PROMOÇÃO Tropicália – Um canto solidário [ENCERRADA]


Queridas, vocês já conhecem a Elaine Rowena de longa data, a fofa cantora capixaba que nos seus shows sempre reverte a bilheteria para alguma causa nobre. E dessa vez será para instituições de apoio às pessoas com Aids.

Vamos prestigiar?

A entrada é 20 reais inteira (10 meia).

Mas como sempre esgotam os ingressos, vou ser colega de vocês e sortear três pares. Pra isso, basta enviar um e-mail com seu nome e o do seu acompanhante para max_babadocerto@hotmail.com, e o título ‘Tropicália”.

Levante esse edi cabeludo do computador e faça algo produtivo pra sua mente, garáleo!

PROMOÇÃO ENCERRADA: Os ganhadores são Patricia da Silva Pinheiro,  Mariana Dalto e Vinicius Tavares, Romer Braga e Danielli Orletti.

Oi?


Braseel! Recebi um pouco das fotos de ontem, vou postar porque eu estou louca pra mostrar pra vocês.

Ah, as fotos são todas de depois da apresentação, então desconsiderem o muco tombando, okay?

Não consigo pensar em nada além de Galinha de Macumba quando vejo essa foto de braços abertos hahahahaha.

E de prêmio, Larissa Riquelme:

Amanhã pegarei o resto das fotos e vou upar o vídeo da apresentação, aguardem, ainda tem mais show de horrores.

Update: Recebi mais algumas fotos da poderosa Cyrax, cata:

Eu tinha que descer o nível na última foto, né? hahahaha

“Carnaval taí, Mônica!”


Essa é pra você que é feminina, tem ódio mortal da sua mala e que sempre faz o truque na calça apertada porque tem o desejo íntimo de se montar um dia.

Tô bonita?Pois então, vocês ficaram sabendo de todo o rumor sobre a Max se montar no show da Elaine Rowena, que aconteceu ontem no Teatro Carlos Gomes. Se não ficou sabendo, morra, porque nós postamos 500 vezes no bluóg.
Quem foi viu e quem não foi verá as fotos em breve.

Eu nunca havia me montado antes, no máximo coloquei os saltos de mamãe quando era adolescente, mas isso todas vocês já fizeram um dia. E, é claro, aquelas fotos que o Dé postou não valeram, afinal, eu estava só metade (mal)montada.

Baseada nisso, resolvi contar pra vocês toda a minha experiência de ser drag por um dia. Tá afim? Então cruze a perninha, dê um gole na xícara de café e coloque seus óculos das Óticas Diniz:

Chegay lá no Teatro por volta das 15h20, atrasada, porque peguei o maldito 516 que em vez de ir direto, faz um tour por todos os pontos de prostchytooeeção de Vila Velha antes de ir pra Vitorinha.

Elaine Rowena já estava lá, maravilhosa e silenciosa para manter a voz belíssima pro show, fui ao meu camarim (sim eu tinha um camarim, bonitas). O problema é que era o camarim errado, mas como estava cedo, fiquei lá sozinha dando pinta no janelão e costurando o que faltava da minha roupa. Dé apareceu e descemos pra beber uma cerveja, pois estávamos nervosas.

Quando deu umas 7 horas toda minha equipe chegou, claro, “porque um rosto de mulher é um rosto de mulher”, e o que não não faltava era bee querendo me montar (mentchêra!).

Muco da Max

Dessa vez fui ao camarim certo, com frigobar e comidinhas pra nós (muito phynnna), lá encontrei mais três drags, sendo que uma delas faz parte do elenco fixo da Tia Chica.

Minha cara foi na chóm, afinal, eu virgem e cabaça me senti um NADA perto daquelas drags que de tão experientes fazem a maquiagem sem espelho dentro de um carro em movimento.

E começou o reboco, as guei encheram minha cara de base, jogavam no meu rosto e no meu corpo igual a Xuxa faz com Monange, fizeram meu olho, minha boca, e no fim de tudo me senti a Vera Fischer tendo que expressar emoções só com o olhar, já que tava tudo cimentado.

Fiquei naquela apreensão toda, repassamos a coreô, e a cada música cantada pela Rowena, era um ano de vida que meu coração perdia. Descemos.

Na boca do palco, pensei que fosse desmaiar, juro gatinhas, minha perna tremia, cambaleava, e meu olho estava mais arregalado que daquele lêmure do Madagascar. Entramos.

No palco, Emily Rose incorporou e trouxe com ela seus sete demônios. Dançay, dei pinta, fiz carão, sambei, e quebrei o caralho todo. É como se o tempo congelasse e nada daquilo estivesse mesmo acontecendo, saca dimensão paralela?

No fim de tudo, não satisfeita e já íntima com o personagem, fui pra frente do teatro, tiray fotos, dei close e chokay a sociedade, uma delícia foi passar no meio do teatro LOTADO, e com as luzes acessas. Se vocês acham que eu chamo atenção vestida no dia a dia, não têm NOÇÃO do que foi aquilo. hahahahaha.

Agradeço ao Lúcifer, ao Jeff, ao Dé, a Tarcila Open, a Cyrax e a Andréxia Simon pela ajuda e por terem movido montanhas pra que isso fosse possível, vocês são demais!

E como disse a Jeff: “Max, você já é praticamente uma mulher, toma cuidado com montagem, porque se você fizer num dou dois meses pra você botá peito!” ALAKA!

Será?

