Pedro Bial comanda “Na Moral” em defesa da união gay


Demorou, eu sei, mas é muita correria pra pouco tempo.

“E lá vem a noiva. Não. Lá vêm as noivas. O mundo está perdido ou o mundo está mudando?” Com essas palavras, Pedro Bial iniciou um programa diferente: duas noivas (Aline e Simone) no palco, se preparando para o casório a ser realizado ali mesmo, em rede nacional, para milhões de telespectadores.

Bial trabalhou com o conceito de família, acima de tudo. Conversou com os filhos, trouxe outros casais para o debate e, inclusive, mostrou a postura contrária de algumas pessoas, como por exemplo, o juiz Luiz Marques, que negou o pedido de conversão de união estável em casamento civil do estilista e ativista Carlos Tufvesson, titular da Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual (Ceds) da Prefeitura do Rio de Janeiro.

Finalmente um programa de utilidade pública. Finalmente, os dois lados da moeda, um passo a mais pra evolução do Brasil. Pedro Bial conseguiu se redimir comigo.  A cerimônia foi celebrada por Maria Berenice Dias, ex-desembargadora do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS), atual presidente do Instituto Brasileiro de Direito da Família e um dos principais nomes na defesa dos direitos LGBT no Poder Judiciário.

Acho que nem todo mundo percebeu a importância desse compacto da Rede Globo, entretanto, foram os nossos 30 minutos de glória! Após anos de invisibilidade, a causa homossexual começa a ser inserida na casa das pessoas através da maior e mais poderosa emissora do Brasil. Beijo não teve, mas aconteceu a troca de alianças e votos (chorei litros), a celebração do amor de duas lésbicas, o fato de que uma família diferente também é família estava lá.

Pra fechar com chave de ouro, fica uma daquelas frases do Bial: “Hoje em dia, os homossexuais são os únicos que insistem em lutar pela instituição do casamento. E mesmo assim, ainda teimam em negar esse direito a eles”.

Câmara debate amanhã proposta que abre caminho para a “cura gay”


Duas resoluções do Conselho Federal de Psicologia, que orientam os profissionais da área, poderão ser derrubados durante a audiência pública na Câmara dos deputador, nesta quinta-feira, 28. O deputado João campos, líder da bancada evangélica na casa, apresentou projeto de lei que pode fazer com nós, lindinhos, voltemos a ser vistos como “DOENTES”.

“Entendo que a matéria não pode ser vista apenas sob a égide de uma única classe profissional, pois alcança a sociedade de uma forma geral. O tema requer um estudo e uma análise aprofundada, levando em consideração os aspectos científicos e também sociais que o envolvem” (…) Entendo que a matéria também deve ser submetida às pessoas que desejam buscar na psicologia ajuda em virtude de dúvidas quanto à orientação sexual”, declarou o parlamentar à Agência Câmara.

A sessão de debate será realizada às 9h30 pela Comissão de Seguridade Social e Família, da qual Campos é suplente. Não que isso influencie, é claro. Como, no ano de 2012, um absurdo desses pode ser pautado? Tenha santa paciência, Sr. Sociedade!

Como diria Robin Tyler: SE A HOMOSSEXUALIDADE É UMA DOENÇA, ENTÃO DEVERÍAMOS AVISAR DIARIAMENTE NO TRABALHO: OI, NÃO POSSO TRABALHAR HOJE, AINDA ESTOU GAY.

Fonte. 

Disque Defesa Homossexual – Projeto de Lei


O Disque Defesa Homossexual terá como principal objetivo oferecer um serviço de denúncia e amplificação do direito à segurança e a orientação da população LGBT em situação de violência e discriminação. O importante aqui é que o projeto de lei foi protocolado pelo Deputado Doutor Hércules e ainda deverá passar por aprovação. Abaixo o documento assinado pelo deputado.

São Paulo registra 60 uniões de gays por mês


Mais de um ano após o Supremo Tribunal Federal legalizar a união estável de homossexuais, a cidade de São Paulo teve 720 registros entre casais do mesmo sexo. Os dados são do Colégio Notarial do Brasil – Seção São Paulo (CNB-SP), o levantamento foi feito em 26 cartórios do total de 32 existentes na capital.

