O beijo que pesa como uma bomba


Beijo Felix

Parecia final de Copa do Mundo, Brasil e Argentina. As bichas todas reunidas em volta da televisão, tomando uma cervejinha e comendo uns quitutes. Toda vez que o Félix e o Niko ficavam um pouquinho mais juntos todo mundo gritava ao mesmo tempo, uma loucura: “AI, MEU DEUS, AGORA VAI!” “VAI, VAI, VAI!”, “BEIJA LOGO, GARÁLEON!”. Um nervosismo…

[Afinal era o final da novela Amor à Vida e pela primeira vez a emissora de TV mais popular e tradicional do país, a Globo, havia dado sinais de um possível beijo entre dois homens em uma de suas novelas – verdadeiros monumentos da cultura de massa nacional – o que até então era um tabu (em 2005, na novela América, um beijo gay chegou a ser gravado, mas foi vetado de última hora). Ou seja, bizarramente, era um momento histórico na televisão do Brasil, desses de contar pro netos, “eu tava lá”, quando reexibido na retrospectiva de 2050].

Ai foram todas aquelas cenas de final de novela, gente casando, gente parindo, gente reunida e festejando… As gueis ansiosas, viravam especialistas em teledramaturgia e ficavam comentando os furos no enredo, como o naquela cena bizarra dos comparsas da Aline entrando com um bolo (um bolo, gente!!!) INTEIRO, ENORME, dentro do presídio! rs. Todos ficaram chocados (desculpa pelo trocadinho infame) e amaram a morte da vilã. Foi inédita e inovadora. Depois veio aquele monte de cena de perdão ao Félix. No fim das contas, o enredo na novela tornou-se a redenção desse personagem.

O capítulo da novela já ia para mais de duas horas, quando Félix e Niko, na sua casa de praia riquíssima – onde moram com seus filhos e com o Cesar, pai do ex-vilão -, ficaram sozinhos… Aquela tensão já tomou toda a sala, ficamos todos em silêncio, mãozinhas dadas, vidrados na telinha. Os dois se aproximaram e o personagem do Thiago Fragoso passou os bracinhos em torno do pescoço do personagem do Mateus Solano. Já pensei: se for para ser vai ser agora. Um misto de esperança e de ódio me consumiu, pois se com aquela ação eles ainda não se beijassem seria muita filhadaputice da Globo.

Os dois se entreolharem, cada um com a cabecinha levemente virada para o lado e Félix disse emocionado: “Eu não vivo sem você, Carneirinho”. Daí eles foram se aproximando e…

*BOOM*

*BOOM*

Os viados ficaram loucos. Gritavam, pulavam, soltaram fogos. Todo mundo saiu na varanda ensandecida fazendo barulho comemorando a grande vitória. PUTA QUE PARIU!!!!! Filmei nossa reação quando houve o beijo, cata, mona:

Como esperado, o beijo caiu como uma bomba no país. As redes sociais foram tomadas de reações a cena. Muitas positivas e lindas! O dia 01 de fevereiro acabou virando o Dia Nacional do Beijo Gay. Uma onda de amor tomou o país! ❤ Pessoas se abraçando, dando beijaços, compartilhando mensagens de respeito e defesa a homoafetividade. Muitos perfis do face foram trocados pelo frame da cena do beijo. Foi coisa linda de se ver.

No outro dia TODOS os reacionários nacionais e locais estavam aos jornais esbravejando, ameaçando (alguém me explica porque quando o tema é gay NECESSARIAMENTE a fonte ouvida é um religioso cristão?). Quanto mais eles ficavam nervosos mais as gays gozavam de amor e alegria:

Um dos melhores tuítes, aos reacionários foi este:

E claro, teve autor de novela que ficou queimadíssimo. Lembram disso:

Aguinaldo Silva Sobre Beijo Gay

“Tá feio, tá eshcroto”

É aquilo, né, quem nasceu para Clô, nunca vai ser Félix. Beijos, Gui!

