NÃO! Um caso isolado não representa a maioria!


Eu não ia postar sobre esse diabo não, tava me segurando para não fazer mais um post atacando essa instituição genocida que está se instaurando no país, mas depois de ler centenas de comentários absurdos sobre o vídeo abaixo, sou obrigado:

casal

Até aí tudo bem, mesmo que eles não tenham documento comprovando a adoção, estavam com a criança, são monstros e merecem punição pelo que fizeram.

Agora, o que me deixou puto da vida foi a quantidade enorme de evangélicos comentando na página Crente Santão e dizendo que TODOS os gays são assim, que TODOS os casais homossexuais fazem isso com seus filhos.

Cata alguns que peguei:

coitadinhos 2 coitadinhos 3 coitadinhos

DON’T COME FOR ME, BITCHES!

julgarJulgar o todo pela maioria eu até compreendo, é a falácia do ignorante quando quer marginalizar um grupo que tem comportamento transgressor ou libertino.

Agora, julgar o todo por um caso ISOLADO é ridículo! Se todos os gays não prestam por causa desse caso, então todos os héteros não prestam por causa do caso da Isabella Nardoni, todo homem não presta por causa do caso da Eliza Samúdio, todo pastor não presta por causa do caso de Edir Macedo, toda mulher não presta por causa do caso da Suzanne Von Richthoffen.

Enquanto a página tinha o propósito de divulgar a notícia estava tudo bem, entretanto, ela se tornou apenas um mural de ataque aos gays.

Por isso peço que todos vocês cliquem AQUI e AQUI para denunciar a página para o Ministério Público.

Porque o Facebook mesmo só se importa com peito e piroca de fora… homofobia, machismo e discurso de violência para eles é sempre considerado “humor negro”.

Basta colocar no título da página a palavra “humor” que de nada adianta denunciar. Assim como eles fizeram:

humor

É lógico que eles apoiam Marco Feliciano, é lógico!

Não, isso não é humor, é violência!

Uma boa notícia!


Bonitas, pode parecer pouco para muitas de vocês, mas eu tenho uma notícia ótima que acaba de ser postada pela LiHS:

liga

Essa página, com essa quantidade absurda de seguidores, usava o aval de “humor negro” para postar imagens de cunho altamente violento, que causaram o maior reboliço no Facebook. Cata alguns exemplos:

1 a 1 a a a a a fb em julho

1 a 1 a a a a a fb estupre e mate uma retardada

1 a 1 a a a a a fb estupro eh mais divertido

1 a 1 a a a a a fb puteiro eh para os fracos meu negocio eh creche

1 a 1 a a a a a fb recem nascidos apertadinhos

Jamais serei contra a livre expressão do pensamento, entretanto, quem se expressa deve estar ciente de que ao ferir os direitos fundamentais do ser humano e a dignidade humana vai arcar com as consequências legais dessa manifestação. Sendo vedado o anonimato.

E não importa se a sua apologia à violência está travestida de humor.

Por fim, se você ainda acha que no humor se pode tudo, aconselho assistir ao vídeo abaixo:

p.s.: Ainda existem mais duas páginas com o mesmo nome, mas um número menor de seguidores. Porém, o conteúdo dessas páginas menores não contém as imagens ofensivas acima. São apenas um plágio da primeira e tendem a sumir também, seja pela falta de conteúdo, ou pelo medo da retaliação.

Estupro Masculino


Pegue o sabonete

Demorei muito tempo para ter coragem de escrever sobre esse assunto. A vergonha e a quantidade de críticas que a vítima sofre são os principais fatores que me levaram a evitar tratar desse acontecimento aqui.

Sem contar que o estupro é mais tratado como humor, por ser mais comum em cadeias, que como um crime. Quem nunca ouviu piadas sobre “deixar o sabonete cair”?

Sei que poucos de vocês já passaram por um “estupro”, é mais comum que aconteça com mulheres ou em atos de homofobia (não foi o meu caso). Mas acho importante tocar no assunto, a fim de gerar uma discussão nos comentários.

Desde 2009 a ideia de “estupro” mudou de figura, não mais se configura como “constranger mulher à conjunção carnal, mediante violência ou grave ameaça”. Agora a lei diz o seguinte:

Portanto, estupro agora é sinônimo de abuso sexual de qualquer tipo, sem que haja a necessidade de penetração ou da presença de vagina na vítima.

No final do ano de 2010 eu resolvi ir com uns amigos à Move. Cheguei por volta de meia noite, mas não estava me sentindo bem.