Promoção – Show da Elaine Rowena


Como vocês ficaram sabendo através DESSE post do Dé, a Elaine Rowena vai fazer um show no Teatro Carlos Gomes dia 27 (próxima quarta). O Babado Certo é um dos parceiros, o Dé é o diretor artístico e eu participarei do show montada, ou quase isso, de drag queen.

Apesar da entrada ser franca, os ingressos devem ser retirados na bilheteria ANTES do horário do evento (começarão a liberar os ingressos uma hora antes do início do evento, ou seja, às 19 horas). Como a Rowena é muito famo$a, será impossível que algumas de vocês consigam seus ingressos, mas isso não pode impedí-las de tentar, okay?

Pensando nisso, nós do Babado Certo vamos disponibilizar CINCO PARES de ingressos para as pessoas que enviarem um e-mail com o título “Promoção Elaine Rowena” para max_babadocerto@hotmail.com, com seu nome completo.

Para que todas tenham a mesma chance de ganhar, eu não vou usar o processo usado pela gente nas promoções de boate. Em vez disso vou atribuir um número para cada e-mail e usarei um programa chamado “Lotto Generator”, que vai sortear os 5 números vencedores, como numa rifa.

O local de retirada dos ingressos será dito somente no e-mail de resposta aos vencedores, a fim de evitar fraudes. Inclusive, se você vencer, não esqueça de levar um documento com foto para comprovar sua identidade.

Então é isso, cruzem os dedos e LET’S GO!

PROMOÇÃO ENCERRADA, OS E-MAILS JÁ FORAM ENVIADOS AOS VENCEDORES, COMPAREÇAM NO LOCAL MARCADO NO E-MAIL DE RESPOSTA.

Espetáculo ‘Elaine Rowena – 30 anos’


Nós do Babado Certo estamos apoiando este show que faz parte das comemorações de 2 anos do blog. Eu estou na direção artística e Max fará uma participação estreando como drag (ainda esta semana posto nosso editorial drag fashion, com as provas dos looks). Apesar da entrada ser franca, temos uma quantidade reservada de ingressos que sortearemos entre nossos leitores. Daqui 10 dias quero ver todo mundo lá, hein?!

Podcast #3: Entrevista com Elaine Rowena


Em seu apartamento no centro de Vitória, Rowena me recebeu. Eu com meu MP3, entre os vários gatos (felinos, bee!) da cantora, conversei sobre o show de hoje a noite, sobre preconceito, cena gay capixaba, sobre nova boate gay, Lady Gaga e otras cositas. Ouça:


Admito que sou péssimo entrevistador, mas foi bem legal a experiência. Depois da entrevista Rowena me mostrou o look que loosho que ela vai usar na última música do show: um micro-vestido de paetê vermelho e uma cabeça de carnaval toda trabalhada em plumas da mesma cor. Arrasô!

SERVIÇO:

O que: Show “Dance”

Quando: Hoje (28/01)

Onde: Praia de Camburi – Tenda Musical (perto do BB)

A diva gay capixaba


Alguém, em algum lugar, certa vez, disse – não me lembro quem, mas fica o crédito a ele – que afirmar que uma diva é uma diva gay é redundância, pois toda diva é  gay,  é da natureza delas. Mas quando a diva em questão é Elaine Rowena isso não é exagero. Quem a conhece pessoalmente sabe que é dificil acreditar que ela não é uma travesti: ela anda, fala, gesticula como uma.

Sobre o salto de seu (sempre) Fernando Pires é uma das cantoras capixabas mais versáteis indo (mesmo) do erudito ao popular. Tanto que em seu canal do Youtube há vídeos de apresentações suas cantando ópera, bossa nova, clássica, rock, pop

Dizem que em meados dos anos 90 era figurinha comum nas boates gays do centro da cidade onde até recebeu um prêmio como madrinha racha da comunidadje. Aliás, é uma das poucas que, nessa mesma época, conseguiu deixar treeege a alta sociedade capixaba. Contam que em um de seus shows eruditos, no Teatro Carlos Gomes, o público se deliciava com um repertório de  músicas, até então, exclusivamente líricas. Tudo seguia calmo e tranquilo. Aconteceu um intervalo no espetáculo e crianças de um projeto social se apresentaram, enquanto isso, o público mal imaginava, lá atrás do palco era preparada uma surpresa. Acabada a apresentação dos eres, apagaram-se as luzes do teatro e começou a tocar os primeiros acordes de uma guitarra elétrica. Elaine, então, surgiu nua na parte de cima e usando uma micro calcinha de couro na parte de baixo. Junto com ela várias drags surgiam do poço do teatro tomando o palco junto com bophes eshcândalos sem camisas. Foi dessa forma que Rowena apresentou ao estado sua mais famosa – e mais gay também – música: Cobra Coral. Ouve, vê se não é very, very gay:

A música está no cd da cantora “Sereias”. Acho que um dj do estado poderia fazer um remix babadeiro dela, é coisa nossa, né?

Se você ainda não se convenceu que ela é do babado, tem ainda o filme em que ela faz papel de funkeira – que também tem a participação de um monte de drags (uma delas é andréxia simon) – que foi concebido por ela e roteirizado e dirigido por Ricardo Sá : A Sabotagem da Moqueca Real.

Contei tudo isso porque as bees novinhas provavelmente não a conhecem e para aproveitar para falar que no dia 28 (quinta), ela fará um show na Praia de Camburi e dedicará aos gays do estado. Além disso, ficou também de nos dar uma entrevista ainda essa semana, fiquem ligadeenhos.

Saibam mais de Elaine Rowena neste site aqui.