Só debochando mesmo!


Nossas leitoras sempre fabulosas com seus teclados ferinos estavam debochando de um carinha que falou sobre opção sexual num post recente, cata:

Porque, né, sério, só debochando de alguém que em 2012 ainda crê que homossexualidade é opção e que tem cura. Como na matéria que saiu ontem na Gazeta sobre o bizarro projeto de lei de um deputado do PSDB (tinha que ser) que quer permitir a “cura de gays”. A matéria ia muito bem, com vários especialistas mostrando o absurdo que é esse tipo de coisa, até que…

Dai sou obrigado a usar a máxima: “sempre tem um que estraga a raça”. Quem acha que ele era mais bonito de Ianka Ashylen e deve voltar a se montar gritaaaaaaaa! Só debochando disso mesmo, né? Mas não sejamos preconceituosos, afinal, recalcar seus desejos SIM é uma opção.

Precisamos de mais héteros assim no mundo!


Eu amo o cantor Criolo e seu álbum “Nó na Orelha” (especialmente a “Não existe amor em SP“), agora tenho mais um motivo pra amar. Olha o coió que ele deu no apresentador punk Clemente! Ao ser comparado de maneira maliciosa ao cantor Fred Mercury respondeu dizendo ser uma honra e pra completar provocou dizendo que Ney Matogrosso era outra inspiração dele. Arrasô!

“Já que você tocou nesse termo, eu respeito todas as opções (sic) das pessoas. Não vou rir. Até parece que é defeito um cara ser homossexual. Eu não sou homossexual, mas jamais vou usar como chacota esse tema”

O mundo não seria um lugar bem melhor se houvesse mais gente que pensasse assim? E as minorias que um dia sofrem preconceito e no outro querem subjulgar as outras? tsc tsc tsc. Longe de mim insinuar qualquer coisa, mas olha um dos comentários do vídeo:

Significa?

Acho que cabe bem aqui dois versos da música citada no início do post, do próprio Criolo, “…morra afogado em seu próprio mar de féu/ aqui ninguém vai pro céu!”

Fora que, além de elegante, talentoso e inteligente, o Criolo é um cafuçú delícia, né?

Dica via comentários.

Ainda falando em Bolsonaro, homofobia e produções artísticas…


Em junho, no Parou Tudo:

O homofóbico deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) está rendendo polêmicas também fora do país. O artista plástico de Taguatinga, radicado nos Estados Unidos, Fernando Carpaneda colocou o político fazendo sexo grupal com homens na escultura chamada “Bolsonaro’s Sex Party”.

Eu adoro formas de protesto que envolvem trabalhos criativos e com viés artístico, ainda mais quando é um deboche como a de Carpaneda, artista plástico que faz trabalhos com temática voltada pro universo gay undergound.

Ficou curiosa pra ver a arte, bee? Cata:

A peça fez parte da exposição “Fernando Carpaneda. Queer. Punk.” exposta em Nova York. Ainda sobre a polêmica obra trecho da d’A Capa:

Mais um ponto a favor da arte e contra a imbecilidade de certos políticos. A escultura “Bolsonaros Sex Party”, criada pelo artista plástico brasileiro Fernando Carpaneda, acaba de ser adquirida pela The Leslie Lohman Gay Art Foundation. A obra passa a integrar o acervo permanente da fundação. (…)
“Acho que, da mesma forma que o Jair Bolsonaro tem direito garantido e imunidade parlamentar para ir à televisão brasileira falar mal de gays e negros, eu, como brasileiro, também tenho o direito de me expressar em público sobre o Jair Bolsonaro”, disse Carpaneda recentemente.
“Quero que ele se sinta constrangido ao ser visto retratado praticando sexo oral e anal. Assim, sentirá na pele o que é ter sua intimidade transformada em alvo de piada”.

Eu adorei e vocês?

Mais fotos aqui.