PROMOÇÃO – Platinum (quarta-feira) – ENCERRADA


Que tal ir na festa SODA POP, no Platinum, que acontece amanhã, na faixa? Estamos sorteando 4 ingressos!!!

Dizem que o dj é super versátil. Calma, gente, não é nada disso que vocês estão pensando, ele é musicalmente versátil, toca de um tudo!

Quer ir? Curtiu? Mande-nos um e-mail para blogbabadocerto@gmail.com, com seu nome no conteúdo da mensagem, e o título “Soda”. O resultado sai amanhã.

Os vencedores são: Dalyson N. Ferreira, Evandro Rangel, Jhonne de Oliveira e Gleickson Lucas Vieira Tavares.

Set List Dé Jay


E aí, gatas?! Prontas pra ferver hoje na festa mais babadeira do ano? Os preparatjeevos do rock já estão a todo vapor pra recerbermos vocês como a senhoras merecem.

Para ir aquecendo, que tal ouvir uma musiqueenha? Então, clique na figura abaixo para apreciar o setmix basfond que vou tocar hoje a noite:

Ah, e cheguem cedo pra bater cabelo ao som das minhas escolhas musicais, toco a meia-noite, tsá?

Unfaithful


Dj Guto Neto

Este blog é mesmo uma mãe para vocês. Ontem, falávamos nos comentários sobre a inauguração da Ink Lounge e tal (é hoje!), e dentro da discussão postei o link do set mix do DJ Residente da boate. Daí que eu pensando em quem tem conexão sufrida e má vontade, subi para a net o arquivo de áudio (sem consideração alguma pela propriedade intelectual, mas fica os créditos pro Guto, até porque aposto que ele vai adorar essa divulgação) para que vocês ouçam e avaliem (e porque o que falarei tem a ver com isso). Ouçam:

Não sei vocês, mas eu achei o set PERFEITO (assim mesmo, em caixa alta): tem as músicas bombadas mais recentes, como Telephone e Stereo Love, pasmem, com letra (!), dá pra cantar junto e dançar, sem, no entanto, perder aquele clima de bate-estaca, tem coisas alternativas, uma coisa meio rocker e uma bem retrozona (mesmo!), tem músicas divertidas, mas não tão recentes, como Lorena Simpsom, e tem hot club remixes que só as antenadas na cena eletro conhecem. OU SEJA, vai agradar de A a Z.

"'Cause I know that it knows I'm unfaithful"

Me lembrou a época que o Dj residente da Move tinha paixão e botava o dancefloor abaixo, lembram (2007-2008)? Quero só ver as movets fiéis agora!

Aliás, os promoters da Ink me ligaram ontem e foram super fofos, se colocaram a disposição, disseram que lêem o blog e estão atentos as sugestões e críticas que vocês dão. Até falei que iria hoje, mas acho que não vai dar (sorry, honey!), mas serei muito bem representado por outros autores/colaboradores do blog.

Como eu disse, essa soma música fechante + espaço ótimo + bom atendimento (vamos ver), vai colocar em teste a fidelidade das movets. Já foi dito e redito aqui que há espaço sim para essas duas boates em Vitória, mas se o que for prometido for cumprido a Move vai dar uma abaladinha, né, não? As gueis de Vix não atravessam a ponte por nada (assim como muitas de Vila Velha também tem preguiça e indisposição para pagar tanto para fazer o mesmo), fato, tendo opção do lado de cá da 3ª Ponte está  declarda uma guerra pelo público GLS de Vix sem precedentes (nunca na história do ES… ALOKA!). Aqüenda!

Pra que serve um Dj?


No início do mês, fui pela primeira vez dj – amador lógico, bombando no Virtual Dj. Ou, como prefiro, foi quando nasceu o Dj Dé Jay. ALOKA! Isso, associado ao fato de eu atualmente frequentar buatchy apenas para dançar e beber, e não para fazer a linha çedussão, já que sou amarradíssima, me fez refletir sobre esse personagem sempre presente nos findes de toda bee fervida.

Pra que serve mesmo um Dj? Não é para simplesmente pôr as músicas, pois se fosse para isso era só botar um cdzinho na agulha já com todo um set pronto e deixar tocar até de manhã. A proposta do Dj para mim é embalar a noite da gente, fazendo baygon ou o/a [insira aqui sua droga lícita ou ilícita preferida] bater mais rápido nos deixando como que manifestadas no meio do dancefloor. Me desculpem, mas nessa hora não cabe ao profissional ser conceitual, ele tem que ter sensibilidade e perceber o que faz as gueis dar gritinhos histéricos de “adogo” e o que faz bater aquele bad. Não sei vocês, mas tem muitos Djs de Vix deixando a desejar, vocês não acham?

