Estereótipos e arranca rabo no Facetruque


Sou descolada, CALABOK

Sou descolada, CALABOK

Voltei! Fiquei sem internet desde sábado e por isso não postei nada, tudo isso porque me mudei no final de semana e nada nesse mundo fazia os preguiçosos da NET aparecerem aqui em casa. E acho bom meishmo, porque aqui no morro só sobe quem os mano conhece, valheu?!

Antes de mais nada quero agradecer ao fofo do Dé que fez aquele post surpresa pra mim, e a todas as gatiras que comentaram tanto ali quanto no Facebook (por mais que eu ache mais pêsame que felicidade fazer 23 fucking anos, agradeço).

E o primeiro post da semana já começa quente e cheio de discussão cabeluda. Existe uma página no Facebook chamada “Gay por Acaso”, na qual situações cotidianas de casais heterossexuais são satirizadas e transportadas pro universo LGBT, cata algumas publicações:

61978_542370505792949_486855321_n382160_543975805632419_2041778518_n533908_543011442395522_401655581_n21655_543483975681602_1842249019_n46235_542292979134035_1032846985_n

Eu não gosto desse tipo de humor sexista, e vocês já estão carecas de saber. Mas é certo que muitos de vocês riram com as imagens acima, tudo bem, o humor é livre.

Acontece que uma racha feministona foi mais além e travou uma discussão com os caras, acompanhe (clique nas imagens para ampliar):

Sans titre 1Sans titre 2Sans titre 3Sans titre 4

Sans titre 5

Por mais que tenha sido escorraçada pela amapoa, a gente sabe que beesha que é beesha não deita assim, fácil.

E, numa tentativa desesperada de sofismar contra a moça, solta a seguinte pergunta: “Então você acha que as pessoas devem ser andróginas?”

Max:

Nem pense nisso, bee!

Nem pense nisso, bee!

Ela, muito saborosa, responde:

Sans titre 6

E, por fim, um urso aleatório mata a pau:

Sans titre 7

O post é basicamente isso. O que eu quero saber de vocês é o seguinte: Vocês concordam com a opinião da Heloisa quanto a página perpetuar preconceitos sexistas ou concordam com o “Gay por Acaso”, que isso é apenas uma forma de humor inocente?

Se bem que, pela resposta do pessoal da página, parece que eles realmente acreditam numa divisão social de papeis entre homem e mulher, o que seria absurdo demais para mim e por isso prefiro acreditar que é só humor.

Vamos votar?

Dica do Hugo

Está sozinho? A culpa pode não ser sua


Hold on, bitch! Se você é uma escrota, passional e ciumenta, esse artigo não justifica a sua solidão.

Vamos repensar o nosso comportamento antes de esbravejar com os outros.

Na década de 90 só dava ela!

Mas se você é uma fofa, educada e tranquilíssima beesha, a culpa da sua solidão pode residir no novo estereótipo dos gays.

Novo estereótipo, Max? Sim, novo! Observaram que aos poucos a bicha pintosa deixou de ser o exemplo de gay e agora os valores são outros? Vamos pensar um pouco…

Aqui no Brasil, no final do século passado, as beeshas se resumiam nas caricatas, leathers e Homens-que-comem-homens-mas-só-quando-falta-buceta. Observem que os exemplos de gays sexualmente atraentes eram Cazuza, Ney Matogrosso e os boyzinhos dessas bandinhas pop que estouraram na mesma época.

Onde estavam as Barbies? Não estavam, ainda! As Barbies e a geração saúde surgem nessa transição dos anos 90 pros 2000, e é disso que quero falar.

Os gays hoje, numa tentativa de fugir do estereótipo da beesha que só sabia ser cabeleireira e estilista, criaram um padrão no qual você deve atender a vários requisitos para ser considerado o gay ideal, o gay que mais foge do paradigma daquele gay que morreu de Aids quando esta estourou no país (o gay de porta de discoteca: degenerado, afetado e promíscuo).

Esse gay é rico, bonito, inteligente, bom de cama, bilíngue, másculo e musculoso. Sendo esse másculo e musculoso as principais características visuais que destoam do gay magro e feminino que era visto logo de cara como “aidético” nas décadas de 80 e 90.

Aliás, já observaram que basta uma bee ser muito magra que as pessoas logo fazem piada sobre ela estar beijada pela tia?

Pois é, esse novo padrão é inalcançável para a maioria absoluta das pessoas e, por mais que você tente fugir desse estereótipo, as possibilidades de encontrar um parceiro para esse gay que atende à maioria das características é bem maior em relação ao resto.