Enfim, algumas considerações sobre o beijo:

  1. Foi tardio: o fatídico beijo-gay-na-novela-da-Globo veio super tarde. Tão tarde, mas tão tarde que nem soou mais como algo revolucionário, moderno, etc. Não havia nada de avant-garde nele. Soou mais como uma corrida atrás de um tempo perdido, a emissora perdeu o timming da mudança de costumes na sociedade e transformou a coisa em algo muito maior do que precisava ser. Mas, antes tarde que nunca, né?
  2. Foi elegante: a Globo cumpriu o que prometeu. Querendo agradar gregos e troianos, a cena foi exatamente como anunciada, não foi apenas um selinho chocho, mas também não foi um beijão de língua ultra-erótico. Ficou uma cena de bom gosto que não fez ruir a tradicional família brasileira.
  3. Foi político: é ingênuo acreditar que não há articulação entre política, afeto e cultura de massa. Os discursos estão aí circulando e modificando a sociedade. Cenas como essa vão naturalizando as relações LGBTs e, se não aprovadas, pelo menos estimulam o respeito às diferenças.

O mais lindo foi que logo após o beijo veio aquela cena lindíssima do Félix e do César, observando o pôr do sol, ambos se perdoando. Foi lindo pois lembrou a todos – logo depois do beijo – que o gay tem uma família e que muitas vezes ela é, antes mesmo da sociedade, seu próprio inferno particular. Acabou que essa cena foi mais importante e emocionante que o próprio beijo e deu a sustentação afetiva para a cena anterior.

felixpai1 felixpai2

felixpai3 felixpai4

felixpai5 felixpai6

felixpai7 felixpai8

felixpai9felixpai10

Foi um final de novela lindo como a muito tempo não se via. É inegável que a cena só ficou tão perfeita e emocionante (quem não chorou tem uma pedra no lugar do coração) graças ao talento, experiência e sensibilidade de um Mateus Solano e de um Antônio Fagundes. Para vocês entenderem o peso que a cena teve leia esse relato de um gay a uma colunista do IG (um dos vários que surgiram na rede):

“…estavam todos na sala… eu no sofá quando o Felix beijou o carneirinho… Silêncio… Fiquei quieto também pra não dar motivos, embora estivesse fazendo a drag por dentro… Mas a cena final, do Felix e do César, eu não aguentei, veio um choro descontrolado que estava preso esses quatro anos que não falamos direito.., estava total descontrole… dai veio minha mãe com a cara  inchada de chorar me abraçar e meu pai do outro lado segurou minha mão e pôs a mão em volta do meu ombro… Não falamos nada! Na hora de dormir, o Felipe (irmão) entrou no quarto, deu a mão e quando eu ia apenas apertar, ele me puxou, deu um abraço e disse que ele sempre vai ser meu irmão. E chorei de novo… Pela primeira vez não dormi no inferno” (FONTE).

Nossa, para nós blogueiros gays foi um alívio agora toda a vez que começar uma novela com personagem gay não vamos precisar ficar perguntando “será que vai ter beijo gay bla bla bla”. Nossa, tirou um peso das costas. rs

Mas a luta ainda não acabou, minha gente: queremos agora um beijo gay numa novela BOA! rs #fikadika, João Emanuel Carneiro!

Sem traumas ou polêmicas, ‘Amor&Sexo’ mostra o primeiro beijo gay entre homens da Globo


beijo_plateia_1

“Foi só um selinho?” Foi só um selinho. Porém, enfim a Globo mostrou o primeiro beijo na boca entre um casal do mesmo sexo. O tema já muito debatido acabou tomando uma proporção muito maior do que deveria ter, afinal, em pleno 2013, uma bobagenzinha como um beijo entre homens ainda cause tanto burburinho é de dar dó.

Mesmo sem conseguir inserir nas novelas – apesar da ENORME expectativa -, o fatídico ato de afeto foi ar de forma simples e sem traumas. O esquema lúdico montado foi o de dividir a plateia em pessoas que procuravam parceiros héteros e homoafetivos. Daí possíveis casais de interesse reproduziam a cena clássica da Dama e do Vagabundo, aquela do macarrão, e se tudo desse certo, davam um beijo no final.

Vejam:

Beijo Gay em Amor&Sexo Globo

Clique para ir à página do programa. A cena acontece a partir do minuto 03:05.

OOOOOWWWWNNNNNN! ❤

A jornalista Glória Maria, que participava do programa, completou após a cena: “Fernanda é o primeiro beijo gay da TV”. Já não  era sem tempo que a maior emissora do país tornasse a discussão sobre a homossexualidade mais abrangente, né? Estaria a Globo ensaiando ampliar a abordagem e o tal beijo gay de novela ser apenas uma questão de tempo? Veremos…

Eu adoro o programa “Amor & Sexo”, primeiro porque tem a Fê Lima que é uma querida que consegue levar o programa de forma autêntica e espontânea, sem repetições ou formulas (fora aquele pão que é o marido dela, néam). Segundo que ele trata de temas que neste nosso país hipócrita são “proibidos” de ser publicizados. Brincando, brincando, a gente vai quebrando barreiras, provocando reflexão sobre mudanças de comportamento e questões sociais.

Será que a Rede Record vai dar basfond assim como deu quando o programa mostrou nudez frontal?

———————–

UPDATE: Bem fui lembrado que esse não é o primeiro beijo gay entre homens da Globo! Já teve um na minissérie Queridos Amigos entre Guilherme Weber e Pedro Novais. Podemos dizer que foi o primeiro beijo autêntico, o primeiro beijo documental. rs

SBT e Globo: You are the winners of this challenge


Hoje duas informações chegaram até mim. Uma sobre o The Voice e outra sobre o Casos de Família.

Primeiro, The Voice. Cata a imagem:

385117_4007429306015_551872077_n

Que lindo, gente, ME ABRAÇA!

me abraça

Eu não fazia IDEIA que Ellen era sapa! Vi esse programa, vibrei com este satanás fazendo mais sons com a boca que o filme Fantasia 2000, da Disney, e nem me toquei disso.

Pode parecer pouco, mas pensem no que isso representa socialmente. Ela e Maria Cristina, a outra sapa que faz cosplay de Cássia Eller, são as favoritas do programa e ambas ganharam pelo voto popular.

Sim, bee’s, voto popular, com uma porcentagem de cerca de 55% as duas foram pra final ao competirem com mais dois outros competidores, em grupos de três.

Em contrapartida, tem aquela coisa, né? Nossa sociedade aceita muito bem bicha e sapatão, desde que bicha só sirva pra fazer rir e sapatão só sirva pra fazer música.

Enquanto isso, no SBT, a vinheta de fim de ano do delicioso Casos de Família:

[youtube https://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=3pXZ_4KEsjM]

artePegaram alguns casos famosos e celebridades da internet pra comporem o elenco.

Observaram a quantidade absurda de beeshas, travas, drags e seres amorfos? Pois é! É a vinheta de fim de ano da emissora, repleta de gente como a gente.

Era de se esperar, todo fucking dia que eu passo por aquele programa tem alguma gay ou sapa falando da vida dos outros.

Outro dia mesmo uma viada, com as unhas compridas pintadas de preto, estava criticando a outra porque a outra era drag, e na cabeça dela “homem gay não precisa parecer mulher pra ser gay”.

SÓ ELA não via que ela estava mais montada que a amiga ao lado. Quando é que esse povo estúpido vai se tocar que drag queen é artista, não transexual?

E há quem diga que Silvio Santos ainda fará um reality show de druegs, tal qual Glitter. Provavelmente com Nany People, Elke Maravilha e alguma bicha estilista aleatória falando de conceito fashiozzzzzzzzzzzzzz…

Meet the cast:

  • Chica Chiclete;
  • Labelle Beauty;
  • Striperella;
  • Robytt Moon;
  • Silvetty Montilla;
  • Alguém com andrógEno escrito no nome;
  • Suzy Brasil;
  • Uma novinha com cara de mulher (que vai encher o saco dizendo que é transformista e não drag queen);
  • Thalia Bombinha (pra completar a cota das plus size);
  • Ava Simões;
  • D’mon;
  • E Rochelly Santrelly indo pro bottom two logo de cara, porque os jurados não serão capazes de interpretar a genialidade dela e o dadaísmo da sua dublagem.

modelo

Dica do leitor

Novo programa de Pedro Bial na Globo promete debate sobre relacionamento gay


Pedro Bial vai estrear na Rede Globo um programa de debates, com previsão de estreia para o dia 5 de julho, a atração vai ao ar às quintas-feiras, logo após ‘Gabriela’ e se chamará “Na Moral”.

“A gente pode dizer que será um programa de debates. De uma forma ligeira e divertida queremos discutir temas da nossa vida, que nos afetam diariamente, com a guarda baixa e abrindo o jogo. Esse programa deve nos fazer pensar e rir”, disse Bial. As já conhecidas crônicas do jornalista estarão presentes no programa e prometem divulgar a opinião do apresentador a cada edição.

Marcel Souto Maior, responsável pela redação final, enxerga o projeto como difusor de temas que outrora foram “esquecidos” pela sociedade brasileira, analisá-los por todos os ângulos e pontos de vista, sem falsos moralismos e tabus.  “Queremos levar histórias boas para o telespectador e contá-las da melhor forma possível, mostrar certezas opostas e colocá-las em uma arena”.

Eu só espero, do fundo meu coraçãozinho lésbico, que isso não exponha a comunidade gay de forma sensacionalista, que seja algo inteligente e favoreça a aceitação, ou pelo menos, a compreensão. A Rede Globo, como formadora de opinião deve calcular cautelosamente o direcionamento desta nova atração, caso contrário, teremos outro “Casos de Família” na tv, que não agrega nada de bom para o Brasil.

Fonte: http://migre.me/9AixJ

“De dia eles não gostam, mas de noite, no escurinho”


Cês sabem que eu evito postar coisas da Globo no BC, mas essa nova minissérie,  O Brado Retumbante, mereceu um post.

A cena acontece com Julie, uma transexual que deixou o boy enfezado porque… vejam a cena:

Clique para assistir

Olha, eu sei que essa transex com cara de zagueiro do Flamengo que colocaram também me dá vontade de dar um tapa na cara delãm, mas o boy bem que mereceu ouvir o que ouviu, néam?

Dica das reticências

Não é só um rostinho bonito, é muita cuca no lance. Oi?


“Não acho que sou pegador. Mas vou te falar uma parada também, se você não tem fama de pegador e é solteiro, fica com fama de veado. Então, antes pegador que veado, né?”

A pergunta que não quer calar é: Quando as pessoas que estão lá, representando o povo ou que possuem o poder de influenciar a massa, vão continuar dando declarações ridículas como esta?

Caio Castro, mais conhecido como novo galã global, idolatrado por menininhas novinhas e muitos gays, inclusive, fez uma declaração infeliz. Porém, acredito que se você sabe que faz parte da mídia, que as pessoas escutam o que você diz, você deve se policiar melhor.

Concordo com Carlos Tufvesson, coordenador de Diversidade Sexual da Prefeitura do Rio, sobre o ocorrido:  “As oficinas de interpretação da Globo deveriam ter uma aula de como não falar idiotices para a imprensa”.

O que podia ser evitado, foi jogado ao vento. Se você é famoso, você está na mira da imprensa. Qualquer coisa dita, vai ser julgada, discutida, debatida. Os artistas brasileiros tem que parar com essa “ingenuidade” e começar a refletir mais sobre suas afirmações perante jornalistas.

Segue abaixo o pedido de desculpas do ator:

“A declaração foi errônea e totalmente ao contrário do que eu quis passar. Ficou uma sensação de preconceito do público. Qualquer tipo de preconceito é um atraso. Eu não tenho preconceito algum com os homossexuais, tenho amigos gays. Foi totalmente errado e maldoso para vender reportagem. A gente tem um monte de imprensa marrom. E faz de tudo e colocar esse tipo de comentário idiota. Para vocês que acompanham, está na hora de acordar um pouco. O que a gente fala muitas vezes é editado e não é posto do jeito que a gente fala. Não sou uma pessoa preconceituosa e o comentário que fiz foi mal interpretado. Respondi uma porrada de critica, comentário, estão me bombardeando. A única coisa que posso dizer é que preconceituoso não sou. E peço desculpas se causei algum tipo de incômodo.”

Central Gaybo de Produção?


A rede Globo, o ícone mor da grande mídia no Brasil, tem andado apoiando as causas LGBTT em seus programas. Na semana passada, o personagem Eduardo, papel de Rodrigo Andrade na novela Insensato Coração, revelou estar confuso com sua sexualidade e que sempre teve atração por “caras”:

Isso disparará na novela as discussões sobre homofobia. No mesmo dia, no quiosque de Sueli, mãe de Eduardo na história, que é um point gay, ela, um de seus funcionários e um cliente, ambos gays na trama, discutem a violência em razão da homofobia, inclusive dando números de assassinatos e falando da necessidade de denunciar. Veja a cena aqui.

Afora isso, a Globo lançou com o canal Futura uma reportagem especial MUITO LEGAL sobre discriminação sexual nas escolas, tão legal que merecia ser incluido no kit ‘Escola Sem Homofobia’ e distribuido pra todas as escolas, pela forma tranquila e sensível como eles encaram este tema tão difícil. Clique na imagem abaixo para vê-lo:

Arrasô!