Mais badaloooo!


Ontem, as redes sociais estavam em polvorosa com a volta do reality show mais fútil e mais amado do país: MULHERE$ RICA$! Ou seja, muita vergonha alheia, muitas tacinhas de champanhe ao meio-dia e muitos novos jargões! Tudo que a gente adora.

Nessa temporada, entre as novidades está a jovem e riquíssima capixaba Aeileen Varejão, de 21 anos, moradora da Ilha do Boi. Li que ela sonha em ser cantora sertaneja e que quer ganhar mais visibilidade no programa e fazer carreira. Achei um vídeo dela cantando, vamos apreciar o talento dessa linda?

Belíssima!

Tem alguma beesha bem relacionada que conhece essa racha, gente? Se tiver dá um toque nela que eu acho, disse, acho, que não vai rolar dela ser cantora não, hein?

Além dela , está no programa de volta a diva das divas Narcisa Ai que Loucura Tamborindeguy (no reiveillon em Copa passei em frente ao prédio e fiquei gritando para ela me acertar com um ovo, mas ela nem confiança, devia estar gravando). E também participam Mariana Mesquita, mulher de ex-jogador, Regina Mansur, advogada do ex-presidente Collor e Cozete Gomes, empresária/atriz/modelo/dançarina/ex-miss/artista plástica. Também há boatosh fortíssimos de uma volta tri-un-fal de Val Marchiori. HELLOOOO! Mulheres Ricas não é Mulheres Ricas sem Val, sorry. Mas, para mim, a grande promessa dessa temporada é Andréa de Nóbrega, ex-mulher do Carlos Alberto de Nóbrega. Por quê? Por quê? Pra que palavras quando elas são inferiores às imagens:

Promete ou não promete? Um sonho: ela terminar o bloco dizendo: “Eu aqui no meu velho e querido banco e vocês aí em todo Brasil porque… A PRAÇA É NOSSA!”. SAUDADES!

Mas o que ficou dessa temporada é o fato de toda mulher rica ter enquanto acessório essencial não uma Hermés Birkin, não um jato particular, não poodles amestrados que se acham gente, mas sim uma beesha particular. É cool, é fashion, é basic! Personal Gay é o novo animal print, gente (preto é old). Chora:

Andréa é tão apegada a Praça que até seu personal vinhádo é a cara da Vera Verão, né não?! Arrasô!

Segunda tamo lá, com nossas tacinhas de Guaraná fingino ser Crystal, segurando uma sacolinha do Carone como se fosse uma Channel e aquele colarzinho de coquinho que foi moda no inicio dos anos 2000 como se fosse pérolash, porque o importante é sustentar o estilo. Tão aí essas mulheres “ricas” que não nos deixam mentir.

Via Morri de Sunga Branca.

Eu sou ryca: Agora em versão bate-cabelo.


Eu estava num soninho tão gostosoo, até alguém ligar insistentemente pra avisar que minha avó virou bisa!

Enfim, ligay o pc e descobri que o tal do “Eu sou réééééca”, bordão da Carolina Ferraz na novela Beleza Pura, que sempre esteve na boca das bees mas phynas e viajadas hohohoho, agora virou bate-cabelo na noite. A versão foi feita pelo Las Bibas from Vizcaya, que são sucesso na internet. Escuta aí: