Hmmmmm, que delícia!


Sabe quando alguém quer te dar um coió e quando você já não tem nada a perder pode dar aquela resposta a altura e colocar a pessoa no lugar dela? Então, assistam a essa delícia de resposta dada a queima-roupa por um calouro do programa X-Factor a cantora Demi Lovato:

Ui! Ai, meu rim!

E como lidar com a Britney vestindo a carapuça?! rs

Kooriosidades – Na Cama com Max [Tema:Timidez]


Mais uma edição da amada coluna de diquinhas da Max. A quantidade de e-mails continua enorme e eu tô fazendo o possível para responder a todos. Mesmo que eu não poste aqui, tento dar uma atenção especial a todos respondendo pelo menos o e-mail.

Então, mais uma vez, se você ainda não foi respondido não pense que a Max te ignorou, não é isso, tenha um pouquinho de paciência que assim que chegar a sua hora, responderei. Tá?

Vamos ao e-mail de hoje:

Bem tímida

Todos temos medo da rejeição, entretanto, os héteros sempre tiveram uma relação muito mais tranquila com ela. Afinal, desde pequenininhos os pais ensinam que os meninos nunca vão conseguir uma menina com facilidade, pois elas são criadas para esconderem a vagina até que um rapaz dê um prêmio bom o suficiente para merecê-la.

Claro que com a modernidade e a igualdade cada vez maior entre a sexualidade do homem e da mulher, essas mulheres finalmente começaram a quebrar as amarras do machismo e hoje têm mais tranquilidade ao fazer sexo pela simples vontade de sentir prazer, como os homens sempre fizeram.

Mas e os gays? Nós gays temos um medo muito maior da rejeição, somos rejeitados na escola, no trabalho, na família, na vida social no geral, e isso gera pessoas depressivas, com baixa auto-estima ou com fixação pela perfeição. Basta observar o post da Síndrome de Betty, a feia.

Diante disso, é de se esperar que quando o gay não encontra aceitação no único lugar no qual ele deveria encontrá-la (meio GLS), passe a ter medo de chegar em outros rapazes, porque nesse caso um “não” tem muito mais poder de magoar que o não com o qual os héteros estão acostumados a lidar.

Como é hábito eu falar do meu exemplo nos posts do Kooriosidades, não vou deixar de falar nesse: Não sei por qual motivo o rapaz do e-mail disse que eu não tenho que me esforçar quando quero ficar com alguém, mas ele realmente está certo. E isso não é devido a minha beleza divinal ou aos meus olhos de Lince-da-montanha, capazes de seduzir qualquer homem, tal qual as sereias da Mitologia Grega (hahahaha).

Vocês acharam que fosse? Não é! Diversas vezes que algum rapaz chegou em mim já ouvi a expressão “Você tem cara de não”, e essa “cara de não” (ou “de toco”) muitos gays têm, talvez por uma questão de proteção, de medo de dar margem para que outras pessoas pensem que você está dando em cima (mesmo de longe), ser rejeitado e ainda ser o assunto do grupinho de bee’s sentadas em volta do rapaz que pensou isso de você.

Sabendo disso, a minha saída, e a saída que eu vou dar para todos os tímidos que lêem o blog, é o bom-humor. Sim! A última coisa que você tem que fazer durante uma paquera e se sentir a Elvira e esfregar seus peitões na cara do boy. Deixando claro que o quer, as possibilidades de trauma depois da rejeição são muito maiores.

Um conhecido meu, por exemplo, quando queria alguém na Ufes, lambia a colher do R.U. olhando pro boy que nem essa racha aqui embaixo:

Obviamente ela não pegava ninguém além dos guardinhas à noite.

Tô te querendo, como eu te quero.

O ideal é que você converse com a pessoa como quem não quer nada, sente perto dela, faça um comentário engraçado sobre as pessoas da festa e espere o feedback. Quando alguém quiser ficar com você ele vai demonstrar com o olhar, mesmo que não diga, a gente SABE diferenciar um olhar de “Sai daqui, satanás!” e um olhar de “Me rasga em cima dessa mesa!”.

No final das contas, se a pessoa não retribuir é porque ela não te quer e você não vai precisar ouvir um não para descobrir.

Mas isso só vale pras passivas, néam? Porque ativo hoje em dia basta fazer pirocóptero com a neca na pista que sai de lá com um viado pregado em cada perna, tipo um Bóson de Higgs.

Tá com um dilema de natureza sexual, social ou médica? Mande sua dúvida para max_babadocerto@hotmail.com, e a Max consultará os universitários para tentar resolver o seu problema.

A neca do vizinho é sempre mais grossa…


Quem nunca namorou e percebeu que parece que o mundo inteiro quer te passar a peeca? É, façam um comparativo. Por mais que você seja uma prostiputa que pega um boy diferente cada dia da semana, é só namorar pra começar a chover ainda mais pinto na sua horta, tanto pinto, mas tanto pinto, que se você dormir de janela aberta acorda com o edi mais largo que a Linha do Equador.

Mas por que isso? Por que será que nós somos mais cobiçados quando estamos namorando?

A resposta está, mais uma vez, na linda da Biologia: Apesar de nós sermos inteligentonas, racionais e dominadorãns do ambiente terrestre, ainda carregamos características comportamentais dos primatas, uma delas é a tal Seleção Sexual. Quem nunca observou que todo mundo tem um “tipo” de homem que gosta mais? Tem aquelas que curtem os magros, outras os ursos, as bombadas… e até aquelas que comem o que tem pra hoje.

Selecionando sexualmente os boys

No fundo no fundo vocês não fazem ideia do porquê gostam mais desse tipo, só sabem que gostam, não é mesmo? Isso daí já são resquícios da Seleção Sexual se manifestando, na qual a sua vivência determina quais características são ideais para o seu parceiro.

E sobre a bee que tá namorando e, por isso, parece ter se tornado infinitamente mais interessante? Muito simples, quando essas mesmas macacas nascem já existe um macho que domina o bando. Ele é quem tem o direito de copular com todas as fêmeas, por ter os melhores genes, e é aquele macho que ela deseja.

Bolada nas coshtas

O mesmo acontece conosco, mas meio defeituoso, porque existe a questão da Psicologia falar sobre o famoso complexo da “grama do vizinho” (nesse caso sou obrigada a deitar pra vocês, Humanas). Parece que ver um macho ou fêmea com outro parceiro, nos dá a impressão de que ele já foi selecionado sexualmente, por estar com um parceiro, tornando-se um candidato também para nós, e dando um motivo para brigarmos por ele… por isso que tentar roubar o marido da outra não é de todo mal-caratismo, hahahaha.

Em mim os hormônios não agiram, queridãm

Lembrando que como somos gays, os papéis sexuais na busca por um parceiro muitas vezes se confundem, você vai ver também sapatão agindo como macho, ou seja, cortejando e buscando parceira, e gays agindo como fêmeas, selecionando o parceiro que chega.

Mas isso não é uma questão de masculinização/feminilização, apenas uma questão de “público alvo”, se o seu corpo sabe que você gosta de mulher, o seu comportamento de corte vai tender a se modificar para atrair mulher, o local e o quanto de hormônio sexual age em cada parte do cérebro dão as características comportamentais tipicamente masculinas ou femininas na hora do cruzo.

Dica do leitor