Não vamos ser hipócritas e julgar todos que atendam a esse padrão, estética privilegiada e riqueza também podem vir de berço.

E quando não vêm? Dentre os héteros também existem padrões de parceiro ideal, mas eles tendem a abdicar de uns em detrimento de outros: É a mulher Raimunda, é o pobretão gostoso ou o careca rico. Quem consegue o pacote completo é considerado sortudo, mas quem não é o pacote completo também não fica sozinho.

E por que você, beesha bonita e pobre só consegue foda de uma noite e você beesha rica e feia só arruma boy toy que te liga quando seu salário bate na conta?

Simples, como nossa cultura é ainda muito jovem e estamos nos adaptando aos novos padrões, todo mundo quer o ‘melhor’, e se não consegue prefere ficar sozinho SE transformando nesse melhor para atrair outros melhores como você: É a teoria do Clone Gay.

Observem uma boate no século passado:

E uma boate atualmente:

A homogeneidade chega a assustar, não é verdade? E cada boy musculoso ali sem camisa só está musculoso e sem camisa porque batalhou para se tornar aquele ‘melhor’ que citei lá em cima. Por isso ele anda sem a camisa, pra vender o produto assim como a racha malhadora usa vestido curto pra mostrar os pernões.

Isso gera um círculo vicioso, porque os gays que se tornaram esse melhor não querem perder o seu tempo com gays que não atendam a esse padrão, forçando os outros gays a também buscarem se encaixar no padrão para conseguir os clones que desejam.

Afinal, não é porque você não faz parte do padrão que você não vai ser seduzido por ele. Principalmente com a mídia reforçando sempre, com flyers de boate e propagandas de turismo GLS, que o gay que todo mundo quer é esse:

Defeito

Padrões de beleza são assim chamados exatamente pelo fato de serem um ideal de beleza de um grupo, mas isso não significa que todo esse grupo esteja encaixado nele, principalmente num utópico como esse.

Nosso grupo sempre foi conhecido pela diversidade, por aceitar a todos… mas é só conhecido mesmo, porque a realidade não é muito diferente da feminina quanto à manutenção do seu corpo para servir o desejo estabelecido pela maioria (vá pra porta da São Firmino e veja se não estou certa).

Pintosa quebrando louça com pintosa, urso com urso, discreta com discreta, drag com drag, bombada com bombada? Já passou da hora de misturar.

E aí? Qual a opinião de vocês sobre esse novo esterótipo de gays que domina o meio LGBT? Em que ponto ele deixa de ser saudável e se torna uma obsessão?

O peso da passividade


Que filosófico esse título, mas vai me dizer que não dá uma vontade louca de saber de qual assunto se trata?

Pois é, dá, e o assunto de hoje se parece muito com o formato dos posts do Kooriosidades, mas se eu não mudar a plataforma, eu vou acabar transformando todos os posts de discussão em posts do Kooriosidades. Elas me perguntam de um tudo!

Por isso, resolvi aproveitar a história de mais um leitor, não pra ajudá-lo (isso já fiz respondendo o e-mail individualmente), mas pra entrar numa discussão que me parece incomodar várias bee’s. Vamos ler:

Conheci um carinha de Vitória a pouco mais de um mês, estou morando a pouco em vitória.

Mas enfim, o cara sempre ficava falando que era ativo e tal, e eu dizendo que não iria dar certo porque só sinto excitação em ser ativo, já tentei ser passivo, mas não dá, não tenho tesão, sabe como?

Então saímos e no primeiro dia ele já queria transar, então fomos para meu apê, e descobri que ele é muito passivo! Estamos namorando agora, e com um mês de namoro ele fica se gabando para os amigos de ser o ativo da relação, e eu fico como o passivo, pois não tenho amigos na cidade e nunca namorei ninguém aqui.

Isso esta atrapalhando muito a relação, ele fala que por ser o fortão e ter cara de macho, “tenho que aceitar isso”

Penso naquela velha historia de gay passivo que não assume, ele diz: “Eu estou sendo passivo com você, nunca fiz isso com ninguém você é o 1º”.

Resumindo, o que devo fazer para essa criatura se aceitar, estou deixando de ter tesão na relação, não sei o que acontece com essas bichas que gostam de esconder a opção, “versátil mais passivo”, “versátil mais ativo”

Não entendo isso, ou você gosta de meter ou gosta de dar. Mas gosto muito dele, pois é um cara muito legal e não queria terminar por bobagens , não quero que ele fique gritando para todo mundo que é passivo, só queria fazer ele entender e aceitar.

O meu sentimento por essa pessoa é duvidoso, por um lado sinto um ódio eterno por ele ter convertido mais um ativo à passividade, por outro acho uma graça que bata o pé pela sua atividade num mundo dominado por edis nervosos.

