Dica de Cinema: In the Flesh


Nossa, faz mais de 2 anos que não dou uma dica de alguma série ou filmes pras senhoras assistirem, não é? Acho que o último que falei foi sobre o documentário das Bombadeiras, que nem poderia ser colocado numa categoria de filme legal pra assistir com a família.

Imagine só sua mãe vendo aquelas cenas, hahaha, não.

A dica é sobre um seriado de zumbi. CALMA VIADO, não pense que é mais um série dessas de matança e gente comendo gente. Cata o poster:

562567_605226932840344_1232768240_n

A série tem uma vibe super pós-apocalíptica e conta a história de um planeta que sofreu com o apocalipse zumbi, mas conseguiu se recuperar e hoje tem uma medicação capaz de controlar os impulsos dos chamados portadores da “Síndrome dos Parcialmente Falecidos”.

Tá, Max, mas o quê isso tem a ver com as beeshas?

tumblr_m6f85aCLBF1qjv5iyo1_500TUDO! O momento da inserção dos ex-zumbis na sociedade é marcado por muita dificuldade de aceitação, muito Cristianismo cagando regra e encontrando no livro sagrado deles passagens que justificam seus preconceitos (e também passagens que exaltam os zumbis, pra você ver a complacência da delícia) e todo um drama de “se assumir” zumbi num mundo de vivos.

Lógico que eu na hora fiz uma correlação com os portadores de HIV da década de 80, que sofriam rejeição da sociedade e dos próprios médicos, que por não conhecerem a doença, não tocavam nos pacientes e os mantinham em quarentena (vocês vão observar demais essa crítica à quarentena).

Não vou falar mais nada não, senão vou dar spoiler. Desligue esse Xvideos por uns minutinhos, assista os vídeos abaixo e me conte o que achou (Sim, a série completa só tem três episódios):

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=XKkcnt1e118] [youtube http://www.youtube.com/watch?v=m1GG45LxW0A] [youtube http://www.youtube.com/watch?v=rlS-8epe1yM]

Todo mundo se matou de chorar ou foi só eu?

Dica do Dave

Filminho novo chegando!


“Como Esquecer”, com a presença de Ana Paula Arósio (como uma professorinha dyke), Murilo Rosa fazendo o papel de seu amigo gay (o que eu achei um tesão) e mais um elenco do kerélio.

O filme vai contar a história de Júlia, uma professora que tenta reconstruir sua vida depois de um longo relacionamento com uma mulher. A fofura do filme está na valorização de situações e problemas cotidianos que todo mundo vai se identificar, bem naquele estilinho Sex and The City, que você ri ou chora porque já passou pelos mesmos babados.

Além do mais, tendo Ana Paula Arósio, já podemos esperar arrepios com a interpretação.

O filme estreia em outubro em circuito nacional (Rio, São Paulo, Porto Alegre, Curitiba, Belo Horizonte, Brasília, Salvador e Recife). Depois seguirá para as outras capitais e cidades do interior.

Confiram o making of: