Um ponto para o time das VIADAAAAAAS!!!


Babado!!! Não tem aqueles pregadores evangélicos inconvenientes que vem prometendo o inferno a todos que estão dentro dos transportes coletivos e que transformam qualquer viagem em um verdadeiro purgatório, pregando o ódio e a homofobia?! Então, bee, uma gata nova-iorquina não deixou barato e grudou no pastor no subway de lá e disse umas boas verdades para ele. E é aplaudidíssima.

Se delicie:

Eu gosto daquela parte em que o falso profeta diz: “Homem gay não. Você é uma bicha. Se eu não fosse pastor e visse você, e não sendo da igreja, eu pegaria minha escopeta”. E a bee responde: “Não, essa não é a era do ódio. Jesus me ama. Jesus me ama”. Fiquei esperando depois disso começar a tocar “Born This Way” e todos no metrô fazerem a coreografia, num flashmob de gozo amor e alegria em que todos iam terminar abraçado. Algo assim:

Um sonho.

Via Pragmatismo Político.

Depoimento de Miss Linda no Cineclube Diversidade


Ontem teve, lá no Museu do Negro, um evento super legal envolvendo cultura LGBT e a exibição do filme “Morrer como Homem”.

Eu confesso que prometi ir, mas não apareci porque acordei cedíssimo para fazer uma prova de Paleontologia e dormi como uma pedra quando cheguei da Ufes.

Imagino que tenha sido lindo, como tudo que os grupos LGBT’s fazem nesse estado. Agora, cata o depoimento que a Miss Linda deu durante o evento, um tapa na minha e na sua cara:

[youtube https://www.youtube.com/watch?feature=player_detailpage&v=ivJHB2OATps]

Receber um puxão de orelha de quem viveu a história da Cena Gay capixaba o suficiente para analisar, é tipo um sinal divino de que NÓS PRECISAMOS MUDAR a maneira que tratamos uns aos outros.

Isso porque sem unidade não há luta, é necessário deixar de lado esse egocentrismo que desenvolvemos para nos proteger da homofobia, pelo menos enquanto estivermos brigando pelos mesmos ideais.

Sentiram o impacto da mensagem de Miss Linda? Espero que sim.

0SLICO

Agora, esse papo de que a Eros vai voltar eu ouço desde quando entrei no blog

“SENAS” da noite capixaba #18


“Nem falo nada, tô com a boca ocupada”

Bocas malditas dão conta de que em um banheirão de um grande terminal rodoviário da Grande Vitória, na hora do rush, está simplesmente impossível utilizar-se dos banheiros para fazer suas necessidade fisiológicas cotidianas.

O fato é que as guei tomaram conta de tal forma do espaço que não há UM mictório nem UM reservado livres.

E quem reclama nem são os héteros não, mas as próprias beeshas. Segundo elas, o negócio está tão lotado que ninguém faz nada. Elas ficam lá tudo uma olhando pra cara da outra esperando alguém desaqüendar pra elas poderem curtir, se é que você me entende, E NADA! É o famoso “não trepa nem sai de cima”.

Isso até elas tomarem um baculejo, néam?

Para Mildo (não que ele faça banheirão, ele estava com saudades do “senas”).

Ai, como você é infantil, tchytchya Madge!


Madonna mostrando todo seu ressentimento e querendo criar polemicazinha reavivando baphos do passado. Lembram que quando foi lançado o hit “Born This Way“, da Gaga houve uma acusação de que seria plágio de Express Youself, da Madge e um monte de gente ficou com mimi comparando as duas e tudo mais?

Pois enfiem comigo o dedo em seus cus e rasguem com essa:

Na noite de domingo (27), caíram na web vídeos de um ensaio feito em Tel Aviv, Israel, cidade que vai receber a primeira apresentação da turnê MDNA, no dia 31 de maio.

Nas imagens, Madonna faz a introdução da clássica Express Yourself e emenda o refrão do hit de Lady Gaga, Born This Way, que soa como uma bela provocação. Para deixar sua intenção ainda mais clara, a Rainha do Pop completa o medley com o refrão deShe’s Not Me, do álbum Hard Candy, em que fala de mulheres que nunca serão iguais a ela. (FONTE)

Não acredita? Cata:

“VOGUE!”

Posso falar? Apesar de achar a atitude besta, eu amei a música. Espero que não seja só pra criar polêmica e ela realmente a inclua no show.

Pronto, Team Madge e Team Little Monsters já podem começar a sair na mão de novo. 1, 2, 3 e… JÁ!

Coió hétero na literatura


Este post é pra quem gosta de literatura. Se você não gosta, para por aqui e vá ver isso que você ganha mais.

Vivo uma relação de amor e ódio antiga com o escritor Rubem Fonseca. Há vários livros dele que são tão heteronormativos e machistas, com personagens com pensamentos misógenos e homofóbicos que me dá um ódio, que olha…! Porém, misteriosamente não consigo parar de lê-lo, uma coisa meio mulher de malandro literário. Mas ele está conseguindo ganhar meu coração novamente. Agora estamos numa fase boa, nos amando.

Estou lendo o seu ‘Bufo & Spallanzani’, um pastiche do gênero policial com um certo caráter metalingüístico, onde várias histórias de mistério se entrelaçam, se misturam… fora que há reflexões sobre o fazer literário muito interessantes (leia mais sobre bem aqui).

Antes que você me diga: “Meu cu, Dé, o que isso tem a ver com esse  blog de viadices?” eu respondo. Na verdade, não tem muito não. Mas tem um diálogo que eu achei ótimo, um coío que o personagem principal, que é um machão hétero comedor convicto, dá num outro cafuçú quando este faz um comentário ignorante sobre homossexualidade:

Não é demais? Se der, leiam o livro que é muito bom.

E vocês estão lendo o quê?

P.S.: Repararam que o livro está marcado, né? Antes de me recriminarem saibam que o livro é MEU. Jamais façam algo parecido em peças de acervos públicos, ok?