Fervida eu?


Sábado eu fiquei dodói (bobagem, dor de garganta e cabeça) e por esse motivo fiquei em casa. Daí fiquei no msn conversando fiado com a geral. Qual foi o comentário unânime que iniciavam todas as conversas: “Você, Dé, em casa no sábado?”. Olha duas delas:

Fiquei chocado e comecei a imaginar qual era  imagem que as bees tem de mim. Ta certo que eu sou alguém an noite capixaba e tal… ALOKA! Gente, mas sério, eu sou tão careta, ouço Chico Buarque, leio Nietzsche, escrevo um blog… Sou uó!

Sobre cobranças e as ditas brigas com a Move


Existe uma necessidade de babado, fuxico e confusão nesse blog que eu certamente nunca entenderei na totalidade. Aqui coisas ditas para tirar uma graça, ou tentar fazer humor, são encaradas de maneira que fogem ao nosso controle. E não fugimos a nossa responsabilidade pelo fato de somente moderar comentários contendo coisas de mal gosto. Deixamos passar muita coisa tosca!
Agora querem criar uma briga entre o blog e a Move. Briga que sinceramente não acredito que exista, e que afirmo existir apenas uma diferença e que de certa forma, nós do Babado Certo, não podemos vive-la em sua totalidade,  porque temos leitores que adoram a boate e vão querer saber a programação e assuntos ligados ao funcionamento da casa. Não somos idiotas de ignorar isso!
Pessoalmente, não escrevia sobre a Move desde o momento que parei de frequentar casa e isso tem alguns meses. Desde esse momento não escrevi, pelos motivos óbvios – Não vou inventar coisas sobre a casa ou escrever as coisas que me falam. O motivo que me afastou da boate não foi a falta de atenção ou respeito dos promoters, e sim problemas pessoais, que me fazem abaixar a minha cabeça e assumir a minha culpa. Mas, como de Lindsay Lohan e Britney todo mundo tem um pouco, após a vergonha de discutir com seguranças e ser convidado a me retirar(não sem barulho!rs), voltaria a boate sem problemas. A questão é que não estava saindo para lugar nenhum, e por questões pessoais não queria frequentar lugares com muita gente e sinceramente nem tinha muita vontade física. Desde esse episódio na Move, a única festa que fui foi a Closer! Pronto: Esse caso por mim foi esquecido meses atrás, mesmo porque a culpa foi minha e não voltei na casa pela vergonha que tenho na minha cara nada maquiada!

O que acontece agora em relação a Move, e a informação que tive de um Promoter, no dia que retornei a casa, que disse que a casa estava chateada com o blog, pelos comentários que rolam aqui e pela forma que divulgamos o e-mail em que ofereciam entradas VIP para a festa de reinauguração, e que o Dé para fazer graça ( a graça que digo não ser entendida as vezes!) postou nos comentários. E disse ainda que a boate não dependia de nossa divulgação. Claro que isso é a visão de um promoter, e mesmo que o assunto tenha sido debatido na casa, ainda tem a forma dele de colocar os fatos e a minha forma de receber a mensagem!
Como essa informação me chegou aos ouvidos no fim de uma péssima sexta-feira, em que perdi dos meus poucos reais ao meu cartãozinho MasterCard Internacional (Caixa Fácil, do pagamento do estágio,rs) , nem dei muita atenção. Mas, no meio da semana passei uma msg para o Dé, informando que não precisava se preocupar em divulgar os eventos da Move, e depois comentei por alto a conversa com o Promoter. Daí, o resto vocês podem imaginar né! O Dé ia postar a programação da semana, e não podia ignorar a Move, e resolveu deixar uma alfinetada.
O resto é comentários, histórias, o privado que vira público e todas essas coisas que geralmente acontecem na internet.
Estamos abertos a conversar com os promoters da Move e desfazer esses desentendimentos. E isso não quer dizer que queremos ser amigos e puxar saco, apenas reconhecemos que muitos dos nossos leitores adoram e frequentam a buatchy, assim como esperamos da Move o reconhecimento que somos um canal de informação LGBT no estado, e mesmo que não sejamos ligados aos grandes postais da internet, soubemos definir nosso público e gostamos do que fazemos e que o Babado aqui é Certo.

