Beesha que é beesha, é feminina até no escuro


Vocês sabiam que os primeiros mamíferos eram noturnos?

Pois é, num mundo dominado por grandes dinossauros diurnos, a nossa tendência evolutiva foi a de desenvolver olhos maiores, bem como um olfato e uma audição mais aguçados. Tudo isso para caçar à noite (Tá vendo porque nos damos tão bem no darkroom?) .

E me parece que essa audição continua apuradíssima, cata a matéria:

No nosso caso, as palavras são “chiclete” e “caralho”. Não existe uma beesha que não fale chiclete fazendo bico e caralho sem puxar o “a”, algumas até abrindo os cantos da boca.

Tipo Patrícia Penosa falando “Itáliãm”:

Eu acho isso tudo uma grande bobagem. PRA QUÊ estudo e pesquisa se bastava ter ido no post do Babado Certo sobre o canto das Jubartes?

Precisa? Eu sei que não!

Culpa das vogais, é claro, essas malditas vogais que as bee’s não conseguem falar sem analasar.

Mas agora, graças aos cientistas norte-americanos que não têm mais nada pra fazer, tudo está relacionado.

Afinal, quem aqui não é “forte” e “larga”?

Large and in charge!

Via Super