Mas não é disso que eu quero falar, sempre tendo a falar de sexo, dessa vez quero falar de comportamento. O problema do rapaz é com o namorado que não se aceita passivo, mas o próprio ao ser taxado como tal se sente incomodado e até cogita terminar o relacionamento.

Como é que ele espera que o outro, sempre acostumado a ser ativo, aceite tão facilmente o novo rótulo se nem ele, com um rótulo de mentira, fica à vontade? E por que um rótulo de passivo incomoda tanto, se um depende do outro pra existir, afinal, se não tiver quem só dê, não tem quem só coma, certo?

Errado! Tem os “versáteis”, eles são a maneira que muitos gays machistas inventaram para se livrarem do estereótipo de passivo. Não que os versáteis verdadeiros não existam, existem sim e são muitos, mas em meio a eles você vai encontrar uma infinidade de gays como o namorado do rapaz do e-mail.

Eu disse que era ativo? Te enganei!

Sobre versatilidade, leia o meu outro post CLICANDO AQUI

Sempre que vemos um casal gay temos o hábito de determinar quem é o ativo e quem é o passivo da relação, é natural que façamos isso, e pouco importa se a mais feminina disser que é o ativo, na nossa cabeça ela será a passiva e ponto final.

Isso me lembra muito casais heterossexuais sobre os quais paira um tabu sobre o que fazem na cama, geralmente isso acontece quando a esposa faz fio-terra no marido. Só ele fala de sexo, e ai dela se fizer algum comentário envolvendo dedo, ânus ou diferença de potencial (ddp).

Sobre o casal do e-mail, observem o quanto ele quer que o outro assuma sua passividade, não só porque ele é o ativo, mas também porque, palavras do próprio texto: o outro “fica se GABANDO que é o ativo”.

Se gabando que é o ativo… por que se gabando e não apenas dizendo? Porque somos machistas, todos nós, não só os héteros. Pra todos os homens latinos o fato de parecer ou agir, o mínimo que seja, como uma mulher, é humilhante para a sua identidade masculina.

Até mesmo alguns homens muito masculinos, quando se assumem passivos, tentam o tempo inteiro se desvencilhar da ideia feminina do ato, usando as famosas gírias “Brow, Brother, Fera, professor Xavier, Jean Grey, entre outras”.

Tudo isso com a intenção de assumir a preferência passiva na cama, mas tentar dizer que ainda é ‘homem’. Uma grande besteira, como se ser homem se resumisse a usar o pênis como uma arma de dominação.

Já perceberam que quando uma mulher “age como homem” ou se veste com roupas masculinas ela é vista com respeito e sensualidade, mas quando um homem se veste com roupas femininas é visto mais como uma figura de humor? Ou vocês achavam mesmo que hétero tem tesão em lésbica só por causa do ménage à trois? Nada disso!

Isso acontece porque o homem, na nossa sociedade machista, é o exemplo de força e superioridade. E como todos os animais procuram como seu parceiro sexual aquele que demonstra ser o mais poderoso do bando, é de se esperar que a mulher com características masculinas seja a mais atraente, pois ela representa o que consideramos superior.

Em contrapartida, imaginem um homem no lugar da Dama de Ferro (Margaret Tatcher) tomando as mesmas atitudes dela, mas se perfazendo de características do universo feminino, assim como ela fazia com o universo masculino…

…vocês acham que ele teria o mesmo êxito em conquistar o respeito de uma nação?

Sobre lésbicas… Parte I


Uma sequência de afirmações que todo mundo (todo mundo mesmo) já ouviu algum dia. Mas, será que isso tudo é verdade?

1: Toda lésbica é masculina.

Argumento: Fail! Existem lésbicas pra todos os gostos ui! Adoro, cores e tamanhos, existem as masculinas, as meio termos e há também uma infinidade de sapinhas femininas, com seus scarpins e suas calças jeans coladas, maquiagem e unhas impecáveis. E onde elas estão? Eu explico, as sapinhas mais agressivas, são mais fáceis de identificar e talvez por esse motivo, sejam principal alvo de preconceito da sociedade, além, co-le-gas, de outras sapas também!! Toda esse alarde em relação as sapas seguidoras do cabelocurtocalçalarga, vem da antiga ideia, imposta para nós de que meninos usam azul e brincam de carrinho, enquanto meninas usam rosa e brincam de boneca. Brincadeiras à parte, o lance da lésbica masculinizada, se compara ao gay afeminado. Nem só de estereótipos vive a comunidade LGBT, concordam?

Beijopraquemnãocurteestereotipar