor não está na mesma categoria do Zorra Total ou de vídeos mal-feitos como essa porcaria abaixo:

[youtube http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=GuPXI24v_Bk]

aiai

10sO vídeo acima mostra o Neymar corroborando o preconceito de que um homem elogiar outro homem é uma ofensa à masculinidade deste, e que por isso ele deve se afastar… ou agredir, né? Nesse caso ele não agride porque o boy é mais forte que ele.

Aliás, posso apostar que se eles dessem uma fala pro Neymar, seria: “Sai fora, tá me estranhando?”.

Enquanto isso, a Senhora dos Absurdos faz chacota do preconceituoso.

neymarÉ muito fácil perceber no texto como ela exagera os preconceitos aos quais os gays, negros e mulheres são submetidos todos os dias, de modo a nos fazer rir DELA, do quão ridícula ela é por pensar assim, e não do gay que ela discrimina.

No outro vídeo ninguém ri do Neymar por ele ser machista, ri? Riem do medo dele de ser enrabado.

Mesmo o vídeo do Grindr, que à primeira vista pode parecer cheio de body shaming e homofobia, ainda assim é uma forma de criticar a moda da fiscalização do cu alheio, típica da elite.

E não só a elite hétero, tsá? Ou vai me dizer que não existe preconceito com gordo e afeminado também entre nós?

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=fV_90sS9RTk]

Então, não ousem colocar no mesmo patamar um humor genial como o de 220 volts e esses lixos homofóbicos.

Leia mais sobre a propaganda do Neymar clicando AQUI

17 de Maio e IV Marcha Nacional Contra Homofobia


944588_381159138671109_1144487424_n

Caravana Capixaba na IV Marcha Nacional Contra Homofobia

Nos dias 14 e 15 de Maio ocorreram dois eventos importantes para o Movimento Lgbt em Brasília-DF, o 10º Seminário lgbt do Congresso Nacional  e a 4ª Marcha Nacional Contra a Homofobia, que teve como tema: Em Defesa do Estado Laico, da Democracia e dos Direitos Humanos. Esteve presente a caravana coordenada pelo SINDIUPES, formada por professores e militantes de diferentes regiões do estado.

 182197_169337509893398_981690396_n Durante o Seminário o debate foi sobre a liberdade religiosa e sexual e a importância da laicidade do Estado. Líderes de diversas religiões comporam as mesas onde discutiu-se por exemplo, a questão de como é possível trabalhar diferenças culturais para garantir um Estado laico. Débora Diniz, pesquisadora do Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero declarou: “O estado laico não é um estado ateu, a laicidade garante a liberdade religiosa, assim como garante que nenhum dogma religioso interfira no direito individual”, terminou sua colocação aplaudida pelo público presente no plenário.

599462_169180859909063_1414238151_n

Enquanto Henrique Vieira, teólogo e militante dos direitos humanos, atacou fundamentalistas que pregam o ódio: “Ao inferiorizar o outro, você se torna co-responsável pela violência contra a comunidade”. Antônio Machado, representante da Comissão de Direitos Humanos da OAB manteve o tom provocador ao afirmar que “A liberdade de expressão não é liberdade para ofensa ou crime”.

431859_169337586560057_1389510797_n

Entre os participantes das mesas de debate, Padre Beto, que sem papas na língua revelou: ‘Fui excomungado por dizer que todas essas pessoas merecem ser felizes dentro da sua sexualidade humana”. O deputado Jean Wyllys encerrou sua fala pedindo “que as religiões promovam a vida”.

310118_169337696560046_469907477_n

Em vários cartazes críticas ao atual presidente da Comissão de Direitos Humanos, Marco Feliciano.

Se faz necessário deixarmos de ser o país onde “religião e futebol não se discute” e adotarmos uma postura reflexiva através da politização de nossa sexualidade. Se interesse por seus direitos, questione.O Estado  laico não persegue religiões, somos livres para exercemos nossas crenças, a laicidade deve proteger a diversidade.

969686_169173566576459_685852835_n

Caricaturas de Marco Feliciano e Dilma foram carregadas durante a marcha

Como manifestou-se Débora Diniz: “Se há doença neste debate, é a perversão da homofobia”.O evento foi de suma importância para toda comunidade gay brasileira no atual momento em que a voz das minorias tenta ser calada pela ignorância alheia. Segundo notícias, aproximadamente 4 mil pessoas marcharam da Catedral de Brasília até o Congresso Nacional.

946629_168357663324716_1431376318_n

Mais de 4 mil pessoas participaram da IV Marcha Nacional

ABr150513_ANT0795

Militantes de Florianópolis e Bahia representam vítimas de homofobia

Aproveito para agradecer a Coordenação do Coletivo Estadual de Diversidade Sexual – SINDIUPES, ao site LGBT-ES e a todos os participantes da caravana e militantes.

Onde estão seus paradigmas agora?!


Boom! Aconteceu que simplesmente o Felipe Neto, o controverso direitista e moralista vlogger do Youtube, por incrível que pareça, fez um excelente vídeo contra a homofobia, digno de ser compartilhado:


Claro, não é nenhuma análise butleriana, usou todos os clichês de campanha de facebook e tal, mas já é muita coisa. Quanto mais gente de influência falar a favor da causa, mais os homofóbicos se sentirão sozinhos e ocuparão seu lugar de párias.