Me diverti, tomei umas e resolvi ir embora às 4 da manhã, mais cedo que meus amigos. Dali fui em direção ao posto de gasolina da orla pegar um ônibus. Não queria pagar um táxi até Vila Velha e resolvi esperar o “bacurau”, que passaria por ali às 4:30.

Fiquei no ponto de ônibus e poucos minutos depois um homem se aproximou de mim. Começou a puxar assunto, me elogiando e falando da minha aparência, mas como eu estava passando mal e ele não me atraiu, nem dei confiança e logo finalizei o assunto (quem me conhece sabe que eu sou uó com pegação inesperada).

Mas ele insistiu, chegou mais perto, começou a tentar passar a mão em mim, e eu sempre relutante. Quando resolvi me afastar senti que ele havia colocado um objeto pontudo nas minhas costas. Olhei e era uma arma de fogo.

Protesto no Metrô de Xangai, sobre o governo dizer que a culpa dos abusos sofridos pelas mulheres era da vestimenta

Prontamente parei de me mexer, ele disse para que eu fosse para o outro lado da rua e, dentro de uma daquelas moitas que têm na praia de Camburi, fez o que tinha que fazer. O tempo todo apontando a arma para minha cabeça.

Felizmente, não me agrediu, mas me machucou bastante com a força que fazia pra me manter imóvel. Depois de uma hora consegui me levantar, sangrando, e voltei pro ponto, onde havia 3 beeshas esperando o ônibus (afinal, já eram 5 da manhã).

Cheguei até elas, contei o ocorrido e pedi ajuda, se alguém poderia me acompanhar até uma delegacia, ou ligar para a polícia, mas a única expressão que ouvi foi: “Mentira, viado! Chama o estuprador lá que eu também quero!”.

No final das contas quem me ajudou foram os rapazes do posto de gasolina, me deram uma toalha e me mostraram um chuveiro para tomar banho.

Saí dali e fui direto na delegacia, onde fizeram um B.O. (que nunca dá em nada), exames de corpo de delito, e as medidas profiláticas das DST’s, habituais em caso de estupro. Graças a Zeus, não peguei nada.

Acabei de contar isso para uma leitora e ela, muito esperta, me lembrou do vídeo do rapaz que foi preso fazendo sexo com outro homem no banheiro público, e durante a entrevista disse que “foi forçado a fazer sexo”. Cata:

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=QSm8VeZ46BQ&feature=related]

Todos zoaram o rapaz, admito que eu também, mas vocês percebem que dizer que ele estava “só fazendo charme” parte do mesmo discurso dos machistas que diz que uma mulher pede para ser estuprada quando usa roupas sensuais, e que a culpa do estupro é dela, que “provocou”?

E o pior, para as poucas pessoas que contei esse caso a maioria teve a mesma reação: “Claro, Max, você já é andrógino, ainda usa maquiagem e roupas justas, não pode reclamar que o cara achou que você quisesse sexo”.

Bullshit! Eu poderia estar pelado na orla da praia, nada justifica ele ter continuado após o primeiro NÃO que eu falei.

Sobre esse tema, vale ler o post da Lola, uma feminista e blogueira, que trata da chamada “cultura do estupro”, na qual a ideia de sexo forçado torna-se cada vez mais bem aceita pela sociedade.

Propaganda da Prudence postada no Facebook

Ora, se a culpa do racismo é do racista e a culpa da homofobia é do homofóbico, por que a culpa do estupro é do estuprado?

A música sertaneja e a homofobia


Essa semana acordei pela manhã, tomei café, fiz minha chuca matinal e misturei a argamassa com água pra iniciar o reboco da cara pra ir pra Ufes. De repente, comecei a ouvir um som que vinha da casa do vizinho, e dizia assim:

“Olha aqui seu cabeludo, ‘pioiento’, cheio de argola.

Vamos ganhar o repente no ponteio da viola.

Conhecemos sua fama, seu roqueiro meia-sola.

Você dá uma de machão, mas no fundo é boiola”

Fiquei enfurecida com a música e logo perguntei a papai, nascido em Nova Venécia e amante da Moda de Viola, que música era aquela. Ele respondeu: “Ah, é uma música do Teodoro e Sampaio que fala de rockeiros, uma grande bosta diante do que eles já foram na minha época”.

