A Homossexualidade e a Bíblia


Um dos assuntos mais delicados e que está geralmente intimamente ligado a  por a homossexualidade  como algo moralmente errado se diz respeito a religião, que no caso cristão está ligada às chamadas escrituras sagradas, ou seja, a Bíblia. O tema religião + culpa + homofobia é tão significativo e ronda de tal maneira às relações homoeróticas que já foram diversas vezes debatidas aqui mesmo no Babado Certo.

Está publicado no YouTube um excelente documentário americano, legendado em português, que vem desvendando todas as questões ligadas as passagens bíblicas e a homossexualdiade. Quem se interessa pelo assunto não pode deixar de assistir:

Segue aqui a parte 2 e a parte 3.

Culpa cristã e homossexualidade


Hoje é feriado cristão e todos sabem o que penso sobre a relação religião e homossexualidade. Nada mais desperta a culpa cristã nas beeshinhas do que datas assim. “Será que eu vou a buatchy?” “Será que posso pegar o bofe?” Dúvidas, dúvidas e dúvidas. Doutrina é doutrina, cada um crê naquilo que melhor lhe convem e cabe a nós só respeitar, néam?

Eu que sou Nietzschiano, fico com ele sempre:

“Esse quebrar-se a si mesmo, esse zombar da própria natureza (…), no qual as religiões deram tanta importância, é na verdade um altíssimo grau de vaidade. Toda a moral do Sermão da Montanha faz parte disso: o ser humano tem verdadeiro prazer em violentar-se com exigências exageradas, e depois endeusarem sua alma com esse Algo tirânico e exigente. Em toda moral ascética o ser humano reza para uma parte de si mesmo como um Deus,  e por isso necessariamente tem de demonizar a outra parte (…)”. Humano, demasiado humano. Nietzsche.

Isso hoje em dia. Quando eu era cristão (acho que todo mundo que é católico demais é gay!) eu sufria, menina, eu sufria! Eu e meu ex também. Lembro uma vez que a gente estava lá no bem bom, naquela posição papai-e-papai, quando o escapulário dele se soltou e ficou balançando entre nós, bem entre nossos rostos. Nos olhamos meio assustados. O que ele fez? Ele tirou o escapulário e nós continuamos de onde paramos. Isso quando não virávamos todos os santos do quarto de costas (já reparam como eles tem um olhar acusador e recriminador?).

Para quem curte esse assunto sugiro o blog do Sérgio Viula aquele ex-ex-gay.