A decisão do STF oficializou a união e fez a relação homossexual ser tratada como um tipo de família. Os casais gays passaram a ter o direito de receber pensão alimentícia, herança e serem incluídos em plano de saúde do companheiro, além de poder adotar filhos, fazer inseminação e registrá-los em seu nome.

Entretanto, meus caros, esses números não significam um aumento de registros. Pelo contrário, houve uma redução de 19% no registro pela união estável em um ano. No 26.º Cartório de Notas, que fica no Centro de São Paulo, o número de registros de união estável foi menor após a oficialização. Entre maio de 2010 e abril de 2011 o cartório registrou 221 contratos de união estável homoafetiva. Já no período entre maio de 2011 e abril de 2012, foram 179 documentos.

Fonte: Jornal da Tarde

Senado Brasileiro promove seminário sobre Criminalização da Homofobia


Começou por volta das 10h30, o seminário “Diferentes, mas iguais” sobre o projeto de lei, PLC 122, que criminaliza a homofobia. O encontro foi uma iniciativa da senadora e presidente do Senado, Marta Suplicy e está sendo realizado no Auditório Petrônio Portela do Senado.

O seminário ocorre na véspera da 3ª Marcha Nacional contra a Homofobia, que vai acontecer em Brasília no dia 16 de Maio. Durante o evento, a ABGLT (Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais ) entregará aos senadores documento pedindo a aprovação do PLC 122.

Temas como o papel do Estado na construção de uma sociedade de respeito à diversidade; políticas positivas de combate à homofobia e aspectos constitucionais e legais da criminalização da homofobia, serão discutidos durante o evento. Haverá ainda testemunhos de vítimas de homofobia e seus familiares.

O seminário foi aberto pelo presidente da ABGLT, Toni Reis, que citou exemplos do Chile, que no mês passado aprovou a criminalização da homofobia (após o assassinato de um jovem homossexual); e da Argentina, que em 2010 aprovou o casamento entre pessoas do mesmo sexo, e destacou também a declaração do presidente norte-americano, Barack Obama, de apoio ao casamento gay.

Segundo Suplicy: “Agora, não só a Europa, mas também a Argentina e outros países vizinhos avançam neste tema e na proteção da diversidade. E o Brasil caminha para trás, um país que deixou, por 16 anos parado na Câmara dos Deputados, projeto que regulamenta a união civil entre pessoas do mesmo sexo e há dez anos não consegue levar a voto de maneira bem sucedida, projeto que trata de direitos humanos e respeito à cidadania, não é um país que está somente parado e, sim, retrocedendo na questão dos direitos humanos”.

Marta Suplicy ressalta ainda que a sensibilização dos parlamentares só vai ocorrer, porém, com mobilização cívica, na medida que as pessoas entenderem que os direitos humanos estão sendo desrespeitados e que as agressões estão se tornando cada vez mais violentas. A senadora acredita que a maioria dos cidadãos brasileiros não concorda que um cidadão homossexual seja vítima de preconceito e lamentou que isso não esteja se refletindo em ações concretas.

Fonte: http://migre.me/95F0V e http://migre.me/95F1P

Campanha ABGLT incentiva estudantes a denunciar bullying


Devido ao aumento de casos de alunos vítimas de homofobia nas escolas brasileiras, a Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT) lançou uma campanha para incentivar os estudantes/vítimas a denunciarem as agressões. Além disso é recomendado que a vítima registre um boletim de ocorrência nos casos de agressão, ligue gratuitamente para o Disque 100 e ainda envie a denúncia para presidencia@abglt.org.br, para que o caso seja acompanhado.

Conferências LGBT pelo estado


Um fato inédito e histórico está acontecendo em nosso estado. Estão acontecendo as chamadas conferências LGBT em vários municípios (Grande Vitória e interior) que ditarão as demandas e projetos dos poderes públicos voltados para nós.

A de Vitorinha será 19 e 20 de agosto, cata:

A da Serra será no dia 27 e 28 de agosto.

Informe-se sobre a da sua cidade, se inscreva (sim, tem que se inscrever!) e PARTICIPE! É sua chance de tomar alguma atitude política em prol da classe LGBT.

Fique atento porque logo terá também a estadual, que nós, certamente, divulgaremos por aqui.

P.S.: Se você precisa/curte certificados, vai rolar, tá, bunita? Ou a senhora prefere ficar devendo horas de atividade complementar na faculdade? Tsc, tsc, tsc…