Sendo Teodoro e Sampaio eu até compreendo: idosos, antigos e cantam sertanejo desde a época que tocavam lira na Babilônia, era de se esperar que chegassem a esse ponto com a carreira em decadência. Além disso, o sertanejo surgiu numa época com muito mais preconceitos, com divisão sexual dos papéis sociais e que todo viado pra ser viado, tinha que ser feminino.

Masculinãm...

Até aí tudo bem, pensei com meus botões, deve ser um caso isolado, pois pouco ouvi falar de músicas homofóbicas no sertanejo, afinal, a mídia dá muito mais ênfase pro machismo e a homofobia no Funk, enquanto exaltam o sertanejo como “cultura tipicamente brasileira”, “o som do brasileiro puro”, “a voz do povo que não sabia ler”… é… não sabia ler, mas os Jesuítas nunca precisaram alfabetizar pra enfiar o Cristianismo, com seus inúmeros preconceitos, na cabeça de ninguém.

...prá garáleoãm

Só que nos últimos dias não se reclama de outra coisa além da música “Bruto, Rústico e Sistemático” de uma dessas novas duplas (que se reproduzem como baratas), chamada João Carreiro e Capataz.

Então vamos ouvir, vomitar e ver nossa menstruação descendo mais cedo, juntchêenhas?

Que coisa linda, agora “criação” é desculpa pra ser homofóbico na Grande Mídia sem ser processado? Aliás, nem precisaria ser tão discreto, com Bolsonaro chamando a presidenta do país de sapatão em Rede Nacional, sem ser preso, eles poderiam fazer apologia à violência que não teria problema algum… É “ARTE”.

Sabe o que eu acho mais engraçado? É um público que usa calças mais apertadas que as leggings das patricinhas marombeiras, blusas baby-looks mais justas que das pocket-travas da Praça dos Namorados e botas com cano mais longo que da Julia Roberts em Uma Linda Mulher. E querem falar PRA MIM que o decepcionante para os valores e bons costumes da época é homem beijando homem?

Lindo, MAS SÓ NO MURILO! Aliás, nos DOIS Murilos

Menos, gatos, bem menos, e chamem Glória Kalil, em nome de G-zuis, pra resolver esse problema. Porque eu não aguento mais passar em frente à UVV e ver aquele povo da Veterinária fantasiado de Tião da novela América, em pleno sol de meio-dia na cidade.

p.s.: Parece que é típico dessa dupla criar músicas que atacam os gays, dá uma olhada na chamada Ditado Sertanejo. Rolou até protesto por causa desse bafo todo.

Agradecimentos aos que me mandaram dicas no Facebook, esse blog não seria nada sem a ajuda das senhoras, muah ;*

Potra.

Polícia divulga imagem de suspeitos de assassinar jovem com mais de 60 facadas em Vila Velha


A polícia divulgou nesta quarta-feira (14) imagens de dois jovens suspeitos de matar um rapaz com requintes de crueldade em Vila Velha.  A gravação mostra os dois rapazes sem camisa conversando com uma mulher na orla da praia. Desconfiados, eles olhavam para os lados, falaram alguma coisa e saíram. Minutos depois, a câmera flagrou os dois indo embora com um terceiro rapaz que usava camisa azul e carregava uma mochila.  Wiris Delfino Vitoriano foi morto momentos depois.

O delegado quer chegar à identidade dos suspeitos. “Nos obtivemos imagens das câmeras de segurança da Prefeitura de Vila Velha cerca de uma hora antes do crime na orla. É possível verificar que o Wiris saiu da orla acompanhado de dois elementos. Um estava sem camisa e com uma mochila nas costas e, o outro, sem camisa e com uma bermuda xadrez. Nós acreditamos que essas pessoas podem ter envolvimento com o crime ou possam ter alguma informação para passar. Pedimos encarecidamente à população que, caso conheçam essas pessoas, liguem para o 181 e informem quem são e onde podem ser localizadas para que possamos concluir essa investigação”, disse o delegado Marcus Vinícius de Souza.

A crueldade do crime chamou a atenção da policia, que acredita que os suspeitos podem ter participação em outros crimes. “Ele apresentava cerca de 68 perfurações feitas por arma branca. Várias nas costas, na região abdominal e na cabeça. Não descartamos a possibilidade dessas pessoas terem envolvimento em outros crimes no município, mas só conseguiremos obter essas informações mediante a oitiva dos mesmos ou mediante informações passadas pela população pelo 181”, afirmou Souza.

DIVULGUEM E DENUNCIEM! ~181~