Obs: Diferente dos comentários que recebemos no blog, pelo menos comigo a Synthia sempre foi uma gracinha, o Gustavo conheço desde que éramos pirralhos  , e a Cacaw sempre foi muito gente boa no MSN e na divulgação, o resto não conheço mesmo! A época que batia cartão todo fim de semana eram os outros meninos!
Obs2: Pode parecer que estou puxando saco da Move, mas tenho uma história com a buatchy e acredito que muitos me entendam, quando falo do apego aos lugares que tiveram importância nos períodos de medo e dúvidas. Lembram da sensação de ser livre em um lugar que ninguém te olha diferente!?
Se você leu isso tudo…Você realmente acompanha essa briguinha né! Por isso adoramos vocês! E sobre o meu cartão, acho que perdi na Rua da Lama, mas, já transferi o pagamento para o Banco do Brasil!rs

O caso da camisinha usada perdida


Ai, nada melhor que uma noite ardente de sexo, né?! Você acorda linda, revigorada, com a pele e o cabelo belíssimos… Entretanto, uma noite dessas deixam resquícios e o principal deles é a camisinha usada, é claro. Dia desses eu estava na casa do bophe. Ele:

“Não esqueça de jogar fora a camisinha, se minha mãe ver vai dar mor merda!”

Sempre que termino de usar a camisinha dou aquele nozinho básico e recoloco-a dentro da embalagem. O fato foi que me arrumei para sair, coloquei a camisinha no bolso para que jogasse fora e esqueci. Tenho esse hábito de colocar as coisas no bolso e esquecê-las.

1567D2_4Peguei meu bom e velho transcolzão de guerra com meu cartão vale transporte para ir ao trabalho (é a vida de proletário, né?!). Depois de usá-lo, coloquei-o dentro do mesmo bolso da camisinha e esqueci também. Cheguei ao trabalho e o tempo passou. Fiz a arte de um material e fui mostrar a minha chefe. Estávamos os dois em pé analisando o trabalhando e comentando (ela criticando e eu defendendo, sou ótima nisso, sou beesha truqueira!). Nessa hora, distraído, pus a mão no bolso, senti o cartão e puxei-o para ver. O que aconteceu? Isso: a camisinha veio junto e caiu no chão.

Pânico. Olhei para minha chefe e percebi que ela não havia visto. Olhei para o chão e estava lá a embalagem de camisinha e um pedaço dela e do seu conteúdo interno para fora. Entreti minha chefe fazendo uma pergunta vazia do tipo “o que você acha se jogássemos um roxo aqui?”. Enquanto ela reavaliava e tal dei um chute e empurrei a coisa toda para perto do CPU do computador embaixo da mesa, de forma que  ela só veria se inclinasse um pouco. Adiantei o papo concordando com tudo que ela dizia. Foi se afastando. Eu: “Quer café? Eu pego?”. Depois da afirmativa, ela se virou e eu mais rápido que o vento abaixei catei o troço e coloquei-o de novo no bolso. Fiquei com palpitações por horas. E o pior foi que uns dois dias depois lembrei de ter colocado a calça para lavar sem ter tirado do bolso. Quando fui ver ela – a calça – já estava lavada e sem nada dentro. Será que minha mãe viu?!

Bege…BEGEPAÇOKINHA


Em meio ao politicamente correto e cafonice que permeia a linguagem no Brasil, sabemos que  cabe a nós, beeshas lindas que somos, as tiradas e gírias mais usadas e queridas. Da dita mortadela, as mais finas e carudas, a nossa linguagem é um prato cheio para amigos, colegas e família. Não é mesmo Dé!?

A Turma da Mônica Jovem é babado meu bem!

A Turma da Mônica Jovem é babado meu bem!

Aqui em casa tenho que dividir metade dos bordões com a minha mãe e irmão, que sempre assimilam frases, que às vezes me pergunto: Oh Pai, onde essas pessoas ouviram isso?
Expressões como “uó”, “tá boa”, “sua loka”, são usadas com a naturalidade de um “bom dia”. Só me assusto quando a minha mãe me usa de escada para coisas do tipo: – Acorda Alice, (alguma observação me colocando na realidade)!

No Babado Certo, reproduzimos nossa linguagem e somos canal para o surgimento de novas “gírias”. Mas como no processo da linguagem o significado de um signo só acorre mediante aceitação social… peço sua atenção:begepaçokinha

blog_12_06_pacocaDicas de uso:

Sobre crise no Senado: Fico BEGEPAÇOKINHA com toda essa história do Sarney!

Sobre a nova gripe: Tô BEGEPAÇOKINHA com essa cobertura construída pela mídia!

Na faculdade:  “A ética, para Foucault, é a possibilidade de apontar o sujeito que constitui à si próprio como sujeito das práticas sociais…” Fico BEGEPAÇOKINHA com Foucault!

Na buatchy: Ficando BEGEPAÇOKINHA do meu edi com esses bofes!

E você, alguma pérola para enriquecer nosso vocabulário?

Agradecimento ao nosso amigo Lucifer, por ser fonte de informação e conhecimento!bjs

Podcast: Babado Certo no BlogcampES 2009


Como esse blog é uma mãe, gravamos e postamos nosso bate-papo do sábado de manhã lá no BlogCampES 2009. Foi loosho, foi glamouroso… E o babado foi certíssimo! Ouçam:

Depois comento mais. Desde já, beijo para Thalles, para Dani, para Tâmara e, especialmente, para Ju do Cut Club.