O que mais irritam vocês nas trilhas dessas lokas?!

“O que achou da The Pub, Dé?!”


the pub fui

...e bate cabelo!

Eu tive a oportunidade de estar no bar dançante na sexta, noite da Tequila, e simplesmente A-DO-REI! Atualmente, não tenho problema algum em dizer que a casa é a melhor da grande Vitória, pois se eu fosse fazer uma boate seria bem parecida com aquela: vários ambientes, decoração temática, bons DJs… Aliás, o que foi a performance do DJ Felippe Molko? Ele é belíssimo (mesmo com seus “metro e meio” de altura) e soube como ninguém agitar a geral nas pick-ups misturando as músicas tops do momento com clássicas do passado (80, 90 e até dos 2000) todas COM LETRAS, acredita?! Gente, ele tocou Sweet Dreams, Queen e umas coisinhas maras dos 90 que me fizeram me jogar horrores. Odeio essa esquizofrenia dos DJs de querer sempre tocar a última das últimas novidades, cheio de efeitos de tunts tunts (devolvam minha letra!) e se esquecer dos clássicos, pois quero dançar e para isso tem uns babados ótimos nas antigas. “Arrasou, DJ!”, eu gritava. Faltou Girls just want to have fun da Cindy para ele ganhar meu coração e  fidelidade eternas. Se ele fosse de Vix, já ia puxar campanha para ele ser residente da The Pub. Ele só acabou comigo quando tocou Halo da Beyonce… me fez lembrar de alguém.

"Vai encarar?!"

Bem, como eu sei que o que importa para todo mundo não são só elogios, mas sim as críticas vamos a elas. Primeiro, o público. Não havia percebido como as bee haviam ficado tão mal educadas: elas esbarram e não se desculpam ficam gritando histéricas, ai, um horror! Lá dentro encontrei com duas amigas lésbicas e passei a noite com elas. Teve uma hora que tive que arrumar confusão com um cara que no balcão virou para elas louco e começou a falar gracinhas: “Sapatão é tudo mal educada mesmo!”. Voei para cima dele: “Como é que é, meirmão?!” Comecei a empurrá-lo. Daí apareceu o bophe da bee que por coincidência é meu amigo e colocou tudo em pano quentes. “Cuida dele aí, faz ele ficar quietinho”, falei botando banca claro que se ele tivesse resolvido me encarar eu correria, porque, pelo tamanho do cara, eu apanharia. Não mexa com meus amigos e, acima de tudo, não seja homofóbico, porque eu fico looooka </vanessão>. Tinha uma quantidade até grande de héteros também, mas isso eu até entendo, aquela região não tem esse tipo de lazer para héteros, por isso eles tendem a ocupar esses espaços.

No fim da noite, vi uma racha que estava mega produzida tomar uma queda na tal escada assassina. Ao ver coloquei a mão na boca fingindo espanto. Quando minha amiga fancha perguntou o que havia acontecido eu respondi: “Nada, só que a racha com chapeuzinho francês caiu e quebrou o cóccix…”. Comecei a rir muito, mais pelo jeito blasé com que disse do que pela situação em si. logothepubQuanto a temperatura, no começo tava mega frio, mas quando a boate lotou ficou mega quente e no final ficou frio de novo… normal.

Enfim, tinha mais coisas para falar, mas tô com preguiça de escrever. Conforme for lembrando eu vou colocando nos comentários. Ah, e faça o de vocês também.

Bate cabelo com areia


Bee, vai fazer o que domingo a tarde? Lá em Itaparica vai rolar um evento babado na praia. Uma bitch beach party como não se vê desde o Areia Beach (leia-se aberto, gratuito, gay e bafônico!). Vai ter Dj, vai ter fervo e é capaz de ter pegação (isso não posso garantir). O basfond será no quiosque Chiquita, do lado do quiosque do Jajá, em frente ao Hotel Itaparica (não sei qual é, me falaram). Pras bee que vem de outros lugares, e vem de busu, ficadica: no terminal de Vila Velha pegue qualquer ônibus que venha pela Rodovia do Sol e peça para saltar no Hotel Faraó, daí é só caminhar em direção a praia, fácil, né? A coisa toda começa às 14 horas. Eu vou e quero ver algumas de vocês lá, tá?!